28.6.18

FOOD NETWORK


O FOOD NETWORK é um canal de televisão totalmente dedicado a quem ama a arte da gastronomia. Desde a elaboração de diversos pratos, receitas incríveis, competições gastronômicas até lugares que levam na comida a cultura de diferentes países. É um canal para quem gosta de gastronomia e a encara como um estilo de vida. Por isso, assista ao FOOD NETWORK, fique com “água na boca” e tenha um bom apetite. 

A história 
A ideia do canal foi desenvolvida por Reese Schonfeld, um dos fundadores da rede CNN, e sob supervisão de Trygve Myrhen, então presidente do Providence Journal. O canal, inicialmente batizado de TV FOOD NETWORK, foi disponibilizado como preview no mês de setembro de 1993 com dois programas estrelados por David Rosengarten, Donna Hanover e Robin Leach. Seria um canal 100% focado em gastronomia, onde o público podia conferir renomados chefs nacionais e internacionais, trazendo e fazendo o melhor da culinária e apresentando temáticas de encher os olhos, e claro, dar água na boca. Finalmente no dia 23 de novembro de 1993 o canal foi oficialmente lançado, às 6 horas da manhã, convidando a audiência a assistir aos mais variados programas que envolviam o tema gastronomia. Entre os parceiros originais do novo canal estavam o próprio Providence Journal, Adelphia, Scripps-Howard, Continental Cablevision e, o mais importante, a Tribune Company, que fornecia a produção técnica da rede.


A programação original do canal incluía nomes como o chef/celebridade Emeril Lagasse (com o programa “Essence of Emeril”), Debbi Fields, Donna Hanover, David Rosengarten, Curtis Aikens, Dr. Louis Arrone, Jacques Pépin e Robin Leach. No ano seguinte, o canal adquiriu os direitos sobre a biblioteca de Julia Child, uma das mais populares autoras de livros de culinária e apresentadora de TV nos Estados Unidos. Com isso, adicionou ainda mais conteúdo de qualidade a sua programação. Erica Gruen assumiu o cargo de CEO do canal em 1996, tornando-se a segunda mulher na história a ocupar esse cargo em uma rede de televisão americana, e levou o canal a um crescimento explosivo até 1998, triplicando a base de assinantes, audiência e receita, e posteriormente lançando o FoodNetwork.com, que no futuro se transformaria em um enorme sucesso ao permitir aos usuários pesquisar receitas de diferentes fontes online. Gruen também mudou o posicionamento da marca de “TV for people who cook” (em português “TV para as pessoas que cozinham”) para “TV for everyone who loves to eat” (“TV para todos que amam de comer”), melhorando assim o apelo aos telespectadores, anunciantes, e salvando o canal da falência. Nos anos seguintes o canal conquistou credibilidade entre os americanos e se tornou extremamente popular, contribuindo para aumentar o amor e prazer pela culinária.


Em meados de 2005, o canal estreou um de seus programas mais populares, “Food Network Star: A Próxima Estrela”, com Boby Flay, Giada De Laurentiis e Alton Brown e que reúne aspirantes a chef em uma competição divertida. No mês de março de 2008, o canal iniciou os testes para o lançamento da versão em alta definição (HD). Somente em 2009, o FOOD NETWORK foi lançado fora da América do Norte, sendo disponibilizado no Reino Unido e, pouco depois, em julho de 2010, no continente asiático. Com isso, a grade de programação foi sendo diversificada com a apresentação de conteúdos locais. No Brasil, o FOOD NETWORK iniciou as suas transmissões no dia 4 de novembro de 2014, com programas totalmente legendados em português. Pouco depois, em 2015, o FOOD NETWORK começou a transmitir programas totalmente em espanhol para a América do Sul. No início de 2018 o canal foi vendido para o grupo Discovery Networks (70%) e Tribune Media (30%).


Atualmente no Brasil, o canal exibe produções locais como Cozinha Na Laje (programa que resgata a cultura da comida de botequim e recebe convidados em uma laje no Morro do Vidigal, Rio de Janeiro), Bizu (onde a chef Luiza Hoffmann escolhe um único ingrediente para a criação de um menu completo e multicultural) e Tempero Na Mochila (apresentado pelo chef carioca Pedro Benoliel que monta a sua cozinha itinerante nas principais cidades do litoral paulista), além de shows internacionais consagrados. Entre os shows internacionais da programação destacam-se “Lanchonetes Clássicas com Guy Fieri” (Diners, Drive-Ins and Dives), no qual Guy Fieri viaja pelos Estados Unidos visitando lanchonetes clássicas gerenciadas pela nova geração; “Iron Chef America”, que promove uma batalha entre chefs conhecidos mundialmente; “Chopped: O Desafio”, uma competição culinária apresentada por Ted Allen onde os participantes devem convencer os jurados que sua receita improvisada é a melhor; “Procura-se um Chef” (Chef Wanted), com Anne Burrell; “Sabores da Itália” (Everyday Italian) com a ítalo-americana Giada De Laurentiis; e “Refeição em 30 Minutos” (30 Minute Meals), com a talentosa chef Rachael Ray, que mostra como é fácil preparar pratos deliciosos, do preparo à apresentação final, em apenas 30 minutos. Com uma programação abrangente, o FOOD NETWORK possui diversos shows e programas que agradam a todos os gostos, literalmente. Atualmente o FOOD NETWORK se posiciona como um canal de estilo de vida, cuja programação vai muito além do que apenas cozinhar. Está empenhado em explorar maneiras novas e diferentes de abordar a comida - através da cultura, competição, aventura e viagens.


A evolução visual 
A identidade visual do canal passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Era conhecido como TV FOOD NETWORK até 1997, ano em que apresentou um novo logotipo e retirou a palavra TV de seu nome. Em 2003 a marca renovou radicalmente seu logotipo, que adquiriu um formato redondo e a cor vermelha. Dez anos mais tarde, em 2013, o logotipo foi atualizado, adotando assim uma nova tipografia de letra.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Lançamento: 22 de novembro de 1993 
● Criador: Reese Schonfeld 
● Sede mundial: New York City, New York, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Discovery Inc. e Tribune Company 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Alisson Page 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 150 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Segmento: Mídia (canal de TV) 
● Principais produtos: Programas de gastronomia e culinária 
● Concorrentes diretos: Cooking Channel e HGTV 
● Slogan: Dig In! 
● Website: www.foodnetwork.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente o FOOD NETWORK é um dos 10 maiores e mais assistidos canais de TV por assinatura do mundo. Está disponível em mais de 150 milhões de lares no mundo, incluindo Estados Unidos, Canadá, Europa, Oriente Médio, África, Ásia-Pacífico, América Latina e Caribe. Líder em seu segmento no mercado americano (onde possui mais de 95 milhões de assinantes), o canal é desenvolvedor e líder mundial, responsável pela produção de mais de duas mil horas anuais de conteúdo original em lifestyle, nas categorias de gastronomia, casa e viagem. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 28/6/2018

21.6.18

KIDZANIA


Imagine parques de diversão inspirados na realidade e que colocam os visitantes, neste caso crianças, para trabalhar imitando os papéis desempenhados por adultos na vida real. As crianças escolhem uma profissão, aprendem sobre o seu trabalho, vestem um uniforme, e estão prontos para ganhar e gastar uma moeda fictícia como bem entenderem. Desde coleta de lixo a dentista, passando por bombeiro, cirurgião ou policial, elas aprendem na prática como funciona a sociedade através de educação financeira, trabalho em equipe, cidadania e independência. E tudo em mini-cidades que imitam as reais em quase tudo, exceto nas medidas: tudo tem um terço do tamanho normal. Esse é o sucesso da mexicana KidZania, cuja missão é “preparar os pequenos para um mundo melhor!”

A história 
O empresário mexicano Xavier López Ancona (à direita na foto abaixo) sempre teve paixão para entreter e educar as crianças. Quando o seu melhor amigo e seu sócio, Luis Javier Laresgoiti, sugeriu a criação de um parque infantil baseado na interpretação de papéis (utilizando o conceito de “edutainment”, que mistura entretenimento e educação), o empresário rejeitou a ideia inicialmente. Afinal, ele estava satisfeito com seu cargo de alto executivo na empresa General Electric e não tinha planos de abrir o próprio negócio. Mas Laresgoiti insistiu e a ideia começou a ganhar vida. No entanto, era extremamente difícil conseguir financiamento para uma nova proposta de negócio no México no fim da década de 1990. Afinal, o país ainda se recuperava de uma grave crise financeira e não havia apoio do governo. A dupla começou aplicando todas as economias no projeto, mas não foi suficiente. Pediram ajuda a um amigo e a um dos seis irmãos de López para um investimento maior. Mas só conseguiram o dinheiro (55% do investimento inicial) para abrir o primeiro parque quando decidiram criar vínculos com empresas que concordaram em pagar para ter presença e exposição no espaço dedicado as crianças.


Inicialmente conhecida como La Ciudad de los Niños (A Cidade das Crianças, em português), o primeiro parque indoor foi inaugurado no dia 1 de setembro de 1999 no centro comercial do distrito de Santa Fe, nos arredores da Cidade do México. Concebido no modelo de uma mini-cidade, o parque promovia experiências práticas para crianças (com idades entre 4 e 14 anos) que simulavam a rotina de diversas profissões em estabelecimentos como lojas, indústrias, restaurantes, cinemas, hospitais, etc. Ou seja, o parque permitia que as crianças fizessem o que é da natureza delas: brincar e imitar as atividades adultas, como pintor, engenheiro, piloto de avião, médico, veterinário ou jornalista. O parque educacional indoor era uma cidade construída à escala das crianças, com prédios, ruas pavimentadas, veículos, economia própria e estabelecimentos patrocinados por importantes marcas. Por exemplo, hoje em dia, as crianças em alguns dos parques não assam qualquer pizza, é da Domino’s Pizza. Os voos são da American Airlines e a conta bancária é do HSBC. Ou podem trabalhar no McDonald’s fazendo hambúrgueres. E essas e muitas outras marcas (hoje são mais de 800) são uma importante fonte de renda para a KidZania.


A ideia de cobrar para que crianças imitem a rotina diária dos adultos, foi um sucesso surpreendente e no primeiro ano de funcionamento superou todas as expectativas ao atrair mais de 800 mil visitantes, conquistando inclusive o prêmio de melhor novo negócio da Expansion Magazine. Embora a marca tenha feito enorme sucesso no México, levou algum tempo até conquistar outros mercados pelo mundo. E para tornar os parques (que agora chamavam KidZania) economicamente viáveis, o empresário decidiu operar todas as unidades internacionais como franquia. Com isso, em 2006, mesmo ano em que foi aberta a primeira franquia no país, na cidade de Monterrey, a KidZania inaugurou sua primeira unidade em Tóquio, no Japão. A aposta deu tão certo que a KidZania teve um rápido crescimento em toda a Ásia, com mais franquias abertas na Malásia, Tailândia e Filipinas.


Três anos mais tarde, em 2009, a KidZania ingressou no continente europeu, instalando uma unidade em Lisboa. Em 2010, inaugurou novos parques em Dubai (Emirados Árabes Unidos) e Seul (Coréia do Sul). Em 2012 a empresa inaugurou seu maior parque até então, o KidZania Cuicuilco, localizado na Cidade do México, sendo o primeiro a ter uma área ao ar livre. O parque não apenas apresenta novas profissões, adaptadas ao século XXI, mas também, pela primeira vez, integra experiências inovadoras para ensinar às crianças consciência sobre assuntos globais como a conservação do meio-ambiente ou a empatia por crianças com necessidades especiais. As experiências profissionais ambientais são totalmente envolventes, incluindo uma central elétrica, turbinas eólicas, painéis solares, centros de reciclagem e central de tratamento de águas, para sublinhar a importância mundial da conservação do meio-ambiente. Entre as 120 profissões que o parque oferece as crianças, estão a de treinador de cães-guia (com direito a um cachorro de verdade), operador de central elétrica, criminologista, chefe de cozinha e muito mais. Além disso, as crianças podem fazer comida saudável, escolhas de lazer, e até experimentar uma condução segura de veículos (através de uma frota de carros amigos do meio-ambiente e adaptados ao seu tamanho). Existe até um centro de proteção civil com três andares, que simula enchentes, incêndios ou terremotos e ensina as crianças como responder a essas situações.


