27.7.06

BASF


Sinônimo de qualidade, as fitas K-7 popularizaram a BASF no Brasil e no mundo, mas pertencem ao passado deste gigante do setor químico. A multinacional alemã atua hoje em várias áreas, mas nenhum produto leva sua marca. A BASF atua principalmente em setores onde o consumidor final não percebe sua presença, inclusive a chamada indústria de base, fornecedora de insumos para outras indústrias ou segmentos econômicos. São corantes para tecidos, adubos e defensivos agrícolas para agricultura, vitaminas para serem adicionadas a alimentos, assim como produtos sintéticos como polímeros, plásticos, isopores, náilon, entre muitos outros. Por meio da ciência e da inovação, a BASF há mais de 150 anos possibilita que seus clientes atendam às atuais e às futuras necessidades da sociedade. 

A história 
A Badische Anilin & Soda Fabrik (Fábrica de Anilina e Soda de Baden, em português), conhecida mundialmente pela sigla BASF (atenção: por isso, os alemães sempre dizem letra por letra ao citarem o nome da empresa), foi fundada no dia 6 de abril de 1865 na pequena cidade de Ludwigshafen, no sudoeste da Alemanha, pelo ourives e empresário Friedrich Engelhorn para produzir corantes sintéticos para tecidos, que na época tinha uma grande demanda por parte das indústrias têxteis. O primeiro produto da empresa foi o corante de anilina. A segurança no trabalho e os cuidados com a saúde, assim como a construção de residências para os funcionários, estabeleceram as bases para uma abrangente tradição de política social. O primeiro médico da empresa foi contratado em 1866. Pouco depois, em 1871, a empresa lançou o corante vermelho alizarina, derivado da raiz da garança e usado principalmente para tingir algodão. Instalações de produção e escritórios de vendas são criados no exterior: em Nova York, em 1873; em Butirki, perto de Moscou, em 1877; e em Neuville-sur-Saône, França, em 1878. Em 1880 o empregado da BASF, Adolf von Baeyer, sintetizou o índigo (corante azul empregado no jeans), possibilitando a produção do tecido em escala industrial, que ocorreria em 1897, após anos de pesquisas. O investimento para desenvolver a técnica de sintetizar o corante azul consumiu 18 milhões de marcos, cifra superior ao capital nominal da empresa na época. Em 1901, ocorreu outra invenção pioneira, a introdução do corante Idanthrene (conhecido como azul indantreno), cujas principais características eram a rápida secagem e aderência. O século XX começou com uma nova etapa de expansão da BASF, a partir da invenção de um processo para a sintetização de nitrogênio destinada a produção de adubos.


Em 1911, após extensos experimentos, Alwin Mittasch, químico da BASF, descobre o ideal e tão procurado catalisador para a síntese da amônia: o ferro com uma pequena percentagem de alumínio e uma pequena quantidade de potássio. A fabricação de amônia na unidade de Oppau teve início em 1913 e nos anos seguintes a empresa ampliou seus negócios na área de química agrícola com a produção de fertilizantes, inaugurando em 1914 o centro de agricultura na cidade de Limburgerhof, cujo principal objetivo era pesquisar fertilizantes e a fisiologia vegetal. No dia 21 de setembro de 1921 ocorreu uma violenta explosão na fábrica de nitrogênio na cidade de Oppau, ocasionando a morte de mais de 500 pessoas, em uma verdadeira tragédia que abalou a empresa. A crise econômica que afundou a Alemanha na década de 1920 mudou o destino da BASF. Afinal, ficou claro que a indústria de corantes alemã seria incapaz de recuperar a sua antiga posição no mercado mundial. A fim de manter a competitividade, racionalizar produção e ganhar acesso para os novos mercados, as empresas pertencentes à comunidade de interesses (BAYER, BASF, AGFA e Hoechst) decidiram se fundir em 1925 para dar origem a I.G. Farbenindustrie AG, com sede na cidade de Frankfurt. Foi então que a BASF dedicou-se ao desenvolvimento de combustíveis, agentes operacionais e borracha sintética. Nesta década, com o boom da indústria automobilística, a empresa lucrou desenvolvendo carburantes, combustíveis, borracha sintética e tintas automotivas.


