10.7.06

PATEK PHILIPPE


Nunca somos donos de um PATEK PHILIPPE. Apenas o guardamos para a geração seguinte. Essa frase traduz fielmente a fama de um dos maiores ícones da alta relojoaria mundial. Reluzentes nos pulsos ou nos bolsos da primeira, segunda ou terceira linhagem de famílias abastadas, essas verdadeiras joias desafiam o tempo e sobrevivem ao longo dos anos em busca da eternidade. A marca não está entre as mais vendidas do mundo no segmento de relógios, prefere a exclusividade para poucos que podem pagar o caríssimo preço de seus produtos, que primam pela precisão de engenharia e qualidade. 

A história 
A marca foi criada no dia 1 de março de 1839, no pequeno e aconchegante vilarejo de Plan-les-Ouates, perto de Genebra, na Suíça, pelo Conde Antoine Norbert de Patek, um nobre polonês exilado, e por François Czapek, um relojoeiro de Varsóvia. Juntos, eles fundaram a Patek, Czapek & Co. A empresa, apoiada financeiramente por outros relojoeiros poloneses, como Wawrzyniec Gostkowski, Wincenty Gostkowski e Wladyslaw Bandurski, produzia relógios de bolso por encomenda. Tais relógios eram artisticamente inspirados nos temas da história e cultura polonesa, com retratos de heróis revolucionários, lendas dos séculos X e XII, e o culto da Madonna Negra de Czestochowa. Nesta época, a empresa, que empregava uma meia dezena de funcionários, produzia aproximadamente duzentos relógios de alta qualidade por ano. Rapidamente transformaram-se nos melhores relojoeiros da Suíça e em 1844 resolveram mostrar ao mundo suas fabulosas peças na exposição internacional de Paris. Lá, os fundadores da empresa conheceram o francês Jean Adrien Philippe, que anos antes havia inventado o sistema de corda para relógios de pulso que dispensava o uso de uma chave usada na época.


De maio de 1845 a janeiro de 1851, com a saída de François Czapek da sociedade, a empresa passou a ser conhecida como Patek & Co. Foi quando Philippe emprestou seu nome e tornou-se sócio do negócio, que passou a se chamar PATEK PHILIPPE & Co. Entre as razões para o seu sucesso nesta época estava o alto padrão de fabricação e a praticidade do sistema de corda de seus relógios. Nos primeiros anos dessa parceria, a rainha Vitória da Inglaterra já era uma cliente assídua da marca, e seria seguida nos anos seguintes por vários outros ilustres monarcas, presidentes, papas e magnatas. A partir da metade do século XIX, PATEK PHILIPPE assumiu um papel de liderança na indústria relojoeira suíça pela elevação dos padrões de manufatura e medição do tempo, além da introdução de inovações técnicas (como a mola principal livre, entre outras) e o aperfeiçoamento de mecanismos reguladores, cronógrafos e calendário perpétuo. Já na Exposição de Paris em 1867, a empresa exibiu relógios centrados nas funções que eram padrão apenas para mecanismos complicados no início do século XX: calendários completos, repetidores e um cronógrafo com capacidade de assinalar as frações de segundos.


Patek e Philippe forjaram uma sociedade única, que abrigou seus talentos individuais. Patek era um vendedor talentoso, tanto como um viajante intrépido, sempre buscando a comercialização de seus relógios. Dessa forma, viajou à Inglaterra em 1847, aos Estados Unidos, em 1854, e à Rússia em 1858, numa época que cruzar o oceano era uma coisa muito perigosa e demorada. Viajou através do mundo para promover os relógios de sua empresa e documentou suas jornadas em diários pessoais, relacionando as muitas privações que teve que enfrentar por conta disso. Adrien Philippe, por outro lado, se fixou em Genebra e focou seus esforços em supervisionar a direção técnica da empresa, bem como sua produção diária. Desta forma, a companhia trabalhou tão bem, que antes de sua morte em 1º de março de em 1877, Patek havia sido condecorado com o título de conde pelo papa Pio IX. Adrien Philippe morreria 17 anos depois, em 1894. Após a morte dos fundadores, três antigos empregados da empresa, incluindo Edouard Kohn, assumiram seu comando.


Em 1932, a empresa mudou de mãos, com os irmãos Charles e Jean Stern tornando-se seus novos donos. O resultado não poderia ser melhor, já que a empresa cresceu e rapidamente ganhou mais espaço por conta da administração bem-sucedida dos irmãos, que investiram em diversas inovações e levaram a produção de relógios para outro nível. Depois da Segunda Guerra Mundial, a empresa criou uma divisão eletrônica em 1948, e nos anos de 1950 foi pioneira na tecnologia do quartzo, com a conquista de diversas patentes e vencendo importantes prêmios do segmento. Em 1953 a marca introduziu no mercado seu primeiro relógio de bolso automático. Uma presença constante nas competições do Observatório de Genebra (a grande autoridade mundial de relojoaria), entre 1900 e 1967, a PATEK PHILIPPE venceu mais de 750 prêmios, incluindo 187 primeiros lugares.


Uma pequena revolução aconteceu em Genebra no ano de 1976, quando a empresa lançou o NAUTILUS, um relógio de luxo com caixa de aço. O mundo da horologia, ciência e arte relacionada aos instrumentos de medição de tempo, ficou perplexo e cético porque, até então, relógios de luxo eram feitos de ouro ou platina - de preferência com braceletes também de metais preciosos - muitas vezes também com marcadores de horas e aros com diamantes. Ao mesmo tempo, as manufaturas competiam entre si para desenvolver relógios cada vez mais finos. E então surgiu este relógio de grandes dimensões e em aço; ele não apenas era mais caro que muitos relógios em ouro da época, mas também violava todas as convenções com seu tamanho proeminente e forma extravagante. O mais surpreendente: foi a respeitada e eminente PATEK PHILIPPE que ousou cometer esta transgressão na categoria luxo.


Mas como Philippe Stern, o presidente honorário da empresa, admite hoje, esta quebra de tabu foi um movimento calculado. Uma progressiva mudança de paradigma tinha sido observada. Muitos indivíduos abastados eram extremamente ativos, não apenas em suas vidas profissionais, mas também em suas atividades de lazer. Eles estavam no comando de iates, esquiavam em montanhas geladas e corriam no Central Park ao amanhecer para manter a forma. Esta nova geração amava desafios e dinâmicos estilos de vida. Um relógio em ouro, precioso e sujeito a riscos, nos anos de 1970, com seu delicado movimento, não se adequava ao seu cotidiano. Tais relógios eram ideais para elegantes eventos noturnos, não para serem usados por ocupados diretores e empreendedores no escritório, na quadra de tênis ou durante uma partida de golfe no fim de semana. A PATEK PHILIPPE antecipou esta tendência com o lançamento do NAUTILUS. Embora desenhado para atrair um novo segmento de consumidores, ele também tinha intenção de convencer os clássicos donos de um PATEK PHILIPPE a complementar seu modelo em ouro com uma alternativa caixa de aço. Ambos os objetivos foram atingidos e uma campanha publicitária ajudou a converter o estilo iconoclasta do NAUTILUS em um princípio. “Um dos mais caros relógios do mundo é feito de aço”, proclamava um anúncio com intensa exposição. O título “Combina tanto com um traje molhado como com um smoking” também chamava a atenção.


Em 2006, a PATEK PHILIPPE celebra o trigésimo aniversário da coleção NAUTILUS com o lançamento de uma coleção totalmente redesenhada. Estes novos modelos agora têm caixas com três peças, o que não compromete sua lendária robustez. Avançados processos de manufatura e novas tecnologias de materiais tornaram possível a construção de clássicas caixas com fundo, lateral e aro que igualam a construção monobloco original em termos de robustez e resistência à água. Durante toda sua história a PATEK PHILIPPE foi sempre pioneira nas grandes inovações tecnológicas da relojoaria. São incontáveis as invenções e as contribuições da marca para o segmento. Muitas das funções comuns que hoje em dia qualquer relógio carrega partiram das mentes criativas de Patek e Philippe. Alguns exemplos são o calendário perpétuo, o cronógrafo, o duplo cronógrafo (a função “split second”) ou o aviso sonoro em relógios de pulso.


A linha do tempo 
1854 
A badalada joalheria Tiffany & Co. de Nova York, torna-se um cliente oficial da empresa. 
1868 
Criação de um relógio montado em um bracelete com movimento baguete, corda por chave e mostrador esmaltado. 
1887 
Em 27 de abril, a marca PATEK PHILIPPE & CIE FABRICANTS a GENEVE é registrada oficialmente, tendo como símbolo a cruz de Calatrava, presente até hoje em sua identidade visual. 
1889 
Em 23 de maio, um mecanismo de calendário perpétuo é protegido pela patente 1018. 
É concedida patente para um sistema de carga com dois tambores de mola principal para movimentos de segundos independentes. 
1897 
É concedida uma patente para um dispositivo fixador da mola de abertura da tampa, colocado sobre a lateral de caixa do relógio. 
1899 
É concedida uma patente para um sistema de botão para disparo do repetidor de minutos. 
1915 
Criação do primeiro relógio de pulso feminino, em platina com repetidor de 5 minutos, 10o. calibre com 29 rubis, roda do balanço bimetálica e mola do balanço Breguet. 
1925 
Início da fabricação de movimentos de relógios de pulso repetidores de minutos. 
Criação do primeiro relógio de pulso com calendário perpétuo com mudança instantânea e indicação de anos bissextos. 
1926 
Fabricação dos primeiros cronógrafos de pulso com um botão, com movimento de 13 linhas, 19 rubis. Este tipo de movimento é abrigado em clássicas caixas em ouro branco, rosa ou amarelo, platina ou aço. 
1927 
Fabricação de um relógio masculino para canhotos, com cronógrafo ratrapante e acumulador de 30 minutos, movimento de 13 linhas revestido de ródio, 21 rubis e caixa em ouro 18 k em forma de almofada. 
Em 13 de outubro é vendido o primeiro relógio de pulso com calendário perpétuo de mudança instantânea, construído em 1925. 
1928 
Início da fabricação de relógios de pulso com calendário completo, mas não perpétuo, e alguns modelos com fases da lua. 
1933 
Fabricação de um relógio de pulso masculino retangular, reversível, dos quais muito poucos exemplares foram produzidos. Um deles foi dado como presente por Charles e Jean Stern a um empregado em comemoração a seus 20 anos de serviços prestados á empresa. 
1941 
Início da produção do relógio de pulso astronômico com calendário perpétuo e fases da lua, cronógrafo, acumulador de 30 minutos, botões quadrados, com calibre 13 Q, dos quais 281 peças são feitas e usadas até 1954, em ouro amarelo, rosa ou aço inoxidável. 
1954 
Manufatura de relógios automáticos com indicação de dois fusos horários em dois mostradores paralelos, mas com um único movimento. Os ponteiros dos dois fusos podem ser ajustados separadamente. 
1956 
Criação do primeiro relógio a quartzo autônomo. 
1968 
Lançamento do primeiro modelo da coleção ELLIPSE
1993 
Lançamento do primeiro modelo da coleção GONDOLO
1999 
Lançamento da coleção feminina TWENTY~4
2000 
Criação do STAR CALIBER 2000, um relógio que demorou oito anos para ser construído. No processo de fabricação dessa relíquia de US$ 7.5 milhões, todo cuidado foi pouco. O mecanismo foi feito dentro de uma redoma de vidro, na qual o ar era trocado de tempos em tempos, para evitar que fosse contaminado pelo pó. Foram esses pequenos detalhes que deram à PATEK PHILIPPE um lugar de destaque no Olimpo da relojoaria. 
2002 
Lançamento do seu mais complicado relógio de pulso até então, com dupla-face: o SKY MOON TOURBILLON
2003 
Lançamento do relógio de pulso TOURBILLON 10 DAYS, com 10 dias de reserva de marcha. 
2005 
Lançamento do primeiro NAUTILUS com três complicações: reserva de marcha, fases da lua e data. As listas de espera dos revendedores autorizados cresciam cada vez mais, e logo os primeiros modelos desse lendário relógio começaram a aparecer nos catálogos das prestigiosas casas de leilões, às vezes atingindo preços maiores do que um modelo novo. 
2006 
Lançamento de um relógio com uma mola de balanço baseada no silício, a Spiromax.


A precisão
A especialidade da PATEK PHILIPPE são máquinas altamente complexas. Até hoje essas maravilhas são incomparáveis, tanto no requinte como na precisão. Em média, cada relógio da clássica marca suíça contém 1.800 engrenagens. E os cuidados com essas engenhocas seriam exagerados se não estivéssemos falando de um PATEK PHILIPPE, joias que passam de pai para filho como o que há de mais valioso em termos de herança. Durante a montagem do relógio as peças são colocadas em uma redoma de vidro para evitar o contato com a poeira. Lá dentro, o ar é trocado o tempo todo, além de ser umidificado no inverno e seco no verão. A PATEK PHILIPPE tradicionalmente produziu relógios completos, empregando artesãos que são mestres relojoeiros capazes de projetar e finalizar os mais complicados movimentos. Outros especialistas, tais como ourives, esmaltadores, joalheiros e gravadores completam o quadro da manufatura. Resumindo: os relojoeiros da empresa são vistos como os “Michelângelos do tic-tac”.


Os dois relógios mais complexos de todos os tempos foram feitos pela PATEK PHILIPPE. O primeiro, feito por encomenda ao colecionador americano Henry Graves Jr., demorou nove messes para ser produzido e foi entregue no ano de 1933, feito em ouro, com 24 mecanismos de complicação, como as fases da lua, calendário perpétuo, o movimento das estrelas do céu de Nova York entre outras funções. E o segundo, o Calibre 89, considerado o relógio mais complexo do mundo, em 1989 (daí o nome) como homenagem aos 150 anos de fundação da empresa. O modelo é o relógio com o maior número de mecanismos do mundo. Com 33 funções e 1.728 partes distintas, o Caliber 89 consumiu nove anos de intensas pesquisas. Toda essa reputação pode ser medida pelos preços dos relógios adquiridos em leilões: dos 20 relógios mais caros vendidos em leilões pelo mundo, todos foram fabricados pela empresa. Embora a PATEK PHILIPPE seja famosa pela liderança na manufatura de relógios mecânicos, também está na linha de frente da indústria como produtora de relógios industriais e eletrônicos, com seus altamente precisos relógios instalados em usinas de força, hospitais, aeroportos, fábricas e outros prédios públicos.


Sua confecção é tão seletiva que em mais de um século e meio a PATEK PHILIPPE cunhou apenas 750 mil relógios, número que muitas empresas fabricam em um único ano. A produção anual da empresa hoje em dia é de 50 mil relógios, com valores que variam entre US$ 17 mil e US$ 70 mil a unidade – isso sem contar as séries especiais, como a Star Caliber. Com US$ 7.5 milhões se constrói uma pequena fortuna. Ou então, compra-se um relógio. Ou melhor, quatro peças da mais fina relojoaria suíça. Este é o preço de um conjunto Star Caliber. Concebido após oito anos de pesquisas, é um artigo tão excepcional que só é vendido em série de quatro unidades, uma delas de platina. Como todo PATEK PHILIPPE, trata-se de uma das preciosidades feitas artesanalmente na tradicional fábrica de Plan-les-Ouates, vilarejo perto de Genebra, na Suíça.


O museu 
O museu PATEK PHILIPPE, localizado na Rue des Vieux Grandiers em Genebra, é para verdadeiros apaixonados por relógios. Instalado em um antigo prédio de quatro andares, que levou dois anos para ser restaurado, o museu foi concebido por um time internacional de arquitetos e designers sob a batuta de Gerdi Stern, esposa do presidente da empresa. Ela cuidou pessoalmente de todos os detalhes do edifício, que é decorado com móveis do século 18. As vitrines onde ficam expostas as preciosas relíquias são feitas com um raro tipo de eucalipto. Pedras da região francesa de Provence revestem as paredes internas do prédio. A entrada do museu é forrada com mármore espanhol.


São duas coleções permanentes. A de objetos antigos mostra relógios dos séculos 16 ao 19, e é acompanhada por uma apresentação audiovisual. Já a coleção The Patek Philippe conta a história da empresa. O museu reúne a maior e mais completa coleção de relógios do mundo. São cerca de duas mil peças que contam a história da relojoaria nos últimos cinco séculos. Alguns exemplares estão avaliados em mais de US$ 5 milhões. Entre a valiosa coleção do museu há relógios que consistem do escudo de armas da Princesa Zubów, feito em 1845, os de retratos do general polonês Tadeusz Kosciuszko, além dos figurativos do marechal e príncipe polonês Józef Poniatowski. Além disso, no terceiro andar do edifício, uma vasta biblioteca com livros, documentos e desenhos de relógios coloca à disposição dos visitantes aproximadamente 7.000 volumes, com datas de edição iniciando-se no ano de 1531 até os dias atuais, entre os quais a obra “Vigniaux”, tratado horológico considerado o melhor manual de técnicas relojoeiras no século XVIII. O museu foi aberto ao público em novembro de 2001, e desde então foi visitado por milhares de pessoas.


Dados corporativos 
● Origem: Suíça 
● Fundação: 1 de março de 1839
● Fundador: Antoine Norbert de Patek, François Czapek e Adrien Philippe 
● Sede mundial: Genebra, Suíça 
● Proprietário da marca: Patek Philippe S.A. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente honorário: Philippe Stern 
● CEO: Thierry Stern 
● Faturamento: €744.2 milhões (2012) 
● Lucro: Não divulgado 
● Lojas:
● Presença global: 100 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 1.600 
● Segmento: Relojoeiro 
● Principais produtos: Relógios de luxo 
● Concorrentes diretos: Vacheron Constantin, Jaeger-LeCoultre, Chopard, Piaget e Breguet 
● Ícones: O relógio Nautilus 
● Slogan: Patek Philippe. Begin your own tradition. 
● Website: www.patek.com 

A marca no mundo 
A PATEK PHILIPPE comercializa seus refinados relógios em mais de 100 países através de 500 das mais renomadas e conceituadas joalherias. Além disso, possui três sofisticadas lojas próprias (chamadas de PATEK PHILIPPE SALONS), localizadas em Genebra, Londres e Paris. A marca oferece aproximadamente 200 diferentes modelos de relógios em suas linhas regulares. 

Você sabia? 
A PATEK PHILIPPE ao longo de anos conquistou clientes famosos, incluindo nobres como a rainha Vitória, e cientistas, artistas, escritores e músicos, tais como Albert Einstein, Richard Wagner, Marie Curie, Charlotte Bronte e Peter Tchaikowsky. O relógio de Einstein, inclusive, foi produzido, a pedido do cientista, com os números em alto relevo, pois ele já não enxergava direito. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Isto é Dinheiro), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 18/10/2013

3 comentários:

Anônimo disse...

Cool!!

jose pinto disse...



Tenho um relogio de bolso com

5,2 cm.de diametro com uma

marca na tampa de 0,900.A caixa

é de prata ou Platina

Ilson Santos da Fonseca disse...

Bom dia:

Tenho um relógio dessa marca e não troco por nada , além do design tem uma qualidade incrível.

Ilson Santos da Fonseca -Atibaia -SP