12.12.12

McAFEE


O nome McAfee soa familiarmente para milhões de internautas e representa para outros tantos milhões um alívio sem igual. Afinal, a marca oferece produtos e serviços que protegem dados e informações de milhões de pessoas ao redor do mundo, além de evitar que empresas sofram bilhões de dólares em prejuízos com as constantes ameaças que existem na internet. Utilizando produtos McAfee, os usuários se conectam, navegam e fazem compras online de forma segura e tranquila. Essa é a principal missão da McAfee, ajudar seus clientes a permanecerem seguros contra as constantes ameaças do mundo digital. 

A história 
Tudo começou no ano de 1987 quando o inglês John McAfee, que cresceu na cidade de Salem, estado americano da Virginia, e ainda trabalhava como um programador de computador para a empresa Lockheed anteviu não somente o crescimento da internet como também dos malefícios que a rede poderia causar nas máquinas e para as pessoas. Isto porque, em seu trabalho ele teve os primeiros contatos com um vírus de computador, então chamado “Pakistani Brain”, criado por dois irmãos paquistaneses, e resolveu desenvolver um software específico para combater aqueles tipos de programas, que seriam conhecidos como pragas digitais. Tudo em um momento onde os computadores começaram a se tornar populares nas casas americanas e crescia o medo de programas maliciosos se espalharem de máquina em máquina. Como um visionário cibernético, ele fundou a empresa McAfee Associates com alguns outros programadores e criou um software antivírus, oferecido por downloads gratuitos através de distribuição shareware, mas com limitações. Era o surgimento do McAfee Antivirus, que nos anos seguintes se tornaria extremamente popular em milhões de computadores pelo mundo afora.


Em 1989, ele abandonou a Lockheed e começou a trabalhar em tempo integral em sua empresa, que funcionava inicialmente na sala de sua casa na cidade de Santa Clara, estado da Califórnia. A propaganda boca a boca deu certo e fez com que o software chegasse as grandes empresas. Em 1991, um relatório divulgado pela revista Forbes apontou que, entre as 100 maiores empresas dos Estados Unidos, 100% delas utilizavam o software de McAfee. As empresas pagavam uma pequena taxa de licenciamento, o que rendia a McAfee um faturamento de US$ 5 milhões por ano. Em 1992, John McAfee usou seu talento de vendedor para promover o seu produto, espalhando na mídia um pânico por conta do vírus “Michelangelo”, que supostamente infectaria 5 milhões de computadores. O plano deu certo e a empresa aumentou consideravelmente o número de licenças de softwares. Entretanto, o medo não se confirmou e menos de 10 mil computadores foram infectados. Com este sucesso a empresa acompanhou o rápido crescimento e popularização da internet e, em 1992, realizou a abertura de capital na Bolsa de Valores, captando recursos para sua expansão. Pouco depois, a empresa iniciada na sala da casa de John valia US$ 80 milhões na Nasdaq. Dois anos mais tarde, John McAfee, que tinha bacharelado em matemática pela Faculdade de Roanoke, deixou a empresa que havia fundado com centenas de milhões de dólares na conta bancária e, desde então, acumula uma série de episódios que o tornam, para muitos, o personagem mais excêntrico da alta tecnologia.


Em 1997 ocorreu a formação da Network Associates, resultado da fusão da McAfee Associates e da Network General. Após adquirir a IntruVert Networks por US$ 100 milhões, empresa responsável pela tecnologia de prevenção de intrusão, que implicava não somente em detectar ataques, mas também bloqueá-los, em 2003 a empresa passou por uma grande reestruturação, que culminou com a venda de suas soluções para negócios, além de uma nova mudança de nome, voltou a se chamar McAfee, e cujo objetivo era refletir seu foco em tecnologias e soluções relacionadas com segurança informática. Nos anos seguintes a empresa aumentou seu portfólio para soluções de segurança de software, incluindo produtos e serviços para terminais e redes, dedicados a ajudar em garantir que os dispositivos e as redes com conexão a internet estivessem protegidos contra conteúdos mal-intencionados, solicitações falsas e transações e comunicações desprotegidas.