Em 1927, os primeiros tanques para automóveis a gasolina deixaram a linha de produção. A década de 1930 tem início com o lançamento da BUNA, primeira borracha sintética produzida pela empresa. Poucos anos depois, em 1935, a empresa diversificou ainda mais sua gama de produtos com a apresentação do Magnetophon (uma espécie de vitrola) na Radio Exhibition em Berlim. Com o início da Segunda Guerra Mundial, o conglomerado teve que voltar a sua produção para a economia de guerra. Diante da convocação de seus operários para as frentes de batalha, a empresa foi acusada de usar mão-de-obra forçada, incluindo mulheres, prisioneiros de guerra e civis capturados nas regiões ocupadas do leste europeu.


As fábricas de Ludwigshafen e Oppau sofreram severos bombardeios desde o início da guerra. Quando soldados americanos tomaram as unidades em março de 1945, só restavam praticamente ruínas: 65 bombardeios aéreos destruíram por completo 33% das instalações e causaram sérios danos em 61%. Em novembro do mesmo ano, os Aliados decidiram dissolver a IG Farben, e, em 30 de janeiro de 1952, a BASF voltou a ter identidade própria. Com o milagre econômico do período pós-guerra, teve início a era dos sintéticos. As vendas de perlon, náilon, isopor e polietilenos dispararam. E a empresa se beneficiou disso. A síntese de hidroxilamina por hidrogenação catalítica de óxido de nitrogênio com hidrogênio em 1956 faz com que seja possível a produção de caprolactama, um precursor de fibras sintéticas de poliamida, de forma eficiente em termos de custos.


Em 1960, a BASF completa a sua gama de corantes alinhada com a evolução das fibras têxteis. Acrescenta Palanil e Basacryl, para o tingimento de fibras sintéticas, aos seus corantes existentes de lã e algodão. Em 1961 a empresa lançou o Floranid, o primeiro fertilizante orgânico sintético de liberação lenta. Ainda nesta década a BASF começou sua expansão internacional com a construção de fábricas no Brasil, França, Índia, Japão, Estados Unidos, Austrália, entre outros mercados. Outra inovação deste período foi o lançamento do herbicida seletivo para uso no cultivo de beterraba sacarina, o Pyramin. Após 1965, a empresa resolveu dar mais ênfase aos produtos para o consumidor como drogas, fertilizantes, agentes protetores, etc. Com isso a BASF desenvolveu um processo biotecnológico para a produção de vitamina B2, em 1987, fato que tornou a empresa uma pioneira na conversão de métodos químicos para métodos biotecnológicos em escala industrial. A empresa investiu nos anos seguintes cerca de €5.6 bilhões, em muitos mercados, especialmente na Ásia, com destaque para China e Índia. No início dos anos de 1990, a BASF lançou na Alemanha as tintas da Linha 90 base água da marca Glasurit, utilizadas no reparo de veículos e que se tornaram um dos maiores sucessos comerciais da empresa. Em 1997 o negócio de fitas de áudio e vídeo foi vendido e a BASF se concentrou em sua essência que é a química. Pouco depois, em 1999, a empresa ingressou no desenvolvimento biotecnológico.


Desde 2000, as ações da BASF são cotadas também em Nova York e, desde 2001 a multinacional alemã se tornou o maior investidor estrangeiro do setor químico na China. Em 2002, a BASF reunia 114 empresas, com fábricas em 39 países, empregando quase 90 mil trabalhadores, aproximadamente 10% deles atuavam na área de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias. Em 2008, a BASF lançou a campanha global “Putting Future into Textiles” (Colocando o futuro nos tecidos), tendo como base: consumo consciente, preservação de recursos naturais e proteção climática. Em 2014, ao completar 150 anos, a BASF adotou um novo posicionamento global amparado pelo slogan “We Create Chemistry”, em português “Nós transformamos a química”. Além disso, lançou o Creator Space, uma plataforma online para integrar sociedade, empresários e cientistas de todo o mundo em busca de soluções nas áreas de produção de alimentos, urbanização e energia. Em relação à agricultura, o foco a partir de 2015 é melhorar a produção de alimentos para combater a fome no mundo e também otimizar o uso da água, problema que tem despertado preocupação em todos os continentes. Em seus laboratórios centralizados na Alemanha uma grande rede de cientistas em parcerias com universidades testam novas combinações de fungicidas, pesticidas e herbicidas para que as safras se desenvolvam bem em situações limites. Para isso, estudam os impactos ambientais em diversos níveis, tentando caminhar para uma tecnologia cada vez mais sustentável.


