26.9.06

BROOKS BROTHERS


As listras e o xadrez compõem as estampas de suas inúmeras peças. As cores sóbrias e os tons pastéis, distribuídos por tecidos aconchegantes, remetem a conforto e classe. Seus modelos foram inspirados em esportes como o golfe, a equitação e o tênis, e a praticidade das peças sempre foi uma de suas grandes qualidades. As coleções apresentam figurinos apropriados tanto para uma festa de gala quanto para caminhadas ao ar livre. Clássica e elegante. Esses dois adjetivos são os mais adequados para descrever a tradicionalíssima grife americana BROOKS BROTHERS, que há dois séculos veste homens, e agora também mulheres, com elegância e requinte. 

A história 
Tudo começou exatamente no dia 7 de abril de 1818 na cidade de Nova York quando Henry Sands Brooks abriu uma pequena loja chamada H. & D.H. Brooks & Co., que foi pioneira no conceito prêt-à-porter (roupas prontas) para homens nos Estados Unidos. A modesta loja tinha como lema “fabricar e negociar apenas mercadorias de excelente qualidade, vendê-las a um preço justo e tratar com pessoas que procurem e apreciem tais mercadorias”. Por se tratar de uma marca que fabricava e comercializava as próprias roupas, tanto de prêt-à-porter como costumes feitos sob medida, sempre possuiu controle absoluto sobre seus produtos, o que assegurava a altíssima qualidade de suas roupas. E a marca soube inovar em sua área, introduzindo elementos clássicos e de requinte ao guarda-roupa de seus clientes. No ano de 1849 a empresa lançou os primeiros ternos prontos no mercado americano.


Porém, foi somente em 1850 que a empresa adotou seu atual nome, quando os netos de Henry Brooks, os irmãos Edward, Daniel, John e Elisha, herdaram-na de seu pai. No mesmo ano, foi criado o tradicional símbolo da marca: uma ovelha de ouro suspensa por uma fita (conhecida como “The Golden Fleece”, em português “O Velo Dourado”, na mitologia grega a lã de ouro do carneiro alado Crisómalo), que já era emblema dos mercadores britânicos de lã, bem como da ordem dos Cavaleiros do Cordeiro de Ouro (fundada pelo duque da Borgonha, Felipe, o Bom). Somente no ano de 1858 foi aberta a segunda loja da marca, situada na esquina da badalada Broadway com a Grand Street.


Em 1896, John E. Brooks, um dos herdeiros da marca, ficou impressionado com os colarinhos abotoados nas pontas usados pelos jogadores de pólo a cavalo na Inglaterra. Quatro anos depois, a marca lançou nos Estados Unidos a camisa com o colarinho abotoado. Essa foi uma das diversas especialidades da BROOKS BROTHERS, muitas das quais tiveram origem na elegante Inglaterra. Outras incluem a gravata em seda foulard introduzida em 1890; o tweed Harris (importado da Escócia); meias em tricô com padrão de losangos Argyle (inspirado no xadrez de clãs escoceses); as gravatas Repp com estampas diagonais (inspiradas nas regimentais inglesas, elas tiveram seus traços diagonais redirecionados); o tecido Madras (de algodão e com listras de variadas larguras, formando grandes xadrezes, que foi inicialmente adotado em camisas criadas para oficiais britânicos na Índia) usado em camisas, calças e jaquetas em 1902; o suéter Shetland (originalmente feito à mão por camponeses da ilha de mesmo nome) introduzidos em 1904; e o Paletó Pólo (originariamente em branco, com botões de madrepérola e cinto, e que mais tarde passou a existir também em cinza e em pêlo de camelo, com diversos modelos de cinto) lançado em 1910. Pouco depois, em 1915, inaugurou uma loja da badalada Madison Avenue, em Nova York, onde permanece até os dias atuais.


Em 1920 introduziu as gravatas com listras diagonais, que iriam se tornar sinônimo da marca. Nesta época a BROOKS BROTHERS já era uma marca elegante e clássica, usada pelas elites americanas. A marca também inovou ao introduzir em 1930 o seersucker (em português, anarruga), um tecido leve em algodão com superfície de listras enrugadas usado tanto em sobretudos como em roupas de verão. Nesta época, em plena Grande Depressão Americana, a empresa foi uma das poucas a estender suas linhas de créditos. Em 1946, a empresa inaugurou uma fábrica no bairro do Brooklyn para produzir camisas masculinas. Pouco depois, em 1949, a BROOKS BROTHERS começou a vender camisas femininas de algodão cor-de-rosa com colarinho abotoado, ingressando definitivamente neste mercado. Camisas pólo de caxemira, lançadas na década de 1950, também foram apropriadas pelas mulheres. Em 1953, a marca inovou ao lançar no mercado a primeira camisa que não precisava ser passada a ferro.


Em 1969 existiam dez lojas BROOKS BROTHERS, localizadas nas cidades de Nova York, Chicago, Boston, San Francisco, Pittsburgh, Los Angeles, Atlanta e Washington. Em 1976 a marca inovou ao introduzir um novo departamento chamado BROOKSGATE, com roupas e ternos feitos especialmente para jovens executivos. Além disso, a marca criou um departamento exclusivo para moda feminina, lançando sua primeira coleção completa. Três anos mais tarde começou sua expansão internacional com a inauguração de uma loja no Japão. No ano de 1988 a tradicional loja de departamento inglesa Marks & Spencer comprou a marca e realizou uma reforma monumental na loja âncora localizada na sofisticada Madison Avenue, em Nova York; abriu outlets (espécie de ponta de estoque), o primeiro inaugurado em 1991 na cidade de Kittery, estado americano do Maine; e, em 1999, inaugurou uma segunda loja âncora em Nova York, na badalada 5ª Avenida.


Em 2001 a marca foi vendida pela rede de lojas britânicas para a Retail Brand Alliance (RBA), uma subsidiária da Luxottica, por US$ 225 milhões. Nesse mesmo ano a marca inovou mais uma vez ao introduzir o “digital tailoring” – inovadora tecnologia de escaneamento do corporal, permitindo ao cliente customizar ternos, casacos esportivos, calças e camisas. O resultado são peças de caimento perfeito e impecáveis, adaptadas aos contornos únicos e proporções específicas do corpo de cada cliente. O dono da RBA e CEO, o milionário italiano Claudio Del Vecchio, foi o responsável pelo projeto lançado em setembro de 2006, o “Brooks Brothers Laboratory Collection”. Trata-se de um conceito criativo no qual designers conceituados são convidados a desenharem pequenas coleções para a marca. Thom Browne foi o primeiro a participar do projeto e sua coleção contou com 50 peças para a coleção Black Fleece do outono 2007. No ano seguinte, a marca lançou uma sofisticada linha de malas de viagens em couro batizada de Brooks Brothers by Hartmann. Além disso, introduziu uma linha de roupas esportivas para a prática do golfe.


A revitalização da marca coincidiu com o momento em que a moda respirava os ares nostálgicos dos anos de 1950 e 1960, décadas de sucesso e que definiram o estilo da BROOKS BROTHERS. Assim, os arquivos da marca têm servido como inspiração para novas combinações de cores, materiais e tecidos, tendo nos ternos, camisas e gravatas o carro-chefe da grife. Em 2009, a marca inaugurou suas primeiras lojas próprias no Canadá e no México. Contrariando as previsões, a BROOKS BROTHERS sobreviveu a dezenas de milhares de concorrentes que abriram e fecharam suas portas, a guerras civis e mundiais, e a crises econômicas e depressões de proporções globais. Por exemplo, durante a posse presidencial de 2017, tanto o presidente eleito Donald Trump quanto o ex-presidente Barack Obama usaram casacos (sobretudos) da tradicional marca americana. E parte desse enorme sucesso se deve a sensibilidade de clientes fiéis que, em tempos onde a lealdade às marcas é praticamente inexistente ou rara, mantém a tradição de frequentar suas lojas e serem atendidos impecavelmente pelos mesmos vendedores, décadas a fio.


Um ícone americano 
O maior patrimônio da BROOKS BROTHERS é o fato de sua história se confundir com a própria história dos Estados Unidos. O lendário casaco preto (sobretudo) de Abraham Lincoln confirma essa relação. Com uma águia e os dizeres “One Country, One Destiny” (“Um país, um destino”, em português), ele foi, coincidentemente, o mesmo que o presidente usou no dia de sua posse e com o qual foi assassinado na fatídica noite no Ford’s Theater, em Washington. Desde então, nenhum outro casaco como aquele foi confeccionado na cor preta.


A marca já vestiu diversas celebridades, tais como gerações de famílias riquíssimas (entre as quais os poderosos membros do clã Rockefeller e Vanderbilt), líderes políticos, atores de Hollywood, heróis de guerra e esportistas. Entre os admiradores da marca estão Paul McCartney (fã das gravatas da marca), Jon Voight, Kevin Bacon, Ben Affleck, Will Smith e o ex-presidente Bill Clinton. Cary Grant, Gary Cooper, Douglas Fairbanks, Rudolph Valentino, Errol Flynn, Rudy Vallee e John Barrymore foram dos homens mais bem-vestidos de sua época, e todos foram clientes da BROOKS BROTHERS. Outros clientes históricos foram Fred Astaire, Clark Gable, Katherine Hepburn, John Pierpont Morgan e os também ex-presidentes Franklin D. Roosevelt, Richard Nixon, George H. W. Bush e John F. Kennedy. Além desses clientes famosos, a BROOKS BROTHERS é a responsável pelo figurino da Lincoln Jazz Orchestra, cujo diretor artístico é Wynton Marsalis.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos tempos. Do primeiro logotipo, passando pelo tradicional ícone da ovelha de ouro suspensa por uma fita, que se tornou símbolo da sofisticação e elegância para quem tem a honra de vestir BROOKS BROTHERS, a marca sempre manteve uma áurea clássica. O tradicional símbolo está praticamente onipresente em sua comunicação, ambiente das lojas, embalagens e etiquetas.


As lojas de desconto da marca, batizadas de BROOKS BROTHERS FACTORY STORE, utilizam uma tipografia de letra diferente.


Os slogans 
Two Hundred Years of American Style. 
The Original American Brand. 
An American Icon Since 1818. 
Generations of Style.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 7 de abril de 1818 
● Fundador: Henry Sands Brooks 
● Sede mundial: New York City, New York, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Brooks Brothers Group Inc. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Retail Brand Alliance) 
● CEO: Claudio Del Vecchio 
● Faturamento: €1 bilhão (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 280 
● Presença global: 71 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Funcionários: 3.500 
● Segmento: Moda casual 
● Principais produtos: Roupas e acessórios 
● Concorrentes diretos: Van Heusen, Arrow, Ralph Lauren, Gant, Lacoste, La Martina, Original Penguin e Paul & Shark 
● Ícones: O símbolo The Golden Fleece 
● Slogan: Two Hundred Years of American Style. 
● Website: www.brooksbrothers.com 

A marca no mundo 
A tradicional e clássica BROOKS BROTHERS, mais antiga fabricante americana de roupas masculinas, possui mais de 210 lojas e outlets nos Estados Unidos e opera ainda outras 70 unidades em outros países 70 países, como por exemplo, Austrália, Japão (segundo mais importante mercado da marca), Coréia do Sul, China, Espanha, França, Inglaterra, Escócia, Emirados Árabes Unidos, México, Canadá, Chile e Taiwan. A marca, que se caracteriza pelas estampas onde o xadrez e as listras têm destaque especial, mantém lojas âncoras em cidades como Nova York, San Francisco, Chicago, Boston e Beverly Hills. O vestuário masculino representa 80% das vendas anuais da marca, aproximadamente €1 bilhão. 

Você sabia? 
A marca americana não se apega somente à tradição. Procura acompanhar a história. Além da modernização de suas técnicas de fabricação e de gerenciamento, há uma responsabilidade social construída através de atividades filantrópicas. A BROOKS BROTHERS mantém um hospital infantil que investe em tratamentos para o câncer, além de uma fundação destinada a ajudar diversos mecanismos de caridade pelo país. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Adega), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 4/7/2018

Um comentário:

Carlos Leandro Veiga disse...

Boa Publicação. Uma pena que no Brasil essa marca seja pouco conhecida; no entanto, a Loja Aduana de Porto Alegre, onde moro, vendia algumas camisas da Brooks Brothers com um algodão de excelente qualidade, fabricado em SC por um preço convidativo. Em Londres, em Picadilly Circus, existe uma mega loja Brooks Brothers. Enfim, uma pena que não comercializam mais essa marca aqui no Brasil; mas quem sabe um dia...