No mês de fevereiro de 2011 a McAfee Associates foi oficialmente adquirida por impressionantes US$ 7.7 bilhões pela poderosa Intel. A inclusão dos produtos e das tecnologias da McAfee a carteira de computação da Intel trouxe pessoas incrivelmente talentosas, com um histórico de criação de inovações, produtos e serviços na área de segurança em que o mercado e os consumidores confiam para que suas conexões a internet sejam mais seguras e protegidas. A aquisição era coerente com a estratégia de softwares e serviços da Intel para proporcionar uma excepcional experiência de computação em áreas de negócios de grande crescimento, especialmente na passagem para a mobilidade sem fio. Nos anos seguintes a McAfee progrediu no sentido de definir e comunicar seu novo papel e estratégias após ser adquirida.


A marca McAfee desapareceu, mesmo que temporariamente, oficialmente quando foi anunciada, em 2014, a criação da Intel Security. Na ocasião, o tradicional vermelho foi substituído pelo azul da marca Intel e somente o escudo foi mantido no logotipo, como uma discreta referência a antiga marca. Isto porque a Intel queria desassociar o nome McAfee da conturbada e escandalosa vida pessoal de John McAfee, fundador da empresa. Mas, dois anos depois, o setor de segurança digital foi surpreendido por um novo anúncio, a aquisição de parte da Intel Security pelo grupo TPG e um prometido retorno da marca, só anunciado oficialmente no final de 2016. Com isso, a empresa de software de segurança global Intel Security retomou seu nome original McAfee, que voltou a operar como uma nova empresa independente. Assim, a nova McAfee expandiria sua plataforma de soluções de segurança para possibilitar que os clientes identifiquem e orquestrem respostas de forma eficiente contra ameaças cibernéticas. Na nova McAfee, a Intel continuou a deter 49% das ações e a TPG, uma das principais empresas globais de investimento em companhias de tecnologia, manteve 51% do controle. E a nova McAfee já começou grande: atualmente é responsável pela segurança digital de nada menos do que duas a cada três empresas na lista das 2 mil maiores companhias do mundo. Com o negócio, a marca McAfee praticamente renasceu das cinzas.


Amparadas por uma equipe de pesquisa premiada, as tecnologias de segurança da McAfee fazem uso de uma capacidade preditiva exclusiva baseada no McAfee Global Threat Intelligence, permitindo que usuários domésticos e empresas se mantenham um passo a frente das ameaças online. Os produtos e soluções da McAfee abrangem as seguintes áreas: Análise de ameaças avançadas, Proteção e criptografia de dados, Segurança de banco de dados, Proteção de terminais, Segurança de rede, Gerenciamento de segurança, Gerenciamento de eventos e informações de segurança (SIEM), Segurança de servidor e Segurança na Web. Atualmente, entre seus principais e mais populares produtos e serviços, estão: McAfee Total Protection (solução de segurança online mais avançada para PCs, smartphones e tablets, que inclui antivírus, antimalware, segurança na web, firewall, antispam, controle dos pais e gerenciamento de senhas. Além disso, o novo McAfee Anti-Malware Engine combina análise de autoaprendizagem e proteção baseada em comportamento para proteger contra ataques de ransonware e malware de dia zero), McAfee Mobile Security (para turbinar a segurança e o desempenho de smartphones e tablets Android), True Key by McAfee (gerenciamento avançado de senhas e autenticação por múltiplos fatores), McAfee WebAdvisor (serviço gratuito que impede o usuário de clicar em sites perigosos e permite que ele navegue pela web e faça compras online com segurança) e McAfee SIEM (reunindo dados de eventos, ameaças e risco, essas soluções oferecem visibilidade em tempo real sobre todas as atividades de segurança para aprimorar o gerenciamento da conformidade e acelerar os tempos de resposta a incidentes).


O badboy da tecnologia 
Dentro dos círculos dos aficionados por informática ele é considerado uma lenda. Gênio brilhante em alguns momentos, lunático e dependente de drogas em muitos outros, John David McAfee criou em torno de si uma história digna de um filme hollywoodiano. Aliás, ele tem tanta certeza disso que vendeu os direitos sobre a história de sua vida para a Warner, que deve produzir em breve um longa-metragem sobre a sua trajetória. Ele nasceu no dia 18 de setembro de 1945, em uma base americana no Reino Unido, filho de um militar americano e uma mãe inglesa. Na infância, filho de um pai alcoólatra, apanhava com frequência junto com sua mãe. Quando ele completou 15 anos seu pai cometeu suicídio, mas nem por isso deixou de ser um fantasma na vida de John. “Ainda penso nele todos os dias, onde quer que eu esteja. Tenho ciência de que a minha vida é uma droga”, destacou McAfee em uma famosa entrevista. Na época da faculdade começou a mostrar o seu talento, revelando-se um homem extremamente inteligente e com bom faro para os negócios. Um dos seus primeiros empregos era o de vendedor de revistas de porta em porta. Seu método não era dos mais honestos, já que ele anunciava “revistas grátis” em troca do preenchimento de um simples cadastro, “a conta chegava dias depois”.


Com o início da vida acadêmica e, consequentemente, os seus primeiros trabalhos no mundo da tecnologia, outros problemas começaram a se revelar. Se por um lado ele se formava com brilhantismo em matemática, tendo a oportunidade de trabalhar como um dos programadores da NASA, por outro começava a enfrentar os seus primeiros problemas com álcool. Sua vida permaneceu nesta rotina durante os anos de 1970, mas foi na década seguinte que a sua trajetória mudou completamente. Em apenas três anos, entre 1983 e 1986, sua vida foi da derrota à criação daquela que seria uma das maiores empresas de software do mercado nas décadas seguintes. Aos 38 anos, John McAfee era diretor de engenharia da Omex. Seus problemas começaram anos antes, quando do álcool ele passou a experimentar drogas mais pesadas como maconha, cocaína e LSD. Em 1983, consumia cocaína em grandes quantidades, vendendo o excedente para os seus colegas de trabalho. Dormia na mesa e passava as manhãs bebendo uísque. Na Northeast Louisiana State College, onde cursava PhD e atuava como professor auxiliar foi expulso por dormir com uma de suas alunas da graduação. Três anos mais tarde John McAfee reapareceu como funcionário na Missouri Pacific Railroad, uma companhia de gerenciamento de trens. Usando computadores da IBM, reinventou diversas rotinas de controle e otimizou as rotas, gerando muitos lucros para a instituição. Infelizmente seu estado sóbrio durou muito pouco. Mas, em 1986, McAfee estava sóbrio novamente. E quando ouviu a notícia de que dois irmãos haviam criado no Paquistão aquilo que poderia ser considerado o primeiro vírus de computador, decidiu que alguma coisa precisava ser feita. Com pouco investimento, reuniu alguns colaboradores e fundou a McAfee Associates no ano seguinte.


Na década de 1990, seu nome estava garantindo entre os grandes da indústria tecnológica. Depois de quase duas décadas mantendo a sua empresa entre os gigantes do mercado de software, ele pareceu ter tido uma nova recaída. Um ano antes de McAfee Associates ser vendida para a Intel, o executivo decidiu vender praticamente tudo o que tinha. Assim, ele deu adeus aos seus carros luxuosos, às mansões que mantinha em diversas localidades nos Estados Unidos, como Havaí, Texas, Novo México e Colorado, e até mesmo ao seu jato particular. De maneira surpreendente, decidiu comprar um grande terreno em meio a uma floresta de Belize, um pequeno país da América Central, e lá se refugiou em um bangalô sem acesso a internet. Depois de conhecer a bióloga de Harvard Allison Adonizio, que estava de férias e fazia pesquisa com antibióticos, McAfee teve um surto. Se antes ele havia conseguido eliminar vírus virtuais, por que não conseguiria também eliminar os vírus reais? Assim, construiu um laboratório completo para Allison, que vendeu tudo o que tinha e firmou uma sociedade com ele. Enquanto Allison se ocupava com as pesquisas, McAfee tratava de negócios e caminhava por becos e ruas sujas de Belize tirando fotos dos habitantes locais. Em um bordel chamado Lover’s, o dono apresentou a ele Amy Emshwiller, uma menina de apenas 16 anos. Menos de 30 dias depois os dois já dormiam juntos. O detalhe é que McAfee já morava com uma mulher, que não gostou nada de ver uma nova companheira em sua casa, deixando John um mês depois. Em um relacionamento conturbado, após 30 dias a jovem Amy tentou matar McAfee, mas desistiu na hora de puxar o gatilho de uma arma. Ele então decidiu que ambos não iriam mais morar juntos, mas construiu para ela uma casa no perigoso bairro onde a jovem nasceu. Ciente dos perigos, ele resolveu equipar os policiais da região com armamento pesado, munição e veículos. Não satisfeito, ele mesmo colocou uma pistola na cintura e foi às ruas conversar com traficantes. Para muitos oferecia TVs de LED em troca da promessa de que eles largariam o tráfico. O ano de 2012 marcou o término de sua aventura em Belize. McAfee armou um exército particular e decidiu que ele mesmo iria mexer com química em seu laboratório particular. Embora tenha dito que estava pesquisando antibióticos, a suspeita é de que ele estivesse produzindo metanfetamina, substância controlada e que pode provocar alucinações. No local onde morava, ele criou uma fábrica de cigarros, uma companhia de distribuição de café e um serviço de táxi marítimo. O governo de Belize o acusou de montar um exército privado e traficar drogas na região. Uma força de elite local, treinada pelo FBI, invadiu a sua casa e encontrou munição pesada e muitas garrafas de substâncias químicas desconhecidas. Solto mediante fiança, ele voltou para o seu bangalô com cinco mulheres, todas com idades entre 17 e 20 anos. Em novembro desse mesmo ano, passou a ser procurado pela polícia local sob a suspeita de ter assassinado o seu vizinho, Gregory Viant Faull. Foragido, McAfee foi preso na Guatemala no mês de dezembro e deportado para os Estados Unidos pouco depois. Os casos mais recentes de suas intermináveis polêmicas são aparecer nos noticiários por brincar de roleta russa na frente de jornalistas, um processo contra a Intel, uma intimação da SEC e um documentário para a TV americana. Para a polícia, ele é um homem perigoso que se tornou um dos chefes de um cartel de drogas na América Central. Para outros, que tiveram contato com ele nos últimos anos, McAfee é um homem problemático, que perdeu contato com a realidade e insistentemente tenta convencer os outros dos seus delírios.


