15.1.20

RAPPI


Se você mora em alguma grande cidade da América Latina, provavelmente já presenciou um enorme “exército laranja” se deslocando freneticamente pelo trânsito caótico. Tudo para entregar “quase qualquer coisa” para milhões de pessoas. Bebidas, remédios, alimentos, compras de supermercados e muito mais na porta da sua casa em questão de minutos, mesmo que seja de madrugada. É assim que a RAPPI, popularmente conhecida como “Amazon da Colômbia”, se tornou um verdadeiro sucesso do mundo empreendedor e revolucionou a forma de fazer compras. De cigarro a presentes, passando por dinheiro, documentos ou a chave de casa esquecida na mesa do escritório, a RAPPI leva até você. 

A história 
As origens do que viria a se tornar um enorme sucesso entre os latino-americanos encontram-se em outra startup. Os empreendedores colombianos Felipe Villamarín, Sebastián Mejía e Simón Borrero (os três na foto abaixo) haviam fundado a Grability, uma licenciadora de softwares de soluções de e-commerce para grandes redes de supermercados. Rapidamente os jovens vislumbraram a oportunidade de fazer aquilo que os mercados locais desejavam com a ferramenta que estavam desenvolvendo, mas com uma logística muito mais eficaz. Foi então que eles criaram a RAPPI em julho de 2015 na cidade de Bogotá. A nova empresa surgia com o intuito de resolver a complexa logística de entregas em uma cidade caótica. O novo empreendimento nasceu baseado em uma premissa: hoje em dia o bem mais precioso é o tempo e a RAPPI nasceu justamente para facilitar o dia a dia de qualquer pessoa, disponibilizando um assistente pessoal que pode comprar ou retirar encomendas em locais desejados, de uma forma prática, segura e cômoda.


Inicialmente o aplicativo tinha apenas três botões: “supermercado”, “restaurante” e o enigmático, mas estratégico, “qualquer coisa”. Este botão permitia solicitar entregas de produtos que ainda não faziam parte da lista de negócios, bem como requisitar ao entregador que fosse, por exemplo, ao shopping buscar um presente de última hora. Na verdade esse botão foi o grande diferencial de atratividade e permitiu a RAPPI conhecer as necessidades dos usuários e prestar serviços mais abrangentes e eficientes. Além disso, os jovens utilizaram uma inusitada estratégia para conquistar seus primeiros clientes, no raio de cinco quilômetros em torno da primeira sede da empresa. Era uma promoção chamada “um donut por um download”: em troca da iguaria irresistível, era preciso apenas instalar o aplicativo RAPPI no celular. Em seis meses de operação, 200 mil pessoas se cadastraram apenas na cidade de Bogotá. A partir do momento em que a RAPPI fez as pessoas economizarem tempo para ir comprar e buscar seus produtos, essa enorme conveniência na vida de muitos colombianos se tornou um verdadeiro sucesso. A ideia não era entregar comida ou produtos, mas tempo para usuários e uma fonte de renda extra para entregadores, chamados pela empresa de rappitenderos. Eles ganhavam a taxa de entrega (o equivalente a US$ 1). Já a RAPPI ganhava dinheiro cobrando uma comissão dos estabelecimentos comerciais, de valor não revelado, responsável por manter os preços no aplicativo iguais aos vistos na loja física.


Diante dos surpreendentes resultados apresentados em seu primeiro ano, a RAPPI foi selecionada para uma aceleração de três meses na Y Combinator, famosa pelo seu histórico de formar empresas unicórnio, com valor de mercado acima de US$ 1 bilhão. Mas o que fez a RAPPI realmente crescer, porém, tinha pouco a ver com doces de graça. Ter deixado um campo aberto, no qual os usuários poderiam pedir entregas de qualquer produto que desejassem, foi como contratar uma consultoria de expansão sem precisar investir. Clientes começaram a pedir restaurantes que não tinham operações de delivery, remédios e até dinheiro vivo - responsável atualmente por 6% das operações (na Colômbia). Até o final de 2016, com o capital levantado através de investidores locais e internacionais, a RAPPI expandiu sua atuação para outras cidades colombianas (como Cartagena, Medellín e Barranquilla) e, pouco depois, iniciou suas operações no México. A empresa também lançou o Rappi Prime, um serviço por assinatura mensal onde todos os pedidos que o usuário fizer acima de uma determinada quantia, não paga frete.


Como decorrência natural do enorme sucesso em seu país de origem e no México, a RAPPI desembarcou no Brasil em julho de 2017, inicialmente atendendo em alguns bairros de São Paulo. Somente no seu primeiro ano de atividade em solo brasileiro, os entregadores parceiros da RAPPI percorreram mais de dois milhões de quilômetros, segundo os dados da empresa. E tanto sucesso fez com que seus serviços fossem ampliados para outras cidades brasileiras. Pouco depois a empresa ingressou na Argentina, Chile e Uruguai. Em outubro de 2018, a RAPPI superou a almejada marca de US$ 1 bilhão de valor de mercado, o que lhe garantiu o status de “startup unicórnio”, empresa avaliada, pelo mercado, em pelo menos US$ 1 bilhão antes de fazer sua oferta pública de ações (IPO, na sigla em inglês) em bolsa de valores. Ao receber um aporte de US$ 392 milhões, ela foi avaliada em US$ 1.2 bilhões. E apenas 200 dias depois, a empresa anunciou outra rodada de investimento superior a US$ 1.2 bilhões em novos recursos, o maior valor já recebido por uma startup latino-americana. Ainda em 2018 o aplicativo ultrapassou a marca de 1 milhão de downloads e se firmou ainda mais no segmento de entregas e de tecnologia.


Mais recentemente, percebendo a importância de gerar praticidade, soluções de pagamento e mobilidade (incluindo transporte de passageiros) já podem ser encontradas no aplicativo da RAPPI. Assim, além do serviço de delivery, o super aplicativo já permite executar o RappiPay (faz pagamentos pelo celular por meio da leitura de um QR code, além de transferências a partir de um cartão de crédito pré-cadastrado para que amigos possam dividir uma conta), desbloquear patinetes elétricos, pedir um táxi e até requisitar serviços de obras, reformas e manutenções. Outro grande diferencial para o sucesso da RAPPI são os chamados “shoppers” (compradores), que fazem ponto dentro de grandes redes de supermercados. A função desses shoppers (profissionais preparados para escolher os melhores itens para os usuários) é fazer compras para o usuário, com graus variados de complexidade (como escolher as frutas ou uma marca específica). Depois, pagar no caixa e arrumar as sacolas para encaminhar ao entregador. O cliente consegue ainda conversar em tempo real com o shopper e, inclusive, pedir foto das mercadorias para avaliá-las melhor, conseguindo fazer substituições se necessário.


No final de 2019, com o caixa recheado de dinheiro proveniente de investimentos, a empresa acelerou para se consolidar como um super aplicativo. Em média, a startup de entregas adiciona um produto ou serviço ao seu portfólio a cada 20 dias (vão de melhorias no aplicativo, anúncios de novas parcerias, até campanhas de engajamento para atrair novos usuários). E a próxima novidade da empresa já saiu do forno. Depois de uma fase de testes que durou aproximadamente dois meses, a RAPPI apresentou uma nova vertente em sua operação brasileira: o modelo de cozinhas compartilhadas, chamado também de “dark kitchens”. E reúne restaurantes dispostos a atender especificamente à demanda gerada por aplicativos de delivery de comida. Instalados, geralmente, em imóveis localizados em bairros de preço mais acessíveis e mais próximos dos consumidores, esses espaços são geridos por terceiros, que centralizam os pedidos e cuidam das entregas. Cada estrutura conta com um número específico de cozinhas, de acordo com o tamanho do imóvel. E cada cozinha é ocupada por um determinado restaurante. Essas “cozinhas escondidas” da RAPPI chegaram ao Brasil depois da empresa lançar o modelo na Colômbia. Atualmente, a RAPPI tem mais de 200 cozinhas na América Latina, em países como México, Chile e Argentina.


Desde sua criação o RAPPI, primeiro super aplicativo que resolve a vida de seus usuários ao oferecer a eles uma plataforma única para suas necessidades e desejos diários, realizou bilhões de entregas dos mais diversos estabelecimentos (a lista cresce a cada dia) e tem uma base de usuários muito fiel e ativa. Por meio do aplicativo é possível comprar produtos e serviços de diferentes categorias, incluindo restaurantes, supermercados, farmácias, manicure, pet shop, entre outros. A visão da RAPPI é ser uma espécie de controle remoto da sua cidade: você pode ter o que quiser em 20 a 30 minutos ao toque de um botão. A empresa vem entregando cada vez mais e já se tornou praticamente o “Delivery de tudo” para milhões de pessoas na América Latina. Afinal, em cidades onde o trânsito de veículos é grande, as distâncias entre os pontos são enormes e as pessoas estão cada vez mais ocupadas, a RAPPI consegue ser o assistente pessoal que compra e entrega em minutos qualquer produto ou serviço. Quer um café com pão de queijo? Precisa de um remédio para dor de cabeça? Está sem nada na geladeira? Esqueceu da fantasia de unicórnio para o carnaval? Acabou a bebida no meio da festa? Está com preguiça de ir pegar ou entregar um documento? Deu fome e não tem jantar? Chame, ou melhor, acesse RAPPI.


O nome e o símbolo 
O nome utilizado pela empresa colombiana deriva de uma abreviação popular da palavra “rápido” em espanhol. Tudo haver com o serviço que a RAPPI presta a seus milhões de usuários. Já os entregadores, identificados por suas chamativas mochilas laranja, geralmente em motos ou bicicletas, são chamados de rappitenderos, proveniente do termo “tendero”, que significa comerciante em espanhol. Além disso, a startup colombiana que modernizou a maneira de fazer as pequenas compras do dia a dia escolheu o bigode como seu principal símbolo para criar uma identidade mais próxima com o consumidor latino. É uma referência aos antigos comerciantes e donos de pequenas mercearias, que sempre estavam à disposição para oferecer o melhor atendimento. E neles, havia sempre o clássico bigode.


Os slogans 
Delivery de tudo. 
Delivery de tudo em minutos. 
Tudo o que quiser em minutos. 
Mais tempo pra você. 
Corremos por ti. (Colômbia)


Dados corporativos 
● Origem: Colômbia 
● Fundação: Julho de 2015 
● Fundador: Simón Borrero, Sebastián Mejía e Felipe Villamarín 
● Sede mundial: Bogotá, Colômbia 
● Proprietário da marca: Rappi S.A.S. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Simón Borrero 
● Presidente: Sebastián Mejía 
● Faturamento: US$ 220 milhões (estimados) 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 9 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 3.000 
● Segmento: Aplicativos 
● Principais produtos: Serviços de entregas 
● Concorrentes diretos: iFood, Loggi, Glovo, Pedidos Ya, Uber Eats e Grow 
● Ícones: A cor laranja das mochilas e o bigode 
● Slogan: Delivery de tudo. 
● Website: www.rappi.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente a RAPPI está presente em nove países da América Latina (Argentina, Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, México, Uruguai, Peru e Colômbia), em mais de 250 cidades (no Brasil são aproximadamente 130) e tem mais de 10 milhões de usuários ativos. Além disso, são mais de três mil funcionários, mais de US$ 1.7 bilhões em investimentos, um “exército” de 110 mil entregadores (que utilizam bicicletas, motos e até carros) e mais de 100 mil parceiros comerciais. Além de atender o usuário comum, a RAPPI já tem clientes corporativos, serviço de pagamentos e até um marketplace, para as empresas que preferem se manter fazendo as entregas por conta própria sem usar os seus serviços logísticos. Um dos fatores de sucesso da RAPPI é a alta taxa de retenção dos clientes. Dados da empresa mostram que um terço dos usuários fazem 7 ou 8 pedidos por mês. 

Você sabia? 
Todos os pedidos realizados no aplicativo podem ser acompanhados em tempo real pelo cliente, que pode interagir via chat com o assistente que aceitou o pedido e o time de suporte da RAPPI. A maioria dos pedidos se concentra no segmento de supermercados, restaurantes e farmácias. 
Recentemente, no Brasil, uma noiva fez um pedido inusitado para um entregador da RAPPI: ir até o apartamento de um padrinho de casamento e tocar a campainha até que ele acordasse. E deu certo. Outros pedidos inusitados que o aplicativo já recebeu: agulha, pinça anatômica e fio de náilon (o usuário solicitou os itens para fazer uma cirurgia), uma caixa de minhocas, barba de Papai Noel, colchão de ioga, piscinas de plástico e até ração para um porquinho da Índia. Essas histórias ilustram o porquê da RAPPI avançar tão rapidamente no ambiente de startups da América Latina. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Época Negócios, Isto é Dinheiro e Exame), jornais (Meio Mensagem, Jornal do Comércio e Valor Econômico), sites de negócios (Bloomberg, StartSe e UOL), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 15/1/2020

21.12.19

ACQUA PANNA


Com a italiana Acqua Panna, você experimenta uma textura única e mais de 450 anos de uma rica história relacionada à gastronomia. Desde 1564 a água mineral já era servida nos banquetes durante o período do Renascimento na região italiana da Toscana. Seu sabor leve, aveludado e insuperável a tornam uma água mineral espetacular e capaz de destacar todas as nuances dos melhores vinhos e alimentos que acompanha. Por isso, Acqua Panna está presente nas mesas da mais alta gastronomia mundial. 

A história 
A tradicional água mineral italiana tem uma longa e rica história. Conta a lenda que seu legado começou no período da Renascença, em belas terras localizadas a 37 quilômetros de Florença, capital toscana. Essas terras eram de propriedade dos Medici, uma das mais importantes e poderosas famílias da região, conhecida por seus banquetes suntuosos e seu amor pelo vinho e comida e, que segundo a tradição, estes gourmets da Renascença tinham que garantir um suprimento constante de água mineral para uso diário na corte e também para seus banquetes memoráveis. E justamente nessas terras, localidade de Panna, próximo de Scarperia, encontrava-se a fonte da água mineral que hoje encanta renomados chefs e sommeliers por sua pureza e leveza. Foi exatamente no dia 15 de julho de 1564 que uma proclamação oficial estabeleceu os limites das terras dos Medici, mais tarde conhecida como Villa Panna, destinadas à reserva particular da família para agricultura e jogos. Ali, a água de degelo dos montes da Toscana chega à superfície após uma viagem de 15 anos através das rochas, resultando em um líquido suave e delicado. Desde então, com exceção das estradas, essas terras permaneceram quase intactas e ainda hoje mantêm-se protegidas sob rígido controle de acesso. Essa é a terra natal da Acqua Panna.


Décadas depois, em 1860, a marquesa de Torrigiani, então proprietária da Villa Panna, foi a primeira a utilizar a nascente para engarrafar a água em garrafões ou fiaschi, frascos de vidro cobertos de palha, de 54 litros. Pouco depois, em 1863, a marquesa começou a utilizar carroças para entregar os galões de água mineral em domicílio para toda a cidade de Florença. Somente no ano de 1910, a marquesa passou a envasar a água em garrafas de vidro de 1 litro, sendo este momento considerado o nascimento da Acqua Panna como marca. Mas, a Acqua Panna só seria engarrafada em escala industrial anos depois do término da Primeira Guerra Mundial, em 1927. No ano de 1938, o Conde Contini Bonaccossi, um comerciante de antiguidades de renome mundial, constituiu a Società Panna, para administrar o negócio de águas minerais. O ano de 1957 foi de suma importância para a marca italiana. Isto porque, primeiro a empresa lançou uma grande inovação: Acqua Panna passou a ser distribuída em forma de spray e embalagem blister para as companhias aéreas, o que ajudaria muito a sedimentar sua reputação em vários países do mundo. E segundo, porque a Acqua Panna foi adquirida pela San Pellegrino S.p.A., o que resultou na união perfeita da rainha da água mineral natural com a rainha da água com gás. A partir deste momento, as duas marcas italianas, ícones no segmento das águas Premium, conquistariam a alta gastronomia, renomados chefs e seriam presença constante nas mesas e bares de grandes restaurantes, hotéis e luxuosos transatlânticos. Além disso, nos anos seguintes Acqua Panna ganharia uma melhor distribuição em vários países ao redor do mundo.


Em 1970 Acqua Panna se tornou a primeira bebida italiana comercializada em garrafas de plástico, o que resultou em um aumento considerável em suas vendas. Em 1994, a Acqua Panna começou a ser mais exportada para os Estados Unidos (hoje em dia é a principal marca importada de água mineral nos sofisticados restaurantes americanos). No ano de 1999 a poderosa Nestlé adquiriu a San Pellegrino S.P.A. e passou a ser proprietária da nobre água toscana. Com isso, Acqua Panna foi introduzida em vários mercados mundiais se beneficiando do enorme e eficiente poder de distribuição da empresa suíça. Pouco depois, no ano de 2003, a prestigiosa Associação Internacional de Sommeliers (Association de la Sommellerie Internationale) escolheu Acqua Panna como sua água oficial. Afinal, um bom vinho deve ser acompanhado por uma excepcional água mineral. E no ano seguinte, juntamente com essa Associação e a marca S.Pellegrino, lançou o Acque In Tavola, o primeiro guia para degustar e servir águas minerais.


Em 2014, quando comemorou 450 anos de sua rica origem, Acqua Panna assinou um acordo oficial com autoridades da Toscana e passou a exibir em suas garrafas o logotipo do selo Tuscany Taste, criado pela região para destacar produtos de excelência 100% local e até então fornecido somente para produtores de vinho. E a partir deste ano, através de grandes investimentos, a marca aumentou a produção e ingressou em novos mercados, além de expandir sua rede de distribuição nos Estados Unidos, Emirados Árabes Unidos e Rússia. Este projeto também foi amparado por grandes investimentos em comunicação para promover ainda mais a qualidade, a natureza e a origem única da Acqua Panna em todo o mundo. Afinal, Acqua Panna se tornou um emblema do “Made in Italy” e um veículo internacional para a rica tradição da Toscana. Além disso, mais recentemente, a marca quis avançar além das fronteiras das tradicionais mesas da boa gastronomia e ser consumida em qualquer ocasião. Para isso lançou uma nova garrafa PET de 750 ml com design anatômico e tampa esportiva (flip), sendo a hidratação ideal para pessoas ocupadas.


A fonte de Acqua Panna está localizada na pitoresca cidade de Scarperia, a 37 quilômetros ao norte de Florença, nas belas colinas ensolaradas da Toscana, região de preservação ambiental, com 1.300 hectares de fauna e flora preservados. Sua fonte está localizada a uma altura de aproximadamente 1.000 metros. E justamente a altura e a composição do solo conferem um equilíbrio mineral único à Acqua Panna. Cada gota é naturalmente filtrada e aperfeiçoada pelo tempo em uma viagem subterrânea de aproximadamente 15 anos, enriquecendo-se com sais minerais que compõem seu sabor inconfundível. Uma jornada que presenteia Acqua Panna, um verdadeiro símbolo de gastronomia e qualidade gourmet, com seu equilíbrio mineral especial para resultar na água incrivelmente suave que conquista os paladares mais exigentes do mundo.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas remodelações ao longo dos anos. Durante décadas a marca utilizou um logotipo que continha o desenho da cabeça de um leão que originalmente fazia parte da fonte de água localizada na propriedade de Villa Panna. Em 2014, para comemorar o 450º aniversário de sua origem, a marca apresentou uma nova identidade visual que mostrava sua herança toscana para o mundo. A tradicional cor laranja foi mantida para manter o reconhecimento e para remeter à típica paisagem da Toscana, onde essa cor pode ser encontrada no solo e nos telhados das casas. O logotipo adotou uma nova tipografia de letra e passou a ostentar na cor azul a icônica flor-de-lis (símbolo emblemático de Florença). Em 2019, a marca remodelou seu logotipo utilizando para isso a campanha “Meet The Smoothest Taste on Earth” (algo como “Conheça o sabor mais suave do mundo”). A nova identidade visual apresentou uma nova tipografia de letra e design para a flor-de-lis florentina, com grande predominância da cor laranja.


Em 2019, juntamente com a nova identidade visual e posicionamento, a marca apresentou um novo design para suas embalagens.


A tradicional garrafa de vidro da marca evoluiu neste período e adquiriu um visual mais sofisticado e sóbrio (como mostra a imagem da esquerda para a direita). O atual visual da garrafa foi adotado em 2019.


Os slogans 
Meet The Smoothest Taste On Earth. (2019) 
From Tuscany for the art of dining. (2015) 
A water that belongs on the wine list. (2007)


Dados corporativos 
● Origem: Itália 
● Lançamento: 1910 
● Criador: Marquesa de Torrigiani 
● Sede mundial: Villa Panna, Itália 
● Proprietário da marca: San Pellegrino S.p.A. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Federico Sarzi Braga 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 120 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Segmento: Bebidas não alcoólicas 
● Principais produtos: Águas minerais sem gás 
● Concorrentes diretos: Evian, Vittel, Badoit, Voss, Volvic, Fiji Water e Perrier 
● Ícones: A cor laranja 
● Slogan: Meet The Smoothest Taste On Earth. 
● Website: www.acquapanna.com 

A marca no mundo 
Hoje em dia a Acqua Panna é comercializada em 120 países, presente em todos os cinco continentes do mundo e vende anualmente mais de 300 milhões de garrafas. As águas minerais da marca, que representam excelência em qualidade em razão de sua origem, e interpretam com perfeição o estilo de vida italiano em todo o mundo como uma síntese de prazer, saúde e bem-estar, estão disponíveis em garrafas de vidro (250 ml, 500 ml, 750 ml e 1 litro) e PET (500 ml, 750 ml e 1 litro). Presença constante nos mais aclamados restaurantes, sempre acompanhada das borbulhas de S.Pellegrino, Acqua Panna é referencia na alta gastronomia mundial. 

Você sabia? 
O nome da marca foi inspirado na antiga propriedade da família Medici, chamada Villa Panna (um palácio italiano), pois a construção tinha sua fachada na cor creme. E creme em italiano é “panna”. 
Por legislação, Acqua Panna é engarrafada na fonte na Itália sem qualquer tratamento para preservar sua pureza natural. Além disso, vários e constantes controles ocorrem durante esta etapa, para garantir a manutenção dos aspectos qualitativos da água. 
Acqua Panna é uma água mineral natural com o nível ideal de pH alcalino (8pH). 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 21/12/2019

13.12.19

PREÇOLANDIA


Oferecer produtos para todos os ambientes da casa, desde faqueiros e jogos de jantar de marcas consagradas até varal, escadas e espátulas para mexer massa de bolo, em lojas inspiradoras, valorizando os desejos dos clientes, com variedade e condições diferenciadas, estimulando o convívio e a experiência de compra. É uma casa de portas abertas para todos. Seja para quem vai comprar um potinho ou para quem está montando uma casa inteira. Essa é a fórmula de sucesso da rede PREÇOLANDIA, que tem no preço e na variedade de produtos a sua marca registrada. 

A história 
Tudo começou com Arab Chafic Zakka, filho de um pequeno comerciante de origem libanesa, que desde a adolescência trabalhava no comércio, onde aprendeu todos os ofícios do segmento e da arte de negociar e vender. Em 1978, Arab resolveu investir em um modelo de varejo semelhante ao dos grandes magazines da cidade, como a Mesbla, o Mappin e a americana Sears, mas em menor escala. Foi então que ele inaugurou sua primeira loja (imagem abaixo) na Água Rasa, bairro da zona leste de São Paulo para vender utilidades domésticas, presentes e produtos variados. A unidade ocupava um espaço de 400 m² e foi uma das primeiras a contar com ar-condicionado e estacionamento, itens considerados de luxo para quem vivia em bairros da periferia da cidade. Para não assustar os clientes, Arab apostou em um nome que traduzisse o perfil da loja: PREÇOLANDIA. Afinal, tinha que deixar claro para os consumidores que a loja era confortável e bonita, mas nem por isso os produtos custavam caro. Outra estratégia adotada pelo jovem comerciante foi recrutar todos os funcionários na vizinhança, isto porque, as donas de casa gostavam de ser atendidas por quem falava a sua língua e partilhava de seus gostos. Com a estratégia de vender produtos de qualidade com preços baixos, a loja foi aos poucos ampliando sua oferta de produtos oferecendo um enorme número de itens para casa.


Mesmo com o desafiador cenário econômico da década de 1980, com inflação alta, plano econômico com congelamento de preços e crise financeira das famílias brasileiras, a PREÇOLANDIA foi ousada e inaugurou, em 1986, uma segunda unidade com aproximadamente 500 m² no bairro de Pinheiros, passando a lidar com um público com poder aquisitivo maior. Nos anos seguintes, a rede inaugurou outras unidades por bairros da capital e cidades metropolitanas (Santo André, Guarulhos, Barueri) e adotou a estratégia de localizar suas lojas dentro de shopping centers, onde a comodidade e o fluxo de pessoas eram maiores. Neste período, para se impor no segmento de utilidades domésticas, que inclui desde louças e toalhas até pequenos eletrodomésticos, a rede apostou em engordar seus ganhos de forma paulatina, vendendo mercadorias de grife, como porcelanas Schmidt, por exemplo, por um preço competitivo. Outro fator importante para o crescimento da PREÇOLANDIA foi oferecer conforto e praticidade aos seus clientes através da Lista de Casamento (que hoje inclui muitas facilidades, como o acesso e o gerenciamento da lista em todas as lojas da rede, além da internet).


Em meados dos anos 2000, a PREÇOLANDIA lançou seu comércio eletrônico e passou a oferecer aos seus clientes mais um canal de venda com enorme comodidade. Para manter o ritmo de crescimento no patamar de dois dígitos, era preciso ampliar o número de lojas físicas, que em 2011 contava com 13 unidades espalhadas pela capital e região metropolitana de São Paulo. Sendo assim, no final deste ano a rede de utilidades domésticas inaugurou uma unidade localizada na Praia Grande, a primeira no litoral paulista. A loja apresentava novidades na ambientação, surpreendia pelo visual e oferecia até um quiosque eletrônico (espécie de tela de consulta para produtos). A partir deste momento, a rede quis entender quem eram seus clientes, gostos, quais suas reais necessidades e de que forma atendê-las (bem). Por meio de uma série de pesquisas, a empresa delineou o perfil da clientela. Com isso a PREÇOLANDIA reformulou os espaços físicos das lojas de forma a criar um ambiente intimista, onde o público pudesse fazer suas compras como se estivesse em casa. Para tal, os departamentos das lojas tiveram de ser repensados. Com isso, os produtos foram separados por mundos (seções) - Cozinha, Mesa, Eletro, Bem-Estar e Cuidar - ou seja, se o consumidor procurasse uma frigideira, ele acabaria encontrando a espátula ali pertinho.


Em 2014, a rede iniciou um processo de expansão para o interior de São Paulo com a inauguração de uma loja na cidade de Sorocaba. Pouco depois, a PREÇOLANDIA ingressou em novos mercados no interior paulista, como por exemplo, em Piracicaba, Campinas, Bauru e Jundiaí. A rede tomou mais uma atitude ousada no início de 2016, em plena crise econômica, com a abertura de nove lojas nos dois anos seguintes. Com isso, a rede chegou a 2018 com 31 lojas. A expansão nacional da rede só começou neste ano, quando a PREÇOLANDIA inaugurou suas primeiras unidades na região nordeste, em Salvador (BA), Aracaju (SE), Recife (PE), Maceió (AL), além de uma loja em Vila Velha no Espírito Santo. Em 2019 a PREÇOLANDIA deu prosseguimento ao seu plano de expansão ao inaugurar sua primeira loja em Fortaleza. Além disso, outras apostas da rede são as plataformas virtuais, que incluem o site e o sistema de televendas (este direcionado aos clientes da terceira idade, que não se sentem confortáveis em comprar pela internet).


PREÇOLANDIA é aquela amiga que entende de todos os cantinhos da casa onde a vida acontece de segunda a segunda. Inspira ordem e prosperidade, pois acredita no cultivo diário de uma casa melhor para uma vida melhor, através dos detalhes que descomplicam, organizam e embelezam. E tudo isso prezando sempre pela economia, pois fazer bons negócios está em seu DNA. Foi assim, com essa filosofia, que Arab Chafic Zakka transformou uma lojinha de periferia em uma das maiores redes de utilidades domésticas do Brasil.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas alterações ao longo dos anos. A identidade visual original, que apresentava as letras desalinhadas, foi substituída por um logotipo colorido e com uma nova tipografia de letra. Mais recentemente, esse logotipo passou por uma pequena modernização, adotando a cor vinho e com novo posicionamento do símbolo entre as letras L e A.