Hoje em dia, a empresa alemã possui uma infinidade de produtos que estão presentes em nossas vidas sem que percebamos, como por exemplo: Neopor®, espuma utilizada em sistemas de isolamento térmico, que possui micropartículas de grafite que absorvem e refletem os raios infravermelhos, prevenindo a absorção do calor; Ecoflex®, plástico que não deixa nenhuma substância tóxica no solo ao se decompor, o que torna o produto biocompatível; Styropor®, poliestirenos expansíveis (uma espuma branca rígida) descoberto pela BASF em 1951, que proporcionam eficiente isolamento térmico de condução e convecção do calor; e o floculante Magnafloc®, um auxiliar na limpeza da água.


As divisões de negócios 
Hoje em dia a BASF atua em diversos segmentos com seus negócios divididos em cinco divisões: 
Químicos 
Compreende negócios com produtos químicos básicos e intermediários. O portfólio abrange solventes, plastificantes e monômeros de alto volume para colas e produtos eletrônicos, bem como matérias-primas para detergentes, plásticos, fibras têxteis, tintas e revestimentos, fitofarmacêuticos e medicamentos. Além de fornecer para clientes da indústria química e de vários outros setores, a BASF também assegura que outros segmentos da empresa sejam abastecidos com insumos para a produção. 
Produtos de Performance 
São produtos que proporcionam estabilidade, cor ou melhores propriedades de aplicação para muitos produtos do dia-a-dia. O portfólio dessa divisão inclui vitaminas e outros aditivos alimentares, assim como ingredientes para produtos farmacêuticos, cuidados pessoais e cosméticos, higiene e cuidados com a casa. Outros produtos deste segmento melhoram os processos na indústria de papel, na produção de óleo, gás e minério e tratamento de água. Além disso, eles também podem aumentar a eficiência de combustíveis e lubrificantes, eficácia dos adesivos e revestimentos, e a estabilidade dos plásticos. 
Materiais & Soluções 
Funcionais Essa divisão agrega soluções de sistemas, serviços e produtos inovadores para setores e clientes específicos, especialmente para as indústrias automotiva, elétrica, química e de construção, bem como para utilidades domésticas, esportes e lazer. O portfólio inclui catalisadores, materiais de baterias, plásticos de engenharia, sistemas de poliuretano, revestimentos industriais e automotivos, aditivos para concreto e também sistemas de construção, como telhas, adesivos e tintas decorativas. 
Soluções para Agricultura 
Fornece soluções inovadoras para as áreas de proteção de cultivos químicos e biológicos, tratamento de sementes e gerenciamento de água, assim como soluções para o fornecimento de nutrientes e perturbações das plantas. Os produtos dessa divisão incluem fungicidas, herbicidas, inseticidas, produtos para controle de pragas, entre outros. As pesquisas em biotecnologia vegetal concentram-se em plantas para maior eficiência na agricultura, melhor nutrição e uso de matérias-primas renováveis. 
Óleo & Gás 
Explora o refino e comércio de produtos petroquímicos, óleo cru e gás natural. Especificamente para o pré-sal, a empresa trabalha com alguns clientes para fornecer aditivos de cimentação (redutores de filtrado), ésteres para fluido de perfuração e ácido orgânicos para estimulação, entre outros projetos.


Química divertida 
Você sabe qual é a reação mais comum das crianças em relação à química? Elas dizem “Uau”, uma simples expressão de surpresa com um grande significado científico. Ensinando química de forma divertida. Essa é a missão do KID’S LAB, Laboratório Infantil global da BASF, inaugurado em 1997 na Alemanha, que promove a alfabetização científica, encorajando crianças com idades entre 6 e 12 anos a descobrir o dinâmico e maravilhoso mundo da ciência. Todas as crianças que participam desse programa descobrem a química por meio de experimentos envolventes, juntamente com demonstrações práticas e sessões interativas de perguntas e respostas.


Em 2002 esse programa foi introduzido na região da Ásia-Pacífico. Hoje em dia o KID’S LAB se tornou um premiado programa mundial, com participação de mais de 472 mil crianças em 35 países. O programa é realizado nas sedes da BASF espalhadas pelo mundo, em museus, escolas e espaços públicos. No Brasil a empresa oferece o programa ReAção, criado em 2006 e no qual as crianças estudam ciência de forma prática e divertida, aprendendo porque e como as maravilhas do mundo funcionam. Isso ocorre, pois a BASF acredita que no futuro essas crianças também nos farão dizer Uau!


Para divulgar seu programa no mundo inteiro, o KID’S LAB conta com uma turma de mascotes representada por desenhos e ilustrações de símbolos e objetos utilizados na química. Essa divertida turma é formada por Morph™ (um elemento que pode transformar em qualquer uma das formas básicas da matéria, sólida, líquida ou gasosa), Dr. Bubbles™ (um simpático frasco redondo), Philip The Flask™ (frasco), Tess The Test Tube™ (tubo de ensaio) e Tom The Atom™ (átomo).


Campanhas que fizeram história 
A campanha institucional da BASF, A Química da Vida, mostra que assim como a química, a empresa faz parte do dia-a-dia das pessoas, embora muitas delas não saibam. Os anúncios foram desenvolvidos em duo tone, ou seja, destacando de forma viva e colorida justamente onde a química da BASF está presente. O conceito “A Química da Vida” permeia a campanha institucional da BASF desde seu lançamento, em 2001, e traz como mensagens-chave: o cuidado com as gerações do presente e do futuro, responsabilidade, boas parcerias e inovação. Como indústria química líder mundial, a BASF mostra nesta campanha, que química é sinônimo de inovação, de modernidade, é a construção de um mundo melhor. Todo esse trabalho ajuda a alavancar a marca BASF e reforçar sua posição de líder mundial no setor.


A evolução visual 
Ao longo de sua história a empresa alemã teve diversos logotipos. A palavra BASF apareceu pela primeira vez no logotipo em 1922, e foi implantada definitivamente em 1953. O atual logotipo e conceito de design, introduzidos em 2004, são a expressão visual de uma estratégia renovada, contando com dois elementos quadrados - que significam parceria, cooperação e sucesso mútuo. A assinatura, as cores corporativas (compostas por seis cores, juntamente com o preto e o branco, e de duas que definem dois tons neutros de cinza), o layout e os parâmetros textuais, formam juntos os elementos básicos do design corporativo da BASF. Em 2014 esse logotipo foi apenas atualizado, mantendo o padrão de cores e passando a exibir o novo slogan da empresa: We Create Chemistry.


Os slogans 
We Create Chemistry. (2014) 
The Chemical Company. (2004) 
Innovative thinking. Acting responsibly. (2000) 
Research and action. (1979) 
Worldwide chemistry. (1970) 
Chemistry for all of us. (1963)


Dados corporativos 
● Origem: Alemanha 
● Fundação: 6 de abril de 1865 
● Fundador: Friedrich Engelhorn 
● Sede mundial: Ludwigshafen, Alemanha 
● Proprietário da marca: BASF SE 
● Capital aberto: Sim (1959) 
● Chairman: Jürgen Hambrecht 
● CEO: Kurt Bock 
● Faturamento: €74.3 bilhões (2014) 
● Lucro: €5.15 bilhões (2014) 
● Valor de mercado: €76.6 bilhões (julho/2015) 
● Presença global: + 170 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 113.900 
● Segmento: Químico 
● Principais produtos: Produtos químicos, plásticos, fibras e tintas 
● Concorrentes diretos: Bayer, Rhodia, Du Pont, Dow, Sherwin Williams, Petronas, Braskem e Akzo Nobel 
● Slogan: We Create Chemistry. 
● Website: www.basf.com.br 

A marca no Brasil 
A BASF iniciou suas atividades na América do Sul em 1911 com a comercialização de anilina, alizarina e anil (índigo) para a indústria brasileira de produtos têxteis e de couro. A empresa tinha um escritório de representação comercial estabelecido no Rio de Janeiro. Nesta época, 60% das 636 empresas voltadas para a produção registradas no Brasil pertenciam ao setor têxtil. Após a Segunda Guerra Mundial, em 1945, a empresa inaugurou um complexo de Tintas e Vernizes em São Bernardo do Campo, na região paulista do ABC. Em agosto de 1955 a empresa decidiu estabelecer uma unidade de produção própria no Brasil e o local escolhido para a instalação da planta foi a cidade de Guaratinguetá, localizada entre o Rio de Janeiro e São Paulo. Ali, a BASF inaugurou na primavera de 1959 sua primeira unidade fabril com 95 colaboradores dedicados à produção de inorgânicos, plásticos, monômeros, polímeros e Styropor. Em 1969, a BASF, que acabava de ingressar no segmento de tintas, adquiriu a marca SUVINIL. Da década de 1970 até recentemente, BASF foi sinônimo no Brasil de fitas cassetes de qualidade. Fosse para gravar áudios, sobretudo músicas, ou imagens, como por exemplo, filmes. No entanto, a multinacional alemã vendeu em 1997 todo seu negócio de fitas, cedendo à empresa compradora o direito de uso da marca por cinco anos. Os produtos virgens para gravação foram os únicos da história da BASF a carregarem o nome da empresa como marca.


Em 2008 a BASF comemorou 30 anos do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de tintas no Brasil. Neste período, saíram deste setor inovações como acrílicos sem cheiro, esmalte à base de água e o látex Maxx à base de nanopartículas. No Brasil a BASF conta, atualmente, com centros de produção localizados em Camaçari (BA), Guaratinguetá (SP), Indaiatuba (SP), Paulínia (SP), Jacareí (SP), Jaboatão dos Guararapes (PE), Mauá (SP), São Bernardo do Campo (SP), Pinhais (PR) e Sapucaia do Sul (RS). O portfólio da empresa abrange desde tintas e vernizes, produtos químicos, plásticos, produtos de performance para agricultura e química fina (humana e animal), até óleo cru e gás natural.


Ao completar 100 anos de atuação no Brasil, a BASF como forma de reconhecer esse marco histórico, iniciou uma série de atividades que reforçaram a importância do momento para a empresa, sua contribuição para a sociedade e para o desenvolvimento das comunidades em seu entorno. “BASF 100 anos. Transformando a Química da Vida”. Este tema foi definido com o objetivo de reforçar a responsabilidade histórica da empresa alinhada com a sua estratégia de atuação. Química é transformar o que já existe, é criar o novo, é gerar vida. Com base neste conceito, funcionários, clientes, comunidade e todos os públicos com os quais a BASF interage compreenderam esse importante marco na trajetória da organização.


A marca no mundo 
Suas unidades de produção, são mais de 350 distribuídas em 39 países, conduzem negócios em mais de 170 países ao redor do mundo, gerando um faturamento superior a €74 bilhões (2014). Com um portfólio de aproximadamente 8.000 produtos a BASF, maior indústria química do mundo, têm oferecido importantes contribuições para as áreas agrícolas e nutrição, corantes e produtos acabados, químicos, plásticos e fibras, produtos de performance e tintas (é proprietária da marca Suvinil no Brasil), petróleo e gás. 

Você sabia? 
No mundo, a BASF destina 3% da sua receita para Pesquisa e Desenvolvimento de produtos e registra aproximadamente 1.300 patentes por ano. Dos mais de 113 mil colaboradores, aproximadamente 12 mil estão envolvidos em pesquisa, aplicações técnicas e desenvolvimento de novas tecnologias. 
O centro de design e engenharia da BASF, cuja sede se localiza na cidade alemã de Ludwigshafen, tem investido fortemente no chamado “Ecodesign”. Os engenheiros da empresa têm se esforçado para desenvolver uma nova fórmula de polímero que permita a rápida decomposição de produtos à base de plástico, como copos, sacolas, roupas e cápsulas de café. Lançada em meados de 2007, a criação tem se espalhado pela Europa. 
Há muitos anos, a BASF está presente, mesmo que indiretamente, na diversão da criançada: desde 1974 no planejamento e na concepção dos bonecos Playmobil; e desde 1977 nos blocos de montar Lego com o poliestireno, plástico. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Isto é Dinheiro e Exame), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 15/7/2015

2 comentários:

Anônimo disse...

É importante citar que a BASF comprou a COGNIS e aumentou a sua participação no fornecimento de insumos quimicos para a area de produtos de beleza e higiene pessoal, e hoje conta com mais uma unidade fabril localizada em Jacareí/SP (que até o ano de 2000 era um unidade HENKEL e depois se transformou em COGNIS, quando a HENKEL resolveu vender sua divisão quimica especializada na produção de insumos quimicos). Quanto a fábrica da BASF em São José dos Campos/SP que funcionava em dentro da MONSANTO não está mais operando.

Anônimo disse...

Boa Tarde,

Acho importante realizar uma atualização, hoje a BASF esta construindo uma Grande Fábrica no Polo de Camaçari na Bahia, um grande investimento!

Acho que vale a pena conferir

Parabéns pelo site,

Abrs!!