Depois de desembarcar na América do Sul, ainda em 2012, com a inauguração de uma unidade na cidade de Santiago, no Chile, a KidZania chegou ao Brasil no início de 2015 com um espaço de 8.500 m² localizado no segundo subsolo do shopping Eldorado (onde por 18 anos funcionou o Parque da Mônica) em São Paulo. De médico a chefe de cozinha, a unidade brasileira oferece aproximadamente 50 interpretações de atividades em mais de 70 estabelecimentos. Logo depois a KidZania inaugurou parques em cidades como Londres (2015), Manila (2015), Singapura (2016) e Nova Déli (2016). Atualmente são 13 unidades em desenvolvimento em diversos países do mundo, como por exemplo, Costa Rica, França, Catar, Estados Unidos e África do Sul.


Baseado no conceito de “edutainment”, os parques indoor da KidZania funcionam como se fossem cidades fictícias em miniatura. Nesses ambientes realistas, as crianças simulam e agem como adultos e podem escolher entre 100 profissões diferentes (por parque), em diversos estabelecimentos que também estão presentes em cidades reais. Entre eles, aeroportos, teatros, fábricas, lojas, bancos, tribunais, postos de gasolina, circuitos, delegacias de polícias e de bombeiros, estádios e muito mais. Cada parque leva em conta a cultura, alimentação e profissões da região. “Zupervisors” (adultos treinados que orientam e ajudam as crianças a realizarem suas tarefas) estão à disposição para apresentar e prestar apoio para cada atividade. Essas cidades possuem inclusive uma moeda própria, chamada de kidZos, com as quais as crianças podem utilizar os diversos serviços oferecidos pelos estabelecimentos dentro do parque, como supermercado ou aluguel de carro, por exemplo. Para recebê-los, as crianças precisam trabalhar, além de gerenciá-los como quiserem. Podem, também, guardá-los para visitas futuras aos parques da marca. Além disso, as crianças permanecem em um ambiente seguro e controlado por monitores treinados, incluindo a utilização de pulseiras eletrônicas que permitem aos pais acompanharem remotamente seus filhos.


Um conceito lúdico 
A KidZania foi construída em volta de uma história fictícia, que está enraizada em uma visão inspiradora de garotos idealistas que formaram uma nação com seu próprio governo, moeda e símbolos nacionalistas. Quem vive na KidZania é um KidZanista (ou KidZaniano), cidadão honorário que personifica o espírito desta comunidade. A lúdica história é representada pelos RightZKeepers, cinco personagens (espécie de mascotes) com personalidades distintas: Urbano (aventureiro), Beebop (criativo), Chika (atenciosa), Vita (carinhosa) e Bache (um simpático e alegre cachorro). Juntos eles representam os valores e princípios da KidZania, sendo os cidadãos mais proeminentes, com direito a monumentos dedicados a eles em cada parque.


A evolução visual 
Mais recentemente, no início de 2018, a marca apresentou uma nova identidade visual. O logotipo adotou uma fonte de letra mais arredondada e moderna. Uma curiosidade: a etimologia do nome KidZania foi criada combinando a palavra “kid” que é a abreviação do alemão “kinder” que significa “crianças”, com o sufixo latino “ania” que significa “terra de” e a letra Z que une os dois significados com um estilo divertido.


Dados corporativos 
● Origem: México 
● Fundação: 1 de setembro de 1999 
● Fundador: Xavier López Ancona 
● Sede mundial: Cidade do México, México 
● Proprietário da marca: KidZania de México S.A. de C.V. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Xavier López Ancona 
● Faturamento: US$ 500 milhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Parques: 24 
● Presença global: 19 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 11.000 
● Segmento: Entretenimento 
● Principais produtos: Parques de diversão e entretenimento infantil 
● Concorrentes diretos: Legoland e Nickelodeon Universe 
● Ícones: O conceito de edutainment 
● Slogan: Prepare-se para um mundo melhor. 
● Website: www.kidzania.com.br 

A marca no mundo 
Hoje em dia a KidZania, uma das maiores empresas de entretenimento infantil do mundo, possui 24 parques temáticos localizados em 19 países como México, Brasil, Inglaterra, Portugal, Egito, Emirados Árabes Unidos, Índia, Coréia do Sul, Japão, entre outros. Geralmente, as franquias da KidZania estão localizadas em shopping centers, mas em alguns casos estão em ambientes menos usuais, como a unidade de Cuicuilco, localizada no sítio arqueológico de mesmo nome, na Cidade do México. Desde a inauguração do primeiro parque, a KidZania já recebeu mais de 60 milhões de visitantes. Anualmente são mais de 9 milhões de visitantes. 

Você sabia? 
Muitos especialistas dizem que a KidZania tem potencial para se transformar na “nova Disney”. 
Como sugere o lema da KidZania, “Prepare-se para um mundo melhor”, a esperança é que o mundo em miniatura ajude a preparar as crianças para um mundo socialmente mais responsável e menos corrupto, que ofereça igualdade de oportunidade para todos. 
Apesar do enorme sucesso, para os críticos nem tudo parece perfeito. O modo como cada posto de trabalho é vinculado a uma corporação do mundo real é encarado como algo que vai em direção contrária ao ideal de Ancona. Segundo eles, obrigar as crianças que frequentam os parques a conhecerem estas marcas quando são tão pequenos e ainda cobrar por isso é muito consumismo. Já Ancona rejeita essas críticas e afirma que as marcas fazem com que as mini-cidades fiquem mais realistas. O empresário diz ainda que os parques apenas reproduzem o que as crianças já vivem todos os dias nas ruas das cidades reais e em suas casas. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), portais (BBC e G1), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 21/6/2018

12.6.18

HAMPTON by HILTON™


Design contemporâneo com inspiração local e quartos funcionais combinados com áreas públicas diferenciam a Hampton by Hilton™ de outras marcas de hotéis. Cada hotel da rede oferece aos viajantes a lazer ou a trabalho acomodações de alta qualidade, um café da manhã fantástico e a experiência excepcional que eles esperam ter. Tudo isso apoiado pela política 100% Satisfaction Guarantee™, que reforça o compromisso em oferecer sempre um excelente serviço. 

A história 
Tudo começou em 1983 quando a Holiday Corporation, empresa proprietária dos hotéis Holiday Inn, tradicional rede fundada em 1952, resolveu criar uma divisão para o desenvolvimento de uma nova bandeira de hotel econômico, comandada por Ray Schultz. Finalmente no verão de 1984 a empresa inaugurou a primeira unidade do Hampton Inn na cidade de Memphis, no estado americano do Tennessee. O hotel de dois andares oferecia 128 quartos e um serviço cortês. No final desta década, em 1989, a marca de forma pioneira na indústria da hotelaria introduziu o 100% Hampton Guarantee®, um programa onde se o hóspede não estivesse satisfeito com os serviços, ele não pagava a diária. Nesse mesmo ano a marca passou a fazer parte da Promus Hotel Corporation, que começou a mudar o posicionamento da marca: de uma rede econômica para uma rede de hotéis de preço médio (o chamado mid-price hotel), com diversos serviços e amenidades. A rede foi a primeira no segmento de hotéis de preço médio a oferecer café da manhã continental grátis e chamadas telefônicas locais gratuitas.


Em 1990, a rede já possuía mais de 220 hotéis, disponibilizando mais de 27 mil quartos. Três anos mais tarde, a rede inaugurou sua primeira unidade internacional, localizada em Niagara Falls no Canadá, e pouco depois um hotel em Monterrey, no México. No ano seguinte, a empresa foi uma das primeiras grandes redes de hotéis a disponibilizar informações pela internet, além de inaugurar o primeiro hotel na América Central, em San José, na Costa Rica. Além disso, nessa época 75% de seus quartos era oferecido para não fumantes. Pouco depois, em 1995, a marca lançou no mercado o Hampton Inn & Suites, que oferecia habitações com dois quartos em estilo suíte, com áreas de estar e cozinha, e cuja primeira unidade foi inaugurada em Newport News, no estado da Virginia. No final desta década, em 1999, a marca foi adquirida por US$ 3.7 bilhões pela tradicional Hilton Worldwide. Começava então uma nova fase de desenvolvimento para a marca, incluindo a implantação dos padrões de qualidade dos hotéis Hilton. No ano de 2000, a rede atingiu uma marca histórica: a inauguração de seu milésimo hotel na cidade de Hayward, no estado da Califórnia.


Em 2004, como parte da campanha “Make it Hampton”, a rede iniciou um processo de modernização de seus serviços e hotéis no valor de US$ 100 milhões para melhorar a experiência dos hóspedes. Este programa incluía conexão de mp3 player, rádio-despertador mais fácil de configurar do setor, roupa de cama branca, adição de itens de comida quente no café da manhã continental, o On The Run™ Breakfast Bags (café da manhã para viagem que contém água, frutas, muffin, uma caixa de balas de menta e uma barra de cereais) e acesso gratuito à internet de alta velocidade para os quartos.


Pouco depois, em 2006, mais uma novidade ao anunciar um novo e super confortável pacote de roupas de cama, batizado de Clean and Fresh Hampton Bed®, que oferecia uma capa de edredom branca e engomada, edredom macio, lençóis brancos de 200 fios e três ou quatro travesseiros (dependendo do tipo de quarto), incluindo um travesseiro lombar ideal para ler e assistir televisão. Em 2008 a rede inaugurou seu hotel de número 1.500. E no ano seguinte, expandiu suas operações para o continente europeu com a inauguração de seu primeiro hotel no Reino Unido. As inovações continuaram nos anos seguintes, como por exemplo, em 2010 quando foi introduzido waffles fresquinhos como parte do tradicional café da manhã da rede.


Em 2015 a rede passou a adotar oficialmente o nome de Hampton by Hilton™ no mundo inteiro. Ainda este ano a rede inaugurou sua primeira unidade no enorme mercado chinês e também ingressou na Rússia. Pouco depois, em 2016, com a inauguração de um hotel no Havaí, a rede Hampton by Hilton™ passou a ter presença em todos os 50 estados americanos. Depois de inaugurar seu maior hotel no mundo (localizado na cidade de Berlim com 344 quartos) e unidades na República Dominicana, Colômbia, no México e no Uruguai, em 2018, a Hampton by Hilton™ anunciou sua chegada ao Brasil para o desenvolvimento de cinco hotéis da franquia. O primeiro hotel deverá ser inaugurado em 2019, no aeroporto internacional de Guarulhos em São Paulo. O hotel terá 160 quartos localizados a menos de quatro quilômetros do aeroporto e contará com um restaurante servindo três refeições por dia, cardápio local e internacional, bar e lounge, academia, espaço para eventos para até 300 pessoas e traslado entre aeroporto e hotel.


Com mais de 2.300 localizações no mundo todo, os hotéis Hampton by Hilton™ oferecem aos milhões de hóspedes acomodações e comodidades de alta qualidade. Os hóspedes desfrutam de acesso WiFi gratuito e café da manhã grátis com opções quentes e waffles fresquinhos, além de cereais, frutas e iogurtes em abundância. Conte sempre com um serviço amigável e cortês, e muito mais. No Hampton by Hilton™, a felicidade está em fazer o hóspede feliz. Assim, se a rede puder aprimorar a sua estada, fale com qualquer membro da equipe, que fará tudo o que for preciso para deixá-lo 100% feliz. É a cultura corporativa conhecida como Hamptonality, termo que a marca utiliza para definir o serviço proativo, atencioso, apaixonado, autêntico e amigável que os membros da equipe oferecem aos hóspedes diariamente para criar momentos inesquecíveis e que pode ser percebido no sorriso ou ouvido no tom de um “bom dia!” de cada um de seus funcionários. O serviço impecável, acomodações de alta qualidade, comodidades no quarto e tecnologia de ponta, combinados com inúmeros locais e tarifas competitivas, solidificaram a Hampton by Hilton™ como líder em seu segmento e uma das marcas de hotéis que mais crescem no mundo.


A evolução visual 
A marca passou por pequenas remodelações ao longo dos anos, mas sempre manteve a arquitetura tradicional de seu logotipo. Em 2007, todos os hotéis no Canadá e na América Latina passaram a carregar a assinatura Hampton Inn by Hilton™, assim como em 2009 com suas unidades na Europa. Somente em 2015, todos os hotéis da rede no mundo adotaram oficialmente o nome de Hampton by Hilton™.


Os slogans 
We Go Together. (2015) 
Feel the Hamptonality. (2012) 
We love having you here. 
Make it Hampton. (2004)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1984 
● Fundador: Holiday Corporation 
● Sede mundial: Memphis, Tennessee, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Hilton Worldwide Holdings Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Christopher J. Nassetta 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Hotéis: 2.346 
● Presença global: 21 países 
● Presença no Brasil: Sim (futuramente) 
● Segmento: Hotelaria 
● Principais produtos: Hotéis de preço médio 
● Concorrentes diretos: Fairfield Inn by Marriott, Holiday Inn Express, Comfort Inn/Suites, Bset Western e Howard Johnson 
● Ícones: 100% Hampton Guarantee® 
● Slogan: Feel the Hamptonality. 
● Website: www.hampton.com 

A marca no mundo 
Atualmente a rede Hampton by Hilton™ possui mais de 2.345 hotéis, disponibilizando mais de 238 mil quartos em 21 países ao redor do mundo. A marca faz parte da Hilton Worldwide, proprietária de redes como Waldorf Astoria, DoubleTree, Embassy Suites e logicamente Hilton Hotels & Resorts, e que conta com mais de 5.300 hotéis em 106 países. 

Você sabia? 
A rede ainda oferece café e chá gratuitos no saguão, 24 horas por dia; luz noturna no banheiro; canal de filmes grátis; e cafeteira, ferro e tábua de passar roupas em todos os quartos, além de habitações adaptadas para deficientes físicos. 
Hampton by Hilton™, como parte da Hilton Worldwide, participa do Hilton Honors®, o premiado programa de fidelidade da empresa. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 12/6/2018

6.6.18

MOZART CHOCOLATE LIQUEUR


A marca carrega o homônimo nome de um dos maiores compositores de música clássica da história. Uma garrafa bojuda e escura com design inconfundível. E dentro um delicioso e cremoso licor de chocolate, que mais parece um bombom engarrafado. Essa é a receita da marca MOZART para conquistar o paladar de milhões de pessoas pelo mundo afora. 

A história 
Para contar a história do licor de chocolate cremoso mais famoso do mundo é preciso voltar no tempo. Afinal, dentro de cada garrafa há 150 anos de experiência e tradição na fabricação de licores. Tudo começou no ano de 1873 em um pequeno povoado ao norte da Alemanha chamado Steinhagen. Foi lá que Heinrich Christoph König fundou uma empresa para a produção de conhaques e vinhos, que rapidamente fizeram sucesso. Oito décadas mais tarde, em 1954, a quinta geração da família resolveu transferir a empresa para a cidade de Salzburgo, na Áustria. Surgia assim a Mozart Distillerie, batizada assim em homenagem ao compositor Wolfgang Amadeus Mozart, que nasceu na cidade no ano de 1756. A nova empresa produzia inicialmente bebidas típicas austríacas, que fizeram sucesso por todo o país.


A história começaria a mudar quando a destilaria resolveu desenvolver uma receita para um licor a base de chocolate. A empresa desenvolveu então um método único de produção que dava ao novo licor uma suavidade e cremosidade que conquistaria os paladares mais exigentes do mundo. Feito com o mais puro chocolate belga, com uma pasta feita de duas espécies de cacau: o Forasteiro, encontrado na África Ocidental e o Trinitário, importado do Caribe. O licor ainda contava com um leve toque de baunilha Bourbon, genuína de Madagascar, e óbvio, uma boa aguardente de cereja ou cana de açúcar. O novo licor foi lançado no mercado austríaco em 1981. Por ter como lema o compromisso com a alta qualidade, e assim como a famosa Flauta Mágica, composição de sucesso do grande gênio da música clássica, o licor foi batizado de MOZART GOLD. Afinal, enfatizava a mistura de diferentes elementos que compunham o licor de maneira semelhante às diferentes partes de uma obra musical. Era cheio de classe, requinte e estilo. A começar por sua garrafa, que mais parece um bombom gigante, um show a parte combinando perfeitamente com o conteúdo que preserva.


Durante alguns anos o MOZART ficou restrito ao mercado austríaco, mas começou a ganhar notoriedade mundial ao ser vendido nas lojas do Freeshop dos principais aeroportos europeus. Rapidamente, os viajantes e turistas de outras partes do mundo enxergaram no licor um presente sofisticado e único. Afinal, era um jeito bem inusitado de “comer” chocolate. Além disso, o enorme sucesso foi alcançado pela versatilidade do licor, que permitia diferentes combinações para obter variações requintadas e refinadas: com vodca ou com café, com baunilha ou menta, com creme de leite, com frutas. Em 2005 a marca lançou uma nova variação, o Mozart Dark Chocolate (a combinação perfeita entre o chocolate amargo 87%, baunilha e caramelo). Em 2008, a empresa japonesa fabricante de bebidas Suntory Limited (atual Beam Suntory), que importava o licor MOZART para o Japão desde 1990, adquiriu 50% da Mozart Distillerie. O acordo permitiu que a destilaria austríaca expandisse suas vendas fora do mercado europeu, especialmente em países emergentes como a Índia e a China.


Pouco depois a marca iniciou uma diversificação maior de sua linha de produtos com o lançamento de diversas variações do licor original, como por exemplo, com o Mozart White Chocolate Vanilla Cream (um sabor suave do mais puro chocolate branco); com o Mozart Chocolate Vodka (feito com um macerado de chocolate criado com cacau, baunilha e destilado para criar uma espécie de vodca sutilmente seca, com 40% de graduação alcoólica), introduzido em 2009; com o lançamento do Mozart R.G. Chocolate Cream (refinando o macerado de cacau em barris Bourbon por pelo menos seis meses), introduzido em 2014 para comemorar o aniversário de 60 anos da destilaria; ou com as edições limitadas Mozart Amadé Chocolate Orange (chocolate amargo com laranja) e Mozart Pumpkin Spice Chocolate Liqueur (combinação única de chocolate, caramelo e notas naturais de abóbora, canela, cravo e baunilha), esta última introduzida em 2016 para o Dia das Bruxas. A última novidade da marca foi lançada no mercado em 2017 e atende pelo nome Mozart White Chocolate Cream Strawberry (combinação de aromas de morangos e baunilha Bourbon), desenvolvido para ser bebido gelado.


Inimitável e inigualável, os ingredientes do licor MOZART, que possui graduação alcoólica de 17%, podem até não ser secretos, mas sua produção requer uma precisão milimétrica em um processo complexo. Uma vez que as matérias-primas tenham sido entregues, elas embarcam em uma longa jornada que envolve muitas etapas de processamento e verificações de qualidade. O cacau e a baunilha Bourbon são macerados a frio no destilado. Posteriormente os outros ingredientes, como o chocolate belga, o creme de leite e a manteiga de cacau são fundidos na receita em uma ordem específica, onde é levada em consideração até mesmo a temperatura e técnicas de mistura. Segundo a empresa, esse jogo de temperaturas e as técnicas de misturas empregadas no preparo são cruciais para o resultado final no sabor e aparência. Além disso, é utilizado ultra-som para pulverizar o cacau e obter uma consistência mais suave no produto acabado.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por apenas uma remodelação mais acentuada. Isto aconteceu em 2014 quando o logotipo adotou uma nova tipografia de letra, mais clássica. O nome da marca agora vem acompanhado da frase “Chocolate Liqueur”.


A tradicional e distinta garrafa, que daria ao licor o apelido de “Golden Ball” (em português “Bola Dourada”), também ganhou um novo rótulo em 2014 (imagem à direita). Para uma melhor compreensão, os nomes dos produtos foram ligeiramente alterados e adaptados em clara referência ao conteúdo da garrafa, como por exemplo, o Mozart Chocolate Cream (anteriormente Mozart Gold), Mozart White Chocolate Vanilla Cream (anteriormente Mozart White), Mozart Dark Chocolate (anteriormente Mozart Black) e Mozart Chocolate Vodka (anteriormente Mozart Dry). Além disso, o rótulo passou a conter a imagem do rosto de Wolfgang Amadeus Mozart.


Dados corporativos 
● Origem: Áustria 
● Lançamento: 1981 
● Criador: Mozart Distillerie GmbH 
● Sede mundial: Salzburgo, Áustria 
● Proprietário da marca: Mozart Distillerie GmbH 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Harald König 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 70 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Segmento: Bebidas alcoólicas 
● Principais produtos: Licores cremosos de chocolate 
● Concorrentes diretos: Kahlúa, Baileys, Amarula, Carolans, Sheridan’s, Merrys e Godiva Chocolate Cream 
● Ícones: O design da garrafa 
● Slogan: Chocolate worth your time. 
● Website: www.mozart-spirits.com 

A marca no mundo 
Atualmente a vasta gama de licores a base de chocolate da marca austríaca é comercializada em mais de 70 países ao redor do mundo. A MOZART é líder global em licores cremosos de chocolate. Além das tradicionais garrafas de 500 ml e 700 ml, uma garrafa de 1 litro é vendida exclusivamente em lojas do Freeshop no mundo inteiro. 

Você sabia? 
Dietmar Fadinger é o mestre destilador e chocolatier, responsável pela elaboração dos licores MOZART. 
Somente em 1991 a empresa garantiu o direito sob a marca MOZART. 
A empresa afirma que o Andante do Quarteto de Cordas de Mozart No. 2 em Ré Maior, K. 155 (K. 134a) é tocado em cada lote aproximadamente 380 vezes (durante um período de 24 horas) como parte do processo de fabricação, que eles descrevem como “soundmilling”


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites (Papo de Bar), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 6/6/2018

30.5.18

WEGMANS


Se você acha que varejo é tudo igual, espere até conhecer a rede americana WEGMANS. Em qualquer uma de suas lojas, sempre amplas e com corredores espaçosos, colaboradores prestativos ajudam clientes a encontrarem os ingredientes mais frescos possíveis, além de deliciosas refeições preparadas com carinho por grandes chefs. Oferecendo opções, qualidade e valor a WEGMANS tornou a experiência de compra um verdadeiro prazer. Afinal, a missão da marca é ajudar as famílias a viver uma vida melhor e mais saudável através da alimentação. 

A história 
Os irmãos Walter e John Wegman aprenderam a lidar com alimentos trabalhando na pequena mercearia de seus pais em Rochester, estado de Nova York. Walter trabalhava na loja enquanto John vendia produtos frescos em um carrinho de mão para as donas de casa. Em 1916, John inaugurou a Rochester Fruit & Vegetable Company, que seria a origem da WEGMANS FOOD MARKETS. Walter se juntou a ele um ano depois. A nova empresa comercializava frutas, verduras e legumes frescos. Em 1921, os irmãos compraram a Seel Grocery Co. e expandiram as operações para incluir mantimentos em geral e produtos panificados. Mas foi em 1930 que os irmãos ganharam as manchetes nacionais ao inaugurarem uma gigantesca loja, para os padrões da época, com inovações surpreendentes como uma lanchonete com capacidade para 300 pessoas. A loja vendia uma grande variedade de alimentos como carnes, mantimentos, produtos lácteos e panificados. Pouco depois, em 1932, a WEGMANS apresentou duas grandes novidades: vitrines refrigeradas e sprays de água vaporizada para manter os produtos frescos. Dois anos mais tarde, a empresa começou a oferecer o serviço de bufê, além de uma escola de culinária em sua loja na East Main Street. Já o Wegmans Food Institute oferecia dicas semanais aos consumidores sobre a preparação de alimentos e nutrição.


Em 1940, alimentos congelados apareceram pela primeira vez nas prateleiras da WEGMANS. No ano seguinte, a empresa inaugurou a primeira loja em um subúrbio e a primeira unidade localizada dentro de um shopping center, tornando-se a nona loja da rede. Essa loja apresentava algumas novidades como caixas registradoras de pagamentos em ambas as extremidades e até um elevador, que transportava as mercadorias do porão para o andar de vendas. No final desta década, em 1949, a rede implementou em suas lojas o sistema de auto-atendimento. Em 1950, com a morte de seu tio, Robert tornou-se presidente da empresa aos 31 anos. Quando assumiu o comando, Robert Wegman decidiu que seu objetivo era construir a melhor rede de supermercados do país. Uma de suas primeiras atitudes foi aumentar o salário de todos os funcionários. Isto porque, ele acreditava que, se uma empresa deseja que seus funcionários se importem com os clientes, ela precisa se preocupar com as necessidades deles. Em 1953, a rede inaugurou o maior supermercado da cidade de Rochester. As características da loja incluíam bordas exteriores e acabamento em pau-brasil, uma seção de produtos refrigerados, um Kiddie Corner (onde os pais podiam deixar seus filhos enquanto faziam compras) e um sistema onde os clientes observavam suas carnes sendo embaladas. No ano seguinte, a empresa anunciou um plano de participação nos lucros para os funcionários, comprovando mais uma vez a total importância deles para o crescimento dos negócios.


Até o final da década de 1950, a rede inaugurou outras lojas, que apresentavam novidades como técnicas especiais de iluminação, uma janela através da qual os clientes podiam assistir as embalagens automáticas de carne, caixas registradoras que calculavam automaticamente o troco, esteiras rolantes nos caixas, portas automáticas e ar-condicionado. Somente no ano de 1968 a rede inaugurou sua primeira loja fora de Rochester, localizada em Syracuse, também no estado de Nova York. Em 1971, foi criado o Departamento de Assuntos do Consumidor para atuar como a voz do cliente dentro da empresa e para conscientizar os compradores sobre nutrição, segurança alimentar e outras questões relacionadas. A WEGMANS também foi a primeira rede de supermercados de Nova York a oferecer serviço 24 horas em algumas de suas lojas. Além disso, para atender às demandas adicionais de treinamento, a empresa inaugurou sua própria escola de treinamento. Em 1972, a rede ampliou sua gama de serviços ao inaugurar a primeira farmácia dentro de uma de suas lojas. Dois anos mais tarde, inaugurou o departamento Seafood Market, oferecendo peixes e frutos do mar sempre frescos. Em 1979 a WEGMANS lançou seus primeiros produtos com marca própria e inaugurou a primeira seção Super Natural Health Food Center, que oferecia mais de 3.500 itens de alimentos naturais. Ainda nesta década a WEGMANS iniciou a doação de alimentos para bancos de alimentos, demonstrando assim sua responsabilidade social nas áreas em que atuava.


No ano de 1987, a WEGMANS inaugurou um armazém de processamento, permitindo que a rede lidasse com flores frescas e plantas para as lojas de forma mais eficiente e econômica. A década seguinte começou com o lançamento do Shoppers Club, um programa de desconto eletrônico, como uma alternativa ao recorte de cupons. Além disso, a empresa lançou como teste de mercado as sacolas plásticas recicláveis, que pouco depois foram adotadas em todas as suas lojas. Em 1992, a rede lançou mais uma linha própria de produtos: Food You Feel Good About (alimentos naturais e saudáveis). No ano seguinte, a rede inaugurou sua primeira loja fora do estado de Nova York, localizada em Erie, na Pensilvânia. No ano seguinte, inaugurou o primeiro Nature’s Marketplace em uma de suas lojas em Rochester, um departamento que oferecia alimentos naturais e orgânicos, suplementos, chás, entre outros itens. No final desta década, em 1999, a rede inaugurou sua primeira loja no estado de Nova Jersey.


Depois da virada do milênio, em 2003, a rede ampliou suas marcas próprias com uma linha de produtos orgânicos. Nos anos seguintes, a empresa ingressou em novos mercados com a inauguração de suas primeiras lojas nos estados da Virginia (2004) e Maryland (2005). Em mais uma atitude inovadora, no mês de janeiro de 2008, a WEGMANS anunciou que deixaria de vender produtos derivados do tabaco devido a seus efeitos maléficos na saúde humana e no meio ambiente e passou a oferecer programas para se livrar do vício para todos os funcionários. Em 2014, a WEGMANS se tornou uma das primeiras redes de supermercado dos Estados Unidos a aceitar pagamento via Apple Pay.


As lojas 
Sinta-se como em um charmoso mercado europeu ao ar livre. Deslumbrantes exposições de produtos frescos, pães artesanais e outros itens como bolos e tortas saindo do forno várias vezes ao dia, enorme variedade de alimentos naturais e orgânicos. Carnes, frutos do mar e peixes sempre frescos, produtos de delicatessen e queijos importados, comidas internacionais preparadas por chefs, mais de sete mil tipos de cervejas, sanduíches gourmets, sushis preparados diariamente, além de todos os itens de mercearia, laticínios, congelados e utensílios domésticos encontrados em supermercado. Mas com uma experiência única. Assim é a rede WEGMANS.


Para criar uma experiência de compra sempre surpreendente, a WEGMANS tornou-se um verdadeiro destino turístico nas localidades onde suas lojas estão instaladas. Para muitos, fazer compras em uma loja da rede não é apenas satisfazer uma necessidade de abastecimento da casa, é uma excelente atividade de entretenimento. O ambiente de suas lojas é semelhante ao de um shopping center, mas sem paredes. Muito diferente da ambientação que predomina nos supermercados em geral. Ao contrário do habitual, os clientes da rede não correm de gôndola em gôndola na ânsia de concluir suas compras o mais rapidamente possível. As pessoas se movem lentamente e apreciam tudo como se estivessem em uma galeria de arte. Além disso, os clientes podem relaxar em aconchegantes cafeterias, escolher refeições preparadas por chefs ou até mesmo pedir seus coquetéis favoritos em embalagens para levar para casa. As lojas ainda oferecem farmácia (que vendem até mesmo medicamentos para animais de estimação), seção de flores e presentes, uma grande variedade de utensílios domésticos, mercadorias sazonais e cosméticos. A rede frequentemente testa novos formatos de ambientação, todos voltados para surpreender e aumentar a conveniência e experiência dos clientes.


A fazenda 
No ano de 2007 a empresa iniciou a Wegmans Organic Farm, na pequena cidade de Canandaigua, estado de Nova York. A fazenda de 50 acres opera com a seguinte missão: seguindo o desejo de seus clientes por produtos frescos que são orgânicos e cultivados localmente, a empresa opera a fazenda orgânica para desenvolver e compartilhar as melhores práticas com seus clientes e parceiros. A WEGMANS continuamente trabalha para cultivar as variedades mais saborosas e aumentar a oferta regional de frutas e vegetais, tornando assim as fazendas locais mais sustentáveis economicamente.


Qual o segredo de tanto sucesso? 
Desde 1998, a WEGMANS faz parte do ranking das “100 Melhores Empresas para se Trabalhar” (100 Best Companies to Work For) da tradicional revista Fortune. Foi a primeira colocada em 2005 e segunda em 2018. Como é possível uma rede pequena para os padrões do mercado americano, de controle familiar e com mais de 100 anos conseguir manter um padrão de excelência tão elevado e por tanto tempo? Sua receita de sucesso não é tão complexa. Primeiro, seja um empregador extraordinário. A empresa faz um esforço incansável para manter seus 48.000 funcionários felizes. Esses funcionários desfrutam de horários flexíveis, possuem amplas oportunidades de carreira e podem se aproveitar do programa de bolsa de estudos (iniciado em 1983) que já beneficiou mais de 35.000 pessoas. Além disso, a empresa faz pequenos gestos que demonstram consideração com os funcionários: bolo no aniversário e chocolate quente para quem trabalha na área externa durante o inverno. Por isso, é muito difícil encontrar alguém trabalhando em suas lojas que não esteja com um enorme sorriso no rosto e se esforçando para agradar ou superar as expectativas dos clientes. Isso se traduz em número baixo de reclamações e alto índice de fidelidade dos consumidores.


Além de tudo isso, uma de suas características notáveis é o esforço para se manter na vanguarda na adoção de inovações e novas tecnologias no ponto de venda. A WEGMANS foi fundamental no desenvolvimento e implantação das normas de código de barra no início dos anos de 1970; esteve entre as primeiras a utilizar os cupons eletrônicos e cartões de fidelidade; reinventou o design dos supermercados e também o merchandising; e implantou o conceito de “compre produtos locais” (Buy American) antes de se tornar uma tendência. Entre as novidades adotados nos últimos anos estão um sistema que gera uma lista de compras de ingredientes a partir de receitas escolhidas pelo cliente e um aplicativo para o iPhone que organiza a lista de compras do cliente de acordo com a distribuição das gôndolas. Outro fator de sucesso é que dentro da filosofia de ajudar a melhorar as comunidades onde suas lojas estão instaladas, a WEGMANS apóia inúmeras causas e eventos nessas áreas. Por exemplo, todos os anos, a empresa doa mais de 6.57 milhões de quilos de alimentos para bancos de alimentos locais e cozinhas que preparam sopas para pessoas carentes. Com isso, a marca está solidamente associada com o atributo “bondade”, tanto dentro quanto fora das lojas, solidificando ainda mais a lealdade daqueles que trabalham e compram lá.


E tem mais. A família fundadora dá rosto ao negócio e a marca. Em qualquer final de semana não é incomum ver altos executivos da empresa (como a CEO, Colleen Wegman, a loira na foto abaixo) empurrando um carrinho, fazendo suas compras, e conversando com funcionários e clientes. E muitos clientes costumam revelar a eles que consideram a WEGMANS como a extensão de suas casas. Tudo isso somado, trouxe à WEGMANS uma aura de magia que a transformou na melhor rede de supermercados do mercado americano. E isto pode comprovar: em 2017, mais de 7.300 pessoas contataram a empresa pedindo uma loja em sua comunidade. Outros 11.000 escreveram para dizer o quanto gostam de fazer compras em suas lojas ou apreciam a forma como os funcionários os tratam, ou o quanto eles gostam dos produtos e serviços oferecidos.


A evolução visual 
O logotipo da marca americana passou por inúmeras remodelações ao longo dos anos. Com o decorrer do tempo o logotipo foi simplificado e adotou tipografias de letra mais modernas. A atual identidade visual foi adotada em 2008 e apresentou uma tipografia de letra moderna e mais marcante (em especial com o W alongado).


Em muitos de seus produtos, nos uniformes dos funcionários, nas redes sociais ou na ambientação das lojas, a marca costuma utilizar o ícone abaixo, também criado em 2008.


Os slogans 
Helping you make great meals easy. 
Every day you get our best.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1916 
● Fundador: Walter e John Wegman 
● Sede mundial: Rochester, New York, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Wegmans Food Markets Inc. 
● Capital aberto: Não 
● Chairman: Danny Wegman 
● CEO: Colleen Wegman 
● Faturamento: US$ 8.7 bilhões (2017) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 97 
● Presença global: Não (presente somente nos Estados Unidos) 
● Funcionários: 48.000 
● Segmento: Varejo 
● Principais produtos: Alimentos, bebidas e utensílios domésticos 
● Concorrentes diretos: Whole Foods Market, Trader Joe’s, Publix, Kroger e Stew Leonard’s 
● Ícones: A simpatia dos funcionários 
● Slogan: Helping you make great meals easy. 
● Website: www.wegmans.com 

A marca nos Estados Unidos 
Atualmente a WEGMANS, uma das maiores empresas privadas dos Estados Unidos e uma das mais conceituadas redes regionais de supermercados, conta com 97 lojas em seis estados americanos (Nova York, Pensilvânia, Nova Jersey, Virgínia, Maryland e Massachusetts). Cada loja da rede oferece de 50.000 a 70.000 produtos (nas maiores unidades), contra uma média de pouco mais de 40.000 (segundo o Food Marketing Institute) na maioria dos supermercados americanos. Além disso, é possível encontrar mais de 3.000 produtos orgânicos em todas as lojas da rede. Empregando 48 mil pessoas, a empresa faturou US$ 8.7 bilhões em 2017. 

Você sabia? 
No ano de 2017, a WEGMANS ocupou a posição de número 31 na lista Supermarket News, que aponta os 75 melhores supermercados americanos com base no volume de vendas. Além disso, a WEGMANS ficou em segunda no “Reputation Quotient” de 2018, realizado pela The Harris Poll, que mostra o nível da reputação de grandes marcas nos Estados Unidos entre seus consumidores. 
A mãe do ator Alec Baldwin teria se recusado de mudar da cidade de Nova York para Los Angeles porque na cidade californiana não existe um supermercado WEGMANS. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), jornais (Valor Econômico e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).  

Última atualização em 30/5/2018