29.4.13

SWIFT


Qualidade e cuidado em todos os processos. Eficiente controle de procedência. Produtores selecionados, cadastrados e rigorosos processos de seleção de animais, transporte (cuidados especiais de embarque e desembarque) e produção industrial com rígidos controles de higiene. Tudo isso para que a SWIFT ofereça ao consumidor carnes e derivados industrializados de alta qualidade, como bifes macios, suculentos contrafilés, tenras picanhas ou saborosas salsichas e até feijoada em lata.

A história
A marca tem suas origens com o empreendedor Gustavus Franklin Swift, que em 1853, então com apenas 14 anos, começou a trabalhar no pequeno entreposto de comercialização de carnes que sua família mantinha, e onde abatiam bovinos, ovinos e suínos, criados na própria fazenda no estado americano do Colorado. Pouco depois, em 1855, encorajado pelo seu pai e com um empréstimo de US$ 20 ele abriu um pequeno açougue na cidade de Cape Cod, estado do Massachusetts, que vendia carnes de alta qualidade para a vizinhança. Em 1869 ele inovou no mercado de carne bovina passando a comercializar cortes diferenciados a seus clientes. Em 1872 ele já era membro da associação dos negociantes de carne de Boston, uma influente instituição da época que agregava todos os açougueiros da cidade. Pouco depois, em 1875, Gustavus se mudou para a cidade de Chicago, que então era o centro de abate de gado do país e onde, no ano de 1878, em sociedade com o seu irmão fundou a Swift & Company, construindo um grande abatedouro. No primeiro dia de funcionamento o frigorífico abateu 32 cabeças de gado. A partir daí ele iria se tornar, nos anos seguintes, o maior distribuidor de carne dos Estados Unidos e um pioneiro na verticalização da indústria.


Um dos setores de grande sucesso da SWIFT foi outra empresa que ele criou para explorar o serviço de vagões para transportar gado vivo e de vagões frigoríficos, que eram refrigerados com blocos de gelo, para transportar carcaças de gado. Em 1877 a empresa transportou com sucesso o primeiro carregamento de carne fresca em vagões refrigerados para o Oeste do país. No período de 1882 a 1890 o volume de carnes que a empresa transportou anualmente entre as cidades de Chicago e Nova York alcançou 340.000 toneladas de gado vivo e 44.000 toneladas de carcaças abatidas. Em 1886 a empresa já abatia aproximadamente 400.000 cabeças de gado por ano. Entre os anos de 1888 e 1892 foram construídos mais sete novos frigoríficos abatedouros, sendo três no estado do Missouri, um em Iowa, um em Minnesota, um no Texas e outro na cidade de São Francisco na Califórnia. Ainda em 1888, ele assumiu o controle da Libby, McNeill & Libby, então a maior produtora de alimentos enlatados do mundo, posição que durou até o ano de 1920.


Em 1900 a empresa abriu uma pequena operação na cidade de Londres. Pouco depois, em 1902, a SWIFT fechou um acordo com J.O. Armour e Edward Morris, e com o apoio de alguns banqueiros, criou a National Packing Company, que tinha como propósito determinar preços e estabelecer mercados para a carne, o que ficou conhecido como “truste da carne” (“Beef Trust”). A Suprema Corte dos Estados Unidos determinou a sua extinção em 1905. Em 1903, quando Gustavus Swift faleceu, as vendas brutas da empresa totalizavam US$ 400 milhões e empregava 23.000 pessoas. Somente a fábrica de Chicago tinha 5.000 empregados. Abatia por ano 2.000.000 de bovinos, 4.000.000 de suínos e 2.000.000 de ovinos. Nos anos seguintes a empresa não parou de crescer: em 1908, por exemplo, abateu um total superior a oito milhões de animais e tinha uma frota de 5.000 vagões frigoríficos.


A expansão internacional da empresa começou em 1907 quando estabeleceu um matadouro frigorífico na Argentina, o La Plata Cold Storage, que mais tarde trocou o nome para Compañia Swift de La Plata. Em 1911, estabeleceu um matadouro frigorífico em Montevidéu, no Uruguai. E no Brasil, a SWIFT desembarcou no mês de julho de 1917 na cidade do Rio Grande, iniciando a construção de um frigorífico. Neste período a SWIFT começou a diversificar seus produtos além da carne bovina fresca. Por exemplo, em 1915, a empresa oferecia uma ampla gama de produtos industrializados como presunto, salsichas, bacon, carne de frango, ovos, manteiga, entre outros. Em 1920 sua frota já era de 7.000 vagões frigoríficos. Ainda nesta década, quanto faturava uma média anual de US$ 700 milhões, a SWIFT era presença constante na lista das maiores empresas dos Estados Unidos e também na lista das maiores empresas do mundo. No início da década de 1930, período da Grande Depressão Americana, a empresa vendia seus cortes de carne frescos e derivados industrializados sob os selos Select Swift e Premium Swift, que tinha o objetivo de fixar a marca nas cabeças dos consumidores.


