23.5.06

JETBLUE AIRWAYS


Ela é a “queridinha” dos executivos americanos. Seu atendimento é considerado impecável. Seus aviões são modernos, confortáveis e oferecem excelente entretenimento a bordo. Voar em seus aviões é como estar em um lindo céu azul. Essa é a JETBLUE AIRWAYS, companhia aérea preferida da classe média e dos executivos americanos, que se transformou em uma vedete do setor. 

A história 
A história da vedete da viação mundial começou em 1993 quando a Southwest Airlines se interessou pela Morris Air, empresa de voos charter de David Neeleman, um brasileiro filho de missionários mórmons radicado nos Estados Unidos. E ele nem pensou duas vezes: embolsou US$ 130 milhões com a venda. Com tempo livre, se dedicou a outro projeto: o desenvolvimento de um sistema de venda de bilhetes pela internet. O sistema Open Skies foi um sucesso e, em 1999, David o repassou para a HP, por impressionantes US$ 150 milhões. Foi então que começou a projetar e desenvolver o que seria a JETBLUE AIRWAYS. E conquistou aliados de peso para o projeto: o investidor George Soros e o poderoso banco JP Morgan. Baseada no tripé, estrutura enxuta, tecnologia e preço, a nova companhia aérea escolheu operar somente com aviões Airbus, renegando os americanos da Boeing, em virtude das aeronaves europeias apresentarem menor custo de manutenção e mais economia de combustível.


A empresa começou a operar no dia 11 de fevereiro de 2000, precisamente ás 8:55h quando o primeiro avião decolou do aeroporto JFK, em Nova York, em direção a ensolarada Fort Lauderdale na Flórida. O preço da passagem era míseros US$ 79. Ainda neste ano a empresa começou a voar para as cidades de Orlando, Buffalo, Tampa, Rochester, Oakland, San Francisco, Salt Lake City, West Palm Beach e Fort Myers. Com pouco mais de um ano de vida já tinha transportado mais de 2 milhões de passageiros. A empresa decolou do zero à fama com velocidade inédita. Os voos saíam lotados, e em um ano terrível para a aviação americana, quando gigantes como a American Airlines e a United perdiam mais de US$ 10 milhões ao dia, a JETBLUE AIRWAYS dava lucro. O sucesso inicial estava garantido.


No final de 2001 a JETBLUE AIRWAYS recebia seu Airbus de número vinte, e em março de 2002 rompia a barreira dos 5 milhões de passageiros transportados. Era um crescimento e tanto para uma jovem companhia aérea. Poucos dias depois, começou a voar para a cidade de San Juan em Porto Rico. O primeiro destino internacional seria adicionado em sua malha no dia 10 de junho de 2004 com um voo da cidade de Nova York para a República Dominicana. À vontade e velocidade de crescimento da companhia aérea parecia não ter mais fim, cada ano mais e mais destinos e rotas eram oferecidos, causando um enorme pânico na concorrência. Porém, a luz vermelha começou a acender em 2005 quando a companhia aérea registrou os primeiros prejuízos, sustentando a tese dos especialistas que seu crescimento era insustentável. Dois anos depois, a companhia aérea voltou a dar pequenos lucros, sinal promissor de uma recuperação.


No dia 22 de outubro de 2008 a JETBLUE AIRWAYS recebeu seus primeiros passageiros no T5 (Terminal 5), novo terminal da companhia construído no aeroporto nova-iorquino JFK (John F. Kennedy). A partir desta data, todas as decolagens da empresa no aeroporto operariam desde o T5, um dos primeiros terminais completamente projetados e construídos nos Estados Unidos após os atentados de 11 de setembro. O T5, com 635.000m² e 26 portões, é focado na eficiência e conforto dos clientes, e foi projetado para acomodar até 20 milhões de passageiros por ano e até 250 partidas diárias. No terminal, há duas áreas de check-in, com um total de 65 guichês de e-ticket e 40 check-in tradicionais, 20 restaurantes e 25 lojas. Além disso, possuí a maior área de controle de segurança nos Estados Unidos, com 20 postos de controle de bagagem.


Em 2009, a companhia aérea inaugurou seus primeiros voos para a América Central (com destino a San José na Costa Rica) e para a América do Sul (para Bogotá na Colômbia). Nos anos seguintes a companhia aérea fortaleceu sua presença na região de Nova York, Boston e no estado da Flórida, além de expandir suas operações para outros países da América do Sul, América Central e Caribe. O resultado dessa expansão foi a conquista de quase 30 milhões de clientes por ano.


A JETBLUE AIRWAYS foi pioneira em tudo aquilo que caracteriza as companhias aéreas de seu segmento. Não serve nada perecível a bordo, o que diminui o tempo de permanência no solo para repor a comida e dispensa o uso de pesados equipamentos de conservação. Com isso, chega a eliminar 500 quilos da aeronave. Esse é outro fator de economia. A companhia também adotou a manutenção faseada dos aviões. É aquela feita diariamente, antes do primeiro voo. O processo evita a paralisação dos jatos durante cinco dias, como é de praxe na manutenção tradicional. Além disso, compras de passagem podem ser feitas pela internet. A JETBLUE AIRWAYS enterrou os bilhetes aéreos. Também foi a primeira a disponibilizar televisão ao vivo em cada assento de suas aeronaves, oferecendo a programação DirecTV, além de 100 canais de rádio via satélite e sistema pay-per-view para filmes. E foi a primeira a instalar câmeras de segurança dentro de todos os seus aviões. Outra inovação introduzida pela empresa surgiu depois que pesquisas de mercado apontaram que os clientes queriam ter assentos mais confortáveis nas aeronaves, e que os tecidos comumente usados ficavam com aspecto sujo ao longo do tempo. A JETBLUE, então, apelou ao couro azul. As poltronas se transformaram em um símbolo da companhia aérea. A seu modo, foi com esses diferenciais que o brasileiro David Neeleman transformou a JETBLUE AIRWAYS na sensação da aviação americana.


A linha do tempo 
2000 
Lançamento em abril da TV ao vivo (via satélite) em toda as aeronaves Airbus A320. 
2001 
Em novembro anuncia a instalação de portas à prova de bala nas cabines de comando em todas as suas aeronaves. 
2002 
Lançamento do programa de fidelidade chamado TrueBlue
2004 
Lançamento do serviço de check-in online. 
2005 
Através de uma parceria com a American Express lança um cartão de crédito. 
Torna-se a primeira companhia aérea do mundo a voar com os modernos aviões Embraer 190, aeronave com capacidade para 100 passageiros. Fez, de uma vez só, a maior encomenda de aviões da história da Embraer: 101 aviões Embraer 190, com opção de compra para mais 100 unidades. 
2006 
Começa à servir em todos os seus voos cafés da marca Dunkin Donuts. 
2007 
Os passageiros da JETBLUE AIRWAYS começam a ouvir um novo anúncio dos comissários de bordo: conexão autorizada a partir de agora. É o lançamento do acesso à internet em seus aviões. 
2008 
Filmes dos seis maiores estúdios de Hollywood passam a estar disponíveis no sistema de entretenimento de bordo da companhia aérea. 
Introdução das poltronas Even More Legroom (ainda mais espaço para as pernas), que proporcionam um espaço extra de 10 centímetros para as pernas. Atualmente conhecidas como Even More Space, essas poltronas estão disponíveis em quase todos os voos da companhia, mediante um pagamento extra. 
Inicia a rota para a ilha caribenha de St. Maarten. 
2009 
No mês de janeiro passa a voar para Bogotá na Colômbia, primeira cidade sul-americana servida pela companhia. Além disso, San José na Costa Rica passa a ser o primeiro destino da JETBLUE na América Central. 
Inicia a rota para as ilhas de Barbados e Saint Lucia no Caribe, além de Kingston na Jamaica. 
2010 
Passou à vender snacks em seus voos com duração superior a 3 horas e 45 minutos. São cinco opções por US$ 6 (cada). 
2011 
Início dos voos para as ilhas de Turks & Caicos no Caribe.


A frota 
Atualmente a JETBLUE AIRWAYS têm uma moderna e jovem frota de 191 aviões, formada por modelos Airbus A320 (com capacidade para 150 passageiros), Airbus 321 (com capacidade para 190 passageiros) e Embraer 190 (com capacidade para 100 passageiros), com idade média de 6.7 anos. Quase todas as suas aeronaves possuem nomes próprios contendo a palavra Blue (azul) como: Absolute Blue, Big Blue Bus, Blue Suede Shoes, Whole Lotta Blue, Canyon Blue, Mi Corazon Azul, Rhapsody in Blue ou Sacre Bleu!. Os nomes estão gravados na lateral da parte frontal de cada aeronave.


A companhia aérea é conhecida pelas suas modernas pinturas nas caudas dos aviões. A companhia aérea utiliza diferentes tipos de pintura nas caudas de seus aviões, como por exemplo, a “Building Blocks”, criada pelo membro da tripulação Troy Bokosky e que foi escolhida após receber 30.000 votos em uma competição feita pela empresa. Atualmente a JETBLUE utiliza mais de 12 padrões diferentes de pintura nas caudas de seus aviões: 
● Dots (2000) 
● Harlequin (2000) 
● Stripes (2000) 
● Windowpane (2002) 
● Bubbles (2003) 
● Mosaic (2005) 
● Blueberries (2009) 
● Barcode (2010) 
● Prism (2012)


Além disso, a JETBLUE é a companhia aérea oficial do time de beisebol do Boston Red Sox, que em 2013 conquistou a World Series. Para celebrar essa parceria de sucesso, a tradicional pintura azul de um de seus aviões foi alterada para o cinza e vermelho característico do time, junto com seu emblema oficial. O voo inaugural desta aeronave aconteceu em 2012 e os passageiros foram surpreendidos com bonés e camisas oficiais da equipe em seus assentos.



A pior crise 
Em um episódio ingrato ocorrido no Dia dos Namorados americano, em 14 de fevereiro de 2007, a admirada JETBLUE AIRWAYS entrou em colapso ao ver-se impedida de voar devido a uma camada de gelo de duas polegadas que cobriu a pista do Aeroporto JFK, em Nova York, em virtude das fortes nevascas ocorridas na região. Um avião da companhia aérea tentou decolar, não conseguiu e acabou ficando 11 horas na pista - com os passageiros dentro. A decisão equivocada de tentar voar, o congelamento dos equipamentos aeroportuários de resgate e as dificuldades de comunicação com passageiros e familiares criaram o pior momento da história da empresa, referência internacional entre as companhias aéreas de baixo custo. Houve mais de mil cancelamentos e atrasos em massa. Foi preciso quase uma semana para que a companhia aérea voltasse a operar normalmente, com custo superior a US$ 30 milhões. A imagem da companhia aérea mais admirada dos Estados Unidos estaria arranhada? Sim, à ponto da JETBLUE AIRWAYS virar piada nos programas de TV. Foi então que entrou em cena a figura de David Neeleman. O executivo veio a público pedir desculpas aos passageiros. Esteve em programas populares de entrevista e postou um vídeo no YouTube. Mais importante, criou uma cartilha de direitos do consumidor, estabelecendo valores a serem pagos ao passageiro em caso de atrasos, cancelamentos e overbooking (quando a companhia vende mais passagens do que a capacidade do avião). O gerenciamento da crise por parte da empresa mostrou porque a JETBLUE AIRWAYS é a queridinha dos americanos.


Incidente famoso 
Em 21 de setembro de 2005, o voo 292 da JETBLUE AIRWAYS realizou um pouso de emergência no Aeroporto Internacional de Los Angeles seguido de uma falha no sistema do trem de pouso. Após voar em círculos por três horas para eliminar combustível e diminuir o peso da aeronave para o pouso, o avião tocou a pista 25L às 18h20, horário local. O único dano aparente sofrido pelo avião foi a explosão do pneu do trem de pouso dianteiro. Nenhum passageiro ou membro da tripulação sofreu ferimentos. O incidente ganhou enorme repercussão ao ser transmitido ao vivo durante o tempo inteiro pela televisão.


O gênio por trás da marca 
David Neeleman, 54 anos, pai de 9 filhos, fundador e principal mentor da JETBLUE AIRWAYS, é filho de missionários mórmons e nasceu no Brasil, onde morou até 7 anos de idade. Sua ligação com o Brasil começou quando seu pai, Gary, foi transferido como correspondente internacional para trabalhar em São Paulo. Gostou tanto do país que o adotou como sua segunda pátria. Em outubro de 1959, nasceu David. Foi o pai, aliás, quem encaminhou o menino para a religião mórmon. Em 1966, a família foi transferida de volta aos Estados Unidos. Voltou ao país aos 19 anos, para ser missionário no Nordeste, onde viveu por mais de dois anos.


Começou sua carreira na indústria da aviação em 1984 como co-fundador da Morris Air, uma companhia aérea de baixo custo nas imediações de Salt Lake City. O sucesso da pequena companhia despertou o interesse da Southwest Airlines. E ele não hesitou em vendê-la em 1993. Logo depois, ajudou no lançamento da WestJet, uma companhia aérea canadense de baixo custo, e continuou a desenvolver o sistema de e-ticket. Nomeou o sistema de Open Skies, que foi vendido à Hewlett-Packard em 1999. Atualmente o sistema é utilizado por mais de 80 empresas aéreas. O próximo passo foi a criação da JETBLUE AIRWAYS. Neeleman era conhecido por seu carisma. Pelo menos uma vez por semana ele vestia o uniforme da companhia e ajudava na arrumação das cabines. Jogada de marketing? Talvez. Mas Neeleman queria mostrar que na empresa todo mundo faz de tudo. No final de 2008, ele anunciou sua saída do posto de diretor do conselho da JETBLUE para se dedicar integralmente a formação da AZUL, então nova companhia aérea criada por ele para o mercado brasileiro. O ex-fundador da JETBLUE AIRWAYS é apaixonado pelo Brasil. Ao menor pretexto, quando morava nos Estados Unidos, arrumava as malas e desembarcava em São Paulo. Em New Cannan (estado de Connecticut), onde mora oficialmente, ficou famoso por promover churrascos para os compatriotas. Também fez questão de que sua mulher, Vicki, e os nove filhos tivessem cidadania brasileira.


A evolução visual 
O logotipo da marca sofreu pequenas alterações em 2009, quando passou a adotar a coloração azul-escuro, em substituição ao cinza e azul. Mais recentemente a marca iniciou a utilização do logotipo sem a palavra Airways.


Os slogans 
You Above All. (2010) 
Happy Jetting. (2008) 
You’ll Want to Fly Again.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: Fevereiro de 1998 (11 de fevereiro de 2000, primeiro voo) 
● Fundador: David Neeleman 
● Sede mundial: Long Island City, New York 
● Proprietário da marca: JetBlue Airways Corporation 
● Capital aberto: Sim (2002) 
● Chairman: Joel Peterson 
● CEO & Presidente: David Barger 
● Faturamento: US$ 4.98 bilhões (2012) 
● Lucro: US$ 128 milhões (2012) 
● Valor de mercado: US$ 2.1 bilhões (novembro/2013) 
● Frota: 191 
● Destinos: 84 
● Passageiros transportados: 28.956.000 (2012) 
● Programa de milhagem: TrueBlue 
● Hub principal: John F. Kennedy International Airport 
● Presença global: 15 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Funcionários: 15.000 
● Segmento: Aviação 
● Principais produtos: Passagens aéreas de baixo custo 
● Outros negócios: JetBlue Cargo 
● Concorrentes diretos: Southwest Airlines, Virgin America, Frontier, United, American Airlines e Delta Air Lines 
● Ícones: As poltronas 
● Slogan: You Above All. 
● Website: www.jetblue.com 

A marca no mundo 
A JETBLUE AIRWAYS, com sede no charmoso bairro do Queens em Nova York, transporta aproximadamente 30 milhões de passageiros por ano, dos quais mais de 3 milhões em voos internacionais, através de uma moderna frota de 191 aviões (Airbus A320/321 e Embraer 190), servindo 84 cidades em 24 estados americanos, incluindo 27 destinos internacionais, como Porto Rico, Costa Rica, Colômbia, México, Caribe (Bahamas, Aruba, Bermuda, Antilhas Holandesas), Jamaica e República Dominicana. As cidades com mais voos da companhia aérea são Nova York, Boston, Fort Lauderdale e Orlando. A taxa de ocupação das aeronaves chega a 83.8%, um dos maiores índices do mundo. Atualmente é a sexta maior companhia área americana, realizando mais de 750 voos diários. 

Você sabia? 
Os custos da empresa são em média 40% menores do que o das companhias aéreas rivais, o que lhe dá a condição de praticar uma das mais baixas tarifas do mercado.
Uma parte do Call Center da JET BLUE AIRWAYS é formado por aproximadamente 80 senhoras da cidade de Salt Lake City (capital do estado de Utah), que trabalham em casa. 
Um dos ícones da companhia aérea é a Terra Blue Chips (batatas fritas servidas nos aviões da empresa, que possuem a cor azul). É bom lembrar, que essas batatas originárias dos Andes possuem a cor azul naturalmente. 
Parte da companhia aérea (19%) pertence ao grupo alemão Lufthansa. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Newsweek, BusinessWeek e Isto é Dinheiro), jornais (Valor Econômico), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Mundo Marketing), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 5/11/2013

2 comentários:

ramiro disse...

David Neeleman venha logo para o Brasil com sua companhia aerea JetBlue.

Victor disse...

Viajei pela primeira vez na Azul e no Embraer 190 em 12/05 último com destino a Navegantes. Houve um atrazo motivado pela suspeita do comandante de um defeito nos freios, chamado o pessoal da manutenção houve a 2ª tentativa de decolagem, novamente sendo evitada pelo mesmo motivo, desta vez não houve dúvida, a decisão da companhia foi a de substituir a aeronave, o que demonstra a preocupação com a segurança, parabens Azul, espero que vocês tenham vida longa.

Victor