Os slogans 
Sua melhor casa todos os dias. (2019) 
Viva o prazer de estar em casa. 
Sua casa é seu mundo.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 1978 
● Fundador: Arab Chafic Zakka 
● Sede mundial: São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Preçolandia Comercial Ltda. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Arab Chafic Zakka 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 45 
● Presença global: Não (presente somente no Brasil) 
● Funcionários: 1.000 
● Segmento: Varejo (houseware) 
● Principais produtos: Utilidades domésticas, eletrodomésticos, decoração, produtos de cama, mesa e banho 
● Concorrentes diretos: Camicado, Spicy, Daiso, Etna, Armarinhos Fernando, Le Biscuit, Zelo e MMartan 
● Slogan: Sua melhor casa todos os dias. 
● Website: www.precolandia.com.br 

A marca no Brasil 
Atualmente a PREÇOLANDIA possui aproximadamente 50 lojas localizadas na capital paulista, grande São Paulo e interior, além de Salvador, Maceió, Fortaleza, Recife, Aracajú, Vila Velha, Uberlândia e Cuiabá. A grande maioria de suas lojas (mais de 35 unidades) está localizada em shopping centers. Em média, cada loja da rede comercializa mais de 10 mil itens, entre utensílios para cozinha, pequenos eletrodomésticos, artigos de decoração, utilidades para lavanderia e organização, além de uma ampla variedade de itens de cama mesa e banho. A PREÇOLANDIA conta ainda com um comércio eletrônico, que segundo a empresa, hoje equivale por vendas de três lojas da rede. Esse serviço oferece a retirada na loja ou em lockers (o click-and-collect) e entregas via Correios ou por frota própria. 

Você sabia? 
A primeira unidade da rede inaugurada em 1978 no bairro paulistano da Água Rasa ainda funciona no mesmo lugar. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Época Negócios e Exame), jornais (Diário do Comércio, Folha, Meio Mensagem e Estadão) sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing e Troiano Branding) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 13/12/2019

5.12.19

SUPER BOCK


Quem disse que os portugueses sabem apenas produzir bons vinhos. Ao longo de mais de nove décadas, a SUPER BOCK construiu um legado ancorado nas fortes tradições cervejeiras e na preservação de um riquíssimo patrimônio de qualidade, que sempre foi trabalhado, de forma consistente, para promover a melhor experiência, adequada ao perfil dos apreciadores mais exigentes de cerveja. Uma cerveja portuguesa que une autenticidade, tradição, qualidade e sabor. Que apesar de todos os importantes prêmios internacionais, a verdadeira conquista é os milhões de fiéis consumidores em todo o mundo que não resistem ao seu sabor único. Assim é a SUPER BOCK. 

A história 
A história começou no mês de outubro de 1927, quando a Companhia União Fabril Portuense das Fábricas de Cerveja e Bebidas Refrigerantes (CUFP), fundada em 1890 e que já oferecia a cerveja Cristal Pilsener para os portugueses, apresentou uma segunda marca durante a Exposição Industrial Portuguesa, realizada no Palácio de Cristal, na cidade do Porto. A nova cerveja criada pelo mestre cervejeiro Alberto Marques Fonseca foi batizada de SUPER BOCK. Foi nomeada assim uma vez que resultava do aperfeiçoamento das cervejas do tipo “bock” originalmente alemã, caracterizadas por ter um sabor mais forte, encorpado, geralmente de cor escura, com baixa fermentação e alto teor alcoólico, e que correspondia ao tipo de cerveja que seria inicialmente produzido. A inovação da nova cerveja gerou entusiasmo na exposição e valeu até um prêmio a cervejaria, que decidiu registrar oficialmente a marca no dia 9 de novembro do mesmo ano. Assim nascia a cerveja SUPER BOCK. Nesta época, a produção da cervejaria ultrapassava pouco mais de 1 milhão de litros por ano. Nos anos seguintes, para atender ao gosto e paladar dos portugueses, a SUPER BOCK passou a ser uma cerveja tipo pilsener, com um teor alcoólico menor, mas mantendo a baixa fermentação.


Em 1942, as restrições de navegação no Oceano Atlântico, em virtude da Segunda Guerra Mundial, dificultavam o transporte de malte importado e obrigaram a cervejaria a utilizar, exclusivamente, maltes nacionais na produção da SUPER BOCK. O aumento da demanda pela SUPER BOCK levou a empresa a construir um novo complexo de produção e, em 1964, as garrafas de cerveja começaram a sair de Leça do Balio. A marca começou a ser exportada ainda nesta década e uma de suas primeiras experiências foi o Japão, além de ex-colônias portuguesas como Angola e Moçambique. Somente no ano de 1967 são lançados os primeiros anúncios publicitários da marca sob o slogan “A cerveja que supera a sua exigência”. Já no mês de agosto de 1972 a empresa inaugurou uma rede de distribuição, em Lisboa, composta por 12 caminhões, e a cerveja SUPER BOCK passou a ser distribuída nacionalmente. O ano de 1977 foi histórico para a marca portuguesa. Isto porque a SUPER BOCK conquistou a sua primeira medalha de ouro no concurso internacional Monde Selection de la Qualité, um dos mais importantes do setor. O reconhecimento da qualidade da cerveja pode até ter sido tardio (afinal, SUPER BOCK tinha mais de 50 anos de mercado na época), no entanto até os dias de hoje sagrou-se uma campeã invencível, conquistando 35 medalhas do referido concurso.


No ano de 1990, já com o nome de Unicer, a cervejaria foi totalmente privatizada. E pouco depois, em 1992, a SUPER BOCK finalmente atingiu a liderança do mercado português, mantendo-se na preferência dos consumidores até os dias de hoje. Pouco depois, em 1995, com o aumento nos investimentos de marketing e comunicação, a SUPER BOCK se tornou a primeira marca portuguesa a nomear um festival de música. Surgia assim o Super Bock Super Rock, que se transformaria no maior festival de rock realizado em território português. Na primeira edição do evento, subiram ao palco bandas famosas como The Cure, Morphine, Jesus and Mary Chain e Faith No More. Com isso, a marca começou a conquistar a preferência de um público jovem. Os investimentos em marketing continuaram e, em 1998 e 2001, a marca patrocinou dois dos maiores eventos culturais portugueses: a Expo’98 e Porto 2001 (como a Capital Europeia da Cultura). Com isso, SUPER BOCK ganhou enorme exposição e reconhecimento de marca, inclusive internacional.


Nos anos seguintes, a ousada estratégia da marca foi pautada por um ambicioso investimento em inovação, tanto em novas cervejas, como em novas embalagens, que vieram trazer novo dinamismo ao mercado português deste segmento. Esta ampliação do portfólio da marca começou em 2003 com o lançamento da SUPER BOCK STOUT, uma cerveja tipo stout (surpreendente combinação de maltes especiais que resulta em uma cerveja preta com um aroma e um gosto distintos coroada por uma espuma cremosa e duradoura), que em apenas três meses já era líder de mercado no segmento. Nesse mesmo ano, a marca ingressou no segmento de cervejas sem álcool, com a SUPER BOCK TWIN (um teor alcoólico menor ou igual a 0,5%). Após esses enormes sucessos, a aposta em inovação foi a SUPER BOCK GREEN, em 2004, uma cerveja com toque de limão, criando assim um novo segmento no mercado de bebidas em Portugal, as cervejas com sabor. Em 2006 a marca ampliou sua linha com as versões SUPER BOCK MINI (garrafa de 250 mililitros), SUPER BOCK ABADIA (a primeira cerveja de receita artesanal produzida em Portugal, fabricada com uma variedade de maltes especiais e especiarias que lhe confere uma tonalidade rubi inconfundível) e a SUPER BOCK TANGO (uma cerveja com suco de fruta). Além disso, lançou o Super Bock Xpress, um sistema único de extração de cerveja à pressão (tipo chope) para consumo doméstico em barril de 5 litros.


Já em 2007, a marca inovou em suas embalagens ao introduzir no mercado a primeira garrafa de cerveja portuguesa inteiramente fabricada em alumínio (mantém a cerveja fresca por mais tempo). Este ano também foi marcado pelo relançamento da nova linha de cervejas sem álcool, criada através de uma parceria com o Departamento de Engenharia Química da Universidade do Porto. Pouco depois, em 2008, a marca apresentou outra novidade: Super Bock XpresS em garrafa, que segunda a empresa era a versão chope nessa embalagem. Além disso, lançou duas novas versões da linha SUPER BOCK ABADIA: Gold e Rubi, cada uma concebida para acompanhar pratos de peixe e de carne respectivamente. Em 2009 a marca começou a conquistar o enorme mercado chinês com o lançamento de suas cervejas. Inclusive recentemente a marca introduziu a SUPER BOCK GOLD, uma cerveja mais leve criada e especialmente destinada ao mercado chinês. Ainda em 2009, chegou ao mercado a SUPER BOCK MINI com sistema pull-off, cuja tampa possui um anel para facilitar a abertura, dispensando a ajuda de um abridor. Já no ano seguinte teve início a comercialização da embalagem IceBocks, uma caixa que permitia adicionar gelo para refrescar as cervejas mini, e da primeira edição da SUPER BOCK VERÃO, uma cerveja mais refrescante e com baixo teor alcoólico. Em 2011, com investimentos milionários a marca lançou a SUPER BOCK CLASSIC, uma cerveja lager encorpada, com 5.8 graus de teor alcoólico, cor dourada e sabor persistente.


No ano de 2013 a marca lançou a SUPER BOCK SELEÇÃO 1927, uma linha de cervejas especiais e sazonais, de características artesanais, em edições limitadas. Essa linha oferece as versões Munich Dunkel (produzida com malte especial Munique, é uma cerveja castanha e brilhante com espuma cremosa e cor de areia), Bengal Amber IPA (cerveja especial da cor do açafrão das Índias, com espuma cremosa), Bavaria Weiss (o malte de trigo ocupa o palco principal nos ingredientes desta cerveja, fermentada a temperatura elevada e não filtrada, o que a torna muito clara e turva). Pouco depois, a linha inovou ao apresentar a Scottish Smoked Lager, uma cerveja feita com malte de uísque escocês Peated. Mais recentemente essa linha ganhou a versão Japanese Rice Lager (uma cerveja lager, da cor dos girassóis, com espuma branca e pura, caracterizada por ser refrescante e pelo amargo delicado, pelo equilíbrio do doce do arroz com uma acidez generosa, com notas da alga Kombu e flor de sal de Tavira).


Em 2014, a marca ampliou seu mercado de exportação para países árabes, com o desembarque dos primeiros carregamentos com meio milhão de litros de Super Bock Sem Álcool 0,0% na Arábia Saudita, graças a um processo que não inclui a interrupção da fase de fermentação, e permite a conservação das características essenciais da cerveja (disponível também nos sabores Limão, Maçã, Romã, Morango e Tâmaras). Depois disso, a marca ampliou sua presença em outros países do Oriente Médio. No ano de 2017, para celebrar as nove décadas de existência, a marca lançou uma cerveja comemorativa, em edição limitada, para a qual recuperou a garrafa usada na década de 1960. A réplica remetia simbolicamente para o período em que a SUPER BOCK iniciou sua internacionalização. Hoje em dia, SUPER BOCK é cuidadosamente produzida a partir de matérias-primas selecionadas e de elevada qualidade, que lhe conferem um conjunto de características de cor, sabor, espuma e corpo que a diferenciam das restantes no mercado e que a tornam uma cerveja largamente apreciada por milhões de pessoas no mundo inteiro.


O museu 
No mês de outubro de 2015 a empresa inaugurou a Super Bock Casa da Cerveja, uma espécie de museu dentro de sua histórica fábrica, situado em Leça do Balio, Matosinhos. No local totalmente modernizado é possível assistir a todo o processo de fabricação da cerveja, conhecer as matérias-primas que lhe dão origem, assim como os momentos marcantes, histórias e curiosidades da marca SUPER BOCK. O percurso, que pode ser guiado ou livre, dura 90 minutos e começa habitualmente na Sala das Medalhas, onde estão expostos todos os prêmio conquistados pela SUPER BOCK.


Depois o visitante é dirigido para a Oficina da Cerveja Artesanal, que mais parece um laboratório, cheio de tubos e caldeiras de cobre controladas por cinco pessoas. É dali que sai toda a produção da linha SELEÇÃO 1927, assinada por Beatriz Carvalho, a primeira portuguesa sommelier de cerveja. Para produzir dois mil litros de cerveja artesanal são necessárias entre oito e dez horas de trabalho. Depois vem a parte do processo de produção - o engarrafamento e a colocação dos rótulos. Saindo deste ambiente e subindo as escadas, o visitante encontra a Sala Dourada, cujas paredes reluzentes são feitas com os vidros de 96.800 garrafas derretidas de SUPER BOCK. Ali está exposto o título do registro original da marca, que custou 66 escudos em 1927. Mais à frente é possível observar a evolução das garrafas e rótulos ao longo das décadas. A visita termina no Lounge, um moderno e aconchegante ambiente onde o visitante tem direito a duas provas e harmonizações com cervejas SUPER BOCK. Ao lado, existe uma loja, onde é possível adquirir todos os tipos de cervejas da marca, incluindo edições limitadas, e outros produtos e lembranças da SUPER BOCK.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por inúmeras remodelações ao longo dos anos, mas sempre manteve uma característica em comum: a cor vermelha. O logotipo original só foi remodelado em 1970, quando a nova identidade visual da marca adotou uma nova tipografia de letra e o formato oval. Depois de passar por outra remodelação na década de 1980 (quando o dourado passou a fazer parte da identidade da marca), no ano de 1995 o logotipo adotou um visual mais limpo e uma moderna tipografia de letra. Em 2002 ocorreu uma mudança radical: formato circular, cores mais vivas, efeitos 3D e a inclusão do famoso slogan “Sabor Autêntico”. Pouco depois, em 2007, o logotipo passou por uma modernização e apresentou uma tipografia de letra ligeiramente modificada. Em 2012, o logotipo foi completamente simplificado e, no ano de 2019, apenas modernizado.


Ao longo dos anos, o design das garrafas também evoluiu e acompanhou a evolução visual da marca portuguesa.


Os slogans 
Leva a amizade a sério. (2015) 
A Vida é Super. (2012) 
Super Bock puxa pela amizade. (2011) 
Sabor Autêntico. (década de 1980) 
Cerveja Sabor. (década de 1980) 
A cerveja que supera a sua exigência. (1967) 
Prazer sem limites. (sem álcool)


Dados corporativos 
● Origem: Portugal 
● Lançamento: 9 de novembro de 1927 
● Criador: Companhia União Fabril Portuense (CUFP) 
● Sede mundial: Leça do Balio, Matosinhos, Portugal 
● Proprietário da marca: Super Bock Bebidas S.A. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Rui Manuel Rego Lopes Ferreira 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 50 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Maiores mercados: Portugal, China, Angola, Espanha, Inglaterra e Suíça 
● Segmento: Cervejaria 
● Principais produtos: Cervejas e chopes 
● Concorrentes diretos: Sagres, Estrella Galicia, Heineken, Stella Artois, Amstel, Beck’s, Grolsch e Budweiser 
● Ícones: A cor vermelha 
● Slogan: Sabor Autêntico. 
● Website: www.superbock.pt 

A marca no mundo 
A marca SUPER BOCK, líder no mercado português com aproximadamente 45% de participação e cerveja lusitana mais vendida e conhecida no mundo, vende sua vasta gama de cervejas, incluindo a linha artesanal, em mais de 50 países. A marca tem forte presença em ex-colônias portuguesas como Angola e Moçambique, além de países europeus como Espanha, Inglaterra, França e Alemanha. A marca oferece suas cervejas em garrafas (vários tamanhos), latas e barris. Todos os anos, aproximadamente um terço dos 450 milhões de litros produzidos tem como destino mercados exteriores. 

Você sabia? 
A SUPER BOCK é uma das primeiras cervejas portuguesas a receber o Certificado de Qualidade SGS ICS (Serviços Internacionais de Certificação). 
A marca tem ainda apostado fortemente nos esportes, através do patrocínio das principais equipes portuguesas de futebol. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 5/12/2019

29.11.19

ELEFANTE


Sinônimo de qualidade e rendimento, o extrato de tomate ELEFANTE está presente na vida das consumidoras brasileiras desde a década de 1940. ELEFANTE tem em sua composição tomates cuidadosamente selecionados, sem pele e sem sementes, que dão origem ao extrato de tomate preferido dos lares brasileiros. É perfeito para dar cor e sabor aos mais variados pratos. Afinal, os produtos da marca dão um toque especial em molhos, carnes, refogados, tortas e muito mais. 

A história 
Tudo começou em 1941 com a fundação da Companhia Industrial de Conservas Alimentícias - conhecida como CICA - na cidade de Jundiaí, interior de São Paulo, como resultado da associação do banqueiro Alberto Bonfiglioli com as famílias Messina, Guerrazzi e Guzzo. Como não poderia deixar de ser, pelas origens italianas dos fundadores, o primeiro produto lançado pela nova empresa foi o extrato de tomate. O novo produto trazia em sua embalagem (lata) um elefante real estampado. Especula-se que a relação do nome elefante com o extrato de tomate seja o fato de que Rodolfo “Rudi” Bonfiglioli, filho de um dos fundadores da empresa, seria um notório adepto de caçadas de elefantes. Outra hipótese é que o elefante na embalagem era uma homenagem da família Messina, uma das fundadoras, à sua terra natal: na praça principal de Catânia, capital da Sicília, existe a famosa Fontana dell’Elefante. E não era uma tarefa fácil para a nova marca no mercado. Enquanto a nova empresa tinha apenas um produto, a Peixe comercializava na época cinco mil toneladas de derivados de tomate. Apesar das enormes adversidades, a CICA iria assumir a liderança do mercado nacional com seu extrato de tomate ELEFANTE na segunda metade da próxima década.


As propagandas iniciais do extrato de tomate ELEFANTE, de dezembro de 1942 até junho de 1943, mencionavam “duplo concentrado de tomate”, expressão que constava também na lata. Em agosto de 1943, o produto e os dizeres da lata foram alterados para “triplo concentrado”, com o lembrete publicitário “É melhor e rende mais”. Em algum momento ao final da década de 1950, surgiria o jingle da tarantela napolitana, que reforçaria e explicaria essa característica do processo (“O Extrato de Tomate Elefante / é puro, é triplo concentrado / a CICA só trabalha com tomate selecionado”). Nos anos seguintes ELEFANTE se tornaria um dos itens de maior prestígio e de vendas no portfólio da CICA. Em uma propaganda para a TV em 1964, a marca utilizou um desenho animado de seu elefante selecionando tomates na esteira da linha de produção e no laboratório (“Você sim, você não”, dizia o cuidadoso paquiderme).


Mas, a história da marca começaria a mudar radicalmente no ano de 1968, quando o desenhista Maurício de Sousa publicou no jornal Folha de São Paulo uma tirinha onde a Mônica puxava o elefante Jotalhão pela tromba, enquanto o Cebolinha dizia: “Não sei, não, mas acho que sua mãe pediu foi massa de tomate”. A sacada era o engano da Mônica, pois sua mãe havia pedido um extrato de tomate que tinha a marca de um elefante no rótulo e ela confundiu e trouxe o desajeitado Jotalhão. Foi então que o personagem foi oferecido para a CICA em 1969. A partir daí, o extrato de tomate passou a ter um novo garoto-propaganda: Jotalhão. O querido personagem começou a aparecer nas embalagens do produto somente em 1979, parte de um processo de modernização do design e da estratégia de comunicação da marca ELEFANTE. O simpático Jotalhão substituiu na lata do produto o desenho realista de um elefante, animal que, aliás, integrou por um bom tempo o logotipo da CICA. Começava então um grande trabalho de alicerçar o personagem, transformá-lo em um simpático símbolo da marca, naqueles tempos, ao lado da Mônica. Mais tarde, Jotalhão partiu para carreira solo, com a assinatura “O elefante mais amado do Brasil”.


No início da década de 1980, o extrato ELEFANTE também estava disponível em três tamanhos de copos de vidro com a tradicional tampa vermelha. Em 1993, a CICA foi adquirida pela Unilever (na época, Gessy Lever) e a marca ELEFANTE mudou de mãos. Logo, os atomatados CICA, incluindo a marca ELEFANTE, seriam distribuídos mundo afora pela Unilever, em países tão diferentes quanto Porto Rico e Japão. Pouco depois, em 1996, a marca decidiu acrescentar mais ingredientes (temperos) ao seu famoso extrato de tomate, que tinha a mesma fórmula há 55 anos. Era a primeira variação do produto original com o lançamento de duas novas versões do extrato de tomate: com alho, cebola e salsinha, e com alho, cebola e caldo de carne. Em 2003 o extrato de tomate passou a fazer parte da linha de produtos da Knorr, então recém-adquirida pela Unilever. Com isso, surgia a marca Knorr Elefante. Em 2010, a americana Cargill realizou a compra da divisão de atomatados da Unilever no Brasil, o que incluiu a marca ELEFANTE. Em 2012, após 13 anos de jejum, o elefante Jotalhão voltou à mídia como garoto-propaganda da marca. A intenção era manter a liderança de mercado e de lembrança de marca entre os consumidores brasileiros. Ainda nesse ano, com o objetivo de levar maior comodidade ao consumidor, a marca lançou as embalagens sachê do tradicional extrato de tomate (190g). Pouco depois, a marca ELEFANTE passou também a vender seus produtos para o segmento de Food Service (bares, restaurantes e hotéis) em embalagens de 1 kg, 2 kg e 4 kg.


No ano de 2015 a marca inovou ao lançar a linha ELEFANTE SABORES, nas versões Cebola e Alho, Louro e Ervas Finas. O extrato de tomate oferecia a mesma consistência do tradicional, mas trazia mais praticidade aos consumidores, pois continha temperos utilizados nas receitas do dia a dia. Em 2016, a essa linha ganhou mais duas versões: marinada (tomate, cebola, alho e alecrim) e estrogonofe (tomates sem pele e sem semente e molho inglês). No ano de 2017, a marca lançou mais uma opção de embalagem para seus consumidores: caixinha Tetra Pak, em dois tamanhos (140 gramas e 280 gramas). A versão era fruto dos pedidos insistentes das consumidoras por ser muito resistente (não corre o risco de estourar e amassar), prática, fácil de abrir, manusear e guardar. Além disso, a marca também desenvolveu uma embalagem especial (lata de 340 gramas) do extrato de tomate para o verão. O personagem Jotalhão aparecia em um cenário de praia, com óculos escuros e segurando um coco.


No ano de 2019, a marca ELEFANTE passou por um processo de renovação de sua marca. Após mais de sete décadas de tradição e relacionamento com os consumidores brasileiros, a marca optou por mudar o posicionamento e os signos visuais e verbais do extrato de tomate reconhecido como Top of Mind por três anos consecutivos pelo instituto Datafolha. O produto continua o mesmo: feito apenas com tomates selecionados, sal e açúcar e com rendimento e consistência que diferenciam o ELEFANTE de seus concorrentes. No entanto, a marca está mais moderna e com uma linguagem mais acessível e próxima ao consumidor. Isto porque, ELEFANTE entende que os consumidores não buscam apenas rendimento e sabor. O que importa é o resultado, o momento e a memória afetiva que fica. As mensagens nas redes sociais, propagandas e materiais publicitários inspiram receitas e a união de amigos e famílias.


A presença do carismático personagem Jotalhão, por décadas nas cozinhas, receitas e paladares dos consumidores brasileiros, aliado ao seu jeito carinhoso e divertido, agregou ao produto (extrato de tomate) uma relação única de afeição, o que fez deste caso uma referência em força de marca no mercado nacional. Hoje em dia, ELEFANTE ainda é voltado para quem busca o prazer culinário - pessoas de todas as gerações, que curtem cozinhar, reunir amigos e famílias em torno da mesa e serem reconhecidas por isso.


O ícone verde e desajeitado 
Desde o final da década de 1960, o personagem Jotalhão aparece na comunicação e propagandas da marca ELEFANTE. Jotalhão foi criado por Maurício de Souza em 1962, como mascote para uma campanha publicitária do Jornal do Brasil que tinha um elefante como símbolo de seu caderno de anúncios classificados. A campanha acabou sendo cancelada e o personagem (que tinha a cor rosa no início) foi oferecido então à CICA no final desta década. Uma curiosidade: Jotalhão foi o primeiro personagem de quadrinhos licenciado por uma marca no Brasil e, desde essa época, é o elefante mais amado do país, sinônimo de extrato de tomate natural e de qualidade. Foi então, que Maurício de Souza resolveu que seria melhor esverdeá-lo para conseguir melhor contraste nas latinhas do extrato de tomate. Como até então os personagens de Maurício de Sousa ainda não tinham vozes, porque ainda só existiam na versão impressa, foi preciso providenciá-las para os desenhos animados que apareceriam nos comerciais de TV. O vozeirão do Jotalhão ganhou vida pelo ator Murilo Amorim Correa, e a voz da Mônica pela dubladora profissional Magali Sanches. O engano da Mônica sobre qual elefante trazer para sua mãe é um clássico dos comerciais para o extrato de tomate ELEFANTE. A partir de então, teve início uma longa parceria que rendeu comerciais que marcaram gerações e deram origem ao bordão “Ô, Mônica! Você tem certeza de que sua mãe pediu um elefante?”. Jotalhão fez tanto sucesso que apareceu em mais de 90 filmes publicitários da marca. Clique no ícone abaixo para assistir a um dos primeiros comerciais da marca.

   
                    Créditos: Arquivos1000 

A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por alterações ao longo dos anos. Até a década de 1980, apesar de ter como garoto-propaganda e símbolo o personagem Jotalhão, ele somente apareceu no logotipo da marca nesta época. Anos depois, o personagem (que ganhou novos traços) ganhou ainda mais destaque na identidade visual da marca.

Depois de adotar uma identidade visual sem o personagem por mais de 15 anos, em 2019, ELEFANTE apresentou um novo logotipo com o paquiderme verde de volta. Visualmente, a marca se apresenta em um tom mais vivo que chama atenção do consumidor e remete à alegria e ao amor. A grafia se encontra sem serifas e com legibilidade mais clara. Além disso, com o apoio da Maurício de Sousa Produções, a marca atualizou o personagem Jotalhão, que voltou a fazer parte da identidade visual da marca.


Ao longo dos anos, a tradicional lata do extrato de tomate ELEFANTE também passou por remodelações. Inicialmente com a figura de um elefante real, em 1979 o personagem Jotalhão substituiu o paquiderme pela primeira vez na embalagem, que foi totalmente reformulada. Anos depois, o personagem, já com novos traços apareceu na lata carregando a tradicional cesta de tomates. A partir de 2003, a lata passou a contar com o logotipo da Knorr. Com a venda para a Cargill, em 2010, o logotipo da Knorr foi retirado e o personagem foi virado para a direita.


Depois de passar por pequenas mudanças, em 2019 a embalagem foi totalmente remodelada: o personagem foi redesenhado, a cesta de tomate retirada, o vermelho se tornou mais vivo e uma nova tipografia de letra foi adotada.


Os slogans 
Elefante. Viver junto rende mais. (2019) 
Tudo rende mais com Elefante. (2016) 
Elefante. O preferido do Brasil. (2012) 
O Elefante que mais rende. (1994) 
Elefante. Uma família culinária de peso. (década de 1990) 
É melhor e rende mais. (1943)


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Lançamento: 1941 
● Criador: CICA 
● Sede (Brasil): São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Cargill Agrícola S.A. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Paulo Sousa 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: Não (presente somente no Brasil) 
● Segmento: Alimentos 
● Principais produtos: Extratos de tomate 
● Concorrentes diretos: Quero, Primor, Fugini, Pomarola, Tarantella, Etti, Salsaretti, Heinz e Predilecta 
● Ícones: O elefante Jotalhão 
● Slogan: Elefante. Viver junto rende mais. 

A marca no Brasil 
A marca ELEFANTE, uma das mais reconhecidas entre os brasileiros no segmento de alimentos, oferece extratos de tomate em várias embalagens (lata, sache e Tetra Pak) e a linha Sabores (extratos de tomate temperados nas versões Cebola e Alho, Louro, Ervas Finas e Estrogonofe). A marca é uma das líderes de mercado em seu segmento no Brasil. O extrato de tomate ELEFANTE é mais concentrado e 100% natural, pois não contem qualquer tipo de condimentos ou corante. É feito apenas com tomate, sal e açúcar. 

Você sabia? 
Uma lata de 340g de extrato de tomate ELEFANTE é composta por 18 tomates. 
Bem antes da CICA, já existia no Brasil uma infinidade de produtos com a marca “Elefante”, que simboliza força e resistência. O paquiderme foi marca de cerveja, cimento, cigarro, sal de cozinha, arroz, cachaça, colchões, entre outros. Mas também existia um produto alimentício: um extrato de tomate importado da Itália chamado Estratto di Pomodorodi Parma Elefante, que pode ter sido a primeira inspiração para os futuros proprietários da CICA, por ter sido utilizado na década de 1930 nas cozinhas das famílias italianas mais abastadas de São Paulo, que incluíam justamente os Bonfiglioli e os Messina. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Exame, Isto é Dinheiro e Embalagem Marca), jornais (Meio Mensagem, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 29/11/2019