30.4.07

WINDOWS LIVE HOTMAIL


Há anos atrás ter um e-mail era coisa de outro mundo. Hoje, em qualquer cartão de visita ou troca de informações entre profissionais, adultos, adolescentes ou até mesmo crianças, alguém certamente pergunta: qual é o seu e-mail? E para mais de 370 milhões de pessoas, ao darem seu e-mail uma palavra irá aparecer naturalmente: HOTMAIL.

A história
Tudo começou quando Sabeer Bhatia, um engenheiro indiano de hardware, e seu amigo Jack Smith deixaram o emprego que tinham na Apple Computer para abrirem um pequeno escritório em Fremont, estado da Califórnia, motivados pelo que ouviram em algumas palestras na tradicional Universidade de Stanford, de transformar uma boa ideia em uma empresa, para depois vendê-la por milhões de dólares. Fizeram um acordo: Bhatia seria o administrador da empresa, e Smith, o arquiteto da tecnologia do empreendimento a ser criado. Ambos aplicaram toda sua criatividade na produção de novas e revolucionárias ideias. Um dia, em dezembro de 1995, tiveram a ideia de lançar um serviço de e-mail que fosse visto (ou melhor, acessado) de qualquer lugar no mundo. Queriam montar um sistema de e-mail de livre acesso baseado na Web. A ideia era oferecer uma conta de e-mail grátis a quem quisesse e tornar essas contas acessíveis pela Internet através de qualquer computador.


Depois de decidirem a ideia, faltava-lhes o nome. Bathia queria um nome que envolvesse a palavra “MAIL”, ou seja, correio. Pensou muito e, então surgiu o nome: HOTMAIL. Ele usou as letras da sigla HTML, a linguagem usada para escrever páginas de Internet, junto à palavra MAIL. Mas, ainda lhes faltava algo importante: US$ 300 mil. Primeiro Bhatia convenceu 15 empregados a trabalhar em troca de opções de compra de ações da empresa no futuro, a um valor prefixado. Depois, bateu, em vão, na porta de várias empresas de capital de risco que financiavam empresários em troca de participação acionária. Era uma ideia nova e ninguém queria arriscar. Quem se interessou foi Steve Jurvetson, da Draper Fisher Jurvetson. Ele receberia 15% de participação acionária.


Em junho, o dinheiro estava acabando, mas o produto estaria pronto para ser lançado em um mês. Outro investidor, Doug Carliske, mostrou interesse no negócio, mas Bhatia sabia que, se ele e Smith lançassem o produto antes, deteriam maior controle sobre a empresa que haviam criado. Assim, conseguiram um empréstimo bancário de US$ 100 mil. Finalmente, no dia 4 de julho de 1996, Dia da Independência dos Estados Unidos, foi lançado o primeiro serviço de e-mail grátis do mundo, o HOTMAIL. Naquela época, quase todos os proprietários de computador tinham e-mail, mas com o HOTMAIL não era nem preciso ter computador: bastava se conectar de um McDonald’s em Praga ou de um café em Taipei, por exemplo. Na manhã do lançamento, Bhatia e Smith carregavam seus pagers programados para exibir a cada hora o número de novos assinantes.


Os primeiros usuários descobriram o serviço sozinho, e então enviaram e-mails aos amigos: 100 usuários na primeira hora, 200 na segunda, 250 na terceira. A ideia era tão atraente que 80% daqueles que se inscreveram no HOTMAIL disseram que tomaram conhecimento do serviço por meio de um amigo. O HOTMAIL introduziu o conceito do “marketing viral”, em que cada mensagem enviada por uma conta era, na realidade, um anúncio do serviço ao destinatário. Quando Bhatia procurou Doug Carlisle para dizer “agora precisamos do seu dinheiro”, a empresa já tinha 100 mil assinantes e estava avaliada em US$ 18 milhões. O serviço começou a enviar notícias e outros conteúdos da Internet para caixas de correio dos assinantes. Isso não era novidade, mas a forma como o dinheiro jorrava, sim.


Os sites que forneciam o conteúdo queriam receber pelas notícias. Bhatia, porém, achou que os sites deviam pagar pelo privilégio de ter seus conteúdos circulando. Surpreendentemente eles concordaram, e logo o HOTMAIL estava crescendo tão rápido que alguns provedores de conteúdo não conseguiram lidar com o tráfego gerado pelo serviço. Toda a manhã, Jack Smith vasculhava a Internet em busca de sinais e notícias de concorrentes. Passaram-se seis meses até surgir o primeiro. Quando quis comprar o HOTMAIL no outono de 1997, a Microsoft mobilizou um verdadeiro pelotão de choque. Executivos da empresa, seis de uma vez, vieram de Redmond, estado de Washington, e sentaram-se na sala de reuniões dos advogados do HOTMAIL. Ofereceram a Bhatia uma soma que lhe permitiria embolsar dezenas de milhões de dólares. Ele recusou.


Depois de meses de negociação o acordo foi fechado no último dia de 1997. O HOTMAIL havia sido negociado por 2.769.148 ações da Microsoft, na época valendo a quantia de US$ 400 milhões. Apenas oito meses após a venda para Microsoft o número de usuários havia mais do que dobrado. Com 22 milhões de contas de e-mail ativas, a empresa estava atraindo 125 mil novos usuários por dia. Bhatia havia conseguido desenvolver uma base de usuários mais rápida do que a CNN. Em 1999 quando a Microsoft criou o portal MSN, o HOTMAIL passou a se chamar MSN HOTMAIL. Nos anos seguintes o HOTMAIL continuou crescendo e novos serviços foram sendo acrescentados, como em 2005, quando passou a contar com filtro para bloquear remetentes indesejados; busca de mensagens na caixa postal; capacidade de baixar mensagens de contas de outros servidores; integração com o MSN Messenger; e filtro de lixo eletrônico; além de 5 Gb de espaço para armazenamento de mensagens.


No final de 2006, foi lançada uma nova versão do HOTMAIL, batizada oficialmente de WINDOWS LIVE HOTMAIL. Esta nova versão vem sofrendo melhorias e atualizações sucessivas. Em 2009, com a atualização do layout e funcionalidades da maioria dos programas Windows Live, o HOTMAIL foi igualmente renovado, apresentando as seguintes diferenças: o espaço de armazenamento é ilimitado (anteriormente, tinha o limite de 5GB); maior integração com o calendário do Windows Live; maior facilidade de organização de e-mails; maior facilidade na escrita e anexação de ficheiros; e maior rapidez de acesso (ao diminuir o tamanho da página). Em 2010, mais novidades: filtros que permitem ver mensagens separadamente e atualizações de redes sociais, enviadas por contatos, de grupos do Windows Live. Seja alguém que gosta de arquivar emails de maneira organizada ou até mesmo amontoá-los em uma caixa postal abarrotada, o HOTMAIL oferece as melhores ferramentas para ajudá-lo a realizar muito mais, tudo para que o internauta possa se concentrar no que realmente importa.


A evolução visual
Durante os anos o logotipo do HOTMAIL passou por inúmeras modificações até adquirir uma identidade visual mais integrada e alinhada com os serviços da Microsoft. A primeira modificação ocorreu em 1997. A partir de 1998 o logotipo passou a conter a sigla MSN e acompanhou a evolução visual deste serviço da Microsoft.


Em 2006 o serviço passou a adotar oficialmente o nome de WINDOWNS LIVE HOTMAIL. Em 2010 a marca apresentou sua nova identidade visual: saiu de cena o tradicional símbolo colorido do Windows e entrou um envelope laranja, alinhando assim o HOTMAIL com a imagem dos serviços Windows Live.


Dados corporativos
● Origem: Estados Unidos
● Lançamento: 4 de julho de 1996
● Criador: Sabeer Bhatia e Jack Smith
● Sede mundial: Redmond, Washington
● Proprietário da marca: Microsoft Corporation
● Capital aberto: Não
● CEO: Steve Ballmer
● Presidente (divisão Windows Live): Steven Sinofsky
● Faturamento: Não divulgado
● Lucro: Não divulgado
● Contas de e-mail: + 370 milhões
● Presença global: 59 países
● Presença no Brasil: Sim
● Segmento: Internet e comunicação
● Principais produtos: Serviço gratuito de e-mail
● Concorrentes diretos: Gmail, Yahoo! Mail, AOL e UOL (Brasil)
● Website: www.hotmail.com

A marca no mundo
Atualmente o HOTMAIL, serviço de e-mail gratuito da Microsoft, tem mais de 370 milhões de usuários no mundo inteiro, sendo 47 milhões somente no Brasil. Atualmente, pessoas em 59 países tem acesso ao serviço, que está disponível em 36 línguas diferentes. Diariamente o HOTMAIL é responsável por enviar mais de 3 bilhões de e-mails e filtrar outros 1 bilhão em mensagens indesejadas (spams). Em seu sistema estão armazenados mais de 160 petabytes de informações, a maioria delas fotografias.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 11/7/2012

Um comentário:

Anônimo disse...

muito muito usuários