20.8.06

YOUTUBE


Crescimento rápido, controle dos usuários, promoção boca á boca e ávidos competidores. Bem vindo ao mundo do YouTube. O site que permite aos internautas terem acesso a tantos arquivos de vídeos quanto sejam capazes de carregá-los, assisti-los e postá-los, além de criar espaços para comentários e grupos de discussão, virou um fenômeno na internet e uma mania mundial. Por isso mesmo hoje em dia, assistir vídeos no YouTube é uma prática tão comum quanto checar emails. Vídeos engraçados, bizarros, surreais, séries consagradas, desenhos, pedaços de shows inesquecíveis, aniversários, palestras, entrevistas, reportagens, acidentes e protestos. Não viu na televisão, veja no YouTube. 

A história 
O YouTube foi criado em 2005 pelos americanos Steve Chen, Chad Hurley e Jawed Karim, ex-funcionários do serviço de pagamento pela internet PayPal, na cidade de San Mateo, estado da Califórnia, quando os mesmos perceberam a enorme dificuldade, em virtude do tamanho, de enviar um vídeo para os amigos por email. “Estávamos em um jantar em janeiro de 2005, onde fizemos arquivos digitais. No dia seguinte, não conseguíamos enviá-los por email e demoramos muito para colocá-los na internet. Pensamos que deveria haver uma forma mais fácil de fazer isso”, afirmou Hurley, em antiga entrevista à revista Fortune. Então, da garagem da residência de um deles, surgiu a ideia de criar um site para compartilhar esses vídeos. A grande novidade foi o modo como os vídeos eram transmitidos. Antes era possível somente transmiti-los pela internet via streaming, o que requeria um grande tráfego e enormes recursos do servidor. A grande ideia foi transformar os vídeos em animações do flash, precisando assim de bem menos tráfego e recursos, tanto do servidor quanto do cliente.


Os jovens tinham uma ideia na cabeça e pouco dinheiro no bolso. Eles então usaram o saldo do cartão de crédito de Chen, fazendo com que o YouTube fosse ao ar no dia 5 de maio deste mesmo ano como uma amostra do que seria o novo sistema; e com US$ 3.5 milhões, investidos pela Sequoia Capital, o site estreou oficialmente em dezembro. A origem de seu nome é curiosa. Surgiu da união do pronome pessoal you (você em inglês) com o substantivo tube (tubo), uma gíria utilizada para designar a televisão. Ou seja, algo que pode se entendido como “você na televisão”. O sucesso começou em março de 2006 quando cerca de 20 mil novos vídeos eram postados diariamente e as visualizações diárias eram estimadas na casa dos milhões. Um fenômeno causado pela divulgação boca a boca com adolescentes postando clipes de televisão, erros de gravação (os chamados bloopers) e filmes amadores caseiros. Mas também pelo alto investimento, cerca de US$ 8 milhões, feitos novamente pela Sequoia Capital, em abril. Ainda neste ano o site lançou grandes novidades, como por exemplo, o programa de verificação de conteúdo e as respostas de vídeos. O repentino sucesso e o enorme alcance começaram a chamar a atenção de gigantes da internet. Foi então que no dia 9 de outubro de 2006 o Google comprou a empresa pela quantia de US$ 1.65 bilhões. O valor se justificava no fato do YouTube ter sido revolucionário no sentido de trazer aos usuários leigos a simplificação de uma tarefa que antes era exclusiva para os conhecedores de interfaces e ambientes de programação. O resultado desta aquisição pode unificar o serviço com o Google Video, que deixou de existir.


A revista americana Time (edição de 13 de novembro de 2006) elegeu o YouTube a melhor invenção do ano por, entre outros motivos, “criar uma nova forma para milhões de pessoas se entreterem, se educarem e se chocarem de uma maneira como nunca foi vista”. E foi também neste ano que ocorreu a primeira edição do YouTube Video Awards, cujas categorias incluíam “O mais adorável vídeo de todos os tempos” e “O mais criativo”. O YouTube nomeava os concorrentes e os usuários decidiam o vencedor. Apenas vídeos originais e criados pelos usuários eram nomeados.


A partir do dia 19 de junho de 2007, o site passou a disponibilizar versões em outros idiomas, como por exemplo, português, francês, italiano, espanhol e japonês. Ainda nesse mês foi lançada a versão para celular (batizada de YouTube Mobile), permitindo assim que milhões de pessoas assistissem vídeos em dispositivos móveis. No ano seguinte ocorreram várias novidades: YouTube Insight, serviço de medição que permite aos usuários visualizarem “estatísticas detalhadas” de seus vídeos; e o lançamento, no dia 22 de novembro, do YouTube Live, um canal de transmissão ao vivo, que realizou sua primeira transmissão com um show de vários artistas diretamente de São Francisco na Califórnia. O YouTube também passou a disponibilizar, através de acordos, a programação integral da CBS e da MGM, além de disponibilizar vídeos em Alta Definição (HD).


Em janeiro de 2009, o YouTube alcançou a impressionante marca de 101 milhões de acessos únicos, e essa galera toda assistiu a 6.4 bilhões de vídeos (uma média de 62 vídeos por pessoa). Se você ficou impressionado, saiba que esses dados referiam-se apenas aos visitantes dos Estados Unidos. Ainda neste ano, o site lançou uma novidade extremamente prática: compartilhamento automático do YOUTUBE com redes sociais e webmail. E mais, disponibilizou o primeiro vídeo em 3D. Em 2010, o YouTube criou uma alternativa divertida pra quem espera o vídeo carregar: o Jogo da Serpente. Para isso bastava clicar sobre o botão “Play” do vídeo postado e, quando o carregamento começasse, era preciso precisionar a seta direcional para cima para o jogo iniciar. Também lançou o editor de vídeos online, onde é possível transições entre cenas, troca de trilhas de áudio, união e cortes dos vídeos publicados.


No início de 2013 o site lançou a primeira leva de canais pagos. A novidade contava inicialmente com conteúdo de 53 parceiros (disponibilizando documentários, shows, desenhos, conteúdos esportivos, séries e filmes) e possuía assinaturas a partir de US$ 0,99, cobrados a partir da vontade do usuário de acessar cada um dos criadores de conteúdo. Era a primeira tentativa do YouTube de concorrer em um segmento dominado pela Netflix e Hulu. Já o canal Youtube Edu, abreviatura de educação, foi lançado no dia 21 de novembro de 2013, fruto de uma parceria entre o Google e o Instituto Lemann. Com a iniciativa, o Brasil tornou-se o segundo país a receber o projeto de um canal exclusivo de conteúdo educativo no YouTube, o primeiro foi Estados Unidos. Inicialmente, foram selecionados 8.000 vídeos de professores brasileiros, já reconhecidos na plataforma e com canal próprio, divididos por disciplinas, como biologia, matemática, língua portuguesa, física e química, com foco no ensino médio. No final de 2014, depois de muita especulação, foi lançado o YouTube Music Key, um serviço completo de streaming de músicas, álbuns e clipes de shows, com direito à reprodução offline, por uma assinatura mensal.


Pouco depois, em fevereiro de 2015, foi lançada mais uma novidade: YouTube Kids, um aplicativo voltado para crianças, cujo foco é o conteúdo familiar, e principalmente deixar as crianças longe de conteúdos impróprios. O conteúdo é dividido em quatro categorias (shows, música, aprendizagem e pesquisa) e pode ser pesquisado via palavras-chave. Também estão disponíveis configurações para o controle dos pais como tempo de limite para uso (que tem como objetivo não deixar a criança ficar o dia inteiro conectada no dispositivo), desativação do som, seleção prévia de vídeos e conteúdos que os filhos poderão ver e desabilitação da função de pesquisa. Além da segurança, o aplicativo foi desenvolvido com foco na facilidade, a interface é muito mais simples, assim os pequenos podem utilizá-lo sem problemas e de uma forma divertida.


O YouTube oferece um fórum para pessoas se conectarem, se informarem e se inspirarem umas às outras por todo o mundo, bem como atua como plataforma de distribuição para criadores de conteúdo original e para grandes e pequenos anunciantes. O YouTube hoje se transformou em um hábito: Perdeu na TV? Veja no YouTube. É comum internautas que perderam alguma coisa importante ou curiosa na televisão tentarem recuperar o material pelo YouTube, darem uma olhada nos filmes amadores, em fatos importantes do dia ou da semana e também, se houver tempo, uma espiada nas curiosidades caseiras postadas por pessoas do mundo inteiro. A vantagem em relação aos seus mais recentes concorrentes: ali a duração média dos filmes é de apenas 5 minutos. O YouTube foi capaz de ensinar as televisões e ao próprio Google a lidar com vídeos na internet.


Materiais proibidos e censura 
O tamanho dos vídeos foi restringido a no máximo 10 minutos de duração. Essa redução foi em função de episódios completos de séries da televisão e material com copyright (direitos autorais), enviados pelos usuários. Mas em julho de 2010, essa restrição passou de 10 a 15 minutos. Dias depois, o YouTube anunciou que o usuário que nunca infringiu direitos autorais poderia enviar livremente vídeo de qualquer tamanho. Apesar de fechar inúmeros acordos com grandes redes de televisão e estúdios para transmitir legalmente os conteúdos em vídeo, o YouTube ainda enfrenta ameaças judiciais de grandes empresas de mídia, irritadas pelo site ter se tornado um meio popular de “pirataria” de seus programas. Outro grande problema enfrentado pelo YouTube é a censura que o site sofre em alguns países (como por exemplo, China, Arábia Saudita, Turquia, Irã, Paquistão, Tunísia, entre outros), que insistem em tirá-lo do ar ou bloquear parcialmente alguns conteúdos.


A evolução visual 
O tradicional logotipo da marca passou por pequenas e quase imperceptíveis alterações ao longo dos anos. O logotipo original da marca tinha o fundo vermelho em um formato mais quadrado, além de uma tipografia de letra mais fina. Esse logotipo foi utilizado por pouco tempo, quando foi remodelado, ganhando uma tipografia de letra mais robusta, um vermelho mais claro (com reflexos brancos no canto superior direito) e cantos mais arredondados no quadro vermelho. No final de 2011 o tradicional slogan foi retirado do logotipo, o vermelho ficou mais escuro e sem detalhes de reflexo.


O ícone para sua versão para dispositivos móveis, conhecida como YouTube Mobile, para sistema iOs também evoluiu ao longo dos anos. Originalmente representado por um televisor com imagem retro, em 2012 foi apresentada uma nova identidade visual. Já em 2013, uma nova alteração: o ícone passou a ser representado por um botão de play (branco) sobre um fundo vermelho, semelhante ao utilizado nos vídeos do site.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 14 de fevereiro de 2005 
● Fundador: Steve Chen, Chad Hurley e Jawed Karim 
● Sede mundial: San Bruno, Califórnia, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Google Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Susan Diane Wojcicki 
● Faturamento: US$ 2.8 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Usuários: 1 bilhão 
● Acessos: 3º site mais visitado da internet 
● Presença global: 75 países 
● Funcionários: 350 
● Segmento: Internet 
● Principais produtos: Compartilhamento de vídeos online 
● Concorrentes diretos: Vimeo, Hulu, Dailymotion, Metacafe e Yahoo Screen 
● Slogan: Broadcast Yourself. 
● Website: www.youtube.com 

A marca no mundo 
O YouTube, que possui mais de 1 bilhão de usuários, detém aproximadamente 43% de todas as visitas a sites de vídeo, onde diariamente são vistos mais de 4 bilhões de vídeos. Atualmente, o YouTube tem cerca de 4% da audiência global diária, sendo o 3º site mais visitado da internet. O YouTube pode ser encontrado em 76 domínios diferentes e mais de 60 idiomas. Metade das visualizações do YouTube é feita através de dispositivos móveis. Segundo estatísticas, para assistir a todos os vídeos postados no YouTube até agosto de 2006, era preciso 9.305 anos. Imagine agora, quando 300 horas de vídeos são enviados ao site por minuto, 144.000 horas em um único dia. 

Você sabia? 
O primeiro vídeo postado no YouTube tinha apenas 18 segundos e mostrava Jawed Karim, um dos fundadores do site, no zoológico de San Diego em frente a jaula dos elefantes. O vídeo, postado as 20:27 do dia 23 de abril de 2005 e cujo título é “Me at the zoo”, ainda pode ser assistido (clique aqui). 
O vídeo mais assistido da história do YouTube é “Gangnam Style”, do rapper coreano Psy, que foi visto mais de 2.261.305.862 vezes (dados até início de março/2015). 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Exame e Isto é Dinheiro), jornais (Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 4/3/2015

5 comentários:

Anônimo disse...

Esse site é maravilhoso. Muito legal ver todas essas marcas reunidas e com tantas informações. Mas ainda faltam tantas... Tomara que ainda vejamos muitas outras aqui.

Anônimo disse...

vcs se venderam pra google coisa
feia por tal pouco dinheiro

Anônimo disse...

Meu amigo que postou isso aqui em cima "vcs se venderam pra google coisa feia por tal pouco dinheiro". Vc por acaso leu sobre a marca Google? Não? então por favor leia.
Posso até resumir pra vc. Lá diz que o site youtube, foi vendido ao google por módicos U$1.6 bilhões de dólars. Vc acha isso pouco dinheiro Sr. Bill Gates?

Anônimo disse...

verdade.muito dinheiro!

Portal Corno Manso disse...

Ótimo Blog
Mais que perfeito!