14.6.06

WESTERN UNION


Seus principais clientes são trabalhadores que foram tentar a sorte fora de seu país de origem e precisam enviar, a familiares e amigos, parte de seus ganhos. E a WESTERN UNION está hoje no epicentro do fenômeno das remessas monetárias em um mundo cada vez mais globalizado. Afinal, onde houver um trabalhador estrangeiro, vai haver um guichê WESTERN UNION por perto, onde milhões de pessoas confiam para enviar e receber dinheiro de forma rápida e segura em todo o mundo. 

A história 
A história do WESTERN UNION começou em 1851 quando um grupo de homens de negócios liderados pelo juiz Samuel Lee Selden e Hiram Sibley, fundaram a empresa New York and Mississippi Valley Printing Telegraph Company na cidade de Rochester, estado de Nova York, com o objetivo de prestar serviços telegráficos. Em 1856, após uma fusão com as linhas de telégrafos controladas pelo empresário de Ezra Cornell (um dos fundadores da tradicional Universidade de Cornell) e de algumas aquisições de empresas de telégrafos, a empresa mudou seu nome para The Western Union Telegraph Company, simbolizando a união dessas linhas do leste com o oeste do país. Quando a Guerra Civil americana começou a comunicação com o oeste se tornou essencial. E foi a empresa que estabeleceu a primeira linha nacional de comunicação, inaugurada exatamente no dia 24 de outubro de 1861. Esta primeira linha transcontinental de telégrafo fazia a comunicação da costa do Pacífico com a do Atlântico. Pouco depois, em 1865, fundou a companhia Telégrafo Russo Americano, em uma tentativa de unir a América com a Europa. Essa linha passava pelo Alasca, Sibéria e finalmente chegava a Moscou.


Logo após o término da guerra civil, a expansão do oeste americano necessitava de transferência de capital, levando a WESTERN UNION a introduzir de forma pioneira o sistema de transferência eletrônico de dinheiro e envio de dinheiro para todo território americano em 1871, através de sua extensa rede de telégrafos. Hoje em dia, esse sistema funciona da seguinte forma: o dinheiro depositado em qualquer guichê WESTERN UNION a qualquer distância e com qualquer moeda é disponibilizado instantaneamente no país solicitado. Em empresas concorrentes, a efetivação pode durar dias. O serviço foi acelerado durante a Primeira Guerra Mundial, quando o exército americano precisava enviar dinheiro para seus soldados no continente europeu. O mundo evoluía á passos rápidos, e a WESTERN UNION também.


Em 1933 a empresa introduziu no mercado o telegrama falado, os serviços de fac-símile entre cidades em 1935 e, em 1958, o Telex (mensagem escrita de um terminal enviada a outro). No ano de 1964 o sistema de comunicação foi substituído por micro-ondas de rádios. Na década de 1970 a WESTERN UNION introduziu o serviço de entrega de mensagem no dia seguinte através dos correios. O crescimento da WESTERN UNION nos anos seguintes foi tamanho, que em 1982 se tornou a primeira empresa a possuir cinco satélites de comunicação em órbita, estendendo seus serviços a inúmeros países do planeta. Os serviços comerciais de pagamentos foram introduzidos no ano de 1989. Pouco depois, em 1993, a empresa lançou os famosos cartões telefônicos.


A empresa foi pioneira em muitos serviços de telecomunicações dentro dos Estados Unidos, como a primeira a completar uma linha transcontinental de comunicação conectando o território americano de costa a costa em código Morse e serviços de fac-símile entre cidades. A migração global, fenômeno que alcançou proporções inéditas nos anos mais recentes, fez com que os negócios da empresa batessem seguidos recordes. No Brasil, a empresa começou a operar oficialmente em 1997 por meio de uma parceria com o Banco do Brasil, inicialmente com o serviço de transferência de dinheiro do exterior, usado principalmente por brasileiros que imigraram. Entre 2001 e 2006, o volume de remessas realizadas pela empresa mais que triplicou, atingindo o patamar de US$ 47 bilhões e não parava de crescer.


Em 2006, a centenária empresa anunciou que cessaria os envios de telegramas, forma de comunicação que perdeu espaço para tecnologias mais modernas, como o e-mail e se resumia a um total de apenas 20.000 por ano; se dedicando integralmente a intermediar transferências internacionais de dinheiro entre pessoas físicas, além de pagamentos comerciais. Apesar da recente crise financeira ter prejudicado o mercado de transferências internacionais de moedas, a WESTERN UNION diversificou o portfólio e os mercados de atuação antes da crise atingir seu ápice. Com isso, diminuiu as perdas e ganhou musculatura para se expandir e concorrer com novas tecnologias. E uma de suas maiores apostas foi o serviço de transações financeiras internacionais pelo celular, que começaram a serem oferecidos como testes no mês de outubro de 2007 no Reino Unido, África do Sul e alguns países emergentes. Hoje em dia esse serviço está disponível em mais de 700 operadoras de 218 países, cobrindo mais de 2.5 bilhões de assinantes.


Pouco depois, em 2010, lançou o Western Union Business Solutions, um serviço de pagamentos direcionado para empresas. Já em 2013, a empresa lançou o MyWU, um programa de fidelidade de clientes, que além de oferecer benefícios, permite inclusive resgatar os pontos acumulados para ajudar refugiados no mundo. Em 2014, no Brasil, através de uma parceria com uma corretora paulista, colocou a empresa americana entre as dez maiores casas de câmbio do país. No ano seguinte, com o enorme avanço das tecnologias móveis, a empresa lançou no mercado o WU Connect, uma plataforma de tecnologia inovadora que se integra aos principais canais de mensagens do consumidor e mídias sociais para oferecer aos usuários uma alternativa prática e conveniente de transferir dinheiro no mundo todo. Os consumidores são capazes de realizar a transferência de dinheiro, via celular ou mídias sociais, utilizando uma conta de cartão de débito, cartão de crédito ou de banco e prontamente direcionar os fundos a um agente WESTERN UNION de qualquer lugar do mundo. Também é possível enviar a remessa para uma carteira móvel ou conta bancária no país em que estiver disponível. Outra recente novidade foi o lançamento do serviço de transferência de dinheiro de outros países, incluindo o Brasil, para Cuba, em linha com as recentes mudanças regulatórias e políticas que permitem que cubanos e não-cubanos possam enviar remessas via WESTERN UNION para esta nação.


Fazendo o bem 
A The Western Union Foundation se dedica a criar um mundo melhor, onde a capacidade de realizar sonhos através das oportunidades econômicas não é apenas um privilégio de poucos, mas um direito de todos. Por meio de seu programa da marca, Education for Better, e com o apoio da empresa, seus funcionários, agentes e parceiros de negócios, trabalham para tornar realidade essa visão através do apoio à educação e iniciativas de alívio de desastres como caminhos para um futuro melhor. Essas iniciativas de empreendimentos sociais combinados melhoram a vida de pessoas, famílias e comunidades em todo o mundo. Desde sua criação em 2001, a The Western Union Foundation já ofereceu mais de US$ 106 milhões em subsídios e outras doações. Esses recursos foram consignados a um número superior a 2.794 organizações não governamentais em mais de 137 países e territórios.


A comunicação 
O público alvo da WESTERN UNION, líder mundial em serviços de pagamentos e transferências de dinheiro, é sempre homenageado pelas campanhas publicitárias da empresa, que gosta de ressaltar o caráter heróico dos trabalhadores que largam suas famílias e deixam o país de origem para tentar a sorte ou uma vida melhor no exterior. Mas a relação entre clientes e o prestador de serviço está longe de ser das mais tranquilas. Para muitos imigrantes, a empresa representa uma espécie de mal necessário: cobra taxas exorbitantes pelas transferências, mas oferece serviço rápido e confiável. A empresa que já teve como clientes personalidades como o físico Albert Einstein, foi parte central de enredo de clássicos do cinema, como por exemplo, no faroeste Western Union (“Os conquistadores”), de 1941, do diretor austríaco Fritz Lang. O filme contava a história de um ex-pistoleiro que resolveu dedicar-se a uma causa nobre, deixando o crime para trabalhar na conquista da costa oeste americana pela WESTERN UNION.


Em 2009, pela primeira vez na história de 160 anos da empresa, a WESTERN UNION lançou uma campanha global. A campanha, denominada “YES!”, foi resultado de uma ampla pesquisa com clientes de todo o mundo e tinha como alvo as 200 milhões de pessoas que vivem fora de seus países de origem, incorporando suas esperanças e sonhos, e acreditando, que mesmo nessas épocas de incertezas, o otimismo e positivismo de seus clientes é inspirador. A campanha focalizava o otimismo e a esperança inerentes à palavra “sim!” e destacava atos tangíveis que davam vida à marca, comunicando seu ponto de vista otimista de modo claro e emocional, usando pessoas verdadeiras em seus anúncios.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Em 1969 a marca apresentou um novo logotipo com as iniciais WU acima do nome, com tipografia de letra quadrada. Em 1990 uma nova alteração: tipografia de letra mais moderna, fundo preto e duas barras paralelas do lado direito do nome. A última atualização aconteceu em 2013, quando o logotipo passou a contar também com as iniciais WU.


Os slogans 
Moving money for better. (2010) 
Uniting people with possibilities. (2003) 
The world’s No.1 money transfer service. (2002) 
The fastest way to get the word around. (1977) 
Fast, Reliable, Worldwide Money Transfer. 
Here. There. Everywhere.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1851 
● Fundador: Samuel Selden, Hiram Sibley e Ezra Cornell 
● Sede mundial: Englewood, Colorado, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: The Western Union Company 
● Capital aberto: Sim (1865) 
● Chairman: Jack Greenberg 
● CEO & Presidente: Hikmet Ersek 
● Faturamento: US$ 5.48 bilhões (2015) 
● Lucro: US$ 1.1 bilhões (2015) 
● Valor de mercado: US$ 9.89 bilhões (outubro/2016) 
● Pontos de atendimento: 500.000 
● Presença global: + 200 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 7.000 
● Segmento: Financeiro 
● Principais produtos: Transferências de dinheiro e serviços de pagamento 
● Concorrentes diretos: American Express, Visa, PayPal e MoneyGram International 
● Ícones: O famoso sistema de transferência monetária 
● Slogan: Moving money for better. 
● Website: www.westerunion.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente a WESTERN UNION opera em mais de 200 países ao redor do mundo com aproximadamente 500 mil pontos de atendimento (entre agências, quiosques e guichês), oferecendo serviços de transferências monetárias internacionais para pessoas físicas (através do telefone, pela internet, por aplicativo e com a ajuda de todas as suas agências locais), serviços de pagamento e pré-pagamento. Em 2015 a empresa atendeu mais de 150 milhões de clientes, completou mais de 31 transações por segundo (262 bilhões no total), realizou US$ 150 bilhões em transferências de dinheiro e 508 milhões de pagamentos comerciais e faturou US$ 5.48 bilhões. Com a WU é possível fazer transferência de dinheiro online em 35 países. A empresa faz movimentações em mais de 130 moedas e tem anúncios pelo mundo em praticamente qualquer idioma. A empresa enfrenta concorrência pesada em mercados como Índia, China e México, mas também atende aos lugares mais remotos com exclusividade e de maneira personalizada. 

Você sabia? 
Nos Estados Unidos a WESTERN UNION tem tanto prestígio e importância que é comparada à Coca-Cola pelos professores das escolas de negócios de universidades como Harvard e Stanford, nas discussões sobre grandes marcas. 
A Índia é a campeã em números de agências (são mais de 50.000), e isso não ocorre por acaso. Afinal, nenhum outro país no mundo recebe tantas remessas internacionais. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Exame e Isto é Dinheiro), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 12/10/2016

Um comentário:

José disse...

Srs. estamos falando do maior banco de transferências do mundo e a empresa que em tecologia e desbravamento lidera, graças a eles o mundo se comunica de uma forma diferente hoje em dia. Dado aos investimentos desta empresa em querer ser e a manter-se líder no mercado.