27.7.06

CARRIER


O controle de temperatura em ambientes fechados só foi possível graças à marca CARRIER. Se hoje podemos desfrutar de uma temperatura agradável em hotéis, lojas, edifícios, automóveis e até mesmo nos centros de compras foi por causa da perseverança de um homem chamado Willis Carrier. Por isso, a CARRIER mantém uma posição de liderança conquistada pelo foco constante no desempenho, inovação, respeito ao consumidor e proteção ao meio ambiente. Um trabalho que reflete diretamente na qualidade de produtos e serviços, reconhecidos internacionalmente pela eficiência, economia e sustentabilidade. 

A história 
A história da CARRIER começou em 1902 quando o jovem engenheiro americano Willis Haviland Carrier, formado pela universidade de Cornell e que trabalhava no departamento de engenharia de concepção de sistemas de aquecimento para secar madeira e café da empresa Buffalo Forge, fabricante de aquecedores, ventiladores e sistemas de exaustão de ar, inventou um processo mecânico para condicionar o ar, tornando realidade o controle do clima em ambientes fechados. A invenção foi uma resposta direta à gráfica Sackett-Wilhelms, localizada no bairro do Brooklyn, que estava tendo problemas com trabalhos de impressão durante os meses quentes de verão. Isto porque o papel absorvia a umidade do ar e se dilatava. Além disso, em dias úmidos as agulhas que liberavam tintas não se alinhavam, formando imagens borradas e obscuras. Willis acreditava que poderia retirar a umidade do ambiente através do resfriamento do ar. Para isto, projetou uma máquina que fazia circular o ar através de dutos resfriados artificialmente. Este processo, que controlava a temperatura e umidade, foi o primeiro exemplo de condicionamento de ar por um processo mecânico. O primeiro ar condicionado do mundo foi instalado exatamente no dia 17 de julho de 1902. O invento tornou-se público em 1904 ao ser apresentado na St. Louis Worldsfair.


No dia 2 de janeiro de 1906 a patente para ele batizou de “Apparatus for Treating Air” foi registrada nos Estados Unidos. Era um aparelho para o tratamento do ar e primeiro tipo de equipamento de ar condicionado no mundo. A primeira venda do aparelho foi realizado no final deste ano para o LaCrosse National Bank, no estado do Wisconsin. No ano seguinte realizou sua primeira venda para o exterior, exportando seus primeiros aparelhos para o Japão. Porém, foi a indústria têxtil o primeiro grande mercado para o condicionador de ar, que logo passou a ser utilizado em diversos prédios e instalações de indústrias de papel, produtos farmacêuticos, tabaco e estabelecimentos comerciais. A primeira aplicação residencial do produto foi feita em 1914 na mansão de Charles G. Gates na cidade de Minneapolis, estado americano de Minnesota. Para isso, o Dr. Carrier desenhou um equipamento especial para residências medindo 6 metros de profundidade, 1.8 metros de largura e 2.1 metros de altura, que era consideravelmente maior e menos sofisticado que os atuais modelos residenciais.


No mesmo ano, instalou o primeiro condicionador de ar hospitalar, no Allegheny General Hospital da cidade de Pittsburgh, estado da Pensilvânia. O sistema introduzia umidade extra em um berçário de bebês prematuros, ajudando assim a reduzir a mortalidade causada pela desidratação. Somente em 1915, Willis e outros seis engenheiros, (Irvine Lyle, Edward Murphy, Logan Lewis, Ernest Lyle, Alfred Stacey e Edmund Heckel) fundaram a CARRIER ENGINEERING CORPORATION na cidade de Nova York, começando com um capital de US$ 32.600 e a inauguração de escritórios nas cidades de Chicago, Filadélfia, Boston e Buffalo. A máquina de refrigeração centrífuga, desenvolvida em 1922 pelo Dr. Carrier, que já operava em sua própria empresa desde 1915, utilizava um agente refrigerante de sua própria criação, o Dielene, em substituição à amônia. Ele foi o primeiro método prático de ar condicionado para espaços amplos.


E foi durante a década de 1920, com o advento do Dielene, que o condicionador de ar se tornou mais acessível ao público em teatros, lojas de departamentos e prédios públicos. O aparelho teve sua estreia perante o público ainda em 1922, no Grauman’s Metropolitan Theatre em Los Angeles na Califórnia. Em 1925 foi a vez do Rivoli Theater, localizado em plena Times Square, na Broadway, atrair grande público com a promessa de oferecer uma central de refrigeração para mantê-lo confortável. Na verdade, o ar condicionado ajudou muito a indústria cinematográfica que se beneficiou com o aumento da arrecadação das bilheterias, principalmente nos meses de verão, quando a frequência nos cinemas despencava consideravelmente e vários deles permaneciam fechados. Por isso mesmo os estados do sul dos Estados Unidos foram os primeiros a utilizarem os novos sistemas que, por volta dos anos de 1930, já equipavam a maioria dos teatros e cinemas do país.


A invenção criada por Willis, com a ajuda de sua equipe, esteve presente ainda na Câmara dos Deputados dos Estados Unidos em 1928, no Senado Americano em 1929 e nos escritórios executivos da Casa Branca em 1930, tornando mais agradável o trabalho no verão quente e úmido de Washington. Os vagões da ferrovia B&O foram os primeiros veículos de passageiros a possuírem condicionadores de ar, também em 1930. Já em 1939, Willis desenvolveu um sistema que viabilizou a utilização de ar condicionado em arranha-céus. A distribuição do ar em alta velocidade através de dutos “Weathermaster” economizava mais espaço do que os sistemas utilizados na época. No final desta década também ocorreu a introdução do ar condicionado residencial, que já havia sido apresentado em 1926. Isto se tornou possível através da disponibilidade de um gás refrigerante não inflamável, conhecido como freon, que fazia com que o equipamento ficasse mais seguro, mais barato e mais apropriado para uso em máquinas de refrigeração de menores capacidades. Durante a década seguinte a maioria dos equipamentos residenciais era usada para refrigeração de pequenos estabelecimentos comerciais. O ar condicionado ainda era muito caro para a utilização residencial, ficando restrito a pessoas de alto poder aquisitivo.


Em 7 de outubro de 1950, pouco antes de seu 74º aniversário, Willis Carrier morreu durante uma viagem para Nova York. Foi o fim de uma vida rica e marcante, o encerramento de uma era tanto para uma indústria como para uma empresa, mas apenas o começo de um legado duradouro cujo invento já estava inserido como um dos avanços tecnológicos que mudaram nosso estilo de vida. Pouco depois, em 1952, a empresa desenvolveu a primeira produção em série de unidades centrais de condicionadores de ar para residências relativamente eficientes com o formato de caixas de aço para instalações suspensas. A inovação causou sensação e em duas semanas a totalidade da produção foi vendida. Dez anos depois, estas centrais não eram mais novidade, e ainda hoje trazem soluções em todas as partes do mundo. Na década de 1960 as centrais residenciais de ar condicionado da CARRIER já estavam difundidas mundialmente, aumentando a qualidade de vida e a durabilidade dos produtos. Em 1979 a empresa foi comprada pela UTC (United Technologies Corporation).


A empresa cresceu bastante nas décadas seguintes, especialmente nos anos de 1990, onde conquistou inúmeros mercados através de sua tecnologia inovadora, cada vez mais preocupada com a preservação do meio ambiente, com baixíssimos níveis de ruídos e utilizando produtos que não destroem a camada de Ozônio. Esta preocupação com o meio ambiente pode ser comprovada em 1993, quando a CARRIER deixou de fabricar resfriadores à base de CFC no mercado americano, dois anos antes do prazo estabelecido pela Lei do Ar Limpo entrar em vigor.


Hoje em dia a CARRIER tem seus sistemas de climatização instalados em importantes monumentos ao redor do mundo, como por exemplo, na Capela Sistina (onde unidades de medição de umidade de alta precisão foram colocadas em uma borda de cerca de 30 metros acima do chão e invisível para os visitantes), no Singapore Expo (maio centro de exposição do continente asiático), na Galleria Degli Uffizi em Florença, no Great Hall of People (localizado em um dos quatro lados da Praça da Paz Celestial em Beijing), entre outros marcos históricos. A marca é sinônimo de conforto térmico não apenas porque leva o nome do inventor do ar-condicionado, mas principalmente porque é referência em equipamentos de aquecimento, ventilação, condicionamento de ar e sistemas de climatização.


A linha do tempo 
1913 
Desenvolvimento do umidificador de ar CARRIER. Projetado para umidificar o ar em um cômodo, tais como um escritório ou um laboratório, foi o primeiro que continha um ventilador, motor, eliminador e sprays, todos combinados em um único produto. 
1924 
O ar condicionado CARRIER passou a ser utilizado para refrigerar os ambientes de grandes estabelecimentos comerciais e lojas de departamentos em Detroit, Boston e Nova York, além de prédios e escritórios. 
1925 
O ginásio do Madison Square Garden em Nova York instala o primeiro sistema CARRIER para manter a temperatura da pista de gelo para a prática de hóquei. 
1926 
Lançamento do primeiro ar condicionado que utiliza gás como combustível. 
1928 
O Milan, em San Antonio, no estado do Texas, foi o primeiro edifício comercial multipiso projetado desde o início para incorporar um sistema de ar condicionado. Um cartaz em frente à construção prometia aos futuros ocupantes “saúde, eficiência e conforto através da temperatura interna controlada pelo homem”. 
Venda do primeiro aparelho de ar condicionado para a Merchants Refrigeranting Company. Projetado para lojas de varejo que exigia até 2.500 cfm de ar, o equipamento era usado para controlar a climatização de uma sala de armazenamento de ovos em Newark, Nova Jersey. 
1939 
O primeiro ar condicionado para automóveis da marca é instalado em um modelo da montadora Packard. 
1945 
Primeiro ônibus com ar condicionado CARRIER circula pelas ruas da cidade de Atlanta no estado da Geórgia. 
1949 
A Boeing instalou o primeiro ar condicionado da marca CARRIER em um de seus aviões. 
2004 
Introdução de seu primeiro sistema de CO2 para a refrigeração comercial, que hoje suporta mais de 300 lojas no norte da Europa utilizando os sistemas CO2OLtec™
2006 
Lançamento de uma linha de ar condicionado de grande eficiência, propiciando mais de 50% de economia de energia que outras linhas. 
2008 
A CARRIER garantiu aproximadamente 70% de todo o aquecimento, ventilação e ar condicionado nos Jogos Olímpicos de Pequim. 
2010 
Anunciou a NaturaLINE, primeira tecnologia de refrigeração natural da indústria de refrigeração de contêiner. 
2011 
Anunciou que o medidor de conservação Conservation Meter evitou 100 milhões de toneladas de gases que provocam o efeito estufa. Isso é o equivalente a retirar mais de 19 milhões de carros das ruas por um ano. O medidor de conservação foi projetado para calcular emissões de gases de efeito estufa (GEE) evitados desde o ano de 2000, como resultado da instalação de sistemas de ar condicionado, aquecimento e refrigeração de alta eficiência da CARRIER, por clientes em todo o mundo.


A evolução visual 
A identidade visual da CARRIER passou basicamente por uma grande alteração em toda sua história. Isto aconteceu quando a marca adotou o tradicional logotipo oval na cor azul.


Os slogans 
Turn to the experts. 
World’s First. World’s Finest. 
Custom Made Indoor Heather.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1 de julho de 1915 
● Fundador: Willis Haviland Carrier e Irvine Lyle 
● Sede mundial: Farmington, Connecticut 
● Proprietário da marca: United Technologies Corporation (UTC) 
● Capital aberto: Não (Subsidiária) 
● Chairman & CEO: Louis R. Chênevert (UTC) 
● Faturamento: US$ 14 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Fábricas: 84 
● Presença global: 170 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 45.000 
● Segmento: Sistemas de ar 
● Principais produtos: Ar-condicionado e sistemas de ventilação 
● Concorrentes diretos: York, LG, Toshiba, Fujitsu, Hitachi, Samsung, Electrolux e Brastemp 
● Slogan: Turn to the experts. 

A marca no Brasil 
Para contar a história da CARRIER no Brasil é preciso voltar um pouco no tempo. Mais precisamente para o dia 24 de maio de 1934 quando foi constituída a Springer & Cia na cidade de Porto Alegre. Inicialmente os negócios da nova empresa eram baseados na representação e fixação de refrigeradores comerciais. O nome Springer originou-se do seu fundador, Charles Springer. A fabricação de refrigeradores comerciais destinados a restaurantes, hotéis e lanchonetes começou em 1941. Em 1950, a Springer iniciou a fabricação de refrigeradores comerciais e ampliou sua distribuição aos mercados de São Paulo e Rio de Janeiro. Quase paralelamente, em 1952, a CARRIER iniciou a produção em série de unidades centrais de ar condicionado, esgotando seu estoque em apenas duas semanas. Pouco depois, em 1955, a Springer iniciou sua primeira linha de produção e, três anos depois, lançou o primeiro condicionador de ar da América Latina. As duas empresas continuam paralelas no segmento de refrigeração. Em 1983, ocorreu a joint-venture entre a Springer Refrigeração S.A. e a CARRIER CORPORATION, originando assim a SPRINGER CARRIER, que agregou a nova tecnologia CARRIER e a unidade industrial em Canoas no Rio Grande do Sul. Na década de 1990, intensificou-se a parceria tecnológica entre as duas empresas, que receberam um vasto investimento tecnológico e administrativo, visando qualificar ainda mais seus produtos. Quem mais ganhou com isso foi o consumidor.


A SPRINGER CARRIER se tornou a maior fabricante nacional de condicionadores de ar oferecendo produtos e serviços com economia de energia e eficiência. Em 2011 a Midea, maior fabricante de eletrodomésticos do mundo, e a Springer Carrier se uniram em uma joint venture para produção e distribuição de sistemas de climatização de ar e eletrodomésticos no Brasil, Argentina e Chile. O resultado foi a criação da maior fabricante de condicionadores de ar da América Latina. São três fábricas – duas no Brasil e uma na Argentina – e mais de 3.500 colaboradores. Nos últimos dois anos, a Midea Carrier vendeu mais de 3 milhões de equipamentos em todo Brasil.


Desde 1999 a rede CASA CARRIER, com mais de 100 unidades espalhados pelo território nacional, disponibiliza a linha de condicionadores de ar mais completa do Brasil através de produtos com as marcas TOSHIBA, CARRIER e SPRINGER. Hoje é a maior rede especializada em climatização, tanto na venda quanto na instalação e manutenção para o mercado corporativo e doméstico. O diferencial da rede é dar um atendimento impecável ao cliente, atendê-lo no menor tempo possível, oferecer o custo mais adequado prestando total assistência (desenvolve o projeto de uma obra, a venda de produtos, gerencia a instalação e a manutenção dos equipamentos). A rede oferece produtos com menor consumo de energia, máxima eficiência, menor nível de ruído e a assinatura do líder mundial em ar condicionado: CARRIER.


A marca no mundo 
A CARRIER, uma das líderes mundiais na fabricação de equipamentos de aquecimento, ventilação, condicionamento de ar e sistemas de refrigeração para residências e estruturas maiores como comércios, hospitais, estádios e ginásios, desenvolve seus produtos em 20 centros de pesquisas e 7 centros de design. Fabricados em 84 unidades industriais espalhadas em todos os continentes, os produtos são comercializados em mais de 170 países. A CARRIER vende seus produtos através de uma rede de 20.000 revendedores autorizados. 

Você sabia? 
Em 1958, Willis H. Carrier foi incluído no Museu da Fama dos Inventores (U.S. National Inventors Hall of Fame), um merecido reconhecimento para o “Pai do Ar Condicionado”. Além disso, em 1998, ele foi considerado pela revista Time umas das “100 pessoas mais influentes do século 20”. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Isto é Dinheiro), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 26/3/2014

Um comentário:

leandro disse...

Tem q ser americano MSM para criar tudo para gente