28.7.06

THE WALL STREET JOURNAL

O WSJ, abreviatura que designa o THE WALL STREET JOURNAL, considerado com razão “a bíblia dos homens de negócios”, não é somente o mais completo diário especializado em economia e finanças do mundo, mas também o mais influente entre os poderosos que tomam as decisões mais importantes do planeta.
-
A história
O famoso e conceituado jornal THE WALL STREET JOURNAL foi criado no ano de 1889 pelos três jovens repórteres Charles Henry Dow, Edward Davis Jones e Charles Milford Bergstresser, também fundadores, em 1882, da empresa Dow & Jones Company, que na época entregava boletins financeiros para clientes da região de Manhattan. A primeira edição do jornal, que tinha seu nome derivado da Rua Wall Street, considerada o coração financeiro dos Estados Unidos, circulou no dia 18 de julho contendo apenas quatro páginas ao preço de 2 centavos de dólar, oferecendo notícias do mercado financeiro e preços das ações a investidores individuais. No ano de 1898 a edição matinal do jornal foi introduzida, contando agora com 6 páginas. No ano seguinte adotou o formato de cinco colunas por página. Outro grande fato que ocorreu neste ano foi o início da publicação da coluna Review & Outlook, que existe até hoje, escrita na época pelo próprio Charles Dow.
-
-
No início do próximo século, Em 1902, o jornalista Clarence Barron comprou a empresa por US$ 130 mil. Nesta época a circulação diária do jornal era de aproximadamente 7.000 cópias. No ano seguinte, o THE WALL STREET JOURNAL, introduziu o slogan “The Newspaper for the Investor” (“O jornal para o investidor”), deixando bastante claro o público que queria atingir. A primeira edição da Costa Pacífica foi lançada em 21 de outubro de 1929, apenas oito dias antes do famigerado Crack da Bolsa de Valores. Nesta época a circulação diária havia atingido 50 mil cópias.
-
-
No início da década de 40, o THE WALL STREET JOURNAL perdera metade de sua circulação, pois sua informação básica estava amplamente disseminada por uma nova mídia, o rádio, que dava informações sobre o mercado financeiro em tempo real. Foi então, que o lendário editor Bernard (Barney) Kilgore, percebeu que o jornal necessitava de mudanças para não sumir. O jornal então passou a dar notícias políticas e internacionais, além de analisar os acontecimentos. Um exemplo disso acorreu no chamado '”Day After”' ao ataque japonês em Pearl Harbor no dia 7 de dezembro de 1941. Enquanto os outros jornais relataram os fatos amplamente conhecidos naquele domingo, graças ao rádio, a primeira página do jornal em 8 de dezembro foi um marco do jornalismo. O texto começou com a frase “Guerra com o Japão significa revolução industrial nos Estados Unidos”. O artigo delineou as implicações do conflito para a economia e os mercados financeiros. Era o material que o leitor do THE WALL STREET JOURNAL mais precisava naquele momento.
-
-
Após a Segunda Guerra Mundial, em 1947, o jornal introduziu em suas páginas uma famosa coluna que fazia uma avaliação política escrita por William Henry Grimes. Foi neste ano que o jornal ganhou seu primeiro prêmio Pulitzer, o mais importante do jornalismo mundial. Até hoje, o WSJ foi agraciado com 33 prêmios Pulitzer. Também nesta época, para ampliar sua cobertura além do mundo das bolsas, o WSJ passou a investir em jornalismo investigativo, que não poupou os podres das grandes corporações americanas. A coragem e a isenção da redação passaram a incomodar os poderosos de plantão.
-
-
No ano de 1966, o jornal atingiu a marca de mais de 1 milhão de cópias diárias, se tornando um dos mais importantes no cenário e cotidiano dos americanos. Na década seguinte, em 1976, surgiu a versão asiática do tradicional jornal, chamada de The Asian Wall Street Journal, impressa em Hong Kong. No final desta década, em 1979, o THE WALL STREET JOURNAL se tornou o jornal pago de maior circulação dos Estados Unidos.
-
-
A partir de 1980, o jornal começou a publicar vários cadernos especiais que tratavam de assuntos específicos. O ano de 1983 foi marcado pela estréia da edição européia, editada na cidade de Bruxelas na Bélgica. Na década de 90, com o início da mudança de hábitos da população e o surgimento de várias novas mídias, o WSJ, como o jornal é popularmente conhecido, introduziu sua versão edição eletrônica em 1995. No final de 2004, o tradicional jornal passou a disponibilizar seu conteúdo também via celular. Em agosto de 2007 a empresa News Corporation, pertencente ao empresário australiano Rupert Murdoch, anunciou a compra da Dow Jones & Company por US$ 5.6 bilhões, e com isso passou a ser proprietária do THE WALL STREET JOURNAL.
-
-
A linha do tempo
1980

