11.6.06

OSRAM


A OSRAM brilha em quase todo o mundo através de uma infinidade de lâmpadas, utilizadas na iluminação doméstica, grandes monumentos, espaços comerciais e no setor automobilístico. Por mais de um século, a marca alemã tem sido associada à excelência em iluminação, por todo o mundo, deixando a vida de milhões de pessoas muito mais clara. 

A história 
Foi com o número 86.924 que começou a história de uma das mais tradicionais marcas alemãs. Isto porque, no dia 17 de abril de 1906, o nome OSRAM foi incluído no diretório de marcas comerciais do escritório imperial de patentes sediado na cidade de Berlim. O nome foi registrado pela Deutsche Gasglühlicht-Anstalt (também conhecida como Sociedade Auer) para lâmpadas incandescentes e normais. O nome OSRAM foi criado a partir de dois materiais necessários para produzir filamentos para lâmpadas: inicialmente osmium (ósmio) e, mais tarde, wolfram (termo alemão para tungstênio). No dia 1º de julho de 1919 quando as três maiores empresas alemãs produtoras de lâmpadas, AEG, Siemens & Halske e Deutsche Gasglühlicht, resolveram unir suas operações, a nova empresa foi batizada OSRAM Werke GmbH. Como forma de representar a nova empresa foi criado um logotipo com uma lâmpada estilizada, que rapidamente se tornaria famoso.


Ainda neste ano, a OSRAM, agora uma empresa sólida, incorporou ao seu patrimônio uma mina de carvão e uma fábrica de vidro que permitiria um aumento considerável em sua produção. Registros históricos da antiga fábrica relatam que a produção atingia 100 milhões de bulbos para fabricação de lâmpadas incandescentes e 1.000 toneladas de tubos de vidro. A OSRAM iniciou suas atividades no Brasil já em 1922, apenas três anos após a sua fundação. Em 1925 a empresa ingressou em um novo segmento ao lançar as primeiras lâmpadas para faróis de automóvel, chamada BILUX, produzidas com filamento duplo para facho de longo alcance e anti-incandescente. No ano de 1936 a empresa introduziu no mercado as primeiras lâmpadas fluorescentes do mundo. Esta lâmpada econômica revolucionou a iluminação artificial em escritórios, shopping centers, ruas e locais públicos. No final da década de 1930, a OSRAM já havia estabelecido filiais em diversos países da Europa e em outros continentes. A Segunda Guerra Mundial foi devastadora para a empresa. Com pesados bombardeios em muitos países europeus, a OSRAM foi completamente prejudicada pelo conflito mundial, pois afetou diretamente suas fábricas na Alemanha. Bombardeadas e incendiadas, as fábricas tiveram seus laboratórios destruídos, incluindo inúmeros projetos e pesquisas. Além disso, para agravar ainda mais a situação, seus maquinários foram depenados e roubados. Apesar de toda essa destruição, ainda foi possível desenvolver a lâmpada a vapor de mercúrio com camada fluorescente.


Depois de se reerguer após o término do conflito, em 1949 a empresa lançou uma enorme e famosa campanha publicitária com o slogan “OSRAM bright as daylight”, representando seu foco na construção de uma nova Europa depois da Segunda Guerra Mundial. Na década de 1950, a OSRAM voltou a ocupar sua posição no mundo, reconstruindo suas fábricas e construindo novas unidades onde anteriormente não havia fabricação de lâmpadas. Foi o caso do Brasil, que até aquele momento recebia suas lâmpadas da matriz alemã. Além disso, lançou produtos inovadores, como por exemplo, em 1954, com a XBO, lâmpada que utilizava tecnologia xenônio de alta pressão, e das primeiras lâmpadas de projeção cinematográfica.


Porém a grande revolução aconteceu em 1960 quando a empresa introduziu no mercado as lâmpadas alógenas, que além de serem pequenas, possuíam alto poder de iluminação e duravam o dobro das lâmpadas comuns. No final desta década, em 1968, lançou as lâmpadas de alta intensidade. Em 1985, a OSRAM integrou, como primeiro fabricante, os reatores eletrônicos (ECG). Atualmente, as lâmpadas DULUXSTAR® duram até 8.000 horas e economizam até 80% menos de energia do que as de bulbos convencionais. No ano seguinte lançou no mercado a lâmpada GLS DULUX EL, uma fluorescente compacta, que gerava cinco vezes mais luz que uma lâmpada normal. Foi em 1990 que a OSRAM desenvolveu seu primeiro LED com superfície montável (TOPLED). Pouco depois, em 1993, adquiriu a empresa americana SYLVANIA (fundada oficialmente em 1924 e especializada em iluminação), formando assim a OSRAM SYLVANIA na América do Norte. Já em 1999, a empresa deu seus primeiros passos no segmento de semicondutores, projeto que iria dar nome a uma área própria anos mais tarde, batizada de OSRAM OPTO Semicondutores, responsável por desenvolver componentes de LED para aplicações industriais, entretenimento, setor automotivo e iluminação em geral. Nos anos seguintes a OSRAM trouxe ao mercado muitas inovações e tem contribuído de maneira expressiva para melhorar a qualidade da iluminação residencial, comercial e pública, além de proporcionar mais segurança quando o assunto é setor automobilístico.


Uma dessas novidades foi a LampLEDs OSRAM, que oferecia inúmeras opções para o uso da luz como uma luminária permanente, além de permitir a criação de uma bela ambientação. As novas lâmpadas eram ideais para quem procurava cor, ambientação e destaque de detalhes. Permitiam a iluminação decorativa da casa e jardim com a vantagem de eliminar a preocupação com os custos da energia e com a constante necessidade de troca de lâmpadas. Além disso, essas lâmpadas contribuem para a conservação do meio-ambiente. Outras inovações foram a MINISTAR, menor lâmpada halógena refletora do mundo, e linha POWERBALL HCI, uma das melhores lâmpadas cerâmicas de multivapores metálicos do mercado.


Recentemente, a empresa lançou outra grande novidade, a luminária multifuncional sem fio OSRAM DOT-it, introduzida no mercado em março de 2006, para comemorar os 100 anos da marca. A engenhosa luminária de uso geral e baseada na tecnologia LED (diodos emissores de luz), que possuía inteligentes opções de instalação como suporte adesivo, imã, anel ou velcro, tornou-se rapidamente uma sensação e um grande sucesso de vendas. Agora já existe toda uma família sob a marca DOT-it, que oferece a luz certa para todas as necessidades. Em 2013, a OSRAM anunciou o resultado dos testes de qualidade e durabilidade realizados com lâmpadas fluorescentes do modelo T8 Longlife, em Augsburg, na Alemanha. Os produtos sustentaram o nome “vida longa” e surpreenderam os pesquisadores do Departamento de Controle de Qualidade, pois três das quatro lâmpadas da primeira linha de produção do ano 2000 bateram o recorde de operação e continuam iluminando após 100 mil horas de funcionamento.


Hoje em dia, o mercado de iluminação está passando por um período de transformações tecnológicas, com os LEDs e os OLEDs – apresentando novas possibilidades em termos de eficiência, durabilidade, qualidade da luz e flexibilidade. Isso resulta em vantagens para os clientes e consumidores finais. Como especialista em iluminação, a OSRAM tem desempenhado um papel de liderança neste sentido. Por isso, há mais cem anos a empresa alemã é “apaixonada por iluminação inteligente”.


Lâmpadas automotivas 
Desde que lançou sua primeira lâmpada para automóveis a OSRAM não parou mais de inovar, introduzindo ao longo dos anos produtos de alta qualidade: 
Osram Night Breaker: oferece aproximadamente 90% mais luz na estrada, luz essa que é cerca de 10% mais branca do que as proporcionadas pelas lâmpadas convencionais. Esta lâmpada revolucionou o mercado, uma vez que associa em uma só lâmpada mais luz a um tom mais branco e mais próximo das lâmpadas de descarga XENON. 
Osram Light@day: geração de lâmpadas especiais para serem utilizadas também durante o dia. Têm uma vida mais longa do que as lâmpadas convencionais – apesar de serem utilizadas, dia e noite. 
● Osram Cool Blue: essa lâmpada branca-azulada oferece 20% mais de luminosidade comparativamente às lâmpadas comuns, permitindo maior conforto visual e consequentemente, menor cansaço provocado pela condução, contribuindo para a redução da taxa de acidentes. 
Osram Silverstar: lâmpada para faróis que proporciona até mais 50% de luz e um cone de luz 20 metros maior (aumentando o tempo de reação até quatro a cinco comprimentos de carro), em comparação com as lâmpadas comuns. Desse modo, o perigo e os obstáculos são detectados com maior antecipação e os sinais de tráfego vêm-se antes e melhor. 
Osram Super: a uma distância de 75 metros, essas lâmpadas fornecem mais 30% de iluminação comparativamente a lâmpadas convencionais.


A evolução visual 
O famoso logotipo da marca que conta com uma lâmpada (com filamentos visíveis) dentro de um círculo oval laranja começou a ser utilizado somente em 1919, se tornando um símbolo não somente de luz, como também de boas ideias e da paixão por iluminação inteligente. No decorrer dos anos passou por pequenas modificações, como em 1921, quando os filamentos foram eliminados, ou até em 1965, com a lâmpada se tornando totalmente branca. Em 2001, ocorreu uma mudança significativa: a lâmpada teve sua posição invertida.


No mercado americano, onde a marca utiliza o nome OSRAM SYLVANIA, o logotipo mantém sua estrutura, mas o nome escrito na lâmpada é Sylvania. Além disso, é utilizado o nome OSRAM SYLVANIA no lado esquerdo do logotipo.


Os slogans 
Light is OSRAM. (2013) 
See the world in a new light. (2004) 
There is light. And There are Osram. (1997) 
As bright as day. 
OSRAM bright as daylight. (1949) 
Luz é OSRAM. (Brasil)


Dados corporativos 
● Origem: Alemanha 
● Criação: 1906 
● Criador: Deutsche Gasglühlicht-Anstalt 
● Sede mundial: Munique, Alemanha 
● Proprietário da marca: OSRAM Licht AG 
● Capital aberto: Sim (2013) 
● Chairman & CEO: Wolfgang Dehen 
● Faturamento: €5.28 bilhões (2013) 
● Lucro: €27.6 milhões (2013) 
● Valor de mercado: €4.8 bilhões (março/2014) 
● Fábricas: 48 
● Presença global: 150 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 34.100 
● Segmento: Iluminação 
● Principais produtos: Lâmpadas e sistemas de iluminação 
● Concorrentes diretos: Philips, GE, Nichia, Hamamatsu e Taschibra 
● Ícones: O logotipo laranja com uma lâmpada 
● Slogan: Light is OSRAM. 
● Website: www.osram.com.br 

A marca no Brasil 
Apesar de ingressar no Brasil e 1992, com suas lâmpadas importadas da Alemanha, foi somente em 7 de maio de 1955 que a OSRAM inaugurou uma unidade industrial instalada na antiga fábrica de Porcelana RANZINI, no subúrbio de Osasco. Os trabalhos foram iniciados com cinco funcionários sob a supervisão do Sr. Pink, que um ano mais tarde foi substituído pelo Sr. Dommes, o primeiro diretor técnico da OSRAM no país. Em fevereiro de 1956, após longa viagem de navio, as primeiras máquinas para a produção de lâmpadas incandescentes chegaram ao Rio de Janeiro. E pouco depois, já estavam instaladas na fábrica de Osasco. As primeiras lâmpadas da OSRAM foram fabricadas pelos Srs. Klose e Burckhardt, que operavam as máquinas, alternadamente. Em novembro, a fabricação de lâmpadas já operava parcialmente com uma capacidade de 1.000 unidades por hora. Entretanto, devido ao fornecimento deficiente de bulbos, vidro de chumbo para tubo de vácuo e tubo para flange, bases, oxigênio e óleo diesel, ocorriam repetidas interrupções na produção. De qualquer forma, em outubro a produção já chegava a quase 50.000 lâmpadas e, em novembro, foram fabricadas 175.000 lâmpadas incandescentes de média e alta voltagem, de 15 W a 100 W. Como as máquinas trabalhavam à gás para derreter os bulbos e não havia gás de rua disponível, utilizou-se primeiro gás de botijões. Os altos custos com transportes e a falta de confiabilidade dos fornecedores, levaram a decisão de construir no terreno da unidade industrial, uma fábrica de gás própria. A capacidade das instalações era grande o suficiente para fornecer gás para uma cidade de 30.000 habitantes.
 

A produção própria de gás foi mantida até 1973, quando a empresa optou pela utilização do gás industrial. Nos anos seguintes, ampliou-se cada vez mais a linha de lâmpadas incandescentes de 150 W e 200 W, assim como lâmpadas decorativas em forma de esferas e velas. Em 1962 iniciou a fabricação de lâmpadas fluorescentes, assim como lâmpadas incandescentes com capacidade de até 1500 W. Em maio de 1970 foi dado um novo passo para um trabalho pioneiro na América Latina: a OSRAM do Brasil deu início à fundição de vidro de quartzo com cristal natural e à trefilação de tubos de descarga para lâmpadas HWL e HQL. O crescimento da indústria automobilística no Brasil significava para a OSRAM a possibilidade de ampliar sua linha de produto. Assim, em 1971, iniciou a produção de lâmpadas refletoras assimétricas BILUX AS. Pouco depois, em julho de 1973, foi dado início à fabricação de lâmpadas de freio para automóveis com filamento duplo. Para a iluminação de painéis de automóveis, assim como para outros campos de sinalização elétrica, foram colocadas no mercado as lâmpadas com base de vidro T5 e T10. Além disso, foi introduzida no mercado latino-americano, como novidade, a moderna lâmpada refletora alógena.


Em 1978 foi introduzida a DEKOLUX, uma lâmpada incandescente espelhada para fins decorativos. O ano de 1980 se tornou um marco para a OSRAM no país. Nesse ano, a lâmpada POWERSTAR HQI foi introduzida. Essa é a lâmpada com luz similar à luz do dia que ilumina os grandes estádios de futebol em todo o mundo, desde os Jogos Olímpicos de Munique, em 1972. No Brasil, grandes estádios (Maracanã, no Rio de Janeiro; Mineirão, em Belo Horizonte; Pacaembu, em São Paulo; e até o Jockey Club, em São Paulo e Rio de Janeiro; e a Passarela do Samba, no Rio de Janeiro,) foram iluminados com essas lâmpadas, cuja reprodução de cores é praticamente perfeita. No ano seguinte, a OSRAM também deu início à produção nacional da VIALOX NAV, as lâmpadas de sódio de alta pressão que se caracterizam pela grande economia na geração de luz. Foi em 1985 que se iniciou a produção de lâmpadas refletoras CONCENTRA, lâmpadas ANTINSETO e lâmpadas OPALINA. No ano seguinte, com a modernização da fabricação, foi possível iniciar a produção nacional de lâmpadas alógenas incandescentes HALOSTAR para iluminação geral, assim como as lâmpadas DULUX, que forneciam a mesma luz que as lâmpadas convencionais, com 80% de economia de energia elétrica e durabilidade até 15 vezes maior. Atualmente a OSRAM comercializa uma extensa linha de produtos, que vai desde lâmpadas de iluminação geral e descarga, passando por lâmpadas de aplicação específica, automotivas, sinalização e especiais, até a fabricação de seus próprios componentes.


A marca no mundo 
A OSRAM, que está entre as três maiores produtoras de lâmpadas e artigos de iluminação do mundo, produz mais de 5.000 tipos de lâmpadas, entre as quais aproximadamente 500 para iluminação no setor automobilístico, sinalização e sistemas de iluminação, e tem presença em mais de 150 países. A empresa possui 48 fábricas em 17 países, empregando mais de 34 mil funcionários, cujo faturamento em 2013 foi superior a €5. O setor de Iluminação Geral (que engloba de fábricas a lojas de departamentos, de minas a plataformas de petróleo, de residências a vias públicas) é o mais representativo para a OSRAM, representando 50% de seu faturamento. A empresa gera mais de 70% de sua receita com produtos energeticamente eficientes. Além disso, produtos à base de LED são responsáveis por aproximadamente 25% das vendas totais da empresa. O portfólio da empresa abrange todos os processos desde a produção lâmpadas e reatores eletrônicos, até luminárias completas, assim como sistemas de gerenciamento de luz e soluções de iluminação. 

Você sabia? 
A luz de hoje é mais do que uma simples iluminação. Um exemplo disso é o sistema Puritec UV da OSRAM, onde a água pode ser desinfetada sem o uso de produtos químicos. 
A OSRAM abrange toda a cadeia de valor do LED, de componentes, lâmpadas, luminárias, até soluções de gerenciamento da iluminação. E, com cerca de 8.000 patentes de LED, a OSRAM tem considerável influência no futuro desenvolvimento dessa tecnologia. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (BusinessWeek, Dinheiro e Época Negócios), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 28/3/2014

Um comentário:

Ticiana disse...

Olá. Obrigada pelo material, estou utilizando em uma pesquisa. Mas a entrada da Osram no Brasil seria em 1922 (ao invés de 1992)?