No Brasil, em 1972, houve a incorporação da Armour, criando a empresa Swift-Armour que no final da década de 1980 seria vendida ao Grupo Bordon. Já nos Estados Unidos, em 1973, a SWIFT foi incorporada pela Esmark Inc., se tornou uma empresa independente nos anos 80 (Independent Packing Company) e entre 1990 e 2000 pertenceu a ConAgra, uma das maiores empresas de alimentos do país. Nesses processo de fusões e aquisições, as filiais da SWIFT em outros países passaram a pertencer a diversos proprietários distintos.


Desde 2004 a Swift Foods & Company passava por graves problemas financeiros, agravados ainda pela ocorrência da doença da vaca louca nos Estados Unidos, o que acabou atraindo a atenção de outras empresas para sua aquisição. Para surpresa do mercado a empresa foi comprada no dia 12 de julho de 2007 pela brasileira Friboi, que pouco depois passaria a se chamar JBS, em um negócio avaliado em US$ 1.5 bilhões. Curiosamente, os Batista, fundadores da JBS, têm história semelhante às origens da SWIFT: também começaram como açougueiros e se transformaram em verdadeiros magnatas da carne. Nesta época a SWIFT era o quarto maior frigorífico do mundo, o terceiro maior dos Estados Unidos com atuação em bovinos e suínos e o maior processador de carne bovina da Austrália. Com medidas simples tomadas a partir de então, os brasileiros conseguiram recuperar a SWIFT, fundindo-a com outras empresas adquiridas pelo grupo e rebatizando-a de JBS USA.


Considerada uma marca pioneira no segmento de carnes e derivados, haja vista que foi a primeira a comercializar carne fresca embalada a vácuo, a SWIFT sempre teve enorme preocupação em garantir a qualidade de seus produtos. Por isso, todos os processos de qualidade são testados em modernos laboratórios e por técnicos experientes que garantem a plena certificação dos produtos e inspeção SIF.


No Brasil a marca SWIFT, que comercializa produtos industrializados como hambúrguer, patês em conserva, além de feijoada, salsicha, fiambre e presuntada em latas ou vidros, também engloba as linhas especiais de carne da JBS. Entre essas linhas estão o Açougue Swift Nota 10, criado para atender a demanda dos supermercados para cortes em porções de carne bovina; a SWIFT MATURATTA, linha destinada ao preparo de churrasco (cortes resfriados, limpos, embalados a vácuo e prontos para a grelha como picanha, coração da alcatra, filé mignon, cupim, contra-filé, fraldinha, maminha, entrecote e costela em tiras); SWIFT ORGÂNICO, única carne orgânica certificada do Brasil (embalada a vácuo em 15 opções de cortes especiais); e a SWIFT BLACK, marca Premium da JBS voltada a restaurantes de alta gastronomia.


A evolução visual
A identidade visual da marca passou por algumas modificações ao longo dos anos. Antes reconhecida pelo logotipo circular vermelho no Brasil, sua identidade visual ganhou nova forma e tipografia de letra, mas manteve a tradicional cor vermelha. Nos Estados Unidos a marca continua utilizando o antigo logotipo.


Os slogans
Uma escolha saudável.
Nós entendemos de carne. (Açougue Swift)


Dados corporativos
● Origem: Estados Unidos
● Fundação: 1855
● Fundador: Gustavus Franklin Swift
● Sede mundial: Greeley, Colorado
● Proprietário da marca: JBS S.A.
● Capital aberto: Não (subsidiária)
● Chairman: Wesley Batista
● CEO: André Nogueira De Souza (JBS USA)
● Faturamento: US$ 17.7 bilhões (2012)
● Lucro: Não divulgado
● Presença global: 50 países
● Presença no Brasil: Sim
● Funcionários: 30.000
● Segmento: Alimentos
● Principais produtos: Carnes in natura, alimentos industrializados
● Concorrentes diretos: Tyson, Cargill, Smithfield Foods, Sadia e Perdigão
● Slogan: Uma escolha saudável.
● Website: www.swift.com.br

A marca no mundo
Atualmente a SWIFT, primeira marca de carne bovina do mundo, pertence ao grupo brasileiro JBS, está presente em 50 países ao redor do mundo, com forte presença nos Estados Unidos, Austrália, Brasil e Argentina. Além de carnes frescas e derivados industrializados, a SWIFT é uma das maiores fornecedores de carnes das grandes redes de alimentação nos Estados Unidos. Hoje, a SWIFT detém 22% do mercado americano de carnes. No Brasil, a marca pode ser encontrada em vegetais, patês, pratos prontos, salsichas, sopas, hambúrgueres, entre outros produtos, além de cortes de carne bovina, entre os quais Paleta, Acém, Peito, Contrafilé, Coração da Alcatra, Picanha, Maminha, Coxão Mole, Coxão Duro, Lagarto, Patinho, Músculo e Capa do Filé.

Você sabia?
A Swift foi pioneira no aproveitamento dos subprodutos de origem bovina para a produção de sabão, cola, gelatina, fertilizantes e produtos farmacêuticos.
A SWIFT foi eleita pela consultoria BrandAnalitcs uma das 50 marcas mais valiosas do Brasil em 2012. Pelas análises realizadas o valor da marca foi estimado em US$ 217 milhões, o que a coloca entre as três marcas de alimentos mais preciosas do país.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 29/4/2013

Nenhum comentário: