20.6.06

TRAMONTINA


Se alguém fala em TRAMONTINA, é provável que você pense em garfos, facas e panelas. Ok, justo. Afinal, boa parte do faturamento da empresa vem mesmo de utensílios domésticos. Mas a centenária marca gaúcha é muito mais que isso. O controle de qualidade é quase uma obsessão para a TRAMONTINA. O chão de fábrica é limpo, colorido, com robôs andando de um lado para outro. A maior parte das máquinas é fabricada pelo próprio grupo. Tudo para produzir os melhores produtos, e olha que são muitos, desde facas e talheres, passando por panelas até ferramentas, cubas, pias, móveis de piscina e até cortadores de grama elétricos, tendo como objetivo facilitar a vida de nós consumidores. 

A história 
Fundada na cidade de Carlos Barbosa, região serrana do Rio Grande do Sul, no dia 1 de maio de 1911, por Valentin Tramontina, a empresa começou como uma pequena ferraria, inicialmente em um terreno alugado. Valentin era um colono artesão, filho de imigrantes italianos, e veio a Carlos Barbosa porque a ferrovia significava perspectiva de expansão. Em 1919, ano em que o fundador prestou serviço militar no Tiro de Guerra 395, ele comprou um terreno de 300 m² na Rua Amapá, construindo um prédio de madeira para abrigar a ferraria, onde trabalhavam o fundador, seu irmão Luiz e mais duas pessoas. Até 1930, a produção da ferraria era modesta. Valentin prestava serviços à empresas, entre elas, Arthur Renner, proprietário de uma refinaria de banha; fazia conserto em indústrias locais, ferrava cavalos e fabricava canivetes, batizados de Santa Bárbara. Nesta época, havia cinco empregados trabalhando na ferraria, e seis trabalhando a domicílio.


O aço necessário para fabricar as lâminas era obtido batendo-se molas de caminhão usadas. Recorria-se aos malhos instalados em rodas d’água existentes na região para forjar o aço. Somente em 1932 teve início a fabricação de algumas facas com cabo de chifre. Os modelos foram inspirados em facas importadas que haviam sofrido danos durante um incêndio em um armazém de um importador na cidade de Porto Alegre. Coube à Ferraria Tramontina o trabalho de recuperá-las.


Quando morreu seu fundador no dia 29 de fevereiro de 1939 a produção da empresa era ainda artesanal e resumia-se a facas e canivetes feitos com cabo de chifre. A partir daí assumiu a ferraria dona Elisa Tramontina, esposa de Valentin, que despontou como uma empreendedora nata e arrojada. Era ela própria que ia vender a produção nos mercados regionais e na capital gaúcha. Durante a Segunda Guerra Mundial, caso não existisse a determinação e a coragem de Elisa, a ferraria teria sucumbido. Em 1944, a empresa comprou a sua primeira prensa excêntrica. Antes, todas as lâminas eram cortadas manualmente com o auxílio de talhadeiras. Depois passaram a ser cortadas com o uso de estampos.


O ano de 1949 pode ser considerado um marco na história da empresa. Trata-se da data em que Ruy José Scomazzon, um jovem de apenas 20 anos, cursando a faculdade de Ciências Econômicas da PUC de Porto Alegre, começou a prestar assessoria à TRAMONTINA. Ruy, com espírito de liderança, implantou planos ambiciosos, enfatizando a organização em todos os setores. Inaugurou-se uma nova etapa na empresa. O caráter artesanal cedeu lugar a uma produção manufatureira. Na década de 1950, a empresa contava com 30 empregados e alguns representantes comissionados, espalhados pelo estado do Rio Grande do Sul. Nesta época, os canivetes representavam 90% do faturamento. Vem justamente da Itália a tradição de ter no bolso um canivete, cuja denominação é “brítola”. Trata-se de um canivete com formato de pequena foice utilizado principalmente na poda da parreira, para cortar vime. A TRAMONTINA sempre se destacou na fabricação deste canivete. Em 1954, organizou-se a empresa V.a. Valentin Tramontina & Cia. Ltda., sendo sócios, Elisa e Ivo Tramontina, além de Ruy J. Scomazzon. No ano seguinte tem início a laminação do aço. Antes o aço era obtido forjando-se pedaço por pedaço, em um malho. A laminação abriu imensas possibilidades de crescimento para a TRAMONTINA. Foi justamente nesta década que foi veiculado o primeiro anúncio em jornais locais, o que marcou o início das ações de comunicação da TRAMONTINA.


No mês de dezembro de 1956, foi inaugurada a ampliação das instalações da empresa e com isso se intensificou a produção de facas e ferramentas agrícolas. Pouco depois, em 1958, a empresa participou de suas primeiras feiras e exposições, com o objetivo de divulgar a marca e apresentar seus produtos ao mercado. As décadas de 1960 e 1970 foram marcadas pela instalação de empresas do grupo em Garibaldi, Farroupilha e no estado da Bahia, além do início de suas primeiras exportações, em 1966 para o Chile. Nestes anos a linha de produtos ganhou inúmeros itens como facas (cozinha, profissional, esportiva), tesouras, espetos, talheres, utensílios de cozinha e panelas, formas e travessas antiaderentes de alumínio; materiais elétricos como interruptores e tomadas, além de uma vasta linha de ferramentas como martelos, chaves de boca, chaves de fenda, alicates, formões, plainas, serras, serrotes, entre outras.


A década de 1980 foi de um enorme crescimento para empresa, tanto no mercado interno como externo, onde em 1986 a TRAMONTINA inaugurou uma subsidiária e Centro de Distribuição na cidade de Houston no Texas. Nos anos seguintes a empresa se tornou definitivamente um gigante em seu setor, ampliando ainda mais sua linha de produtos e ingressando em muitos mercados mundiais como Alemanha (1993), Chile (2000), Dubai (2004) e Peru (2005). Além disso, em 1997, a TRAMONTINA conquistou a condição de marca notória. E, mais do que isto, comprovou, através de pesquisas, a preferência de 94% dos consumidores brasileiros por seus produtos. No novo milênio a TRAMONTINA também decidiu que tinha chegado a hora de ir além da cozinha. A ordem partiu de Clóvis Tramontina, neto de Valentin e principal responsável pelas maiores mudanças da empresa nos últimos anos. A grande tacada do empresário foi aproveitar uma simples fábrica de cabos de madeira que revestem talheres para ingressar no mercado de móveis. Cadeiras e mesas com a marca TRAMONTINA começaram a aparecer nas lojas. O mesmo aconteceu com a unidade que fazia cabos de plástico: foi ampliada para fabricar móveis para piscina e jardim.


Em 2007, a TRAMONTINA, líder nacional nos segmentos de panelas, talheres e ferramentas, decidiu combater os importados com um apelo à “brasilidade” e uma política comercial mais agressiva. A empresa lançou uma coleção de panelas em aço inoxidável denominada “Linha Tropical”, com a bandeira do Brasil nas embalagens de cinco unidades e preço ao consumidor padronizado em R$ 199 para todo o país parcelado em até dez vezes. O resultado: em três meses foram vendidas 435 mil unidades. Além disso, sempre inovando para levar à casa muito mais charme e qualidade, a empresa criou a linha Tramontina Design Collection, composta por produtos exclusivos com design incrível para deixar um ar requintado e moderno na cozinha. A TRAMONTINA, que em 2011 completou 100 anos, tem acompanhado várias gerações de consumidores e construído, uma relação de qualidade e respeito, sempre oferecendo produtos da mais alta qualidade. Para marcar a data a TRAMONTINA lançou uma linha de facas especiais, denominada Damaski, em edição limitada, apenas 1.000, sendo 500 de peças de lâminas de 8 milímetros e 500 de 6 milímetros.


Em 2013, a empresa inaugurou sua primeira loja-conceito na cidade do Rio de Janeiro, batizada de Tstore. A loja carioca era uma espécie de laboratório onde os produtos eram oferecidos em primeira mão aos clientes. Ao todo eram 2.400 itens entre diferentes modelos de facas, conjuntos de talheres, baixelas, cooktops, fornos, coifas, pias, cubas, entre outros. O objetivo não era entrar no segmento de varejo, mas fortalecer a relação com os consumidores. E para isso a loja adotou uma ambientação moderna. Na parte de dentro, cada detalhe foi pensado para segurar o cliente. O que inclui um perfume desenvolvido especialmente para a loja. Em 2015 uma segunda unidade foi inaugurada em Salvador, e a primeira no exterior, em Santiago, no Chile. Além disso, em 2014, a marca iniciou as operações de venda via comércio eletrônico de sua linha de móveis de madeira, oferecendo um mix de mais de 200 produtos, entre mesas, cadeiras, bancos, espreguiçadeiras, etc. Já em 2016, a empresa ingressou em um novo mercado ao lançar um veículo 4x4, projetado para vencer a lama e a areia. O modelo Venture 750G, que parece um pequeno jipe, atende à demanda de produtores rurais e de passeios turísticos, por exemplo. Trata-se de um concorrente para os tradicionais bugues, muito utilizados nas dunas do Nordeste. Além disso, lançou também uma linha de carros elétricos para golfe.


A linha do tempo 
1959 
Fundação da Metalúrgica Forjasul Ltda., no bairro Passo do Feijó em Porto Alegre, onde hoje se produz: eletroferragens forjadas para linhas e transmissão elétrica até 1000 kV, peças forjadas sob encomenda até 100 kg (em matriz fechada) ou até 300 kg (peças parcialmente forjadas), ganchos haste conforme DIN15401 com capacidade de até 110 toneladas, ganchos olhal com capacidade de até 50 toneladas, tornos de banca forjados, ferramentas, machados e marretas. 
1961 
A empresa transforma-se em Sociedade Anônima e surge a Tramontina S.A. – Cutelaria e Ferramentas Agrícolas. Esta unidade da empresa produz: facas (cozinha, profissional, esportiva), canivetes, tesouras, espetos, talheres, utensílios de cozinha e panelas, formas e travessas antiaderentes de alumínio. 
1963 
Início das atividades da Tramontina Garibaldi S.A. (Garibaldi/RS), onde são fabricados martelos, machadinhas, chaves de boca, chaves de fenda, alicates, torques, formões, plainas, níveis, serras e serrotes. 
1971 
Início das atividades da Tramontina Farroupilha S.A. (Farroupilha/RS), inicialmente para produzir baixelas inox. Esta unidade produz panelas de aço inoxidável, baixelas, talheres finos e utensílios de cozinha de aço inoxidável. 
1976 
Início das atividades da Forjasul S.A. Materiais Elétricos (Carlos Barbosa/RS). Hoje transformada em Forjasul Eletrik S.A., produz acessórios para elétrodutos, interruptores e tomadas, caixas de derivação e acessórios de alumínio para redes de transmissão de energia elétrica. 
1982 
Início das atividades da Tramontina Ferramentas Agrícolas S.A. (Carlos Barbosa/RS). Hoje essa divisão produz carrinhos-de-mão, ancinhos, enxadas, picaretas, pás, foices, foicinhas, gadanhos, cavadeiras, cortadores de grama, jardinagem e tesouras de poda. 
1986 
Início das atividades da Tramontina Belém S.A., que fabrica nos dias de hoje móveis de madeira, tábuas de corte, utilidades de madeira e cabos de ferramentas. 
1988 
Instalação do primeiro robô em sua fábrica de panelas, que tinha como principal objetivo polir cabos de frigideiras. 
1990 
Início das atividades de Forjasul Encruzilhada Ind. de Madeiras Ltda. (Encruzilhada do Sul/RS). Hoje chamada Tramontina Madeiras S.A. produz painéis de pinus, prateleiras retas e de canto, estantes e utilidades domésticas. 
1996 
Criação do Tramontina TEEC S.A., onde são fabricadas pias e cubas de aço inoxidável, fazendo com que a empresa ingressasse em um novo mercado. 
Lançamento de cortadores de grama dirigíveis e elétricos. 
1998 
Criação da Tramontina Delta S.A. que fabrica mesas e cadeiras de polipropileno. 
2007 
Início da produção de fogões de mesa (chamados cooktops) e de vitro-grills, chapas de vitrocerâmica portáteis que podem ser usadas tanto como fogão como grelha. 
2008 
Lançamento da linha TRIX COBRE, composta por panelas com tripla camada (aço inox, alumínio e cobre), que facilita o aquecimento e distribui melhor o calor aos alimentos. 
2011 
Lançamento dos talheres de prata da linha Classic, que ganhou um banho de prata e vão para a mesa de jantar em versão ainda mais sofisticada. 
2013 
Lançamento de cozinhas profissionais para hotéis, restaurantes, bares, escolas e hospitais. 
2014 
Lançamento da DUO COLOR, uma linha de panelas de aço inox coloridas por fora. 
2015 
Lançamento de uma linha de eletroportáteis de alto padrão fabricados pela australiana Breville. A nova linha, batizada de Tramontina by Breville, tem 30 itens como batedeiras, liquidificador, sanduicheira, máquina de pão, máquina de café espresso, espremedor e multiprocessador. 
2016 
Lançamento da nova linha de panelas antiaderentes com tecnologia Starflon Tramontina (Tecnologia T) como uma solução para todas aquelas refeições que são arruinadas por culpa de antiaderentes que grudam a comida e deixam o consumidor na mão.