Lançamento no dia 23 de junho do caderno Marketplace, que circula de segunda à sexta-feira abordando saúde, tecnologia, mídia e marketing.
1988
Lançamento no dia 3 de outubro do caderno Money and Investing, com cobertura e análises dos principais mercados financeiros internacionais.
1998
Lançamento no dia 20 de março do caderno Weekend Journal, publicado as sextas-feiras abordando assuntos de interesse dos leitores como mercado imobiliário, viagens e esportes.
2002
Lançamento no dia 9 de abril do caderno Personal Journal, com circulação de terça à quinta-feira abordando assuntos como investimentos pessoais, carreira e culturas corporativas.
2005
Lançamento no dia 17 de setembro do caderno Pursuits abordando assuntos como comidas, bebidas, restaurantes, entretenimento, cultura, compras e livros.
Lançamento, em setembro, da edição de fim de semana para todos os assinantes, que marcou o retorno da edição de sábado depois de um lapso de 50 anos.
2006
As primeiras propagandas aparecem na primeira página pela primeira vez na história do jornal.
-
-
O poder e a influência do WSJ
Considerado poderoso e influente, o WSJ é leitura obrigatória para os principais homens de negócios e estadistas do mundo. Mas, afinal, porque tanta influência? Em primeiro lugar pelo o alto padrão de suas reportagens, que estão longe de se restringir somente ao universo da atividade produtiva e do dinheiro. As suas matérias sobre política nacional e assuntos internacionais competem rotineiramente com as do New York Times – ainda a referência planetária do jornalismo de qualidade –, embora as deste sejam mais numerosas e variadas. Segundo, pelo seu padrão de rigorosa distinção entre informação e juízo de valor. Ela complementa a proverbial barreira – própria das publicações preocupadas com a ética e o respeito ao público – entre “Estado” (os interesses negociais das empresas editoras e os de seus anunciantes) e “Igreja” (os critérios estritamente jornalísticos na abordagem dos fatos).
-
-
O layout do jornal
Ao longo dos anos o design do WSJ mudou significativamente: mudou de tamanho, ganhou cores e até anúncios na primeira página. A última modificação ocorreu no ano de 2007. As edições internacionais, asiática e européia, são mais compactas e menores.
-
-
Os slogans
Live in the know. (2010)
The Daily Diary of the American Dream. (1985)
Business. And The Business of Life.
The Newspaper for the Investor.
(1903)
-
-
Dados corporativos
● Origem: Estados Unidos
● Lançamento: 8 de julho de 1889
● Criador:
Charles Henry Dow, Edward Davis Jones e Charles Milford Bergstresser
● Sede mundial:
New York City, New York
● Proprietário da marca: News Corporation
● Capital aberto: Não
● Chairman: Rupert Murdoch
● Editor: Robert Thomson
● Faturamento:
Não divulgado
● Lucro: Não divulgado
● Circulação diária: 2.1 milhões de cópias
● Presença global: 100 países
● Presença no Brasil:
Sim
● Funcionários: 500
● Segmento:
Comunicação
● Principais produtos:
Jornal
● Slogan:
Live in the know.
● Website:
www.wsj.com
-
A marca no mundo
Atualmente o WSJ tem circulação diária superior a 2.1 milhões de cópias (incluindo 400 mil assinaturas online) somente nos Estados Unidos, sendo um dos maiores e mais respeitados jornais de negócios do mundo, comercializado em quase 100 países. O WSJ também possui edições na Europa e Ásia. Cada edição norte-americana tem uma média de 96 páginas.
-
Você sabia?
Apesar de ser um dos jornais mais respeitados do mundo, houve uma época em que os jornalistas do WSJ utilizavam o espaço que tinham no jornal para orientar as notícias de acordo com seus interesses, já que eram também grandes negociantes de ações na Bolsa de Valores.
-
-
As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).
-
Última atualização em 13/3/2010

Nenhum comentário: