20.6.06

PENNZOIL


Durante décadas, famosos carros com pintura amarela dominaram as pistas das mais populares competições automobilísticas americanas. Enquanto isso, óleos e aditivos acondicionados em embalagens amarelas se tornaram os preferidos dos motoristas americanos, transformando a marca PENNZOIL em um verdadeiro ícone do segmento. 

A história 
A história da famosa e tradicional marca PENNZOIL tem suas origens no dia 27 de maio de 1889 na cidade de Oil City quando foi formada a South Penn Oil Company, uma unidade subsidiária da Standard Oil Company no estado da Pensilvânia, controlada pelo magnata do petróleo John D. Rockefeller. Com a invenção do automóvel no início do século, a empresa deu início à produção de uma pequena linha de óleo para motores. Somente em 1911, com a ordem de dissolução da Standard Oil Company pela Suprema Corte Americana, a empresa se tornaria independente. Os fundadores da nova empresa, chamada Pennsylvania Refining Company, Henry Suhr, Samuel Justus e Louis Walz investiram US$ 400 mil e começaram a produzir querosene. A marca propriamente dita surgiu somente no ano de 1916, quando foi registrada pela empresa para ser utilizada em sua linha de óleos e lubrificantes. O nome PENNZOIL era uma junção das iniciais do estado da Pennsylvania (a letra s foi trocada pelo z) com a palavra óleo em inglês (oil).


Na década de 1930 a empresa começou a investir pesado no automobilismo como patrocinadora do carro de Russell Snowberger nas tradicionais 500 Milhas de Indianápolis, começando seu grande envolvimento com as competições automobilísticas americanas. Rapidamente, a marca PENNZOIL, em virtude de suas vitórias e recordes de velocidades, se tornou extremamente popular entre os motoristas americanos. Na década seguinte se tornou a primeira marca do segmento a desenvolver óleos exclusivos para competições automobilísticas. Nas décadas de 1960 e 1970 os lubrificantes e óleos da PENNZOIL dominaram as competições automobilísticas americanas, desenvolvendo óleos especiais para motores de dois e quatro tempos. E toda essa tecnologia das pistas era transferida para os produtos vendidos aos consumidores.



A PENNZOIL que conhecemos hoje foi formada em 1963 com a união da South Penn Oil Company, Stetco Petroleum Corporation e a Zapata Offshore Oil Company, empresa texana de petróleo que tinha como fundador um jovem chamado George Bush (sim, o que viria a ser presidente do país). Em 1983 uniu forças com a tradicional escuderia Penske, conquistando a vitória nas 500 Milhas de Indianápolis com o piloto Ricky Mears em 1984. Nessa época, a PENNZOIL era líder de mercado no segmento de óleos para alto desempenho e uma das marcas mais populares do país.


Foi também nesta década, que a PENNZOIL começou a adquirir pequenas produtoras de filtros de óleo, dando início a diversificação de sua linha de produtos. No início da década de 1990 a PENNZOIL comprou a Jiffy Lube International, uma rede de centros de trocas de óleos fundada em 1971, ingressando assim no segmento de varejo. Nos anos seguintes a empresa introduziu no mercado inúmeros produtos inovadores, aumentando ainda mais sua extensa linha de óleos e lubrificantes, que utilizavam tecnologias altamente avançadas. A PENNZOIL se uniu a rival Quaker State em 1998, formando uma nova empresa com o nome de Pennzoil-Quaker State Company, tornando-se líder no mercado americano de óleos e lubrificantes automotivos, da qual controlava quase dois terços. Pouco depois, em 2002, a empresa foi comprada pela gigante holandesa Shell, que assim passou a ser proprietária das marcas PENNZOIL e Quaker State.


A marca está constantemente expandindo os limites da tecnologia para óleos de motor. Tudo para que os carros alcancem o melhor desempenho. E uma de suas mais recentes novidades, apresentada em 2014, é a tecnologia PurePlus™, que através de um processo patenteado e revolucionário converte o gás natural na forma de um óleo puro totalmente sintético, usado na linha Pennzoil Platinum®, projetada para fornecer proteção completa aos motores e manter os pistões 30% mais limpos. A marca ainda oferece as linhas PENNZOIL MARINE, composta por óleos e aditivos para motores náuticos; e a PENNZOIL OUTDOOR, para motosserras, cortadores de grama e motocicletas.


A estreita relação com o automobilismo 
A marca PENNZOIL sempre teve uma relação íntima com o automobilismo americano desde a década de 1930. Mas, sua forte exposição começou em 1979, na primeira temporada da Fórmula Indy sancionada pela CART. O piloto Al Unser, um lenda do automobilismo americano, correu com um carro da equipe Chaparral Racing #2 patrocinado pelas cores (entenda-se amarelo) da PENNZOIL. Em 1980, a equipe continuou com o patrocínio da PENNZOIL, e o piloto americano Johnny Rutherford foi o campeão daquele ano com o carro de Nº 2. No ano de 1983, a equipe mais tradicional do automobilismo norte-americano, a Penske, tinha em sua carenagem estampada a marca PENNZOIL e seu carro todo pintado de amarelo. No ano seguinte, o piloto Rick Mears venceu as 500 milhas de Indianápolis pilotando um “submarino amarelo” (como o carro ficou popularmente conhecido) patrocinado pela PENNZOIL, marca que esteve ao lado do piloto até 1990.


Na década seguinte, a marca foi patrocinar a equipe Hall Racing, onde com o piloto John Andretti, venceu a corrida inaugural australiana na história da Indy. Gil de Ferran foi o brasileiro a defender as cores da PENNZOIL na categoria. Em 1995, o piloto que depois viria a ser bicampeão da CART, realizou duas temporadas pela equipe Hall Racing, vencendo duas provas. Em 1996, com a divisão da Fórmula Indy, a PENNZOIL manteve um carro no campeonato organizado pela CART, o de Gil de Ferran, mas a empresa via nas 500 milhas de Indianápolis a sua maior ferramenta de marketing. Sendo assim, a marca também patrocinou uma equipe no campeonato organizado pela Indy Racing League (IRL). O piloto colombiano Roberto Guerrero correu pela equipe Pagan com uma pintura pouco diferente da tradicional na história da Indy.


Depois da cisão, os diretores de marketing da empresa decidiram por manter apenas o patrocínio direcionado para o campeonato que tinha em seu calendário a mítica corrida de Indianápolis. Foi então que a PENNZOIL firmou contrato com a equipe Panther e o piloto Scott Goodyear. Na virada do milênio, a equipe Panther manteve seu contrato de publicidade com a marca, e Sam Hornish Jr. foi bicampeão da categoria ostentando a marca PENNZOIL em seu carro. A marca permaneceu até o ano de 2005 na Indy Racing League patrocinando a equipe Panther. Mais recentemente voltou a categoria, patrocinando todos os pilotos da equipe Penske, incluindo o brasileiro Hélio Castroneves, que utilizam o mesmo óleo de motor de alto rendimento em seus carros, o Pennzoil Ultra Platinum™ com Tecnologia PurePlus™. Além disso, desde 2013 a PENNZOIL é a patrocinadora principal do Grand Prix of Houston, que faz parte do calendário anual da IndyCar Series. Hoje a PENNZOIL tem sua maior divulgação no automobilismo na categoria NASCAR (mais popular dos Estados Unidos) patrocinando o piloto Joey Logano.


A evolução visual 
Ao longo de sua história, a PENNZOIL modificou e modernizou seu logotipo algumas vezes, mas sempre manteve como ícone principal o tradicional sino vermelho, baseado no “Liberty Bell” (Sino da Liberdade), que se tornou o símbolo da independência dos Estados Unidos, situado na cidade da Filadélfia, estado da Pensilvânia.


Os slogans 
Not just oil, Pennzoil. 
We’re Driving Protection. 
Stop. Go. Pennzoil. (1997)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Lançamento: 1916 
● Criador: Pennsylvania Refining Company 
● Sede mundial: Houston, Texas, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: SOPUS Products Inc. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Royal Dutch Shell plc) 
● Presidente: Bruce Culpepper 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 15 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Funcionários: 5.150 
● Segmento: Automotivo 
● Principais produtos: Óleos, aditivos e filtros de óleo 
● Concorrentes diretos: Castrol, Valvoline, STP, Havoline, Mobil, Texaco e Bardahl 
● Ícones: As embalagens amarelas de seus óleos 
● Slogan: Not just oil, Pennzoil. 
● Website: www.pennzoil.com 

A marca no mundo 
Os produtos da marca PENNZOIL, que incluem uma vasta gama de óleos e lubrificantes, além de uma linha de filtros de óleo, estão presentes em toda a América do Norte, sendo também comercializados em outros países da América Latina. Por mais de 20 consecutivos anos a PENNZOIL é a marca de óleo e aditivo número 1 do imenso mercado americano com aproximadamente 22% de participação.



Você sabia? 
Por anos a tradicional sede mundial da PENNZOIL, localizada na cidade de Houston no Texas, ficou conhecida como Pennzoil Place, um enorme arranha-céu projetado pelo arquiteto Philip Johnson e inaugurado em 1975. 
Em 1987 a Texaco foi forçada a entrar em proteção legal contra falência após perder uma batalha judicial de três anos com a PENNZOIL, por causa da compra de uma terceira companhia, a Getty Oil.  


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 31/5/2017

3 comentários:

Anônimo disse...

Já existe distribuidor Pennzoil no Norte.
A empresa chama-se Starlub, é em Braga e o site é: http://www.starlub.pt

Mauro disse...

Cara show o blog Parabens descobri ao acaso pesquisando sobre a Pennzoil só por curiosidade e acabei aqui um abraço e parabens novamente

Cadu disse...

Conheci essa marca no jogo Gran turismo 2 do PlayStation one, hehe