16.7.06

RI HAPPY


Há quem diga que brinquedos são coisas de crianças, mas há quem leve o setor muito a sério. A rede de lojas RI HAPPY encontra sempre uma maneira de ajudar seu cliente a escolher o brinquedo certo para a criança certa. Tudo isso aliado a um ambiente onde as crianças podem conhecer e se divertir experimentando os brinquedos com que tanto sonham, transformaram a RI HAPPY na líder absoluta de mercado em sua categoria.

A história
A história de sucesso começou no ano de 1988, quando o pediatra Ricardo Sayon, que sempre soube que brincar era necessário ao bom desenvolvimento de toda criança, se associou ao administrador de empresas com especialização em informática Roberto Saba, e decidiu arriscar-se em um mercado que mexe com sonhos e fantasias próprios da inocência da infância, fundando a RI HAPPY BRINQUEDOS. O nome do novo negócio se deve à criatividade da esposa de Ricardo, a fonoaudióloga Ruanita: ela, percebendo o quão feliz era o seu marido, uniu as duas primeiras letras do seu nome à palavra Happy (feliz em inglês) e assim batizou a empresa. A primeira loja foi inaugurada no bairro nobre dos Jardins na capital paulista. Depois de um começo quase amador (a secretária do consultório de Ricardo foi ser a gerente de loja), agravado pela falta de experiência no setor dos dois fundadores, em três anos a empresa já possuía meia dúzia de lojas, e exigia cada vez dedicação integral de ambos.


O crescimento da empresa foi rápido e logo Ricardo deixou de lado o consultório para se dedicar exclusivamente aos negócios. Na época ele possuía muito pouco conhecimento sobre administração de lojas, mas apostou no sucesso de seu negócio, pois, como pediatra, conhecia muito bem o público que desejava atingir. Em 1991, baseados em uma intuição, os sócios decidiram iniciar a expansão da rede para o interior do estado de São Paulo. A aposta deu certo. E hoje, quase metade das lojas RI HAPPY estão localizadas fora das capitais. Os moradores das cidades de Araraquara, Bauru, Campinas, Jundiaí, Limeira, Marília, Piracicaba, Presidente Prudente, Ribeirão Preto, Rio Claro, São Carlos, São José do Rio Preto, São José dos Campos e Sorocaba já contam com o auxílio dos vendedores das lojas da rede RI HAPPY quando precisam encontrar o brinquedo certo.


Foi nesta época que a empresa passou por uma revolução. Eles transformaram as lojas em ambientes lúdicos e interativos. As paredes foram pintadas de vermelho e amarelo (as primeiras cores que as crianças reconhecem) e os funcionários foram treinados para entender melhor o universo infantil. Os sócios também fugiram da sazonalidade do setor. Em vez de concentrar os esforços de marketing e comunicação nas datas clássicas (Natal e Dia das Crianças), a rede passou a distribuir, o ano inteiro, folhetos com ofertas e passatempos, encartados em jornais de grande circulação. O resultado foi outra grande onda de expansão e aumento nas vendas e já em 1994 a rede possuía 20 lojas. Em 1997 a RI HAPPY lançou na Internet o primeiro site brasileiro para a venda de brinquedos que permitiu então, a escolha automatizada do brinquedo ideal. Através dele, o cliente podia conhecer o variado mix de produtos oferecidos pela empresa e comprá-los, sem precisar sair de casa. Mas o grande diferencial encontrava-se em uma pequena janela que aparecia no lado esquerdo da tela, denominada Brinquedo Ideal. Definindo apenas o sexo, a idade e o valor que se desejava gastar, o cliente conhecia uma variedade de possibilidades de brinquedos de acordo com as características indicadas.


Nos anos seguintes a rede cresceu além da fronteira do Estado de São Paulo com a inauguração de unidades em muitas cidades pelo Brasil afora. A concorrência de camelôs e o contrabando impuseram duros golpes aos comerciantes de brinquedos. Marcas consagradas como DB Brinquedos e Passe de Mágica não resistiram e fecharam as portas. Mas a RI HAPPY não somente sobreviveu como prosperou. Assim, Ricardo transformou seu negócio, como num passe de mágica, em líder da categoria. E nem foi necessário varinha de condão. Apenas algumas boas idéias movidas por uma aguçada capacidade de percepção de mercado, como a necessidade de se gerar comunicação constante com o seu público alvo. A idéia da Revista do Solzinho, que hoje possui tiragem de 350.00 exemplares, vem da percepção de seu empresário sobre a questão. Novamente de maneira pioneira, Ricardo inovou com a criação de uma revista própria que é, antes de tudo, um meio de comunicação com o seu principal público-alvo: a criança. Com edições trimestrais, a Revista do Solzinho é enviada, sem qualquer custo, às residências das crianças cadastradas e, também, distribuídas nas lojas da rede. Nela, há sempre uma historinha, brincadeiras, atividades e anúncios de lançamentos de produtos. O Solzinho, personagem principal das histórias, foi inspirado no logotipo da empresa. Devido ao sucesso, ganhou vida própria, pelas mãos do desenhista Maurício de Souza, e pode ser visto interagindo nas lojas com os clientes, além de possuir uma linha de produtos com sua imagem.


Em março de 2012, a varejista de brinquedos RI HAPPY foi comprada pelo fundo de investimento americano Carlyle, em um negócio avaliado em R$ 600 milhões, de acordo com fontes do mercado. Com isso ganhou musculatura financeira e pouco depois, em junho, anunciou a compra da rival PBKIDS. As duas marcas continuarão operando de forma distinta. Hoje em dia, a RI HAPPY investe na interação entre a criança e o brinquedo, ainda na loja, como diferencial. Foram criados espaços, dentro das próprias lojas, onde as crianças podem se divertir à vontade com os produtos, sendo orientadas por monitores. A intenção é de transformá-las em lugares voltados ao entretenimento e ao lazer que também vendem brinquedos, motivando, através da experimentação, a compra. Para alcançar todo esse sucesso, a varejista conta também com uma estreita parceira com os principais fornecedores de brinquedos do país, que asseguram a disponibilidade dos principais lançamentos do setor às gôndolas.


Uma poderosa ferramenta de comunicação
Para melhorar a comunicação com os funcionários, multiplicando a cultura organizacional, padronizar o ambiente das lojas e aumentar as vendas, a empresa resolveu criar a TV RI HAPPY, que foi ao ar no dia 4 de dezembro de 2006. O canal corporativo de comunicação da empresa tem um conteúdo que varia entre reuniões com a diretoria e o escritório central, campanhas motivacionais e treinamentos. Já o canal comercial exibe, durante o expediente comercial diário, filmes, clipes musicais e propagandas de produtos e serviços, atingindo co consumidor em seu momento decisivo de compra. Em 2009, a TV RI HAPPY estreou uma nova programação, assinada pelo canal Cartoon Network, com mais de 40 horas semanais de conteúdo exclusivo.


A evolução visual
O logotipo da RI HAPPY passou por algumas modificações ao longo dos anos, mas sempre mantendo como figura central a mascote da marca: o SOLZINHO.
  
Dados corporativos
● Origem: Brasil
● Fundação: 1988
● Fundador: Ricardo Sayon e Roberto Saba
● Sede mundial: São Paulo, Brasil
● Proprietário da marca: The Carlyle Group
● Capital aberto: Não
● CEO: Hector Núñez
● Faturamento: R$ 800 milhões (2011)
● Lucro: Não divulgado
● Lojas: 114
● Presença global: Não (presente somente no Brasil)
● Funcionários: 2.000
● Segmento: Varejo (brinquedos) 
● Principais produtos: Brinquedos e jogos
● Principais concorrentes: BMART, Alô Bebê e Preçolândia
● Mascote: O Solzinho
● Slogan: Orgulho de Brincar.
● Website: www.rihappy.com.br

A marca no Brasil
A maior rede de lojas de brinquedos do Brasil, hoje conta com 114 pontos de vendas em 18 estados mais o Distrito Federal, instaladas em mais de 55 cidades brasileiras. Aproximadamente 90% de suas lojas estão localizadas em shoppings centers. Todas as unidades da rede contam com arquitetura e design que oferecem espaços para as crianças brincarem, decoração temática e até palco de ações lúdicas, como campanhas com atividades monitoradas durante as férias. A rede de lojas se transformou na maior vendedora de brinquedos do país e os números não mentem: anualmente a RI HAPPY vende mais de 900 mil bonecas, mais de 1.4 milhões de carrinhos Hot Wheels, 430 mil ursinhos de pelúcia e 40 mil unidades do jogo Banco Imobiliário.

Você sabia?
Todos os anos passam por suas lojas aproximadamente 6 milhões clientes, que gastam, em média, R$ 80 cada um.
No mês de dezembro, a rede vende mais de 900.000 brinquedos, somente na cidade de São Paulo, o que corresponde a uma média superior a 39 por minuto.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Exame e Época Negócios), jornais (Valor Econômico), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas).

Última atualização em 13/8/2012

Nenhum comentário: