28.5.15

ROGER VIVIER


“Os meus sapatos são esculturas. São criações tipicamente francesas, uma alquimia parisiense de moda”. Esta frase define a marca ROGER VIVIER e seu criador. O designer francês criou durante seis décadas verdadeiras obras de arte que transformavam qualquer mulher em uma reluzente Cinderela. Por tudo isso, suas criações foram consideradas pela crítica como “Fabergé dos sapatos”. Hoje em dia a ROGER VIVIER é uma das grifes mais prestigiadas e artesanais do segmento de calçados de luxo. 

A história 
Roger Vivier (foto abaixo) nasceu na cidade de Paris no dia 13 de novembro de 1907. Ao perder seus pais com apenas 9 anos de idade, foi adotado por Gérard Benoit-Vivier. Em 1925 ingressou na tradicional Escola de Belas Artes de Paris, com a esperança de tornar-se um escultor. Mas quando um amigo da família lhe ofereceu um emprego em uma fábrica de sapatos, fora de Paris, ele percebeu que poderia se tornar um design de calçados. Seu caminho estava traçado. Em 1937 ele abriu seu próprio atelier no número 22 da Rua Royale em Paris e passou a desenhar coleções não assinadas para marcas famosas como I. Miller, Delman, Bally, Rayne e Elsa Schiaparelli. Roger foi ousado e aliou em suas criações materiais antes pertencentes ao vestuário e à chapelaria como rendas e bordados para transformar suas clientes em cintilantes Cinderelas. Durante o período da Segunda Guerra Mundial, devido à escassez de material, Roger decidiu trabalhar como assistente de fotógrafo, mudou para os Estados Unidos e chegou até a abrir uma pequena chapelaria em Manhattan. Somente em 1945 ele voltou a criar sapatos, sendo o primeiro a empregar plástico transparente como material para calçados. Além disso, para driblar a escassez de couro nesse período de pós-guerra, ele utilizou cetim, couro de crocodilo e penas como materiais alternativos. Sua vida começaria a mudar quando em 1947 ele conheceu o estilista Christian Dior.


Em 1953 o designer foi contratado pela Maison Dior para criar suas primeiras coleções de sapatos e por lá ficou durante uma década. Foi um período de glória para Roger Vivier. E logo de início ele chamou a atenção do mundo ao criar os sapatos para a Rainha Elizabeth II calçar em sua coroação em 1953. Os sapatos, em pelica dourada, incrustados com rubis, foram os primeiros a trazer sola dupla na intenção de proporcionar conforto às longas horas de exposição às quais a futura rainha deveria se submeter na cerimônia de coroação. E o sucesso estava apenas começando. Em 1954 ele foi o idealizador do “salto stiletto” (conhecido popularmente como salto agulha). E sua audácia seduziu o mundo da moda. Nos anos seguintes utilizou seda, pérolas, miçangas, rendas, apliques de joias para criar decorações únicas para seus sapatos, que ele mesmo descrevia como verdadeiras esculturas. Em 1959 mais uma inovação com a criação do salto-choque, encurvado para dentro. Em 1963, Roger deixou a Dior para inaugurar uma loja própria no número 24 da Rua François Premier, em Paris, onde passou a colaborar com grandes nomes da moda como Balenciaga e Ungaro. Foi neste mesmo ano que ele criou o famoso salto vírgula, cujo formato de curva, ousado pra época, virou um verdadeiro hit e símbolo da marca francesa. Nesta época suas criações eram marcadas pela riqueza de delicados detalhes em cada modelo de sapato.


Em 1967 ganhou novamente destaque mundial quando o modelo Peregrino, lançado em julho 1965 para acompanhar o vestido Mondrian de Yves Saint-Laurent, ganhou vida nos pés da atriz francesa Catherine Deneuve na pele da bela Séverine no filme La Belle de Jour, de Luis Buñuel. Foi sucesso avassalador e imediato: com a chancela da prestigiada revista Vogue. Eram cinquenta pares vendidos por dia. Em verniz preto e bico quadrado, adornado por uma fivela retangular em metal prateado como aquelas dos chapéus de peregrinos americanos, o modelo com salto de 4.5 cm se tornaria um clássico da marca sempre presente nas coleções até os dias de hoje, vendido em inúmeras cores, em couro e outros materiais, com diferentes tamanhos de salto – de ballerines a alturas de 11 cm. E o sucesso deste modelo, hoje rebatizado Belle Vivier, fez com que Roger conquistasse clientes famosas como Jackie Kennedy, Marlene Dietrich, Ava Gardner, Josephine Baker, Elizabeth Taylor e até os Beatles.


Em 1968 a linha de produtos foi expandida com o lançamento de pequenas coleções de luvas e cachecóis. E foi nesta década, que Roger Vivier criou as botas de cano longo que cobrem as coxas, vestidas por Brigitte Bardot. As botas, inspiradas nos mosqueteiros, foram criadas para combinar com as coleções de Yves Saint-Laurent e Emanuel Ungaro. Alguns anos depois ele lançou botas de cano curto para serem usadas com calças. Para a cantora francesa Françoise Hardy desenvolveu botas brancas que chamou de “moon boots”. Nos anos seguintes o designer continuou lançando novidades e inovando no segmento de calçados. Em 1996, aos 88 anos de idade, sempre hábil e consciente das mudanças criou um modelo de sandálias com salto e sola moldados em uma só peça de plástico.


Roger Vivier faleceu no dia 2 de outubro de 1998 em sua casa na cidade de Toulouse. Pouco depois, no ano de 2000, o grupo italiano Tod’s comprou os direitos de licenciamento da marca. O ressurgimento da marca começou em 2003 quando o italiano Bruno Frisoni foi nomeado diretor criativo e Inès de La Fressange, eterna musa de Chanel, contratada para ser embaixadora global. Além disso, a marca abriu uma nova loja na sofisticada Rua Faubourg Saint-Honoré, em Paris, cujo design foi inspirado no apartamento de Vivier. Depois inaugurou lojas em Nova York e Hong Kong (2005) e lançou sua primeira coleção de óculos de sol em 2006, mesmo ano que abriu uma loja em Londres. Nos anos seguintes continuou sua expansão internacional com inauguração de luxuosas lojas em cidades como Milão (2008), Xangai (2010) e Costa Mesa (2012). Além disso, expandiu sua linha de produtos com o lançamento de perfumes, bolsas, objetos em couro e uma pequena coleção de joias. A marca passou a vender pela internet em 2011. Hoje em dia a marca conquistou novas clientes estreladas como Carla Bruni, Cate Blanchett, Nicole Kidman, Uma Thurman, Jennifer Aniston e Cameron Diaz.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas mudanças ao longo de sua história. Mais recentemente o logotipo ganhou uma nova tipografia de letra, mais afinada, fazendo com que o nome da marca ganhasse mais destaque.


Dados corporativos 
● Origem: França 
● Fundação: 1963 
● Fundador: Roger Vivier 
● Sede mundial: Paris, França 
● Proprietário da marca: Roger Vivier Paris SAS 
● Capital aberto: Não (marca licenciada para a Tod’s s.p.a.) 
● CEO: Diego Della Valle 
● Diretor criativo: Bruno Frisoni 
● Faturamento: €113.7 milhões (2014) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 29 
● Presença global: 50 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Funcionários: 300 
● Segmento: Moda de luxo 
● Principais produtos: Sapatos, botas, bolsas, óculos e acessórios em couro 
● Concorrentes diretos: Jimmy Choo, Manolo Blahnik, Christian Louboutin, Salvatore Ferragamo, Chanel e Walter Steiger 
● Ícones: Os saltos agulha e vírgula e o scarpin com fivela na ponta 
● Website: www.rogervivier.com 

A marca no mundo 
Hoje em dia a ROGER VIVIER vende sua refinada linha de produtos (sapatos, bolsas, acessórios em couro, óculos de sol e até uma pequena coleção de joias) em mais de 50 países ao redor do mundo através de uma pequena e exclusiva rede de lojas próprias formada por aproximadamente 30 unidades. As lojas estão instaladas em cidades como Paris, Londres, Milão, Tóquio, Dubai, Nova York, Genebra, Xangai, Beirute, Taipei, entre outras. Além disso, seus produtos são vendidos em sofisticadas lojas de departamento. 

Você sabia? 
Suas criações eram tão fantásticas que seus sapatos estão expostos em importantes museus mundiais como Victoria and Albert Museum de Londres, Metropolitan Museum of Art de New York e Musée du Costume et de la Mode du Louvre, em Paris. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 28/5/2015

21.5.15

COLUMBIA SPORTSWEAR


Tem um ditado que diz: experiência traz sabedoria. E as mais de sete décadas da COLUMBIA SPORTSWEAR COMPANY provam que a marca americana entende muito sobre esportes de aventura. Por gostar da natureza tanto quanto muitos, a marca sabe exatamente do que seus consumidores precisam. Sabe que sentir frio ou ficar encharcado não é nenhum divertimento. Um dia de sol pode ser maravilhoso, mas ficar queimado não tem graça nenhuma. Por isso a COLUMBIA desenvolve produtos de alta performance que fazem milhões de pessoas se sentirem protegidas e confortáveis em qualquer clima, não importa em que região do planeta. 

A história 
Tudo começou no ano de 1937 quando o casal Paul e Marie Lamfrom fugiu do cruel regime nazista da Alemanha e se estabeleceu na cidade de Portland, estado de Oregon, onde eles compraram uma pequena distribuidora de chapéus, Rosenfeld Hat Company, para a qual deram um novo nome: COLUMBIA HAT COMPANY. O nome foi inspirado no rio Columbia, o mais importante do estado. Esse início humilde teve um grande significado para a família, marcando um novo começo em um país onde podiam viver em total liberdade. Nos anos seguintes, em função dos enormes problemas com fornecedores a família iniciou a fabricação de seus próprios produtos. Em 1948, a filha do casal, Gertrude, cujo apelido era Gert, se casou com seu namorado da época de faculdade, Neal Boyle, que entraria para os negócios da família mais tarde, em 1963, assumindo o comando da empresa. A história da empresa começaria a mudar em 1960 com a introdução da primeira jaqueta para pesca e caça (projetada pessoalmente por Gert em uma máquina de costura) que possuía inúmeros bolsos, seguida pouco depois por uma linha de vestuários para a prática destes esportes, extremamente populares no estado de Oregon devido às riquezas naturais. Com isso, a marca protegia aventureiros contra os rígidos elementos climáticos da região com jaquetas, calças e chapéus de pescaria e caça. Nesta época a empresa mudou seu nome para COLUMBIA SPORTSWEAR COMPANY.


Em 1970, Neal faleceu aos 47 anos vítima de um ataque cardíaco, deixando três filhos (entre os quais Timothy, que pouco depois ajudaria sua mãe nos negócios), uma empresa em franca expansão apoiada em empréstimos bancários e uma esposa que não possuía nenhuma experiência em negócios. No dia seguinte ao funeral de Neal os telefones da empresa receberam inúmeras ligações, principalmente de vendedores que presumiram que a COLUMBIA fosse fechar. Em seguida ligaram os bancos, preocupados ao descobrir que uma dona de casa assumiria os negócios. Gert, no entanto, conseguiu ganhar tempo hipotecando o prédio da empresa como garantia para os empréstimos, acalmando assim os banqueiros e colocando a COLUMBIA em ordem. Assim, após alguns anos de trabalho duro os lucros começaram a surgir e a empresa concentrou suas forças em divulgar a marca COLUMBIA. Com isso, após iniciar suas vendas internacionais em 1975 e lançar a jaqueta com tecnologia Gore-Tex®, uma membrana que permitia ao corpo respirar mesmo sob uma superfície impermeável, o faturamento ultrapassou US$ 1 milhão em 1978. Outro fator que tornou a empresa ainda mais rentável foi a transferência da produção de seus vestuários para pesca e caça, no início dos anos de 1980, para a Ásia, mais precisamente para a Coréia do Sul. Com custos mais baixos, a COLUMBIA ganhou enorme competitividade no mercado americano.


Foi neste momento que a COLUMBIA iria se tornar conhecida por seus produtos inovadores e conquistar uma reputação inigualável por sua qualidade e valor. E isto começou com o famoso Interchange System™. Esse conceito revolucionário foi desenvolvido em 1982 e desde então impulsionou a COLUMBIA na indústria de vestuário esportivo. As primeiras jaquetas que utilizaram esse conceito, batizadas de Quad Parka, foram desenvolvidas para pessoas que praticavam caça e pesca. Essas jaquetas apresentavam uma cobertura externa a prova de água e outra jaqueta interna isolante que poderiam ser utilizadas de forma completa ou separadas, compondo uma única roupa a partir de três ou quatro peças. Esse produto tornou-se tão popular que o mesmo conceito foi aplicado em uma jaqueta para esqui alpino, a Bugaboo™, lançada em 1986 e que se tornou um ícone na história da marca. Esta jaqueta, capaz de proteger contra o vento, ser impermeável e garantir o isolamento térmico, marcou o ingresso da empresa no mercado de esqui e ajudaria a marca a se tornar líder neste segmento nos Estados Unidos alguns anos mais tarde.


Em 1991, foi desenvolvida a linha de produtos com tecnologia Omni-Tech® cuja proteção impermeável e respirável protege da chuva, vento e frio, liberando o calor gerado pelo corpo, mantendo a temperatura sempre confortável. Dois anos mais tarde a empresa ingressou no setor de calçados com o lançamento da Bugaboot™, uma bota resistente para esportes ao ar livre, utilizada pela própria Gertrude Boyle em famosos anúncios publicitários com o slogan: “My Mother Wears Combat Boots” (“Minha mãe veste botas de combate”, em português), dito por seu filho Tim Boyle. Ainda neste ano a marca introduziu a linha de roupas em jeans Tough Mother. Pouco depois, em 1994, mesmo ano que ingressou no mercado de snowboard com a produção de vestuários e equipamentos, a marca foi apontada pela emissora CBS Sports como patrocinadora oficial dos Jogos Olímpicos de Inverno realizados em Lillehammer na Noruega, fato que aumentou em muito suas vendas e reconhecimento internacional.


No ano seguinte lançou a linha de roupas GRT (abreviação de “Gear for Rugged Trekking and Travel”), cuja principal característica é ser extremamente resistente. Em 1996 a marca introduziu no mercado a linha de roupas PFG (Performance Fishing Gear), inspirada pelas necessidades de desempenho, estilo e conforto dos pescadores profissionais e amadores. Foi neste mesmo ano que a COLUMBIA inaugurou sua primeira loja própria, na cidade de Portland, que pela primeira vez vendia toda a linha de vestuários, calçados e acessórios da marca em um mesmo lugar. Além disso, várias unidades dessas lojas foram abertas na Coréia do Sul para reforçar a imagem da marca no continente asiático.


A partir do final da década de 1990, a COLUMBIA iniciou um processo de licenciamento de marca para expandir sua linha de produtos, como por exemplo, para meias e óculos para esqui. Em 2002 ganhou ainda mais reconhecimento ao se tornar fornecedora oficial dos populares X Games. Dois anos mais tarde, após inaugurar um Centro de distribuição em Cambrai, França, para atender a alta demanda do mercado europeu, a marca ultrapassou a barreira de US$ 1 bilhão em faturamento. Em 2009, além de lançar seu comércio eletrônico, a marca apresentou a linha Titanium para a prática do golfe. Em 2014, a marca inaugurou sua primeira loja no Brasil, localizada na cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul.


Partindo do conceito de que é importante saber desfrutar ao ar livre, estando corretamente preparado para isso, nos últimos anos a COLUMBIA, reconhecida por ser inovadora na produção de vestuário outdoor e calçados, especialmente para enfrentar temperaturas frias e climas úmidos, introduziu inúmeras tecnologias revolucionárias através de tecidos repelentes de insetos ou vestimentas que bloqueiam vento, água e frio. Entre as principais tecnologias, vale destacar: Omni-Shade® (proporciona maior proteção contra a radiação dos raios UVA e UVB), Omni-Dry® (deixa o tecido impermeável e ultra-respirável, transferindo para fora, rapidamente, o calor e o vapor gerados pelo corpo nas atividades físicas, mantendo o usuário seco mesmo nas piores condições climáticas), Techlite (material ultra leve aplicado em calçados especialmente formulado para melhor absorção de impactos e estabilidade, desenvolvido para percorrer grandes distâncias com conforto), Omni-Wick® (transferência de umidade que facilita a rápida evaporação do suor mantendo o usuário confortável durante a prática de atividades), Omni-Shield® (tecido resistente a chuvas e manchas mantendo o usuário limpo e protegido), Omni-Heat® (proporciona a maior retenção de calor por grama da indústria através de uma tecnologia exclusiva que emprega 50% de materiais reciclados), Omni-Grip® (sistema de tração multiterreno formulado a partir de compostos especiais, e desenhado para agarrar com firmeza em qualquer tipo de terreno) e Omni-Freeze Zero® (resfriamento ativado pelo suor para diminuir a temperatura corporal).


Qualquer um pode aproveitar a natureza e os esportes de aventura. Desde expedições para lugares remotos até exigentes escaladas das montanhas mais altas do mundo. É fácil. Abra a porta e vá para fora. De uma montanha até um parque, de um glacial até um jardim, do Tour de France até um simples passeio de bicicleta, a COLUMBIA pode ajuda qualquer pessoa a aproveitar todas as suas atividades com o maior conforto possível. Por isso a COLUMBIA é atualmente uma das maiores fornecedoras mundiais de produtos a prova d’água e respiráveis, vestuários autênticos desenhados para aventuras e atividades ao ar livre que resistem às mais duras condições climáticas. Entre as inúmeras inovações da marca é possível citar os tratamentos de tecidos que protegem contra água, raios UV e lama, bem como tecidos destinados a manter os usuários frescos no clima muito quente, promovendo a evaporação do suor.


Conforme a COLUMBIA cresce, aumenta seu compromisso também com a sociedade. Localmente e em todo o mundo a empresa apóia inúmeras organizações de assistência social, arte, educação e conservação ambiental. Por exemplo, o programa de doações fornece roupas devolvidas e com pequenos defeitos, mas em condições de uso, para pessoas carentes nos Estados Unidos. A COLUMBIA é também membro da Conservation Alliance, grupo que apóia ações de conservação ambiental. Todos os funcionários da empresa participam do programa voluntário que organiza grupos de apoio a ações de entidades como SMART (Start Making A Reader Today - Comece a Incentivar Alguém a Ler Hoje), American Hiking Society (Sociedade de Caminhada Americana) e American Heart Association (Associação Americana do Coração).


Sucesso na comunicação 
Antes de 1983, a comunicação da marca se preocupava em apresentar a inigualável “engenharia” de seus produtos, até que a agência de publicidade Borders, Perrin & Norrander argumentou que com tamanha concorrência a COLUMBIA teria que se diferenciar de alguma forma. E indagou: quantas outras companhias são administradas por uma mãe e seu filho? A agência então propôs que Gert deveria estrelar os anúncios da marca. “Minha mãe, uma Super Modelo?” Essa foi uma versão educada da resposta de Tim na época. Mas a marca literalmente comprou a ideia e suas campanhas ganharam enorme reconhecimento popular. Nas campanhas, a mãe Boyle é exibida como a tirana que se certifica de que cada um dos produtos possa atender aos seus padrões (extremamente rígidos) e ao lendário mau tempo do estado de Oregon. A personagem de “Mãe Durona” de Gert a transformou em uma celebridade internacional. Enquanto o distinto humor americano deve ser ajustado para se encaixar no mercado estrangeiro, a imagem de uma mãe cuidadosa é compreendida por todos. Gert se tornou uma verdadeira celebridade e, em 2005, lançou sua autobiografia (One Tough Mother).


Para assistir a um dos inúmeros comerciais estrelados por Gert, clique no ícone abaixo.

   

A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas alterações ao longo dos anos. Mais recentemente a marca adotou um novo logotipo, que apresentou uma nova tipografia de letra, além da eliminação da expressão “Sportswear Company”.


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1938 
● Fundador: Paul e Marie Lamfrom 
● Sede mundial: Portland, Oregon, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Columbia Sportswear Company 
● Capital aberto: Sim (1998) 
● Chairman: Gert Boyle 
● CEO: Timothy Boyle 
● Presidente: Bryan Timm 
● Faturamento: US$ 2.1 bilhões (2014) 
● Lucro: US$ 137.2 milhões (2014) 
● Valor de mercado: US$ 4 bilhões (maio/2015) 
● Lojas: 100 
● Presença global: 100 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 5.325 
● Segmento: Equipamentos esportivos 
● Principais produtos: Roupas, calçados e acessórios para atividades e esportes ao ar livre 
● Concorrentes diretos: The North Face, Patagonia, Timberland, Millet e Eddie Bauer 
● Ícones: As jaquetas 
● Slogan: Trying stuff since 1938. 

A marca no mundo 
Hoje em dia a COLUMBIA, renomada por inovar e desenvolver produtos confortáveis, de proteção e funcionais com estilo, está presente em mais de 100 países oferecendo uma vasta linha de produtos (que engloba desde jaquetas, casacos, camisas, calças e calçados resistentes até mochilas, chapéus, luvas e cachecóis) desenvolvidos para esportes e atividades ao ar livre como esqui, caça, pesca, caminhada, ciclismo e escalada. Com faturamento superior a US$ 2 bilhões em 2014, a marca vende seus produtos através de 100 lojas próprias (a maioria no formato de outlet), varejistas esportivos e grandes lojas de departamento. A marca é líder em vendas de roupas para esqui no mercado americano. 

Você sabia? 
A sede da empresa está localizada no noroeste americano, próximo ao oceano Pacífico, onde florestas majestosas cercam montanhas vulcânicas e há uma costa desafiadora. Um local propício para escaladas, corridas, caminhadas, andar de bicicleta, acampar, pescar, caçar, remar ou aproveitar a natureza. Um verdadeiro laboratório ao ar livre para a COLUMBIA. 
A empresa ainda é proprietária das marcas Montrail (calçados para corrida, caminhada ou trilha), Mountain Hardwear (roupas e equipamentos para esportes nas montanhas), OutDry (calçados para esportes ao ar livre), Sorel (botas e sapatos para o inverno) e Prana (roupas para a prática de ioga e escalada). 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Exame e Isto é Dinheiro), jornais (Valor Econômico), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 21/5/2015

14.5.15

MARABRAZ


A MARABRAZ tem como principal missão ajudar a realizar o sonho de milhões de brasileiros em mobiliar a casa toda com preço acessível e justo, oferecendo móveis de qualidade, enorme variedade e bom atendimento. Por isso a rede ficou conhecida como “a especialista em móveis”. 

A história 
Tudo começou em 1972 quando Abdu Hadi Mohamed Fares, um imigrante libanês que havia chegado a São Paulo na década de 1950, comprou um terreno na Avenida Parada Pinto, zona norte da cidade, onde construiu uma loja, e, nos pisos superiores duas residências. Uma para morar com sua família e outra para locação. O nome do comércio familiar que vendia móveis residenciais era CREDI FARES. Desde o início, Fares sempre fez questão de manter um forte vínculo com os consumidores. O tempo vai passando e a cada dia o pequeno comércio familiar ganha mais e mais clientes. Em 1978, quando o patriarca Abdul morreu precocemente aos 48 anos de idade, o patrimônio dos Fares se resumia a duas pequenas lojas de móveis ainda batizadas de Credi Fares, na Vila Nova Cachoeirinha, bairro da zona norte de São Paulo. Nada mal para um estrangeiro que chegou ao Brasil como mascate, mas algo ainda bem distante do que os filhos iriam construir no futuro.


E foi justamente com a morte do patriarca que os quatro filhos (Nasser, Jamel, Adiel e Bahjet), que desde muito jovens já trabalhavam nas lojas, fazendo inúmeras funções, desde limpeza até ajudar nas entregas, assumiram o comando dos negócios. Nos anos seguintes, eles desenvolveram uma fórmula de sucesso para fazer caber nos orçamentos populares as prestações mensais dos móveis que vendiam. E descobriram que, com promoções e mais lojas, ampliavam a sua rentabilidade. Porém, foi somente em meados de 1986 que foi inaugurada a primeira loja com o nome MARABRAZ na Vila Nova Cachoeirinha. O Centro de Distribuição estava localizado atrás da loja. A partir deste momento nascia um grande desafio para os quatro irmãos: trabalhar arduamente para a construção de uma nova marca. Logo após, todas as lojas Credi Fares foram renomeadas para MARABRAZ. Nos anos seguintes outras unidades foram inauguradas pela cidade.


Foi em 1990 que a marca criou um slogan que se tornaria reconhecido por boa parte da população brasileira: “Lojas Marabraz, preço menor, ninguém faz”. Pouco depois, em 1994, para atender a crescente demanda, a empresa inaugurou o segundo Centro de Distribuição em Jaraguá. A história da empresa começaria a mudar em 1997, quando a MARABRAZ assinou o primeiro contrato com a dupla sertaneja Zezé de Camargo & Luciano para que fossem garotos-propaganda. A partir deste momento a marca começaria a ganhar reconhecimento e força no cenário varejista e entre as classes sociais C, D e E. Vale ressaltar que até hoje a dupla aparece nas campanhas publicitárias da marca. A afinidade e penetração das campanhas com Zezé de Camargo & Luciano é tão grande que muitos ainda acham que eles são donos da MARABRAZ (o que não é verdade).


Em dez anos a MARABRAZ se tornou um verdadeiro gigante do varejo de móveis, abriu novas lojas na região metropolitana, baixada santista e interior paulista e, em 2006, inaugurou o terceiro maior Centro de Distribuição da América Latina em Cajamar (SP), com 220.000m² de área, para dinamizar o abastecimento de móveis à sua rede varejista. Além disso, nesse período a rede ampliou a oferta de produtos ao passar a vender colchões, tapetes e móveis para escritório. Outra importante ferramenta para aumentar as vendas foi a criação da campanha Limpa Estoque Marabraz, considerada a maior liquidação de móveis do país e realizada todo mês de janeiro, onde é possível comprar móveis para toda a casa com enormes e generosos descontos. Mais recentemente, em 2012, a rede resolveu apostar na segmentação com a inauguração da primeira MARABRAZ COLCHÕES. Hoje em dia, essas lojas oferecem aos consumidores uma completa linha de colchões (nas categorias casal, solteiro, infanto-juvenil), além de camas box e travesseiros. Em 2014 a maior rede especializada em móveis do país, resolveu renovar sua comunicação e contratou o ator Fábio Porchat para estrelar suas campanhas publicitárias. O objetivo é impactar um novo perfil de público: os jovens.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por pequenas alterações ao longo de sua história. E foi somente em relação à coloração: o azul forte e claro deu lugar a uma tonalidade mais escura.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 1972 
● Fundador: Abdu Hadi Mohamed Fares 
● Sede mundial: São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Marabraz Comercial Ltda. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Nasser Fares 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 136 
● Presença global: Não (presente somente no Brasil) 
● Funcionários: 3.200 
● Segmento: Varejo 
● Principais produtos: Móveis para dormitório, cozinha e sala 
● Concorrentes diretos: Casas Bahia, Lojas Cem, Gazin, Lojas Colombo, Ponto Frio e Magazine Luiza 
● Ícones: A dupla Zezé de Camargo & Luciano 
● Slogan: Lojas Marabraz, preço menor, ninguém faz. 
● Website: www.marabraz.com.br 

A marca no Brasil 
Atualmente a MARABRAZ, maior rede varejista especializada exclusivamente em móveis do mercado brasileiro, conta com mais de 135 lojas localizadas na capital paulista, Baixada Santista, Vale do Paraíba, região metropolitana e interior do estado. De capital 100% nacional, a MARABRAZ possui o terceiro maior centro de distribuição da América Latina, localizado na cidade de Cajamar (SP). As vendas a prazo respondem por mais de 90% das vendas da rede. 