A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por inúmeras modificações ao longo dos anos. Em 2002, a marca apresentou um novo logotipo com uma nova tipografia de letra e a palavra “security” abaixo do nome. Pouco depois, em 2005, uma nova tipografia de letra foi adotada e o retorno da cor vermelha. Em 2009, finalmente apareceu o familiar escudo, ideal para comunicar o que a empresa tinha a oferecer: segurança e proteção.


Em 2014 a McAfee passou oficialmente a se chamar Intel Security, que manteve em seu logotipo apenas o tradicional escudo da marca. Porém, em 2016, o nome Intel Security saiu de cena para o retorno da marca McAfee e de seus tradicionais símbolos, o escudo (agora estilizado) e a cor vermelha. Por trás do retorno da marca McAfee estava uma nova estratégia que tentava resgatar o que a empresa, agora independente, tem de melhor, a tradição.


Os slogans 
Together is power. (2016) 
Safe Never Sleeps. (2012) 
Securing your digital world. (2011) 
Proven Security. (2006)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 1987 
● Fundador: John McAfee 
● Sede mundial: Santa Clara, Califórnia, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: McAfee Inc. 
● Capital aberto: Não 
● CEO: Christopher Young 
● Faturamento: US$ 1.75 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 100 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 6.700 
● Segmento: Tecnologia 
● Principais produtos: Antivírus e soluções de segurança da informação 
● Concorrentes diretos: Symantec, AVG, Avast, Avira, Bitdefender e Kaspersky 
● Slogan: Together is power. 
● Website: www.mcafee.com.br 

A marca no mundo 
Atualmente a McAfee é uma das maiores empresas independentes de segurança cibernética do mundo. Com faturamento estimado superior a US$ 1.7 bilhões e 6.700 funcionários, os produtos e as tecnologias da McAfee levam soluções e serviços seguros a consumidores, empresas e governos em mais de 100 países, contando ainda com sólidos recursos de vendas que atuam em diversos segmentos. Além disso, a empresa detém mais de 1.200 patentes de tecnologia de segurança e o McAfee Security Innovation Alliance, o principal programa de parcerias tecnológicas do setor, conta com mais de 135 parceiros em âmbito global. 

Você sabia? 
● Em 1986, dois irmãos paquistaneses foram os responsáveis por criarem o primeiro vírus para computadores que se tem conhecimento. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Isto é Dinheiro e Exame), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), sites de tecnologia (TecMundo), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 25/4/2017

Nenhum comentário: