4.1.14

ITAMBÉ


O principal compromisso da Itambé é produzir e comercializar produtos lácteos e garantir, para seus milhões de consumidores, a máxima qualidade e o melhor sabor. Por isso, há quase sete décadas a Itambé leva às pessoas carinho e amizade na forma de verdadeiras delícias lácteas que são presença constante em todas as refeições do dia. 

A história 
A história da Itambé começou em 1944 quando o Governo do Estado de Minas Gerais, sob o comando de Benedito Valadares, inaugurou a Usina Central de Leite, uma empresa voltada para o processamento e distribuição de leite na região da Grande Belo Horizonte, e ligada à Secretaria da Agricultura do Estado. A usina recebia 22 mil litros de leite por dia, acondicionados em tonéis e distribuídos através de carroças. Quatro anos mais tarde, em virtude do fim da Segunda Guerra Mundial, o Brasil sofria com a escassez generalizada de alimentos. Percebeu-se então que a Usina Central de Leite, não supria a necessidade dos belo-horizontinos, sua missão inicial. Foi então que o governo mineiro resolveu, no dia 10 de novembro de 1948, transferir seu controle, em regime de arrendamento, para representantes de seis cooperativas próximas de Belo Horizonte e cinco produtores rurais, surgindo assim a Cooperativa Central dos Produtores de Leite (CCPL), presidida por Roberto Eiras Furquim Werneck. No mês de maio de 1949 a nova empresa realizou o primeiro carregamento de garrafas de leite pasteurizado rumo às padarias de Belo Horizonte. Em 1950, foi criada a marca comercial Itambé (que em Tupi significa “pedra afiada”), uma alusão à rua onde sua sede está instalada até os dias de hoje, além de ser uma homenagem ao Pico do Itambé, ponto turístico das cidades de Serro e Santo Antônio do Itambé, região mineira conhecida pela produção de queijos artesanais.


Em 1951, a empresa foi autorizada a distribuir leite também para cafés e bares, mas somente em garrafas de vidro invioláveis. Pouco depois, a produção de leite já era superior à demanda, fator que possibilitou a fabricação de derivados, como por exemplo, o iogurte natural (em garrafas de vidro com 200g) em 1954. Pouco depois, em 1956, a empresa adotou o nome de Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR). No ano seguinte ocorreu o início do funcionamento da fábrica de Sete Lagoas, com a produção de novos produtos: leite em pó integral em lata (400g) e leite em pó desnatado em lata (300 g), queijos, manteiga e doce de leite. Além disso, a empresa iniciou a fabricação de queijo prato de minas na usina de Esmeraldas. No final desta década, em 1959, a empresa começou os primeiros testes experimentais com o leite em pó dietético MIMO. A década de 1960 começou com a construção da Usina de Belo Horizonte, além da aquisição da Usina da Vaquinha - produtora de leite tipo C - localizada na cidade de Contagem. O crescimento da empresa nesta década foi tão grande que filiais de venda de produtos foram abertas no Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo, o que possibilitou a Itambé comercializar produtos também para outros estados. Além disso, a empresa lançou o leite C embalado em sacos com um litro (1968) e o leite em pó integral em embalagem plástica de 250g (1969).


Na próxima década a linha de produto ganhou novos itens, como por exemplo, o iogurte com sabor de frutas em copos de 120g (1970), o Flan Itambé (1976), o iogurte com pedaços de frutas (1977), o leite pasteurizado tipo B em saquinho (1977) e o creme de leite acidificado (1977). A Itambé começou sua história de exportação ainda nesta década, quando a empresa buscava uma opção para escoar o grande estoque de alguns produtos, como a manteiga (exportada pela primeira vez para a Itália em 1972) e o leite em pó. Neste começo as exportações eram realizadas principalmente para África e os produtos eram enviados em embalagens industriais. A década seguinte foi marcada por um grande crescimento. Primeiro, foi adquirida uma unidade em Conselheiro Lafaiete, para produção de leite pasteurizado e manteiga. Depois, em Goiânia, entrou em operação uma nova fábrica voltada para a produção de leite em pó e manteiga. A produção de queijo e requeijão passou a ser feita pela fábrica de Piracanjuba, no interior de Goiás. Neste período a empresa também lançou produtos de enorme sucesso: o iogurte com geleia Frutambé (1988) e o iogurte natural com cenoura, laranja e mel em copos de 200g (1989).


Na década de 1990, com o enorme crescimento da demanda, a empresa investiu na ampliação da fábrica de iogurte de Belo Horizonte e da unidade de Sete Lagoas. Neste período a empresa também lançou novos produtos no mercado, como por exemplo, o doce de leite com sabores coco e chocolate (1991), o Itambaby (iogurte de polpa direcionado para crianças lançado em 1991), Vitambé (iogurte líquido com frutas pronto para beber, introduzido em 1992) e o leite em pó integral em saco aluminizado (também em 1992), além do início da comercialização do leite longa vida integral, em caixas com 1 litro, em 1993. Nos anos seguintes o portfólio foi ampliado com o lançamento do leite vitaminado de 1 litro, do leite longa vida, do iogurte líquido Vitambé sabor mamão com laranja, do leite em pó integral instantâneo e da bebida láctea Goody Fruti, todos em 1994; do iogurte com suco de frutas morango/pêssego FRUITO, em caixa com tampa abre-fácil de 1kg (1995); da bebida láctea achocolatada esterilizada Itambynho (1996). Pouco depois, em 1997, teve início a produção, em Pará de Minas, do queijo tipo Petit-Suisse (Itambezinho) em bandejas de 360g, do requeijão cremoso light, da bebida láctea esterilizada shake chocolate e do iogurte natural desnatado. Esta década também foi marcada pela exportação de forma ampla. Essa caminhada rumo ao ápice da exportação se deu quando a Itambé exportou para a Argélia aproximadamente 4 mil toneladas de leite em pó.


Com a chegada do novo milênio a Itambé definitivamente se consolidou como um das principais marcas de produtos lácteos do mercado brasileiro. A empresa também alçou novos caminhos ao observar as boas chances no mercado internacional e buscou um parceiro para caminharem juntos. Assim, em 2002, foi criada uma Trading que ficaria responsável por fomentar as exportações dos produtos lácteos brasileiros. Como resultado, as exportações da empresa passaram de 13 países, para um total de 63. Nos anos seguintes a empresa continuou ampliando seu portfólio de produtos com lançamentos como o Leite UHT Premium em uma moderna garrafa de plástico de 1 litro (2003), e primeiro a cumprir as novas regulamentações do Ministério da Agricultura; o Petit Cereais (2003); o leite UHT NoLac (2004), produto destinado a pessoas que têm intolerância a lactose; a linha de iogurtes Fit Zero (composta por deliciosos iogurtes com pedaços de frutas, com 0% de gordura e 54% menos calorias que um iogurte regular); a linha Fit Light (2005), com opções em versão líquida e com pedaços de frutas; o iogurte Plenus (lançado em 2006 e que marcou o ingresso da empresa no segmento de iogurtes funcionais); Itambito (leite fermentado com lactobacilos vivo, lançado em 2007); iogurte sabor granola e frutas secas; e Itambynho (achocolatado em pó).


Em 2012, a empresa iniciou uma nova etapa em sua história criando a Itambé Alimentos S.A. No ano seguinte a Vigor, uma empresa com mais de 90 anos de tradição no mercado nacional, pertencente ao grupo JBS, então maior frigorífico do mundo, adquiriu 50% do capital da empresa por R$ 410 milhões. Tratava-se de duas empresas bem complementares em termos de mix de produtos e área de atuação, permanecendo, entretanto com atuação e gestão totalmente independente entre si. O objetivo da parceria era fortalecer a estrutura de capital da companhia para cumprir um ambicioso plano de negócios de crescimento para os próximos anos, visando expandir a distribuição de produtos. E as novidades não pararam por aí: a Itambé implantou o canal de vendas “Porta a Porta” em Minas Gerais, Rio de Janeiro e Goiás, para atender consumidores localizados em regiões com menor acesso logístico. Em agosto, a marca apresentou ao mercado o iogurte Grego Itambé.


Em agosto de 2016, a Itambé lançou a linha Food Service, diversificando seu portfólio e atingindo um público diferente - profissionais do setor de alimentos nas áreas de panificação, confeitaria, pâtisserie, indústria e sorveteria. A linha é reconhecida pela entrega de produtos (entre os quais creme de leite, leite condensado, requeijão culinário, recheio, creme de leite gourmet, manteiga) que possuem o melhor rendimento e sabor, com custo benefício adequado as receitas e sem que o padrão e a qualidade se percam. Ainda em 2016, a marca apresentou as novas linhas Itambé PRO e Itambé PRO+ com alta dose de proteína e zero lactose, compostas por leites, bebidas lácteas e iogurtes, cuja proposta era seguir uma tendência mundial, principalmente por conta dos jovens que buscam uma alimentação mais saudável ou que praticam atividades físicas. No mês de dezembro de 2017, a francesa Lactalis, maior empresa de produtos lácteos do mundo e proprietária de marcas famosas como Batavo e Président, adquiriu a mineira Itambé, que mal acabara de voltar ao controle da Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (CCPR). Mais recentemente, em 2018, a marca reforçou o reposicionamento da linha infantil, que deixou de ser assinada como Itambezinho e passou a se chamar Itambé Kids, com produtos como achocolatados, leite fermentado e petit suisse.


No início, garrafas de vidros retornáveis garantiam a distribuição do leite Itambé, que chegava às mesas das famílias mineiras. O tempo passou e com ele surgiu o leite em saquinho plástico (uma revolução para a época, pois reduziu o custo de embalagem sensivelmente), em lata, em caixinha, além do leite em pó em sache no nordeste, uma região com pouca disponibilidade de leite e distante das regiões produtoras, e mais uma gama enorme de produtos que agora fazem parte da mesa de milhões de brasileiros espalhados pelo país.


A vaquinha 
Hoje, a mascote da marca Itambé, uma simpática vaquinha, está presente na vida do consumidor e de sua família, além da comunicação e produtos da empresa. A mascote foi de vital importância para aproximar o consumidor, trazendo confiança e identificação com a marca. A mascote da marca surgiu de uma forma peculiar. Em 1968, o então presidente da empresa, Dr. José Pereira Campos Filho, recebeu como presente de Ídio F. Leal, consultor e assessor de equipamentos de laticínios na época, uma vaquinha de feltro marrom, que passou a inspirar as ações institucionais, de mídia, embalagens, de merchandising nos pontos de vendas e em qualquer momento de contato com os consumidores. O sucesso alcançado pela simpática mascote foi tão grande que os caminhões de leite da CCPR/Itambé que circulavam por Belo Horizonte com sua imagem estampada passaram a ser carinhosamente chamados de “Vaquinhas da Itambé”.


Algumas campanhas publicitárias, onde a vaquinha era personagem central, marcaram a Itambé ao longo de sua história. A participação em eventos esportivos também foi um marco: como a Vaquinha da Copa do Mundo de Futebol nos anos de 1982, 1986 e 1990, na Copa América de Futebol de 1987 e nos Jogos Olímpicos de 1988. Vale ressaltar também a participação em eventos culturais. Em 2006, Belo Horizonte foi literalmente invadida por simpáticas vaquinhas que aguçaram a curiosidade de adultos e crianças da cidade. Foi a Cow Parade, fenômeno artístico-cultural ocorrido em todo o mundo que chegou a Minas Gerais graças ao patrocínio cultural da Itambé. Mesmo depois de 50 anos, a Vaquinha Itambé é a alma da marca e da empresa.


A Vaquinha Itambé passou por quatro grandes modificações em seu visual até adquirir a imagem atual, que adotou as cores branca e azul, deixando a mascote ainda mais simpática.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. A primeira modificação ocorreu em 1972 quando o logotipo ganhou as cores azul e vermelha. Em 1980 o logotipo adotou uma nova e moderna tipografia de letra, além da cor azul-escura, o nome da marca passou a ser escrito em letras minúsculas e a tradicional Vaquinha (de corpo inteiro) começou a fazer parte de sua identidade visual. No ano de 1994 mais uma remodelação radical: a Vaquinha ganhou um novo design e uma nova tipografia de letra foi adotada. Este logotipo seria modernizado em 2004.


Poucos anos depois, a Vaquinha Itambé foi retirada do logotipo que ganhou uma coloração azul mais escura. Em 2016 a marca passou por um dos mais brilhantes rebranding da história brasileira. Alinhada com o conceito “Leite é tudo”, foi desenvolvida uma identidade visual que transmite os valores da marca de forma inteligente e unificada. O splash de leite criou uma poderosa presença nas identidades visual das embalagens e redefiniu a organização de informações, assumindo o azul como color code da marca.


Os slogans 
Leite é tudo. (2016) 
O melhor do leite. 
O melhor do leite para sua família.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Lançamento: 1950 
● Criador: Cooperativa Central dos Produtores de Leite 
● Sede mundial: Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil 
● Proprietário da marca: Itambé Alimentos S.A. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Le Groupe Lactalis) 
● Presidente: Marcelo Candiotto 
● Faturamento: R$ 2.2 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 60 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 3.300 
● Segmento: Alimentos 
● Principais produtos: Leites, iogurtes, bebidas lácteas, requeijão, creme de leite e manteiga 
● Concorrentes diretos: Parmalat, Nestlé, Vigor, Danone, Batavo, Elegê, Piracanjuba, Italac e Mococa 
● Ícones: Vaquinha Itambé 
● Slogan: Leite é tudo. 
● Website: www.itambe.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente, com aproximadamente 70 anos de atuação no mercado lácteo nacional e internacional, a Itambé se tornou referência no segmento, sendo a terceira maior empresa do Brasil em captação de leite com mais de 7 mil fornecedores localizados no interior de Minas Gerais e Goiás. Diariamente, a empresa transforma 3.5 milhões de litros de leite em um portfólio completo de derivados lácteos – são mais de 190 produtos entre leites, iogurtes, requeijões, bebidas lácteas, creme de leite e doce de leite. A empresa possui seis unidades industriais, sendo quatro em Minas Gerais (nas cidades de Pará de Minas, Sete Lagoas, Guanhães e Uberlândia) e duas em Goiás, estrategicamente posicionadas em grandes bacias leiteiras, além de dez centros de distribuição. A empresa exporta para mais de 60 países, fazendo com que a Itambé seja uma das maiores empresas exportadora de lácteos do Brasil. Juntas, as linhas de produtos da marca somam mais de 400 mil toneladas comercializadas no país. O faturamento anual da empresa é estimado em R$ 2.2 bilhões. 

Você sabia? 
Em 1992 a Itambé criou seu Programa de Qualidade junto aos produtores. Em 1997 a mudança na forma de coleta acabou com os tradicionais latões de leite. Hoje o leite que entra nas fábricas passa por rígido controle de qualidade. O leite do produtor passa por teste ainda na fazenda, quando é recolhido. Se não estiver bom, nem é recolhido. Se estiver bom, é recolhida a amostra e enviada para dois laboratórios, um oficial e outro da empresa, que foi construído para fazer análises mais apuradas. 
A marca Itambé tem grande e forte presença em Minas Gerais e na região nordeste. 
O relatório produzido pela empresa de pesquisa de mercado Kantar WorldPanel (em 2016), indicou que a Itambé é a 10ª marca de consumo do varejo com maior penetração nos lares brasileiros. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Exame e Época Negócios), jornais (Valor Econômico, Meio Mensagem, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 27/11/2018

3 comentários:

Unknown disse...

Maravilhoso esse site.

Cris Barb disse...

Bem completo!

Unknown disse...

otimoooo