Você sabia? 
Hoje em dia a empresa é dirigida pelos irmãos Fares (Nasser, Jamel, Adiel e Bahjet), que aprenderam a fórmula de crescimento do comércio, e com isso, conseguem ajudar também as pessoas mais carentes da zona norte de São Paulo, apoiando instituições de caridade, promovendo jantares e até com a abertura de uma clínica médica popular, a Clínica Fares. 
MARABRAZ é um dos maiores e mais misteriosos grupos varejistas do país. Isto porque a família Fares odeia holofotes, mídia e raramente se deixa fotografar. 
A família Fares arrematou a marca Mappin em um leilão no início de 2010 por R$ 5 milhões e desde então tem feito mistério sobre o futuro de uma das mais tradicionais varejistas do país. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Época Negócios e Exame), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 14/5/2015

7.5.15

RADISSON


A marca RADISSON é uma verdadeira grife no segmento de hotelaria. Seguindo uma filosofia de níveis excepcionais, em qualquer hotel da rede o hóspede, quer esteja viajando a negócios ou com a família a lazer, terá sempre serviços atraentes, contemporâneos e agradáveis para transformar sua estadia em uma experiência inesquecível. Cuidar, cuidar e cuidar. E tudo com excepcionais serviços, conforto e máximo estilo. Assim é a filosofia RADISSON. 

A história 
Tudo começou no início do século passado na cidade de Minneapolis, estado americano de Minnesota, que presenciava um crescimento enorme. Foi neste cenário que uma mulher empreendedora da cidade de Chicago, chamada Edna Dickerson, chegou à Minneapolis para receber uma grande herança de um parente distante, que incluía muito dinheiro e propriedades. Ela então foi convencida por empresários e políticos da cidade, a construir um hotel com serviços cinco-estrelas que beneficiaria os negócios, especialmente na área central. Edna concordou, investiu aproximadamente US$ 1.5 milhões e exatamente no dia 15 de dezembro de 1909 foi inaugurado, com direito a um jantar de gala, o primeiro hotel RADISSON, com 425 sofisticados quartos e nomeado assim em homenagem ao grande explorador francês, Pierre-Esprit Radisson, cuja história acredita ser o primeiro homem branco a explorar o estado de Minnesota no século 17. O novo hotel foi inaugurado com uma promessa: “The finest hotel between Chicago and the West Coast” (em tradução livre, “O melhor hotel entre Chicago e a costa oeste”). Nos anos seguintes, o hotel ganhou fama através da sua espetacular estrutura e serviços impecáveis, que se espalharam pela região.


Porém, com a Grande Depressão Americana e a Segunda Guerra Mundial, o hotel RADISSON, tido por muitos anos como de primeira classe, foi se deteriorando e perdendo qualidade, até ser adquirido por Byron Calhoun, gerente do Hotel St. Paul, e Tom Moore, um jovem empresário irlandês, em 1943. Eles rapidamente trataram de remodelar e reformar o hotel e trouxeram RADISSON de volta à proeminência nacional no setor de hotelaria. Na década de 1950 o hotel foi ampliado com a adição de mais quartos e novas estruturas de serviços. A história do RADISSON começaria a mudar quando no início dos anos de 1960, o empresário Curt Carlson, adquiriu o tradicional hotel. Nos anos seguintes ele embarcou em uma ambiciosa expansão do nome RADISSON, primeiramente em torno de Minnesota, especialmente no subúrbio, e, em seguida, em importantes cidades do país.


Outro importante fator para consolidação da marca RADISSON no mundo ocorreu no início da década de 1990 quando a empresa assinou um acordo de cooperação internacional com a divisão de hotelaria da companhia aérea SAS Scandinavian Airlines para explorar a marca fora dos Estados Unidos. Foi então que a partir de 1994 foram inaugurados inúmeros hotéis sob a bandeira RADISSON SAS no continente europeu, cujas acomodações, amenidades e serviços rapidamente ganharam fama no segmento de hotelaria por ter um padrão cinco-estrelas. Posteriormente novas unidades foram construídas na região da Ásia-Pacífico. Em 2000, quando a rede inaugurou seu primeiro hotel em solo africano, a RADISSON SAS comemorou também seu centésimo hotel em operação.


A marca desembarcou no Brasil em 2001, quando foi inaugurado o RADISSON FARIA LIMA, em São Paulo. No início de 2009, com o anúncio do fim da cooperação e sociedade com a SAS, gradativamente os hotéis RADISSON SAS foram sendo renomeados para RADISSON BLU (agora a bandeira de hotéis de categoria superior da rede). Com esse novo posicionamento o primeiro hotel RADISSON BLU em território americano foi inaugurado no final de 2011 na cidade de Chicago. Mais recentemente, no final de 2014, a rede anunciou a criação de uma nova bandeira, RADISSON RED, que dará atenção especial ao design, procurando adequá-lo à perspectiva do hóspede, além de focar em tecnologia, como por exemplo, um aplicativo móvel que permite aos clientes evitarem ir à recepção fazer o check-in, encomendarem bebidas no bar, ou comida, e outros serviços. RADISSON RED pretende ser uma nova categoria de hotéis, um “Lifestyle Select” de serviço de alta categoria, focado no design (uma espécie de galeria de arte), detalhe, experiência e interação pessoal. É uma bandeira voltada para o público jovem, descolado e antenado com tecnologia e facilidades da vida moderna.


Hoje em dia a rede RADISSON oferece uma gama de recursos concebidos para as necessidades de viajantes muito ocupados. É a continuidade das ferramentas de comunicação com os hóspedes, os atributos físicos e os serviços que fazem da RADISSON uma das líderes mundiais em marcas hoteleiras de serviço pleno. O segredo está em tratar os hóspedes do modo que eles esperam e desejam, através de soluções que são capazes de atender às exigências de viagens modernas, incluindo a política de 100% de garantia na satisfação do hóspede. É uma orgulhosa herança de uma generosa e exclusiva hotelaria agora reinventada e revigorada para o século 21.


O jeito Radisson® 
Sempre positivo, sempre sorrindo e sempre profissional, quem faz a marca RADISSON é quem trabalha na empresa. Cada membro da equipe dedica-se à filosofia Yes I Can! implantada em 1995 como um extraordinário princípio de serviços que proporciona um produto que se converte em sucesso para todos. É a paixão em garantir bem-estar e satisfação totais a cada hóspede. Imaginativas, compreensivas e verdadeiramente empáticas às necessidades do viajante moderno, essas pessoas dedicam-se à especial missão de oferecerem um Serviço Altamente Dedicado. Todos os seus hotéis são orientados para o serviço, responsáveis, conectados social e localmente, e demonstram uma atitude simpática e moderna em tudo que a empresa faz. Afinal, o objetivo é sempre oferecer aos hóspedes o excepcional serviço Yes I Can!, conforto e estilo onde precisarem, fazendo com que se sintam em casa. Não importa se os hóspedes estão em Glasgow ou na Cidade do Cabo, em Pequim ou em Roma, eles têm a certeza de um serviço sempre excelente e atenção exclusiva. Desde o gerente do hotel, o garçom, o recepcionista, o carregador de bagagem, todos desempenham um papel vital para proporcionar uma experiência memorável a cada hóspede.


Em um setor altamente competitivo como o da hotelaria, a RADISSON se destaca dos concorrentes justamente pelo espírito da filosofia Yes I Can!, que visa a total satisfação do cliente. Os funcionários farão de tudo para garantir que cada hóspede saia de um hotel RADISSON satisfeito. Por isso, se houver uma queixa, ela será tratada imediatamente. Se a queixa continuar sem solução ou se deixar o hotel decepcionado, qualquer um dos funcionários pode invocar a total satisfação do cliente. Isso significa que não terá de pagar pelo quarto nem pelo serviço em questão.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por uma grande reformulação ao longo de sua história. O logotipo original, cujo símbolo era uma letra R estilizada, foi substituído por uma assinatura moderna e vibrante, que representa os valores e serviços prestados por seus hotéis.


Os logotipos das outras bandeiras da rede seguem o padrão da marca mãe, mas com elementos distintos de identificação, como por exemplo, o popular quadrado azul do RADISSON BLU (antigo RADISSON SAS, que possuía esse símbolo de identificação).


Os slogans 
Hotels that love to say YES! 
Stay Your Own Way. (2003) 
Onde eu quero estar. (Brasil)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 15 de dezembro de 1909 
● Fundador: Edna Dickerson 
● Sede mundial: Minnetonka, Minnesota, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: Carlson Rezidor Hotel Group 
● Capital aberto: Não 
● CEO: David Berg 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Hotéis: 450 
● Presença global: 75 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 60.000 
● Segmento: Turismo 
● Principais produtos: Hotéis de categorias superiores 
● Concorrentes diretos: Marriott, Hilton, Sheraton, Hyatt, Sofitel, Renaissance e Ramada 
● Ícones: A filosofia “Yes I Can!” 
● Slogan: Hotels that love to say YES! 
● Website: www.radisson.com 

A marca no mundo 
Atualmente a marca RADISSON, que pertence ao grupo Carlson Rezidor, possui mais de 450 hotéis instalados em 75 países ao redor do mundo. Disponibilizando mais de 100.000 quartos, a marca oferece duas bandeiras de hotéis: RADISSON (mais de 150 hotéis, especialmente nos Estados Unidos) e RADISSON BLU (aproximadamente 290 hotéis), além da novíssima RADISSON RED. Os hotéis da rede estão sempre localizados nos principais centros urbanos e arredores, destinos de lazer, aeroportos e regiões de negócio pelas Américas, Ásia, Europa, África e Caribe. Atualmente, são nove hotéis RADISSON no Brasil, com a oferta de mais de 1.600 quartos, estando presente com dois hotéis em São Paulo (SP) e outras unidades em Barueri (SP), Porto Alegre (RS), Aracaju (SE), Belém (PA), Curitiba (PR), Maceió (AL) e Rio de Janeiro (RJ). 

Você sabia? 
Quando foi inaugurado em 1909 na cidade de Minnesota, a diária do hotel era de US$ 1.50 (para quarto sem banheiro). Entre US$ 2.50 e US$ 5 o hóspede poderia ter várias amenidades, entre as quais banheiro no quarto. 
Para hóspedes apressados e sem tempo para sentar e saborear o café da manhã, a rede oferece o café da manhã para viagem Grab & Run. Chá e café em copos descartáveis, com frutas frescas e barrinhas energéticas, são oferecidos em uma mesa especial no lobby para que os hóspedes não percam a refeição mais importante do dia. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 7/5/2015

23.4.15

BOZZANO


É a única marca brasileira que cuida dos homens desde 1946. E muitos fizeram literalmente barba, cabelo e bigode sempre com sua presença. Afinal, durante todo esse tempo BOZZANO é a marca que cuida dos hábitos e costumes de beleza de gerações de brasileiros. A marca que mais entende de homem, acompanha a evolução do seu consumidor junto com sua vaidade e tradição no cuidado masculino, oferecendo qualidade, modernidade e tecnologia através de uma ampla linha de produtos, desenvolvida para atender a todas as necessidades do homem moderno. 

A história 
Tudo começou em 1946 no tradicional bairro paulista da Vila Mariana quando o farmacêutico Mário Bozzano iniciou as vendas do creme de barbear à domicílio. Já nos anos de 1950, a marca investia em propaganda, principalmente quando um radialista famoso anunciava o creme de barbear da marca entre um passe aqui e um drible ali. No início da década de 1960, quando a BOZZANO já contava também com loções pós-barba, foi lançada a primeira propaganda de televisão da marca, fazendo com que BOZZANO ficasse conhecida em todo território brasileiro. Na década seguinte, o creme de barbear se tornou um item de sucesso e conquistou grande espaço no mercado varejista. E a BOZZANO soube se aproveitar muito bem deste momento para não somente vender mais, como se transformar em uma marca ícone deste segmento. Nos anos de 1980, com o sucesso de seus produtos de barbear, a marca resolveu expandir sua linha de produtos e inovou ao lançar o gel modelador de cabelo no mercado brasileiro.


Sempre trazendo novidades para seus consumidores, na década de 1990 a BOZZANO aprimorou sua principal linha de produto ao trazer a melhor tecnologia da época para o ato de barbear. Apesar do gel modelador de cabelo, o creme de barbear era disparado o produto mais importante da marca. Afinal, o creme de barbear BOZZANO embalado em uma icônica bisnaga azul e com um característico cheiro forte de menta, cresceu ano a ano distribuindo rostos bem aparados para garotos e marmanjos de todo o Brasil. Tanto que o creme de barbear da marca chegou a responder por 50% de participação de mercado. Só que os homens mudaram seus hábitos de consumo e a marca não poderia ficar parada. Foi obrigada a se modernizar. E a partir do final dos anos de 1990, já sob o comando da americana Revlon, revitalizou sua linha de produtos, inovou nas fórmulas, ousou nas embalagens e atingiu em cheio o público jovem. Com uma linha maior de produtos, que incluía gel, espuma, loções pós-barba e até desodorantes, a BOZZANO ganhou ainda mais participação no segmento de cuidados masculino. Entre as novidades estava a linha BOZZANO PROTECTION, que incluía cremes de barbear em versões gel e espuma, com multivitaminas, loções cicatrizantes e proteção solar. Era a preocupação da BOZZANO em cuidar cada vez mais da pele masculina. Além disso, a marca investiu em publicidade ao contratar no início do novo milênio o boxeador Popó como garoto propaganda.


Durante anos e anos a BOZZANO ficou mais restrita a produção de produtos destinados ao barbear, (creme, espuma e loção) com exceção de lâminas, segmento que a marca estreou em 2005, de forma ainda tímida, com o lançamento de uma linha de aparelhos de barbear com duas lâminas, inicialmente importados dos Estados Unidos e embalados no Brasil. Os novos produtos estrearam no mercado com o sugestivo slogan “Aparelhos de barbear Bozzano, deixam a pele lisa, não o bolso”. Ainda em 2005 a marca inovou ao lançar uma linha específica para peles negras, composta de creme e espuma de barbear. Outra novidade foi a adoção das embalagens em tubos plásticos, que substituíram o alumínio, por serem mais flexíveis, práticas e econômicas, permitindo assim 100% de aproveitamento do produto. Pouco depois, em 2007, a marca resolveu apostar no mercado de desodorantes para os pés com o lançamento da nova linha de produtos Bozzano Pés. Em julho do ano seguinte a empresa Hypermarcas adquiriu por US$ 104 milhões algumas marcas locais da Revlon no Brasil, entre as quais a tradicional BOZZANO.


Começava então uma nova fase para a tradicional marca brasileira. Primeiro iniciou a ampliação de seu portfólio com o lançamento do Gel-Creme Modelador, produto completo que trazia os benefícios do creme de modelar e o brilho do gel fixador; uma nova e completa linha de aparelhos de barbear, que incluía o Magnum 5+1, com seis lâminas (sendo uma para finalização do barbear), introduzida em 2009; além de géis de barbear em seis variantes, que incluíam as versões pele sensível e barba cerrada. Segundo investiu na contratação do jogador Ronaldo Fenômeno como garoto propaganda, além de estampar sua marca nas camisas de Corinthians e Flamengo. E a ampliação de seu portfólio continuou nos anos seguintes, com o lançamento, em 2011, de uma inédita linha de desodorantes antitranspirantes, testados dermatologicamente, que oferecem 24 horas de proteção contra a transpiração, disponíveis no formato aerossol e em quatro fragrâncias inspiradas na perfumaria fina, mais uma variante sem perfume; além da linha de cuidados capilares ganhar novas variantes com o lançamento da cera e cola de modelar, em 2012.


Em 2014 a BOZZANO recebeu pesados investimentos. Adotou um novo posicionamento (“Jeito de garoto. Cuidado de homem.”), ganhou novas embalagens (mais jovens e modernas) e contratou o ator Murilo Rosa como novo garoto propaganda. A nova campanha contou também com ações inusitadas, como por exemplo, o Truck Bozzano, uma barbearia móvel que percorreu pontos na cidade de São Paulo. Toda sua linha de produtos foi relançada com novas fórmulas e algumas novidades. Por exemplo, toda linha de barbear possui nova fórmula, com a exclusiva tecnologia b-Effect System, que protege e regenera a pele evitando irritações além de oferecer mais proteção e hidratação até o próximo barbear. Essa nova tecnologia protege contra as agressões do barbear de forma a proporcionar um barbear mais rente com menor atrito da lâmina, deixando um aspecto de pele saudável e natural. Já as fragrâncias são as mesmas para todas as linhas: Refrescante (na cor verde), Hidratação (na cor azul) e Pele Sensível (na cor cinza).


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas modificações ao longo de sua história. Em 2014, seguindo um novo posicionamento de mercado, a BOZZANO adotou também uma nova identidade visual, que ganhou nova tipografia de letra, muito mais moderna e jovem, que permitiu focá-la com maior amplitude em diversos nichos do mercado de cosméticos masculinos no Brasil e na América Latina.


Os slogans 
Jeito de garoto. Cuidado de homem. (2014) 
Sempre com você. 
A marca do homem. 
É Bozzano, é bom.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 1946 
● Fundador: Mário Bozzano 
● Sede mundial: São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Hypermarcas S.A. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Claudio Bergamo 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 6 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Segmento: Cuidados pessoais 
● Principais produtos: Cremes, espumas e lâminas de barbear, géis fixadores para cabelo e desodorantes 
● Concorrentes diretos: Gillette, Nivea, Bic, Axe e Rexona 
● Slogan: Jeito de garoto. Cuidado de homem. 
● Website: www.bozzano.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente a BOZZANO, marca consolidada no universo da higiene pessoal masculina, atua nos segmentos de pré e pós-barba, modeladores para cabelos e desodorantes, e está fortemente presente em todo território brasileiro. A marca também está presente em alguns países da América Latina. Referência de barbear, a marca oferece alta tecnologia e produtos modernos para cada momento deste ritual: Pré Barba (cremes, espumas e géis), Pós Barba (bálsamos e gel pós-barba) e lâminas de barbear (descartável e sistema). O creme de barbear ainda representa 20% do faturamento da marca. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Exame, Isto é Dinheiro, Época Negócios e EmbalagemMarca), jornais (Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 


Última atualização em 23/4/2015

15.4.15

SLOW COW


SLOW COW se posiciona como um “anti-energético”. A semelhança da marca canadense com o energético Red Bull está na brincadeira do nome. E apenas isso. Feito com ingredientes que são calmantes naturais, o produto promete, ao contrário do famoso energético, relaxar e acalmar, mas sem dar sono, e assim aumentar o poder de concentração e foco. Por isso, bateu aquele estresse ou nervosismo, abra uma latinha de SLOW COW. 

A história 
Tudo começou no Canadá quando o empreendedor Lino Fleury percebeu que não havia no mercado uma bebida para acalmar as pessoas que estavam estressadas ou cansadas. Muito pelo contrário, o que existia era uma verdadeira avalanche de marcas de energéticos cheios de cafeína e taurina que aumentavam a ansiedade. Fleury então, com a ajuda de uma equipe de pesquisadores, iniciou em 2006 o desenvolvimento de uma bebida que utilizava boa parte de seus ingredientes naturais, cujo efeito seria calmante, mas sem causar sonolência a quem bebia. Após mais de dois anos de intensas pesquisas, ele se juntou a um grupo de investidores canadenses, fundou a empresa Boisson Slow Cow Inc., e no mês de dezembro de 2008 o novo produto foi lançado na região de Quebec. A nova bebida era feita à base de ingredientes naturais com propriedades calmantes como chá verde, camomila, melissa e capim-limão. E estreou no mercado com a promessa inversa dos energéticos encontrados nas prateleiras.


Muito mais que uma nova bebida, a marca SLOW COW estava inaugurando uma nova categoria de produto, batizada de “Relax Drinks” (Bebidas Relaxantes, em português), que diminuem o stress em virtude dos seus componentes fitoterápicos. E isso era uma enorme dificuldade em mercados extremamente competitivos. Justamente por isso, eles sabiam que o marketing seria fundamental para o sucesso da marca. E resolveram parodiar o energético Red Bull, já que SLOW COW prometia o contrário. A começar pela embalagem semelhante (a lata de 250 ml). Mas a grande ironia estava na escolha do nome. Afinal, SLOW COW em tradução livre significa algo como “vaca lenta/vagarosa”. E não parou por aí. O logotipo inicial da marca mostrava duas vaquinhas dormentes e relaxadas, uma clara paródia aos dois touros cheios de energia que se enfrentam na identidade visual de Red Bull. Era uma sugestão que relaxar é melhor do que energizar.


E claro que toda essa estratégia despertou a atenção da marca Red Bull. Ao ser lançado, SLOW COW recebeu inclusive uma nota formal da marca austríaca dizendo que a sua embalagem e o logotipo teriam sido copiados. Mas a associação, mesmo que por uma paródia, com uma grande marca de energéticos foi uma estratégia de marketing da fabricante para impulsionar as vendas e gerar reconhecimento de marca, aproveitando uma brecha para fazer frente ao segmento de bebidas energéticas. E ao que parece deu certo. Em 2010, SLOW COW conquistou o prêmio SOFI (Specialty Outstanding Food Innovation) Silver na categoria “bebidas”, colocando a marca nos holofotes da mídia. Outro fator determinante foram suas campanhas nas mídias sociais que diziam: o consumo de SLOW COW era com se fosse uma “Uma sessão de ioga”, “Uma sessão de acupuntura” ou ainda “Uma semana de férias”.


Pouco mais de um ano após ser lançado, SLOW COW já estava disponível em várias regiões do Canadá com enorme sucesso, vendendo mais de 1.2 milhões de latas. E não era somente em virtude do posicionamento e do marketing. Afinal, SLOW COW era levemente gaseificada, com sabor predominante de pitaia e citrus, tinha zero calorias, não continha glúten e lactose e era ideal para ser consumida em momentos em que se busca foco e tranquilidade. Além disso, a coloração azul-clara da bebida (não à toa) era praticamente hipnotizante, já que essa cor comprovadamente provoca sensações de profundidade, estabilidade e tranquilidade. Um calmante aos olhos antes mesmo de beber.


Com isso a marca começou a chamar a atenção de outros grandes mercados consumidores. Então, SLOW COW foi lançado nos Estados Unidos, Portugal, Islândia e Dinamarca, iniciando assim sua expansão internacional. E finalmente, no mês de setembro de 2013 chegaram ao mercado brasileiro as cobiçadas latinhas de SLOW COW. O desembarque do produto inaugurou uma nova categoria de bebidas funcionais no mercado brasileiro: a de relaxantes. Para a divulgação foi criado uma mascote (uma simpática vaquinha azul) e slogan (“Mais Calma. Mais Foco.”), adaptados ao público local. Outra modificação ocorreu na lata: com 269 ml. O posicionamento do produto como relaxante, torna a bebida ideal para ser consumida no trabalho, após exercícios, em momentos de lazer ou para encerrar o dia. No Brasil, SLOW COW convida os jovens “a incluir uma pausa, um respiro no meio de sua rotina. Um momento para relaxar, sair do automático, recarregar e focar no que importa”.


Os ingredientes 
Os ingredientes contidos na formulação exclusiva de SLOW COW têm diferentes funções, principalmente calmantes. O produto ainda promete reduzir os efeitos colaterais da cafeína, os sintomas da tensão pré-menstrual e ajudar o sistema imunológico. Confira a lista: 
Chá verde - Rico em teanina, é um polifenol com inúmeras propriedades como evitar a ação dos radicais livres, ter efeito antienvelhecimento, ajudar a queimar gorduras, melhorar a cognição e o sistema cardíaco, além de fortalecer o sistema imunológico. 
Valeriana - Utilizada desde a Grécia Antiga, é reconhecida pela OMS por ser útil no tratamento da ansiedade, inquietação e nervosismo. Melhora o equilíbrio mental, restaura o sono e ajuda nas alterações de humor. 
Capim-Limão - Também conhecido como capim santo ou cidreira, a planta tem princípios analgésicos, calmantes e antidepressivos. Também alivia a tensão muscular. 
Maracujá - Planta da família das passifloras, o maracujá induz o relaxamento sem causar sono. Ajuda a tratar a irritação e nervosismo. 
Linden - Nativo da Europa, possui propriedades calmantes que estimulam a concentração e aliviam o estresse. Seu chá é bastante utilizado para tratar a hiperatividade, febre e dores de cabeça causadas pela sinusite. 
Potássio - Essencial para o bom funcionamento das atividades musculares e nervosas. 
Sódio - Tem um papel fundamental na atividade muscular e nos impulsos nervoso. Ajuda a reduzia a sensação de cansaço na hora de praticar algum esporte, sem contar que regula a pressão sanguínea. 
Lúpulo - É um diurético e tonificante que também estimula o sistema digestivo, ajuda no combate à anemia e distúrbios do sono. 
Melissa - É calmante, ajuda na digestão e combate a agitação. Também melhora a qualidade do sono e ajuda a relaxar. 
Camomila - Serve para aliviar o estresse, pois é um agente calmante, além de ajudar na digestão.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou apenas por uma alteração em sua história. O logotipo original do produto era uma paródia a marca Red Bull. Para evitar problemas legais, já que tinha sido avisada pela marca austríaca, pouco depois resolveu alterar sua identidade visual. Ao invés de duas vaquinhas, apenas uma, mas extremamente relaxada. O logotipo ao ser aplicado nas embalagens utiliza a cor marrom no nome da marca.


As tradicionais latinas acompanharam a evolução da marca. No Brasil a embalagem (segunda à direita) tem um visual ligeiramente diferente.


Dados corporativos 
● Origem: Canadá 
● Fundação: 2008 
● Fundador: Lino Fleury 
● Sede mundial: Quebec City, Canadá 
● Proprietário da marca: Boisson Slow Cow Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Serge Ferland 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 10 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 150 
● Segmento: Bebidas não alcoólicas 
● Principais produtos: Bebidas relaxantes 
● Concorrentes diretos: Mary Jane’s Relaxing Soda, iChill, Just Chill, Koma Unwind e Drank 
● Ícones: A vaquinha azul 
● Slogan: Keep You Cool. 
● Website: www.slowcow.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente os produtos da marca são vendidos em mais de 10 países ao redor do mundo, incluindo Canadá, Estados Unidos, Portugal, Coréia do Sul e Rússia. No Brasil SLOW COW está presente em mais de 2.000 pontos de venda espalhados pelo país, em todos estados e no Distrito Federal. 

Você sabia? 
O segmento de Bebidas Relaxantes foi inicialmente desenvolvido no Japão em 2005. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Exame), jornais (Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 15/4/2015