10.2.12

GLOCK

Precisão, confiabilidade e segurança, tanto na defesa como no ataque. Foi com essas características que as pistolas austríacas GLOCK conquistaram forças policiais e militares do mundo inteiro, incluindo o FBI, o US Navy Seals (principal força de operações especiais da Marinha americana), e também a Polícia Federal brasileira.

A história
Tudo começou no ano de 1963 em Deutsch-Wagram, uma pequena cidade austríaca perto de Viena, quando o engenheiro Gaston Glock, especializado em ligas e combinações de aço e polímeros, resolveu fundar uma empresa para fabricar inicialmente produtos de metalurgia e de plástico, como dobradiças e maçanetas. Já na década seguinte a empresa se tornou fornecedora de acessórios para metralhadoras, granadas de exercício, coldres, facas e pás de campo para as forças armadas de seu país.


A história da empresa começou a mudar de rumo em 1980 quando o exército austríaco abriu uma concorrência para a aquisição de uma nova pistola de porte semi-automática para seus militares. Entre os requisitos exigidos estavam que essa pistola deveria ser em calibre 9 mm, ter capacidade para, pelo menos, 8 cartuchos, ser ambidestra, poder ser desmontada sem nenhuma ferramenta, ter menos que 58 peças que poderiam ser trocadas sem maiores ajustes e ainda ser capaz de disparar 10.000 tiros apresentando, no máximo, 20 falhas. O exército da Áustria chamava a pistola desta licitação de “P-80”. Foi então que o Sr. Gaston fez uma pesquisa com diversos especialistas do segmento de segurança pública, militares e atiradores civis para coletar informações do que seria a pistola ideal. Após seis meses de intensas pesquisas, ele apresentou sua pistola que deveria ser posta para avaliação do exército austríaco e verificar se esta preenchia as duras exigências operacionais daquela força.


Esta nova pistola foi batizada de GLOCK 17, o que pode ser chamada de a “mãe” das pistolas GLOCK. A pistola passou pelo teste do exército austríaco e falhou uma única vez em ejetar um estojo deflagrado durante 10.000 tiros disparados em 5 horas onde vários atiradores se revezaram para manter a arma atirando ininterruptamente. Outros testes como mergulhá-la em água salgada, enterrá-la na lama com o ferrolho aberto, expô-la a temperaturas congelantes de 24º à baixo de zero, foram executados na GLOCK 17, tendo a pistola passado com louvor por todo esse “inferno” avaliativo. A GLOCK 17 não foi a primeira pistola com carregador de grande capacidade, nem a primeira com frame de polímero, nem a primeira sem cão externo. Sua originalidade resultou no sistema de funcionamento, batizado de “Safe Action”, que permitiu a eliminação de seguranças manuais. Isto porque esse sistema permitia carregar a arma com um cartucho na câmara com segurança total e os tiros, do primeiro ao último, requeriam que se apertasse o gatilho. A combinação de elementos e a eliminação de dispositivos manuais de segurança permitiam ao atirador concentrar-se mais na tática e no disparo, sem distrações produzidas pela manipulação da arma.


Em 1983 a GLOCK 17 foi, oficialmente, adotada pelo exército austríaco, que fez um pedido inicial de 30.000 unidades, e a partir daí a “pistola de plástico” como a mídia a chamava passou a ser o centro das atenções em muitas conversas entre apreciadores de armas. Aos poucos a nova pistola foi vencendo a desconfiança inicial e foi adotada também pelas forças norueguesas. A consolidação mundial de suas pistolas ocorreu em 1985 quando a empresa montou uma fábrica nos Estados Unidos para alcançar este gigantesco mercado, sendo adotada por inúmeras forças policiais americanas. Era o reconhecimento, não somente da qualidade, mas também da confiabilidade de suas pistolas. Ao perceber que aumentavam os pedidos, a GLOCK foi introduzindo novos modelos de pistolas e ampliando sua área de influência. Apresentaram assim a GLOCK 18, de tiro automático para uso militar e policial, depois a compacta 19 e a esportiva 17L. Pouco depois, em 1988, outra fábrica foi inaugurada em Hong Kong para atender o mercado asiático e australiano. Nesta época a empresa lançou mais dois modelos de pistolas: GLOCK 20 (10 mm auto) e GLOCK 21 (.45 auto). Em 1990 centralizou suas operações para América Latina no Uruguai. Com o calibre .40 ganhando enorme popularidade nos Estados Unidos, a empresa apresentou duas grandes novidades: GLOCK 22 e GLOCK 23. Em meados desta década as pistolas GLOCK já eram amplamente adotadas, e também preferidas, pelas principais forças policiais e forças especiais dos Estados Unidos.


Nos anos seguintes a empresa diversificou ainda mais sua linha de produtos com o lançamento de produtos de enorme sucesso, como por exemplo, a GLOCK 25 (1995), pistola calibre .380 auto; GLOCK 26 (1995), pistola subcompacta, uma derivação da original com cano curto, que utiliza a munição 9mm; GLOCK 27 (1995), pistola com calibre .40; GLOCK 28 (1996), pistola subcompacta com calibre .380; GLOCK 29 (1997), pistola subcompacta calibre 10mm auto; GLOCK 30 (1997), pistola subcompacta calibre .45 auto; GLOCK 31 (1998), pistola calibre .357; e GLOCK 37, pistola calibre .45. No Brasil há apenas dois modelos disponíveis para o uso civil, G25 e G28, todos com o calibre .380 Auto. Os modelos 9 mm são de uso exclusivo das forças armadas e da Polícia Federal.


Recentemente a empresa ampliou sua linha de pistolas de 4ª geração, batizadas de GLOCK Gen4. Esta nova geração foi criada para tornar as pistolas mais competitivas no enorme mercado americano, onde armas ergonomicamente adaptáveis à vários tipos e tamanhos de atiradores fazem grande sucesso e obtêm a preferência nas licitações de forças policiais que têm em seus quadros tanto policiais femininas de 1.55m quanto policiais homens com mais de 2m de altura.


Porque tanto sucesso?
As pistolas GLOCK se tornaram as preferidas e com grande aceitação entre forças paramilitares e policiais no mundo. Esse enorme sucesso, em boa parte, é devido à ação do tipo safe action (ação segura), patenteado pela empresa, que se caracteriza por um conjunto de três travas internas automaticamente liberadas quando do acionamento do gatilho, permitindo, assim, o disparo. Não se trata nem de ação simples, tampouco de ação dupla. É um sistema próprio da GLOCK. Essa pistola não possui travas externas, sendo esse um dos motivos pelos quais pessoas que não conhecem essa arma a considerem como não segura. A primeira trava encontra-se no próprio gatilho. Trata-se de uma lingueta que só permite o curso do gatilho quando este é pressionado pelo dedo do atirador no momento do tiro. A segunda trava é a do percursor (firepin), que só é liberado após o acionamento do gatilho, permitindo, assim, o disparo. A terceira trava evita o disparo acidental por queda do armamento. Ao contrário do que muitos pensam, a GLOCK, quando está com munição na câmara, não está “engatilhada”. O acionamento do gatilho termina de empurrar o percursor para trás, armando o mecanismo, que só é liberado no final do curso do gatilho. Assim, a GLOCK, mesmo com munição na câmara, não pode efetuar disparos acidentais, pois o mecanismo de disparo só é “engatilhado”, no final do curso do gatilho. Esse sistema elimina as inconvenientes travas externas que costumam atrapalhar o saque rápido, seja acoplada em trajes civis ou mesmo no coldre. Por isso a GLOCK é considerada uma das armas mais seguras e mais indicadas para o uso policial no mundo inteiro.


Dados corporativos
● Origem:
Áustria
● Fundação:
1963
● Fundador:
Gaston Glock
● Sede mundial:
Deutsch-Wagram, Áustria
● Proprietário da marca:
Glock Ges.m.b.H.
● Capital aberto: Não
● Chairman:
Gaston Glock
● Faturamento:
Não divulgado
● Lucro:
Não divulgado
● Presença global:
+ 50 países
● Presença no Brasil: Sim
● Funcionários:
600
● Segmento:
Segurança
● Principais produtos:
Pistolas, carregadores e acessórios
● Concorrentes diretos:
Smith & Wesson, Ruger, Taurus, Colt e Beretta
● Ícones:
O sistema Safe Action
● Slogan:
Perfection.
● Website: www.glock.com

A marca no mundo
Atualmente a GLOCK, que produz pistolas nos calibres 9 mm, 10 mm, .357, .380, .40 e .45, comercializa seus produtos, que incluem ainda carregadores, cartuchos, lanternas, miras e armas esportivas, em mais de 50 países ao redor do mundo. Até os dias de hoje já foram produzidas mais de 5.5 milhões de pistolas, que são utilizadas por forças policiais e militares, grupos especiais e agências de segurança em 48 países.

Você sabia?
A GLOCK marcou o uso definitivo do polímero no chassi das pistolas, estabeleceu padrões e regras de simplicidade e robustez e seu sistema Safe Action, devidamente patenteado, não tem sido superado.
A GLOCK se tornou conhecida em todo o mundo como “pistola de plástico”. Recebeu esse nome devido ao grande número de peças feitas em material sintético especial de grande densidade.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 10/2/2012

Nenhum comentário: