12.11.13

BEATS BY DR. DRE


Coloridos e espalhafatosos, eles se destacam em shoppings centers, aviões, clubes e calçadas. Grandes como mamutes, são desejados e tão caros quanto a marca sugere. Os fones de ouvidos beats by dr. dre, são acessórios que fazem a cabeça de muita gente, especialmente celebridades e astros do esporte. Extravagantes, coloridos, modernos ou retrôs, esses fones de ouvido, cuja principal identificação é uma letra B vermelha, são incorporados ao visual de famosos e anônimos como expressão de estilo. E claro, eles também aprimoram o som. 

A história 
Tudo começou quando o famoso rapper e produtor musical Dr. Dre (nome artístico de André Romelle Young) se sentiu frustrado com o fato das pessoas não estarem ouvindo as músicas “do jeito que elas realmente são”. Isso porque a péssima qualidade dos fones de ouvido populares não estava reproduzindo diversas nuances que ele e outros produtores musicais criavam com tanto trabalho e esforço em suas músicas. Foi então que Dr. Dre, que havia sido produtor de nomes como Eminem, 50 Cents e Snoop Dogg, resolveu criar seu próprio fone de ouvido. Tudo para garantir que as pessoas pudessem ouvir as músicas “por completo”.


Para isso, ele se uniu a Jimmy Iovine, poderoso executivo da empresa Interscope-Geffen A&M Records, uma influente gravadora americana que ajudou trabalhos de gênios como Bruce Springsteen e 50 Cent, além de coproduzir o filme 8 Mile. Mas eles precisavam de um parceiro que produzisse e distribuísse os fones de ouvido. E encontraram na Monster Cable, uma pequena empresa fundada por Noel Lee (filho de imigrantes chineses) e mais conhecida por produzir cabos HDMI a preços astronômicos. Depois de intensos trabalhos de pesquisas e desenvolvimento, em 2008 foi apresentado ao mercado o fone de ouvido beats by dr. dre studio (escrito assim, tudo em letras minúsculas), que aprimorava a qualidade sonora, proporcionando um som consistente, poderoso e intenso. A tecnologia aplicada permitia excelente isolamento acústico, que praticamente acabava com a interferência de ruídos externos e garantia fidelidade às características originais das gravações.


Se os fones pequenos e sem graça eram a moda nos anos de 1990, a empresa apostou em um modelo oposto: fones grandalhões e em cores chamativas, voltados principalmente para o público jovem fã de hip hop e música eletrônica. Já a estratégia de marketing para a nova marca foi simples: participação massiva dos famosos e astros esportivos. Para utilizar a força de grandes personalidades da mídia, a marca utilizou as influências e contatos de seus criadores. Enquanto Jimmy Iovine utilizava seu forte relacionamento com músicos e celebridades e colocava os produtos em vídeos musicais, Dr. Dre aproveitava-se de sua intensa relação com grandes astros dos esportes americanos. A marca rapidamente fez a cabeça de celebridades e astros formadores de opinião, como a cantora Fergie, Justin Bieber, Will.i.am, a atriz Katie Holmes, o jogador de basquete Lebron James e, mais recentemente, o jogador Neymar. A exposição funcionou como uma espécie de atestado de qualidade e foi o bastante para que os fones de ouvido da marca se transformassem em objetos de desejo mundial. Com tudo isso, não demorou muito para a beats by dr. dre se tornar um verdadeiro fenômeno.


Com a potente combinação da participação de artistas, esportistas e celebridades, do design cuidadoso de seus aparelhos e da linguagem descolada, a marca criou não somente um eletro-portátil, mas, um acessório de grife desejado, principalmente pelos moderninhos e descolados. Outro fator de sucesso foi a criação de linhas especiais e edições limitadas de fones de ouvido desenvolvidos em parceria com artistas e celebridades, como por exemplo, Lady Gaga, David Guetta e Sean “Diddy” Combs.


Em agosto de 2010, a HTC, um gigante do segmento de eletrônicos de Taiwan, adquiriu 51% das ações da empresa por US$ 309 milhões, o que lhe garantiu utilizar a tecnologia da beats em seus smarthphones. No ano seguinte a marca inaugurou sua primeira loja conceito, localizada no badalado bairro do SoHo em Nova York. Além disso, a marca iniciou o licenciamento de sua tecnologia através de parcerias, o que permitiu a beats estar presente em uma linha de notebooks da HP (um software especial para música) e até no equipamento de áudio de carros de luxo da montadora Chrysler. Em 2012, o contrato com a Monster Cable expirou. E após muita controvérsia, com troca de acusações de ambos os lados, os produtos com a marca beats by dr. dre passaram a serem produzidos e distribuídos somente pela Beats Electronics. Além disso, com a separação, a beats ficou com todos os trabalhos de áudio, todas as patentes, os registros de marca e design, e, mais do que tudo, o nome.


Atualmente a marca oferece uma infinidade de modelos de fones de ouvido. O modelo Solo é o mais barato da linha, mas nem por isso deixa a desejar em termos de qualidade de som, sem contar o design clássico, que agrada aos olhos. Confortável, o aparelho apresenta compatibilidade com os controles de voz para iPads e iPhones, da Apple. Na versão Solo HD, o fone traz um sistema que garante tratamento especial aos sons mais graves. O acessório é dobrável, o que facilita seu armazenamento em mochilas e diminui o risco de danos. Além disso, possui microfone embutido para atendimento de chamadas. Uma das versões mais desejadas é o Studio, disponível em várias cores e que oferece o melhor sistema de eliminação de ruídos externos da marca – o aparelho emite um som em frequência específica, eliminando sons ambientes. Recentemente, a nova geração dessa linha apresentou uma ergonomia mais apurada, para maior conforto e uma maior resistência. O fone possui ainda tecnologia que diminui os ruídos e faz com que o acessório funcione com ótima qualidade de som mesmo quando não está conectado com fios. Outro grande atrativo desses fones de ouvido é sua bateria. Não há mais troca de pilhas. O acessório vem com bateria de Lítio-Ion, recarregável, que dura até 20 horas de reprodução. Um pequeno painel de LED indica o quanto de energia resta no aparelho durante a reprodução de músicas.


Mas não é só isso. A beats lançou linhas de earphones (fone de ouvido interno), com perfeita fidelidade sonora e design leve que permite o uso em viagens, exercícios e uso diário; auto-falantes portátil, como o modelo Phil, que aceita qualquer smartphone, já que o pareamento é feito por Bluetooth, e possui algumas portas na parte de trás, para entrada e saída de som, além de um microfone embutido para fazer chamadas; e avançou para outras áreas de negócios, como um serviço de streaming de música, disponível somente nos Estados Unidos e na Austrália. O Beats Music, lançado em janeiro de 2014, oferece acervo de aproximadamente 20 milhões de músicas e cobra uma assinatura mensal de seus mais de 250.000 membros.


Em maio de 2014 a fabricante de fones e acessórios de música Beats Electronics foi adquirida por US$ 3 bilhões pela poderosa Apple. A aquisição é a maior da companhia da maçã. Tudo leva a crer que a empresa pode transformar a beats em uma megaplataforma de vídeo, música e conteúdo sob demanda, em que usuários pagam uma mensalidade para ter acesso ao acervo. Isto porque, com a compra da beats, a Apple ganha um serviço de música por assinatura já estruturado e com todos os direitos autorais negociados. A empresa da maçã pode agora integrar o Beats Music a seus produtos e ter um serviço competitivo de música por assinatura. Fundadores da beats, Jimmy Iovine e o rapper Dr. Dre passarão a trabalhar para a APPLE. A empresa, porém, não informou qual será a função deles.


A evolução visual 
Em 2012, com o fim do contrato entre a marca e a empresa Monster Cable (que fabricava e distribuía os produtos) o nome “Monster” foi totalmente retirado do logotipo e de sua comunicação visual.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Lançamento: 2008 
● Criador: Dr. Dre e Jimmy Iovine 
● Sede mundial: Culver City, Califórnia 
● Proprietário da marca: Apple Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Tim Cook 
● Faturamento: US$ 1.5 bilhões (2013) 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: + 60 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 700 
● Segmento: Áudio 
● Principais produtos: Fones de ouvido e autofalantes portátil 
● Concorrentes diretos: Sony, Philips, Sennheiser, Skullcandy, Bose, JBL e Coloud 
● Ícones: O design dos fones de ouvido e a letra B vermelha 
● Slogan: People aren’t hearing all the music. 
● Website: www.beatsbydre.com 

A marca no mundo 
Atualmente os cobiçados produtos de áudio da beats by dr. dre, que incluem uma diversidade de modelos de fones de ouvido (headphones e earphones), autofalantes portátil, equipamentos de som, e, de modo mais restrito, tecnologia de software e hardware de áudio empregados em dispositivos de computação, são comercializados em mais de 60 países ao redor do mundo. Um número ajuda a entender o tamanho do fenômeno da beats: no ano de 2013, a marca foi responsável por 62% das vendas de fones de ouvido premium somente nos Estados Unidos, um mercado avaliado em mais de US$ 1 bilhão. O feito é ainda mais notável se levarmos em conta que seus fones de ouvido têm um preço para lá de salgado, alguns modelos chegam a custar US$ 400 ou mais. 

Você sabia? 
Segundo a empresa a origem do nome “beats” é a seguinte: inicialmente os empresários queriam usar Dr. Dre para vender tênis. Ele respondeu: “Danem-se os tênis, vamos fazer autofalantes”. O momento quase apócrifo funciona, principalmente porque, em inglês, sneakers e speakers rimam. A partir daí, segundo eles, a marca beats começou a ser cunhada. 
Além de seu talento musical, tanto como rapper e produtor, a marca beats by dr. dre transformou-o no artista mais bem pago do mundo em 2012 (arrecadou US$ 110 milhões no período de um ano), segundo lista elaborada pela revista Forbes. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Exame e Isto é Dinheiro), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 1/7/2014

2 comentários:

Thami disse...

Adoro!

Paulo Cesar disse...

Não usaria um fone de ouvido tão caro e ”cheguei" na rua mas,devem ser ótimos no pc e tv.