3.11.08

EMS


Com um trabalho baseado em ousadia, simplicidade, excelência e responsabilidade, a EMS não chegou ao topo do ranking por acaso. A força da marca está nos constantes investimentos em estrutura e pesquisa, na ampliação contínua da linha de produtos e no pioneirismo. Como o primeiro laboratório brasileiro a exportar remédio para a Europa e a produzir, no país, medicamentos em embalagem fracionada e genéricos, a EMS definitivamente vem reinventando o mercado farmacêutico. 

A história 
A história começou em 1950 na cidade de Santo André, região do Grande ABC em São Paulo, com a abertura da pequena farmácia Santa Catarina por Emiliano Sanchez. Acumulando experiência na comercialização de produtos para tratamentos de saúde e na prestação de serviços, passou a dominar as atividades do setor e a conquistar a confiança dos consumidores. Após 14 anos de muito trabalho, dedicação e crescimento, em 1964, a pequena farmácia se transformou em um modesto laboratório com o início da construção da primeira fábrica, em São Bernardo do Campo (São Paulo). Estava fundada neste momento a EMS (palavra originada das letras iniciais do nome de seu fundador e de seu pai, Emiliano Manuel Sanchez), com a missão de desenvolver e produzir medicamentos em escala industrial com qualidade e excelência, contribuindo para a melhoria da saúde e bem-estar da população.


Em 1981, a EMS iniciou sua expansão ao adquirir o Laboratório Dória, localizado no município de Hortolândia, no interior de São Paulo, adicionando a sua linha produtos como Limão Bravo, Mel de Jataí e Provit. E a expansão dos negócios não parou. Em 1982, foi criada a Nature’s Plus, que substituiu a marca Dória, para comercializar produtos de higiene e cuidados pessoais, como por exemplo, as marcas Topz (cotonetes) e Salvelox (bandagens adesivas), ingressando assim em novos segmentos de mercado. Em 1988, Carlos Sanchez, filho mais novo do fundador, foi forçado a assumir os negócios do pai aos 26 anos, quando Emiliano morreu subitamente. Nesta época a EMS acumulava um elevado passivo, que colocava em risco sua sobrevivência. O herdeiro tomou uma atitude drástica: vendeu todos os bens da família para quitar as dívidas do laboratório. E conseguiu salvar os negócios. A empresa constituiu em 1992 sua linha hospitalar, iniciando suas atividades nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. O sucesso alcançado no primeiro ano proporcionou a ampliação da área de atuação em 1993. Os produtos da empresa passaram a estar presentes em órgãos de saúde, centros clínicos, hospitais públicos e privados de todo o Brasil. Nos anos que se seguiram, como parte da estratégia de crescimento foram adquiridos os laboratórios Legrand (em 1991) e Nova Química (em 1996), além da ampliação da linha de produtos e de segmento de atuação, completando o portfólio da empresa. Em 1996 a EMS iniciou o Programa de Visitação Médica com 200 propagandistas.


A empresa se expandiu em ritmo acelerado, acumulando importantes conquistas. O complexo industrial de Hortolândia (interior de São Paulo) - um empreendimento com investimentos de R$ 100 milhões - passou a funcionar em 1999, sendo construído segundo os padrões estabelecidos pelo FDA (Food and Drug Administration). Quando a lei dos genéricos foi aprovada, nesse mesmo ano, a EMS foi uma das pioneiras no desenvolvimento e produção desse tipo de medicamento. A EMS foi a primeira a produzir genéricos para o consumidor brasileiro e a comprovar a confiabilidade e segurança dos novos medicamentos. Os genéricos mudaram o perfil do mercado farmacêutico nacional e ampliaram o acesso da população ao tratamento médico, ao oferecer produtos até 35% mais baratos. Também promoveram a maior concorrência entre os produtos e elevaram a qualidade dos processos de fabricação.


Em 2000, a planta de São Bernardo foi modernizada através de investimentos de R$ 20 milhões. Os investimentos em estrutura continuaram. No complexo de Hortolândia, foram aplicados, em 2002, R$ 25 milhões na construção do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) - um dos maiores e mais modernos da América Latina - e R$ 100 milhões na ampliação, entre 2005 e 2007, da unidade produtiva de sólidos. O resultado só poderia ser este: crescimento e mais crescimento. E a liderança do setor farmacêutico em 2007, tanto em faturamento quanto em unidades comercializadas. Graças à seriedade com que trata a pesquisa e o desenvolvimento, a EMS é pioneira na busca por novas soluções e melhores produtos.


Sua presença em Portugal desde 2004, por meio da joint-venture com a Germed, garante sua entrada como primeiro laboratório brasileiro em território europeu, passando a contar com dossiês eletrônicos em formato CTD, um grande diferencial no processo de exportação. A EMS está aprovada pelo INFARMED (Instituto Nacional da Farmácia e do Medicamento de Portugal), sendo a primeira indústria farmacêutica no Brasil credenciada a exportar medicamentos para a Europa. Com exportações para a América Latina, África, Ásia, Oriente Médio, Estados Unidos e Canadá, a EMS já está presente em mais de 40 países. Além de aumentar sua atuação no continente europeu, iniciou mais recentemente sua atuação no competitivo mercado americano. A EMS firmou um acordo técnico-científico, em 2006, com um dos melhores e mais renomados laboratórios de pesquisa do mundo - a MonteResearch, na Itália. A parceria permitiu a troca de conhecimentos e tecnologias entre cientistas brasileiros e italianos, e consequente desenvolvimento de novas formas farmacêuticas, o lançamento de produtos e o aumento do portfólio da empresa.


A divisão de Genéricos da EMS lançou, em 2009, a campanha “EMS. O genérico da caixa azul”. A iniciativa pretendia fortalecer a marca nos principais pontos-de-venda do país, aproximando-a ainda mais do consumidor. Com foco na cor azul das embalagens, a estratégia de divulgação contou com material de merchandising com a mensagem “Aqui tem EMS Genéricos” nos 16 mil pontos-de-venda parceiros espalhados pelo Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Bahia. A empresa também criou o Ambulatório Itinerante, com foco na comunidade, criado para a prestação de serviços básicos de saúde, como aferição de pressão, cálculo do índice de massa corpórea e teste de glicemia.


No ano de 2013, a EMS inaugurou uma moderna e totalmente robotizada unidade de embalagem de medicamentos sólidos. Em 2014 a EMS passou a fazer parte do Grupo NC Farma, criado para concentrar todos os negócios da empresa (Germed, Legrand, Nova Química e Novamed, além da CPM). Até 2016, outras unidades da EMS foram construídas em Jaguariúna (SP) e em Brasília (DF), que aumentou a capacidade produtiva para mais de 1 bilhão de unidades por ano, além da Novamed - na Zona Franca de Manaus, que produz medicamentos para os outros laboratórios do grupo. Tratou-se do maior plano de expansão da trajetória do laboratório: foram R$ 600 milhões investidos. Hoje em dia, a EMS investe em projetos sociais, culturais e esportivos, apoia a educação, colabora para a preservação da floresta amazônica e adota iniciativas de recolhimento, em farmácias e drogarias, de medicamentos vencidos.


A linha do tempo 
1999 
Primeiro laboratório a receber aprovação de medicamentos genéricos com testes de bioequivalência e biodisponibilidade. 
2000 
A empresa foi a primeira a produzir medicamentos genéricos no Brasil. Os primeiros medicamentos genéricos, Ampicilina, Cefalexina e Cloridrato de Ranitidina, foram aprovados em fevereiro e disponibilizados ao mercado em um curto espaço de tempo. 
2001 
A primeira e única, até hoje, a fabricar a Ciclosporina Microemulsão Genérica na América Latina. 
2003 
Lançamento do TORAGESIC, um anti-inflamatório com potente ação analgésica, de formulação exclusiva desenvolvida pela empresa. O medicamento é sublingual e tem como principal vantagem a propriedade de aliviar dores de forma mais rápida do que a mesma molécula administrada por via oral (comprimido). O medicamento gera R$ 100 milhões em vendas anualmente. 
2005 
É a primeira indústria farmacêutica no país a exportar medicamentos para a Europa. 
2006 
Primeira a produzir medicamentos em embalagens fracionadas. 
2010 
Primeira a colocar no mercado o citrato de sildenafila (a cópia do Viagra) e a atorvastatina, versões genéricas de medicamentos importantes que perderam patentes. 
2011 
Primeira empresa do segmento a lançar as importantes moléculas valsartana e rosuvastatina. 
Obtém sua primeira patente nos Estados Unidos, referente ao medicamento para o tratamento de doenças gástricas. 
2013 
Primeira farmacêutica brasileira a apostar em inovação radical nos Estados Unidos, fundando no Estado de Maryland a empresa Brace Pharma, que atua com medicamentos biotecnológicos.


Os negócios 
Com a reestruturação da empresa ocorrida em 2014, a EMS se transformou em uma subsidiária do Grupo NC Farma, atuando nos segmentos de prescrição médica, genéricos, medicamentos de marca, OTC e hospitalar. Com um portfólio segmentado de produtos, abrangendo antibióticos, anti-hipertensivos, analgésicos, anti-inflamatórios, contraceptivos e antianêmicos, entre outros, a EMS conquistou seu espaço junto à classe médica e aos consumidores, alcançando o 5º lugar em receituário médico no Brasil. A EMS tem a maior equipe de propagandistas do Brasil: são mais de 1.500 profissionais que levam aos médicos informações de medicamentos consagrados, como Isordil, Daforin, Sigma-Clav, Azi, Sinvalip, Osteoform, Neutrofer e Vazy.


Hoje em dia, a EMS atua com marcante presença nos segmentos de: 
Genéricos: comercializando mais de 500 apresentações, é neste segmento que a EMS comprova sua total excelência e responsabilidade, pois nenhum medicamento vai para as prateleiras das farmácias e drogarias sem antes passar por testes de equivalência farmacêutica e bioequivalência, comprovando sua eficácia, intercambialidade e segurança. A EMS é líder absoluta no mercado de medicamentos genéricos no Brasil, que representam 38% de suas vendas. 
Hospitalar: desde 1992 a EMS atua de maneira sólida nesse segmento, com medicamentos genéricos e de marca. Em seu portfólio estão presentes marcas consagradas como Cortizol, Cefalin, Dorilen, Toragesic, Omeprazin, dentre outras. Seus principais produtos são antibióticos, antiflamatórios, analgésicos, antieméticos, antivirais, imunossupressores e anti-hemorrágicos em apresentações diversas para melhor atender os clientes com qualidade e flexibilidade. O Sigmasporin Microral (ciclosporina microemulsão), um imunossupressor utilizado para tratamento de transplantados, é o maior exemplo da excelência da empresa no segmento. O laboratório é o único a fabricar essa droga de alta complexidade em todo o Hemisfério Sul, onde, até então, o preço dos imunossupressores era elevado. A entrada da EMS neste mercado contribuiu para o aumento do número de transplantes no Brasil. A ciclosporina microemulsão foi o primeiro medicamento brasileiro exportado para a Europa. Em 2007, a EMS acrescentou ao seu portfólio mais dois imunossupressores, o FK Sigma e o micofenolato de mofetila genérico, contribuindo, mais uma vez, para que a classe médica tenha opções de tratamento para transplantados com um custo mais acessível. 
Consumo: criada em 1986, produz e comercializa medicamentos isentos de prescrição médica (OTC - abreviação de “over-the-counter” ou em português sobre o balcão), que são comprados diretamente pelos consumidores nas farmácias e drogarias. fazem parte deste portfólio marcas tradicionais e populares como Energil C (combinação de vitamina C e Aspartato de Arginina para o tratamento do cansaço e recuperação da energia para as atividades do dia-a-dia), Bálsamo Bengué (voltado para o tratamento de contusões, torcicolos, dores musculares e reumáticas), Gerovital (polivitamínico à base de ginseng), Gelmax (antiácido), Lacday (possibilita que adultos e crianças com intolerâncias à lactose possam se beneficiar dos nutrientes essenciais presentes no leite e seus derivados), Calcinol (suplemento alimentar de cálcio com vitaminas) e Bromil (linha completa de medicamentos contra gripes e resfriados).


Centro de Pesquisa & Desenvolvimento 
Em um mercado competitivo como o farmacêutico, uma empresa precisa de diferenciais para se destacar. A EMS, empresa nacional que apresenta um dos maiores índices de crescimento do mercado, aposta em pesquisa e desenvolvimento para manter seu desempenho e consolidar sua posição entre os líderes do setor. Para tornar real o sonho de ter o mais moderno Centro de P&D da América Latina, em 2002, a EMS investiu aproximadamente R$ 25 milhões. É nele que a empresa desenvolve formulações e realiza testes de validação e estabilidade, tanto em escala laboratorial como semi-industrial. Também trabalha na criação de métodos analíticos de equivalência e de novas formas farmacêuticas eficazes, seguras e a preços acessíveis para médicos e pacientes. Dentre as conquistas mais relevantes do P&D (onde trabalham mais de 300 profissionais, entre farmacêuticos, químicos e biólogos, e um conjunto de mestres, doutores, consultores nacionais e internacionais) está o desenvolvimento dos benzodiazepínicos diazepam, lorazepam e bromazepam – famosos sedativos. Estes medicamentos eram administrados somente por uso oral em comprimidos deglutidos e absorvidos de forma lenta e gradual. O trabalho do P&D originou uma nova linha de produtos neurológicos da EMS, batizada de Fast, que permite o uso sublingual e garante uma rápida absorção e efeito do medicamento no organismo.


Um dos passos mais importantes para a consolidação da EMS em pesquisa e desenvolvimento foi a assinatura em 2006 de um acordo técnico-científico com o laboratório de pesquisa italiano MonteResearch, que garante a troca de conhecimentos técnicos entre pesquisadores brasileiros e italianos para agregar conhecimentos na área de desenvolvimento de formulações e de novas formas farmacêuticas. Anualmente, a EMS destina aproximadamente 6% do seu faturamento em pesquisa e desenvolvimento, prova concreta de que o P&D é uma das prioridades da empresa para manter seu ritmo acelerado de lançamentos de produtos. A EMS tem mais de 80 patentes concedidas no mundo.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por grandes remodelações ao longo dos anos. O primeiro logotipo da EMS foi criado em 1969. Depois de passar por mais três alterações, em 1972 o logotipo adotou a tradicional cor azul e um novo formato (elipse).


Em 2007, a EMS apresentou sua nova identidade visual, que traduz sua forma ousada de atuação no mercado. O novo logotipo, com visual mais leve e flexível, tinha um formato de molécula, remetendo ao processo constante de pesquisa e inovação da empresa e utilizando a cor azul, a cor da EMS, que reporta à identificação visual que acompanhou todo o sucesso da empresa ao longo dos anos. O logotipo com visual mais leve e flexível, tem um desenho orgânico inspirado no formato das moléculas, remetendo assim ao princípio de desenvolvimento de toda a indústria farmacêutica. O azul, em dois tons, passou a ser um dos códigos da nova identidade e está presente de maneira intensa em todas as manifestações da marca. O novo logotipo traduzia de maneira clara a identidade da EMS e mostrava que era uma empresa em constante evolução.


Para padronizar e facilitar a identificação dos produtos pelos consumidores, a empresa também promoveu uma revisão da arquitetura de suas marcas e uma ampla reestruturação nas embalagens. A presença da EMS se fortaleceu em todas as divisões, como um endosso de qualidade, refletindo a estratégia da empresa de oferecer o mais completo portfólio de produtos, atendendo a todas as necessidades do consumidor. A primeira mudança significativa foi a presença de uma grande “onda” branca no topo de todas as caixas, com amplo destaque para o logotipo da marca, criando um forte impacto visual no ponto-de-venda com a padronização das embalagens na cor azul. Produtos OTC ou MIP - Medicamentos Isentos de Prescrição, que já têm forte identificação com o público consumidor, tiveram suas embalagens mantidas, mas apresentaram o novo logotipo em evidência. Com isso, a EMS passou a ter uma identidade visual institucional ressaltada e que ficou muito mais visível para o consumidor no ponto-de-venda.


Desenhado a partir do seu novo posicionamento e reestruturação da marca, a EMS também apresentou uma campanha publicitária institucional com o novo slogan “EMS: trabalhando sério para você sorrir”. Comerciais com forte apelo emocional ressaltavam que a EMS, ao fazer medicamentos de qualidade, extrapolava seu negócio fazendo mais do que isso: “se rir é o melhor remédio então a EMS trabalha sério para fazer as pessoas sorrirem”.


Os slogans 
Ciência de viver bem. 
O genérico da caixa azul. (2009) 
EMS: trabalhando sério para você sorrir. (2007)


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 1964 
● Fundador: Emiliano Sanchez 
● Sede mundial: São Bernardo do Campo, São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Grupo NC Farma 
● Capital aberto: Não (subsidiária) 
● Presidente: Carlos Sanchez 
● Faturamento: R$ 4 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Fábricas:
● Presença global: 40 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 7.000 
● Segmento: Laboratório farmacêutico 
● Principais produtos: Medicamentos e produtos farmacêuticos 
● Concorrentes diretos: Aché, Eurofarma, Medley, Pfizer, Sanofi, Novartis, Abbott, GlaxoSmithKline e Bayer 
● Ícones: Os medicamentos genéricos 
● Slogan: Ciência de viver bem. 
● Website: www.ems.com.br 

A marca no mundo 
A EMS, maior laboratório farmacêutico brasileiro e com capital 100% nacional, possui cinco complexos industriais estrategicamente localizados em São Bernardo do Campo, Hortolândia (região metropolitana de Campinas, no estado de São Paulo, onde está instalado também seu Centro de Pesquisa & Desenvolvimento), em Manaus (AM), Brasília (DF) e Jaguariúna (SP), atuando com excelência, nos segmentos de prescrição médica, genéricos, medicamentos de marca, OTC e hospitalar, fabricando produtos para praticamente todas as áreas da medicina. Os produtos são comercializados no mercado nacional e em outros 40 países na Europa, África, Ásia, América Latina e Oriente Médio. São mais de 7 mil colaboradores, incluindo a maior equipe de propagandistas do país, com 1.500 mil profissionais que realizam, anualmente, aproximadamente 5 milhões de visitas médicas. A EMS é a empresa farmacêutica líder no Brasil há dez anos consecutivos, tanto em unidades comercializadas (mais de 1 bilhão) quanto em faturamento (estimado em R$ 4 bilhões). De cada 100 medicamentos vendidos no Brasil, 13 têm a marca EMS. 

Você sabia? 
O portfólio EMS é o maior do segmento farmacêutico, com mais de 2.600 apresentações de produtos fabricados sob rigorosos padrões de qualidade e segurança. Além disso, são mais de 400 registros de medicamentos no exterior. 
A EMS, como uma das farmacêuticas nacionais acionistas da joint-venture Bionovis, investe decisivamente, desde 2012, no segmento de medicamentos biotecnológicos, considerados o futuro da indústria farmacêutica. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Veja, Isto é Dinheiro, Época Negócios Exame), jornais (Valor Econômico, Folha, Estadão e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 27/4/2016

3 comentários:

carolys disse...

Putz! Adorei seu blog, muito bem escrito e um conteúdo sensacional.
Parabéns.

Visite meu blog de propaganda:
http://potopublicitario.wordpress.com/

Conti disse...

Realmente muito bom. Conseguiu consolidar uma série de informações do site, dos press releases e de outras fontes de maneira lógica e sucinta.

Só tenho uma correção: No parágrafo "A história", o correto é "Estava fundada aí a EMS" (e não a SEM).

Um abraço.

antonio disse...

Esta empreza é bem sucedia,da pra ver que trata os seus funcionarios muito bem! obrigado por fazer parte de são bernado..........