11.5.06

LACOSTE


Amarela. Rosa. Azul. Verde. Vermelha. Todas as cores do arco-íris. Uma combinação de tons quase surreal. Sempre com um pequeno “Crocodilo Verde” estampado no peito. As camisas pólos LACOSTE se tornaram um verdadeiro ícone clássico nos ambientes mais refinados do mundo, um símbolo de elegância e qualidade. Das quadras de tênis para o mundo da moda, a marca francesa é um símbolo de classe oferecendo roupas e acessórios para pessoas de bom gosto. E com seu estilo chique não convencional a marca consegue a proeza de agradar consumidores nas mais diferentes regiões do planeta. E há mais de 80 anos vive a vida como um belo esporte. 

A história 
Tudo começou com um jovem e promissor tenista e seu apelido dentro das quadras, que transformaria um crocodilo no emblemático logotipo de sua marca. Em 1923, na cidade de Boston, estado americano de Massachusetts, durante uma viagem com o time francês para disputar a Copa Davis, o tenista Jean René Lacoste (imagem abaixo) se encantou com uma elegante mala em couro de crocodilo na vitrine de uma loja. “Se você vencer, eu comprarei uma para você”, disse brincando o capitão da equipe, Alan Muhr, antes da próxima partida, naquela tarde. René, no entanto, não venceu, mas o jornalista George Carens ouviu a história e a mencionou em seu artigo no Boston Evening Transcript: “O jovem Lacoste não ganhou sua maleta de pele de crocodilo, mas lutou como um verdadeiro crocodilo”. Rapidamente o público o apelidou de “Le Crocodile”, que representava a tenacidade e a agressividade que René demonstrava nas quadras de tênis, se movendo freneticamente em ziguezague e perseguindo sua presa sem cansar. Com isso, o quarto integrante da equipe francesa, conhecida como Os Quatro Mosqueteiros, agora tinha um apelido. Afinal, os outros três jogadores da equipe já tinham: Jean Borotra (o Basco Saltitante), Henri Cochet (o Mágico) e Jacques Brugnon (Toto).


Nos anos seguintes, René Lacoste foi o principal responsável pela primeira vitória de seu país na Copa Davis e colecionou títulos nos famosos torneios de Roland Garros, Wimbledon e Forrest Hills. Durante estas competições o apelido dele se fixou ainda mais na cabeça do público. Foi então que o amigo e estilista Robert George desenhou para René um crocodilo. René adorou a representação visual do seu sucesso internacional e providenciou que o crocodilo fosse bordado no bolso de um blazer branco que vestiu pela primeira vez nas quadras de tênis em 1927. O novo logotipo não passou despercebido, e René não conseguiu resistir à vontade de usar o blazer antes de todas as partidas. Poucos anos depois, aos 25 anos, ele abandonou as quadras por causa de uma tuberculose e dedicou-se totalmente a uma ideia genial: fazer confortáveis camisas de malha para a prática do tênis e carimbá-las com o réptil que um dia deu a ele muita sorte. “A elegância requer, acima de tudo, roupas adaptadas à situação ou às circunstâncias”. Fiel às suas palavras, René Lacoste cortou as mangas longas de uma camisa que não considerava apropriada para jogar tênis. Revolução. Era o surgimento da camisa pólo.


Em 1933, juntamente com André Gillier, então proprietário e presidente da maior companhia francesa de malhas, ele fundou a La Société Chemise Lacoste para produzir e comercializar a camisa pólo bordada com o logotipo que tinha criado para seu uso pessoal nas quadras de tênis, bem como certo número de outros modelos de camisas concebidas para a prática do tênis, golfe e esportes marítimos, como por exemplo, o iatismo. Foi a primeira vez que uma marca estampou sua etiqueta do lado de fora da roupa, tornando o logotipo visível. Uma ideia que prosperou desde então. Essa primeira camisa foi batizada de LACOSTE L.12.12 (L representa LACOSTE, 1 é uma referência ao tecido original de algodão petit piqué, 2 significa a manga curta e o segundo 12 se relaciona com o número de protótipos que tiveram que ser produzidos até René ficar satisfeito com o resultado, dando uma perspectiva única sobre o sentido de perfeccionismo e abordagem de transmissão do desenho do campeão). A camisa era confeccionada em um tecido leve e fresco, que proporcionava mais conforto e resistência. A primeira camisa LACOSTE era branca, ligeiramente mais curta que as atuais, tinha mangas curtas, colarinho de bordos cortados e pequenos botões que iam do pescoço ao peito, confeccionada em algodão com malha arejada e confortável, que absorvia perfeitamente a transpiração em climas mais quentes, e um crocodilo verde bordado na altura do coração.


A camisa LACOSTE constituiu imediatamente uma revolução junto aos jogadores de tênis da época, que vestiam durante os jogos, nessa altura, incômodas camisas de estilo clássico, em tecido tramado com duas teias, de mangas compridas. Imediatamente, a camisa pólo virou um uniforme nas quadras francesas, e René Lacoste, o garoto-propaganda perfeito. Rapidamente as camisetas pólo LACOSTE desbancaram as tradicionais camisas de colarinho duro, vendendo aproximadamente 300 mil unidades em 1939. O que havia de tão revolucionário na camisa? A qualidade da malha – leve, flexível, ventilada – e o desenho inovador. O algodão, proveniente do Egito, dos Estados Unidos e do Peru, o processo de elaboração do fio e a exigência de qualidade da fibra mostravam um pouco da importância do produto. Nesta época a empresa investiu no progresso e crescimento das vendas junto ao consumidor. Durante um bom tempo, a marca só produziu camisas brancas, com um catálogo direcionado exclusivamente para tênis, golfe e iatismo. Com o início da Segunda Guerra Mundial, a empresa foi obrigada a interromper a produção, retomando suas vendas ao mercado somente em 1946.


As exportações começaram em 1951 para a Itália, assim como a comercialização das versões coloridas das tradicionais camisas pólos. Celebridades adotaram a nova moda. Audrey Hepburn eternizou a dobradinha com calça capri. Jackie Kennedy usava dentro e fora das quadras. Em 1952 a marca ingressou no enorme mercado americano com o início da exportação de seus produtos para o país. René, mais uma vez, revolucionou o universo do tênis ao inventar e patentear em 1963 as raquetes feitas de aço tubular, muito superior às produzidas em madeira, extremamente pesadas. A raquete era vendida na Europa sob a marca da LACOSTE, mas nos Estados Unidos foi comercializada pela Wilson e aclamada pela crítica e tenistas. Este modelo de raquete ganhou 46 títulos em torneios do Grand Slam entre 1966 e 1978 e foi utilizada por tenistas famosos como Jimmy Connors e Billie Jean King. Foi também, em 1963, que seu filho mais velho, Bernard, assumiu o comando da empresa. Nesta década, a marca francesa iniciou a ampliação da linha de produtos com o lançamento de seu primeiro perfume e artigos de couro. Além disso, a marca patrocinou e vestiu o time francês de esqui, investindo assim em outro esporte de elite.


A partir dos anos de 1970, o crocodilo da LACOSTE estendeu-se a inúmeras peças, tanto no vestuário feminino (especialmente os tradicionais vestidos) como no masculino, além de acessórios e novos perfumes. Somente em 1978 os produtos da marca começaram a ser distribuídos no Brasil. Além disso, nesta década a LACOSTE começou a criar campanhas publicitárias, celebrando a herança esportiva da marca e o estilo elegante “à la française”. Somente no ano de 1981 a marca inaugurou a primeira BOUTIQUE LACOSTE do mundo, localizada na badalada Avenida Victor Hugo em Paris. Além disso, a década foi marcada pela ampliação de sua linha produtos com óculos de sol e uma linha de calçados esportivos. Mas foi também nesta década que a marca francesa começou a perder participação de mercado: os clientes fiéis, principalmente pessoas ligadas aos esportes, estavam envelhecendo e a nova geração não encontrava atrativos nos modelos básicos oferecidos pela marca. Nas quadras, o crocodilo perdeu terreno para outras grifes que patrocinavam maciçamente atletas de grande destaque.


Na próxima década, a empresa iniciou uma expansão e modernização da sua rede de lojas, inaugurando em 1994 a primeira unidade na China; no ano seguinte as primeiras lojas nos Estados Unidos, localizadas nas badaladas Palm Beach e Bal Harbour, no estado da Flórida, além de lojas em Moscou e Nova York. A marca também decidiu enfrentar seus concorrentes com estratégias ousadas: coleções coloridas assinadas por famosos designers, lojas futuristas e um marketing agressivo. Jean René Lacoste morreu no dia 12 de outubro de 1996, mas deixou um enorme e histórico legado, não somente no mundo do tênis, como também no universo da moda. Mas, foi também a partir desta década que a popularidade da LACOSTE entrou definitivamente em queda, até que o estilista francês Christophe Lemaire assumiu a direção criativa da marca em 2000 com uma missão principal, resgatar o glamour da LACOSTE. Rapidamente ele implantou uma nova filosofia e modernizou a imagem da marca, sem deixar de manter o estilo criado por René Lacoste. Em julho de 2001, pela primeira vez em sua história, a LACOSTE integrou o calendário oficial de moda em Paris, apresentando coleções para a estação Primavera-Verão. Desfilou uma coleção masculina elegante e esportiva, com tecidos mais nobres, inspirada no glamour dos anos de 1930. Na coleção feminina, pantalonas com transparência, malhas decotadas, calças e shorts com novíssimos formatos, sandálias recortadas e uma profusão de releituras de clássicos.


Além disso, a estratégia de rejuvenescimento da marca incluiu a inauguração de mais lojas em cidades como Düsseldorf, Tóquio, Orlando, Istambul e Dallas, no ano de 2002; e no ano seguinte com a introdução de um novo e refinado conceito de decoração e design para suas butiques. Foi nesta época que a LACOSTE resolveu modernizar sua tradicional e clássica linha de produtos, surgindo assim outros itens, como por exemplo, novas coleções para crianças e mulheres, calçados, novos perfumes, óculos, roupa íntima masculina, malas, sacolas, bolsas, mini vestidos e até uma coleção de cama, mesa e banho. Outra atitude importante foi a contratação de atletas renomados para serem embaixadores da marca pelo mundo como o tenista Andy Roddick, a golfista mexicana Lorena Ochoa e o golfista espanhol Jose-Maria Olazabal, além de patrocinar torneios importantes como o Aberto da Austrália (tênis) e várias etapas do circuito de golfe profissional. A marca chegou a ganhar as prateleiras da sofisticada butique Colette, templo da moda dos modernos parisienses, com uma camisa pólo preta com jacaré prateado, em edição limitada.


No mês de setembro de 2010, o português Felipe Oliveira Baptista assumiu o cargo de diretor criativo da marca substituindo Christophe Lemaire que foi para a sofisticada Hermès. Mas nessa época, a marca LACOSTE já estava totalmente modernizada e atenta às principais tendências da moda. Pouco depois, no final de 2012, a LACOSTE foi adquirida pela Maus Frères, uma empresa suíça de investimentos no varejo e proprietária de marcas como a Gant. Foi desta maneira que o “Crocodilo Verde” da LACOSTE tornou-se famoso no mundo inteiro, sinônimo de uma marca exclusiva de luxo casual que incorpora a elegância e o espírito francês.


A linha do tempo 
1958 
Lançamento da primeira coleção de camisas pólos para crianças. 
1960 
Lançamento dos shorts e das camisas pólos listradas, acrescentando mais produtos ao seu catálogo. 
1963 
Criação do primeiro calçado para tênis com a marca francesa. 
1968 
Assina contrato de licenciamento com Jean Patou para o lançamento de sua primeira colônia, batizada de LACOSTE EAU de TOILETTE
1969 
Lançamento de sua primeira coleção de itens de couro, que incluía bolsas e malas. 
1974 
René inventa o “damper” que seria utilizado nas raquetes LACOSTE de aço. Esta peça patenteada, situada na extremidade do cabo da raquete, absorvia as vibrações ao mesmo tempo melhorava a precisão e aumentava a restituição de energia. 
1981 
Lançamento de uma linha de óculo solares. 
1984 
Lançamento de uma nova linha de produtos de perfumaria para homens juntamente com Jean Patou. 
1985 
Criação de calçados para a prática do tênis, fabricados na França, seguida do lançamento de calçados para usar em embarcações (especialmente de iatismo), em 1986, e de calçados para outdoor (atividades ao ar livre) em 1988. 
Apresentação no Salão Náutico de Paris do barco LACOSTE 42 (o produto de maior dimensão assinado pela marca). Desenhado pelos arquitetos americanos Stephens et Sarkman, foi construído em edição limitada. 
1988 
Lançamento da raquete EQUIJET. Pela sua forma especial, esta raquete aliava as vantagens do crivo pequeno às do crivo grande. O tenista Guy Forget ganharia a Copa Davis três anos mais tarde com esta raquete. 
1993 
Assinatura de um acordo de licença com a sociedade suíça Roventa-Henex para a concepção e lançamento de uma linha de relógios com a marca LACOSTE. 
1995 
Criação de um novo conceito de mobiliário para as lojas LACOSTE, pelo decorador Yves Taralon. 
1999 
Lançamento em setembro do primeiro perfume feminino, batizado de LACOSTE for WOMEN
2000 
Lançamento de uma nova linha de malas, sacolas e bolsas em couro através de um acordo com a Samsonite
2002 
Lançamento mundial do perfume LACOSTE POUR HOMME com uma campanha publicitária de grande envergadura. Desde as primeiras semanas de lançamento, o perfume se tornou um best-seller nas perfumarias do mundo inteiro. A versão feminina foi lançada no ano seguinte. 
2004 
Lançamento do perfume feminino TOUCH of PINK, personificado por Natasha Thomas, uma jovem cantora e modelo. 
2005 
Lançamento do LACOSTE ESSENTIAL, uma fragrância que aliava discrição e exuberância, frescura e conforto, classicismo e modernismo. 
2006 
Lançamento do perfume LACOSTE INSPIRATION
2007 
Lançamento de uma sofisticada linha de cama, mesa e banho. 
2009 
A marca francesa ingressa na luta contra o câncer de mama ao lançar a linha feminina PINK CROC COLLECTION (camisas, bolsas, relógios, óculos e acessórios, todos na cor rosa), onde 10% das vendas eram revertidos para a instituição americana Breast Cancer Research Foundation. 
Lançamento do perfume masculino LACOSTE CHALLENGE, cuja campanha publicitária era estrelada pelo ator Hayden Christensen. 
2010 
Lançamento do perfume masculino LACOSTE ESSENTIAL SPORT
2012 
Lançamento da linha de perfumes masculinos EAU de LACOSTE L.12.12, composta por três fragrâncias: Blanc, Bleu e Vert, que capturam a sensação refrescante, leveza e frescor. 
2014 
Lançamento da primeira coleção de roupas íntimas para homens, mulheres e crianças.


Um ícone da marca 
Pode-se afirmar que a LACOSTE inventou a camisa pólo como conhecemos hoje. E ela se tornou um verdadeiro símbolo da marca. Feito em malha fina, o petit piqué é o emblemático tecido da camisa pólo LACOSTE. Uma malha revolucionária, desenvolvida por René Lacoste, que proporciona à camisa seu característico conforto e elegância. Embora o estilo da camisa pólo tenha evoluído com a moda desde 1933, seus métodos de produção continuam os mesmos. Cidade de Troyes, capital francesa da malha, é onde nasceu o savoir-faire exclusivo da camisa pólo, que hoje é exportada para o mundo todo. Tecer, tingir, cortar, bordar o crocodilo e montar as peças: esses cinco passos, que exigem muita destreza e atenção aos detalhes, proporcionam à camisa pólo da LACOSTE seu estilo inigualável. Tudo começa com a tecelagem: selecionado por sua excepcional qualidade, o fio de algodão é entrelaçado em uma máquina circular usando uma técnica exclusiva, que proporciona ao aclamado petit piqué sua peculiar durabilidade e flexibilidade. Além disso, cada peça é confeccionada à mão, dando vida à camisa pólo. O acabamento trançado é costurado no ombro e na gola da peça para reforçar sua estrutura. Uma curiosidade: o número de pontos de cada crocodilo costurado ou bordado à mão é 1.200 (uma prova da autenticidade de cada camisa pólo da marca francesa).


A partir do ano 2000 a LACOSTE se modernizou e ganhou um tom mais jovial, contudo sem perder a elegância e a identidade. Suas famosas e clássicas camisas pólo também: novas cores foram criadas, a modelagem ficou mais estreita, mais justa e curta, ganhando até modelo estonado. Isso sem contar a linha feminina. Cada pólo da grife francesa tem um preço médio de aproximadamente €65 na Europa, US$ 75 nos Estados Unidos e R$ 230 no Brasil. O seu custo deve-se ao processo de fabricação: são usados 25 quilômetros de fio de algodão para cada camisa e o processo de tingimento leva mais de 12 horas para ser completado. Uma das maiores evoluções da camisa pólo foi o modelo “pique strech”, uma mescla formada por 94% de algodão e 6% de elastano. O tecido diferenciado proporciona mais conforto, leveza e uma real liberdade de movimentos para quem veste a camisa pólo LACOSTE. O material possibilita também uma maior criatividade e permite conceber uma linha mais atual. A cada estação, a lenda se reafirma. Assim como seu estilo. A emblemática camisa pólo é frequentemente reinterpretada ao longo das estações ou recriada por artistas e designers em colaborações inspiradoras. Atualmente as camisas pólos são vendidas em mais de 60 cores. Recentemente, a marca abriu uma escola de formação de artesãos na França que vai voltar a ensinar o ofício de “bonnetier”, os artesãos que tricotam as camisas pólos. Um ofício que estava extinto no país.


Ao longo dos anos, o principal símbolo da marca francesa, foi ganhando cores, listras e novas interpretações, como mostra a imagem abaixo.


A reinterpretação do crocodilo 
Como parte da estratégia de rejuvenescimento da marca, a empresa lançou no mercado em 2011 a LACOSTE L!VE, uma marca (ou linha, como muitos queiram) que aposta no conceito jovem e urbano e mistura o estilo original da LACOSTE com a arte de rua das grandes cidades mundiais. Essa linha oferece coleções masculina e feminina compostas por acessórios, calçados, camisas, calças, casacos e jaquetas, com modelagens mais ajustadas, para um público alvo entre 15 e 25 anos. A LACOSTE L!VE foi criada para brincar com os clássicos e reinventar o futuro. E para reforçar sua identidade e criar uma imagem própria e exclusiva perante o público, a LACOSTE L!VE decidiu investir em uma estratégia diferenciada para suas lojas e apostou no marketing sensorial para conquistar os jovens consumidores, transmitindo sua identidade, conceito, valores e atributos por meio de impulsos que mexem com os sentidos do ser humano e torna mais agradável a experiência da compra.


Essas lojas também investiram em uma atmosfera descontraída e decoração diferenciada, substituindo os tradicionais manequins por painéis magnéticos; araras giratórias para melhor exposição dos produtos; adesivos coloridos no piso que remetem a uma quadra; equipamentos eletrônicos de última geração; e até mesas de pebolim para que seus clientes se divirtam. A primeira loja LACOSTE L!VE foi inaugurada em setembro de 2011, no descolado bairro do Soho, em Nova York. A rede já conta com mais de 40 lojas exclusivas espalhadas pelo mundo.


O tênis como alma 
A marca francesa foi criada por um tenista e reinou dentro das quadras por décadas, até invadir o mundo da moda. Mas nas últimas décadas, o tradicional crocodilo deu lugar a imagens como as três listras da Adidas e o Swoosh da Nike, cuja força estava nos milhões de dólares em patrocínio derramados sobre os atletas do tênis. Em 2017, a marca francesa contratou o tenista sérvio Novak Djokovic como embaixador global, que além de utilizar roupas e acessórios da LACOSTE nas quadras se tornou estrela de suas campanhas publicitárias. Este patrocínio marcou o retorno da LACOSTE à elite do tênis mundial, já que a última vez que a marca patrocinou um atleta de renome foi com o americano Andy Roddick, que figurou no topo do Ranking da ATP em 2003. A marca francesa também tem parceiros de peso e grandes lendas do tênis, como o francês Guy Forget, o brasileiro Gustavo Kuerten e o sueco Mats Wilander: três jogadores internacionais inesquecíveis, que não apenas têm uma relação próxima com a marca, mas celebram seus valores. Além disso, desde 1971, a LACOSTE é a parceira oficial no torneio de Roland Garros, que acontece todos os anos no lendário estádio de mesmo nome. Construído em 1928 em homenagem a vitória de René Lacoste na Copa Davis, permanece como símbolo da elegância do tênis francês.


A fundação 
Criada em 2006 a Fundação LACOSTE tem como principal missão ajudar jovens em situação de vulnerabilidade, apoiando a sua integração social através da prática de esportes. A fundação desenvolve seus próprios programas ou apoia, nos cinco continentes, organizações sem fins lucrativos que atuam a favor dos jovens e do esporte, privilegiando parceiros que atuem no golfe e no tênis. Com a criação da fundação, a LACOSTE dá continuidade ao compromisso do seu fundador. A fundação apoia em média 12.000 jovens todos os anos. Em mais de 10 anos de ação, já apoiou 40 parceiros em 22 países.


Lacoste: 1933 vs. 2083 
Em 2008, para celebrar 75 anos da marca, a empresa lançou uma campanha publicitária fantástica. O tema principal era mostrar os esportes, no caso o tênis, dali á 75 anos, ou seja, no ano de 2083. Em poucos segundos a LACOSTE contava, através de uma linha do tempo, sua rica trajetória até como seria seu futuro. Para assistir ao filme clique no ícone abaixo. 

    

A evolução visual 
A identidade visual da marca francesa passou por algumas remodelações ao longo dos anos. O crocodilo símbolo da marca foi criado em 1927, antes mesmo da LACOSTE surgir como marca. Foi desenhado por Robert George, um grande amigo de René Lacoste.


Na imagem abaixo é possível ver o primeiro logotipo da marca (utilizado em 1933) e a identidade visual utilizada desde os anos de 1950 até a década de 1980 (imagem á direita).


Somente em 1982 o crocodilo se tornou definitivamente verde. Na onda de inovações que a marca viveu nas últimas décadas, até o famoso crocodilo passou por uma plástica. Em 2001, Clément Derock, diretor de criação da agência Seenk, suavizou o traço caricato do desenho: alongou a boca e emagreceu a silhueta. Quase 70 anos depois de virar estrela, o pequeno réptil se adequou às mudanças dos tempos. Em 2011 foi apresentado o novo logotipo da marca francesa, ainda mais sofisticado com uma nova tipografia de letra.


Os slogans 
Life Is A Beautiful Sport. (2014) 
Your Style is our mission. (2014) 
Unconventional Chic. (2011) 
Un Peu d’Air Sur Terre. (2005) 
Style in play. (2004) 
Style on skin. (2003) 
Parlez-vous Lacoste? (1992) 
Expression Through style.


Dados corporativos 
● Origem: França 
● Fundação: 1933 
● Fundador: Jean René Lacoste e André Gillier 
● Sede mundial: Paris, França 
● Proprietário da marca: Lacoste S.A. 
● Capital aberto: Não (subsidiária da Maus Frères S.A.) 
● Chairman: Didier Maus 
● CEO: Thierry Louis Joseph Guibert 
● Diretor criativo: Felipe Oliveira Baptista 
● Faturamento: €1.95 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas: 1.200 
● Presença global: 120 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Maiores mercados: Estados Unidos, França, Itália, China e Brasil 
● Funcionários: 10.000 
● Segmento: Moda esportiva 
● Principais produtos: Roupas, acessórios esportivos e perfumes 
● Concorrentes diretos: Ralph Lauren, Paul & Shark, Gant, La Martina, Original Penguin, Tommy Hilfiger, Sergio Tacchini e Fred Perry 
● Ícones: O crocodilo verde e as camisas pólo Classic Fit 
● Slogan: Life Is A Beautiful Sport. 
● Website: www.lacoste.com.br 

A marca no mundo 
A marca está presente em 120 países ao redor do mundo, conta com mais de 1.200 lojas próprias e têm seus produtos vendidos em 10.600 pontos de vendas que incluem lojas licenciadas, lojas de departamentos e multimarcas. A marca possui ainda 11 lojas online. No Brasil são mais de 80 lojas da marca francesa, além do comércio eletrônico. 40% de suas lojas estão localizadas na Europa e outros 40% nas Américas. Com faturamento de €1.95 bilhões, têm em roupas (59%), calçados (21%) e perfumes (12%) seus itens mais vendidos. Todos os anos mais de 60 milhões de itens são vendidos sob o nome LACOSTE. Isto equivale a dois itens da marca vendidos a cada segundo. 

Você sabia? 
A família Lacoste tem um longo caso de amor com o golfe. Como um entusiasta do esporte, René se casou com a campeã de golfe Simone Thion de La Chaume, 13 vezes campeã dos campeonatos franceses. A filha deles, Catherine, a única jogadora amadora a vencer o tradicional US Open, se orgulha de um impressionante número de vitórias, confirmando a duradoura paixão da família pelo esporte. Por isso hoje a marca patrocina torneios e golfistas ao redor do mundo. 
Alertada contra o volume absurdo de 3.5 milhões de artigos falsificados, a LACOSTE gasta a mesma quantidade de euros por ano para proteger a marca, checar os mercados, coletar e processar informações até tomar providências legais. 
Em 2011 a marca francesa tentou proibir que Anders Behring Breivik, um norueguês que matou 77 pessoas em Oslo no dia 22 de julho, continuasse utilizando suas camisas nas idas ao tribunal, quando era exaustivamente fotografado. A escolha do atirador norueguês por blusas da LACOSTE se transformou em um verdadeiro pesadelo para a grife francesa, causando enorme indignação por parte da empresa. Além de usar as roupas “do crocodilo”, o atirador chegou a citar a grife em seu manifesto online, dizendo que “pessoas refinadas como ele deveriam usar marcas como a Lacoste”


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Isto é Dinheiro, Época Negócios e Exame), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 7/7/2017

7 comentários:

Anônimo disse...

Como faço para obter os produtos lacoste atraves da internet com segurança e um preço menor que no shooping? Pois sou cliente e gosto muito da marca de René Lacsoste e adimiro o seu sucesso. Grato Emerson Marques (marquessemeador@hotmail.com)

Anônimo disse...

Não é um comentário, é uma pergunta.

O jacaré símbolo da lacoste é sempre verde ou existe também uma outra cor?

Fernando disse...

Sou consumidor dos produtos Lacoste, em resposta a pergunta do leito informo que há outras cores do Crocodilo, a tradicional é verde, mas existe o crocodilo prateado e dourado. No ententando, o crocodilo dourado foi uma série limitada, juntamente com o prateado, só que eles continuaram com a produção do crocodilo prateado ao contrário do dourado que não é mais comercializado, talvez comercializem só quando for edição especial.

Ronaldo Santos disse...

Boa matéria... adorei saber mais da marca... você só esqueceu de falar um pouco sobre as falsificações, aqui em Sampa na 25 de março elas são vendidas por mais ou menos R$ 15, e a qualidade é péssima.

Até mais.

Ronaldo Santos
www.ronaldosantos.com

ROFS disse...

Compro na camisas na Lacoste por mais de 20 anos, gostaria de registrar que comprei uma camisa Polo colorida, no final de 2009, e após a 3º terceira lavagem ela manchou. Fui a Loja no Rio sul onde comprei, e fui informada que a camisa não seria enviada para análise, por ser da coleção passada. Como pode um tratamento desse para um consumidor da marca Lacoste a camisa que custou R$ 300,00 reais. Então é melhor comprar uma de R$ 60,00 reais Em uma loja mais popular? Como faço para reclamar na própria Lacoste?

Thyago disse...

Só pra atualizar ,Respondendo a pergunta do colega, a Lacoste lançou uma coleção com crocodilos coloridos, e não apenas verde.

Clodoaldo Rodrigues disse...

Existem várias linhas Live, gold, etc. Que trazem a marca com logotipo em cores diferentes.