O churrasco e a Tramontina 
A marca tem uma ligação forte com o churrasco. Afinal de contas, é uma empresa tipicamente gaúcha. A origem do churrasco remonta ao tempo das cavernas quando o homem, ao dominar as técnicas de fazer fogo, percebeu que sua comida (a caça) ficava mais saborosa e durava por mais tempo quando assada. Já o churrasco como conhecemos no Brasil, é oriundo do Pampa, região no sudeste da América do Sul. Antigamente, essa era uma região de transporte de gado. No meio do nada, os transportadores, conhecidos como tropeiros, tinham apenas recursos básicos para sobreviver: os artefatos em couro, a carne, a madeira para suspendê-la e o fogo mantido aceso. Então, os tropeiros se reuniam ao redor do fogo, contavam suas histórias e saboreavam o churrasco, a sua única alternativa de sobrevivência. E a TRAMONTINA, como não poderia deixar e ser, oferece uma completa linha para o preparo do melhor churrasco. São talheres, facas especiais, tábuas, espetos, grelhas, pegador para carvão e carne, carinhos para servir churrasco, churrasqueiras, além de kits dos mais diversos tipos. Em uma das mais recentes campanhas publicitárias para este segmento, a marca adotou o slogan “O churrasco evoluiu o mundo e a Tramontina evoluiu o churrasco”.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por inúmeras alterações ao longo dos anos. De 1955 a 1960, diferentes produtores elaboraram as formas da marca TRAMONTINA. Foram as primeiras apresentações gráficas para as linhas de produtos.


Entre 1964 e 1966, a apresentação da marca manteve-se quase a mesma. O “T” maiúsculo servia para ser estampado na lâmina do canivete, produto de maior fabricação nesse período. A partir deste momento se instituiu uma política de marca única para todos os produtos TRAMONTINA.


De 1967 até 1975, o “T” maiúsculo foi sendo moldado, adquirindo ainda mais personalidade.


Entre 1977 e 1978 houve mais transformações: o “T” foi colocado depois do nome e foi acrescida uma simbologia gráfica.


Os anos 1980 e 1990 representaram mudanças muito cuidadosas na marca. Através de análises e pesquisas chegou-se a marca que foi utilizada até 2004. Neste ano o logotipo sofreu novas, porém, pequenas alterações. A mudança segue uma tendência do design da marca anterior de simplificar as formas e, com isso, fortalecer ainda mais alguns elementos visuais da marca, mantendo a identidade já reconhecida pelos consumidores.


Os slogans 
O prazer de fazer bonito. 
Brasileira assim como você. 
Faz bem pra você. 
Viver Com Prazer. 
Tramontina é BBB: Bom, Bonito e Barato. 
A qualidade de aço.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 1 de maio de 1911 
● Fundador: Valentin Tramontina 
● Sede mundial: Carlos Barbosa, Rio Grande do Sul, Brasil 
● Proprietário da marca: Tramontina S.A. 
● Capital aberto: Não 
● CEO & Presidente: Clóvis Tramontina 
● Faturamento: R$ 4.5 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Fábricas: 10 
● Lojas-conceito: 3 
● Presença global: 120 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 7.000 
● Segmento: Utensílios domésticos e gerais 
● Principais produtos: Talheres, panelas, ferramentas e móveis de plástico 
● Concorrentes diretos: Hercules, Mundial, Tefal, Rochedo, Panex, Würth, Irwin e Black & Decker 
● Ícones: As facas e panelas 
● Slogan: O prazer de fazer bonito. 
● Website: www.tramontina.com.br 

A marca no mundo 
A TRAMONTINA é a única empresa brasileira a exportar com marca própria para mais de 120 países. No Brasil seus produtos estão disponíveis em mais de 60.000 pontos de venda. Já no exterior, a empresa possui Centros de Distribuição e Escritórios de Venda em diversos países como África do Sul, Alemanha, Austrália, Estados Unidos, México, entre outros. Atualmente o grupo é formado por 10 unidades industriais (sendo oito no Estado do Rio Grande do Sul, uma em Belém, no Estado do Pará, e outra em Recife, no Estado de Pernambuco) que produzem mensalmente quatro milhões de facas, 21.5 milhões de talheres para uso diário, quatro milhões de talheres finos e econômicos, 800 mil chaves de fenda, 260 mil martelos, 200 mil enxadas, 20 mil pias e 35 mil cubas, 300 mil cadeiras e mesas plásticas, 20 mil mesas e cadeiras de madeira, 66 mil prateleiras, 15 mil cortadores e aparadores de grama e 400 mil panelas de aço inox. A empresa produz além de talheres, panelas em aço inox, utensílios e acessórios para cozinha, também pias, cubas, ferramentas para jardim, agricultura e para construção civil, produtos para instalações elétricas (interruptores e tomadas), mesas e cadeiras em madeira e plástico e estantes em madeira. Apesar de atuar no segmento de eletrodomésticos, fornos e ferramentas, a área de cutelaria, panelas e utensílios para o lar ainda é o carro-chefe da empresa, respondendo por 75% de seu faturamento. Somente no segmento de panelas a marca tem entre 65% e 70% de participação no mercado brasileiro. 

Você sabia? 
Hoje a TRAMONTINA fabrica mais de 18 mil itens de utilidades domésticas destinados às principais redes de varejo do Brasil e a exportação. 
As panelas da marca brasileira já são as terceiras mais vendidas no mercado americano. 
A empresa investe em projetos que promovem o bem estar de seus funcionários, familiares e sociedade em geral. Pensando nisto, formou-se um grupo especial, dedicado à música: o Coro Tramontina. O projeto proporciona aos seus participantes, um ambiente saudável e descontraído onde cada um dos seus integrantes pode se expressar musicalmente, através de um trabalho em grupo. Atualmente o Coro Tramontina é formado por 22 cantores, sendo eles funcionários, ex-funcionários, familiares e amigos da empresa. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Exame e Época Negócios), jornais (Valor Econômico, Meio Mensagem, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 25/4/2016

6 comentários:

Joel Orbit disse...

Por ser uma empresa brasileira, dá pra sentir orgulho.

LUIS disse...

SEM DUVIDA HOJE EM DIA TRAMONTINA EH SINONIMO DE QUALIDADE...

QUEM NUNCA OUVIU A MAE DIZER QUANDO ALGUM TALHER INOX EM CASA ESTRAGA OU QUBRA:"SOH PODIA...NÃO EH TRAMONTINA"

Anônimo disse...

TRAMONTINA TEM UM GRANDE COMERCIO EM PAPUA NOVA GUINE. ESTIVE POR LA POR DOIS ANOS E AS PESSOAS APROVAM A QUALIDADE TRAMONTINA.


lucineyf@hotmail.com

LUCINY

Comlines Tramontina disse...

Muito legal esse post! Realmente, dá orgulho essa história!

Karol Ramos disse...

A Tramontina está fazendo 100 anos em 2011. E realmente qualidade é quase uma obsessão, e outra quase obsessão da Tramontina e sempre saber o que o consumidor precisa para seu lar ou empreendimento e por em linha de produção. Amo!!!!

Unknown disse...

Esta empresa genuinamente Gaucha nos enche de orgulho,trabalho,determinação e coragem fizeram parte desta empresa.
Parabéns Tramontina um dos orgulhos de nossa amada terra Rio Grande do Sul