30.5.06

JOHNNIE WALKER


Uma garrafa quadrada. Rótulos coloridos. Um homem elegantemente vestido como logotipo. E uma frase inconfundível: Keep Walking. Todos esses ingredientes misturados com a excepcional qualidade de seus líquidos sagrados fizeram da JOHNNIE WALKER uma marca única em seu segmento e um símbolo que representa o uísque com toda alma da aristocracia. 

A história 
A marca JOHNNIE WALKER tem uma história de determinação que se estende por gerações de uma família. Cada geração compartilhou da mesma paixão pela fabricação e destilação do melhor uísque. John, mais conhecido como Johnnie, era filho do fazendeiro Alexander Walker, que morreu em 1819, e o rapaz, então com 14 anos, considerado muito novo para continuar tocando a fazenda da família. Com a venda da fazenda, que rendeu exatamente £537.15, John abriu uma pequena mercearia em 1820 na pequena e próspera cidade de Kilmarnock, localizada no oeste da Escócia, no condado de Ayrshire, investindo £417 no novo negócio. O pequeno estabelecimento comercializava chás, vinhos, bebidas e comidas importadas, começando a cativar e conquistar uma clientela de alta reputação com seu atendimento diferenciado. Enquanto isso, o mercado de uísque estava mudando no mundo inteiro. As destilarias, muitas delas ilícitas, começaram a se profissionalizar e ele enxergou uma grande oportunidade de ingressar nesse ramo de atividade. Nessa época a maioria dos negociantes estocava maltes únicos, mas eles nunca eram consistentes. John começou então a misturá-los de modo a que seu uísque tivesse sempre o mesmo bom sabor, o que provou ser um acréscimo popular à sua linha de produtos.


Utilizando toda sua habilidade, iniciou a produção, vendendo o produto para seus clientes, que logo começaram a exigir um nome para o tal uísque. Foi neste momento que o uísque ganhou o nome de Walker’s Old Highland, que mais tarde seria rebatizado como JOHNNIE WALKER. Em 1857, o filho de John, Alexander, assumiu os negócios da família com a morte de seu pai, e continuou desenvolvendo e expandindo a empresa. Pouco depois, em 1860, foi criada a tradicional garrafa quadrada da marca, cujo principal objetivo era economizar espaço nas caixas. Em um segmento que utilizava principalmente garrafas redondas, rapidamente o uísque se tornou mundialmente reconhecido: um design emblemático para um uísque emblemático. Nesta época seus uísques eram enviados de navio para várias partes do mundo e através de um acordo de comissões os capitães dessas embarcações se tornaram embaixadores da marca. Em 1865 surgiu o precursor do atual BLACK LABEL, mediante a combinação de aproximadamente 40 dos melhores maltes e uísques de grãos escoceses, envelhecidos por, no mínimo, 12 anos.


Pouco depois, em 1867, foi criado o tradicional rótulo inclinado, colocado na garrafa a um ângulo de precisamente 24º, muito parecido com o atual utilizado pelo uísque BLACK LABEL. Finalmente em 1876, ele conseguiu registrar como marca o modelo da tradicional garrafa quadrada e as cores, preto e ouro, das escritas de seu rótulo. No ano seguinte foi a vez de registrar o tradicional rótulo inclinado. Em 1879 a destilaria ganhou sua primeira medalha pela alta qualidade de seus uísques, em uma competição internacional realizada em Sydney na Austrália. Logo seus uísques conquistariam medalhas também em importantes competições em Melbourne, Adelaide e Paris. Em 1880, a empresa abriu escritório na cidade Londres, por onde exportava seus produtos para o resto do mundo. Nesta época, onde poucas marcas eram distribuídas tão amplamente, a John Walker & Sons já havia estabelecido negócios em Sidney e Paris, além de agentes de distribuição na África do Sul, Estados Unidos e Índia.


Quando Alexander morreu em 1889, deixou o negócio para seus dois filhos. Alexander II ficou responsável pela produção dos uísques e George viajava o mundo estabelecendo uma ampla rede de distribuição. Em 1893 eles compraram a tradicional destilaria Cardhu, garantindo assim o suprimento de maltes excepcionais e mantendo-os longe de seus principais concorrentes. Em 1906 os irmãos Walker já possuíam três uísques no mercado, cada um deles identificado por distintos rótulos coloridos: Old Highland Whisky (envelhecido 5 anos, rótulo branco), Special Old Highland (envelhecido 8 anos, rótulo vermelho) e o Extra Special Old Highland (envelhecido 12 anos, rótulo preto). Eles achavam que diferenciar os uísques pela cor do rótulo era um jeito simples de apresentar diferentes tipos de “blend” aos consumidores. O White Label durou somente três anos. Era um uísque mais jovem, mais barato e de qualidade inferior aos outros. Temendo que um produto de baixa qualidade fosse nocivo à marca, eles decidiram descontinuar o uísque de rótulo branco.


Pouco depois, em 1909, os irmãos deram novos nomes a seus uísques em reconhecimento ao hábito de seus clientes de identificá-los pelos rótulos coloridos: era o surgimento oficial do JOHNNIE WALKER RED LABEL e do JOHNNIE WALKER BLACK LABEL. Nesta época, a preocupação em manter a tradição e a herança da marca estava impressa no slogan: “Nascido em 1820, e ainda se fortalecendo” (em inglês, “Born 1820, still going strong”). E o resultado destas mudanças não poderia ser melhor: RED LABEL tornou-se preferência mundial, uma distinção que mantém até hoje. Desenvolvido para um mercado de exportação que busca drinques longos e refrescantes, é a marca que construiu o império Walker e definiu o segmento de uísques. A empresa apostou, também, que o crescimento de seu negócio viria mais rápido se as vendas não ficassem limitadas à Escócia. Com isso, aproveitou, sabiamente, as rotas comerciais do império britânico, que na época era a grande potência do capitalismo industrial mundial, para apresentar o uísque escocês ao mundo. Uma consequência futura disso é que, ao final da Primeira Guerra Mundial, o JOHNNIE WALKER já era vendido em mais de 120 países. Muito antes da Coca-Cola, o uísque da família Walker era um produto global. Na década de 1920, a tradicional garrafa quadrada se tornou padrão para todos os uísques da destilaria. No dia 1 de janeiro de 1934, a destilaria recebeu do Rei George V a primeira Concessão Real, um sinal de excelência, qualidade e reconhecimento. Até hoje a JOHNNIE WALKER é fornecedora da Casa Real Britânica.


Ao final da Segunda Guerra, o JOHNNIE WALKER transformou-se em símbolo de status. Era a bebida preferida do estadista britânico Winston Churchill. As vendas cresceram de 1 milhão de caixas, em 1945, para 5 milhões de caixas, em 1958. Na época já era o uísque mais vendido do mundo. Nas décadas seguintes, a empresa investiu no setor de distribuição para popularizar ainda mais a marca e seus uísques pelo mundo; e, em 1970, ao comemorar 150 anos de história, criou um exclusivo estojo de presente que continha um raro blend e um sofisticado decanter de cristal, vendido ao preço de US$ 2.000. Em 1986 a JOHNNIE WALKER foi adquirida pela tradicional cervejaria irlandesa Guinness, que em 1997 se fundiria com a Grand Metropolitan para formar a britânica Diageo. No final desta década, para celebrar sua estreita relação com o golfe, foi criado o torneio JOHNNIE WALKER CLASSIC, que teve como primeiro vencedor o inglês Nick Faldo. Em 2005, foi criado o programa Keep Walking Club™, cujo objetivo era estabelecer um processo de relacionamento estreito com os consumidores, aumentando a lealdade com a marca e sua frequência de consumo.


O resto da história é o sucesso de uma marca que se espalhou pelo mundo valendo-se da experiência de quase dois séculos de visão e progresso para criar uísques da mais alta qualidade consumidos nos ambientes mais sofisticados e descolados do planeta. Afinal, durante esse longo período, JOHNNIE WALKER se tornou parte da cultura global, imortalizado por músicos e produtores de cinema, idolatrado pela nobreza real, apreciado por históricos estadistas, além de ser popular entre grandes esportistas, homens e mulheres comuns.


As embalagens dos uísques JOHNNIE WALKER são um dos componentes mais importantes da marca. Porém um produto com mais de 150 anos não poderia mantê-la sem modificações por tanto tempo, e para solucionar esse problema a marca está sempre lançando embalagens promocionais, além dos modelos tradicionais. Como parte de uma reestruturação, a empresa proprietária da marca JOHNNIE WALKER, a britânica Diageo, resolveu em março de 2012 cessar a produção de uísques na histórica destilaria de Kilmarnock, maior empregadora da pequena cidade escocesa. Em um primeiro momento a produção foi transferida para as destilarias de Leven, Fife e Shieldhall. Além disso, a marca fortaleceu suas ofertas com a linha JOHN WALKER & SONS®, uísques exclusivos e criados para comemorar grandes realizações; JOHNNIE WALKER® EXPLORERS’ CLUB COLLECTION™, inspirada nas grandes jornadas; e a linha de edições especiais dos uísques JOHNNIE WALKER disponíveis em números limitados.


A linha do tempo 
1909 
Quando George e Alexander Walker perceberam a oportunidade de desenvolver uma marca global no início do século XX, foi criado JOHNNIE WALKER RED LABEL, um uísque destilado 8 anos e antes conhecido como Very Special Old Highland Whisky, que possuía uma seleção inigualável de maltes em sua composição, garantindo assim sua superioridade. Eram mais de 35 tipos maltes, tendo como principal o Cardhu, reconhecido malte das Terras Altas da Escócia (chamadas Highlands). 
Criação também do JOHNNIE WALKER BLACK LABEL (um uísque destilado 12 anos e antes conhecido como Extra Special Old Highland Whisky), muito em virtude da demanda, no mercado internacional, por uísques com características mais suaves. Foi o primeiro a carregar a afirmação de 12 anos no seu rótulo, pois os mais de 40 maltes utilizados em composição eram, e ainda são envelhecidos por, no mínimo, 12 anos. Em 1920, já era distribuído em mais de 120 países, alcançando uma qualidade inigualável. 
1920 
Criação do uísque JOHNNIE WALKER GOLD LABEL, envelhecido 18 anos, para celebrar o centenário da empresa criada John Walker. Esse uísque inicialmente era dado apenas aos principais executivos da empresa. Seria lançado oficialmente no mercado somente em 1995. A presença de Cardhu lhe atribuía sabores fortes, ainda que suaves, de malte e carvalho. Uísques extras maduros de grãos proporcionavam um pouco do longo sabor adocicado, enquanto que o Clynelish das Highlands do norte era responsável pela incomum cremosidade aromática. O final era multidimensional e agradavelmente longo. 
1932 
Com a intenção de a garrafa acompanhar o movimento do mar nas viagens de navio, Alexander Walker II criou o blend JOHNNIE WALKER SWING (envelhecido 15 anos), inspirado na receita do tradicional Black Label. 
1991 
Lançamento do JOHNNIE WALKER PREMIER, um raro blend de suas reservas mais estimadas de maltes envelhecidos, alguns dos quais provenientes de destilarias que não produzem mais e, portanto, não podem ser substituídos. 
1992 
Lançamento do uísque JOHNNIE WALKER BLUE LABEL (feito a partir de uísques raros e envelhecido 21 anos em barris de carvalho). Este excepcional uísque foi criado pelo Master Blender, Jim Beveridge, que continuou a tradição de inigualável comprometimento para fazer os melhores uísques do mundo. Com acesso às mais valiosas e preciosas reservas de uísques, os guardiões do legado de John Walker conseguiram criar este blend excepcional. Esse uísque se tornou o preferido do ex-presidente americano Richard Nixon, um notório apreciador da bebida escocesa. Atualmente, dos 7 milhões de tonéis disponíveis para o Master Blender da JOHNNIE WALKER, apenas 1 em 1.000 possui as propriedades e os sabores excepcionais procurados para a produção do BLUE LABEL. Mais recentemente foi apresentado um novo design da garrafa deste uísque: apesar de manter sua icônica forma quadrada, a garrafa está mais estreita e com base e laterais em vidro azulado. Os maiores mercados desse uísque são Estados Unidos, Taiwan, Coréia do Sul, China, Japão, Brasil e México. 
1997 
Lançamento do uísque JOHNNIE WALKER GREEN LABEL (puro malte envelhecido 15 anos). Quatro maltes característicos proporcionam as principais influências do sabor deste uísque. TALISKER traz a força e profundidade de caráter; CAOL ILA contribui com mistério e intensidade; CRAGGANMORE dá uma qualidade de malte adocicado; enquanto LINKWOOD adiciona um toque final de requinte. 
2005 
Lançamento do JOHNNIE WALKER BLUE LABEL 1805, uma combinação de uísques que ficaram de 45 a 70 anos repousando em barris de carvalho feitos à mão na Escócia, criada para comemorar o bicentenário de nascimento do fundador da marca, Sir John Walker. As garrafas foram acondicionadas em uma caixa de madeira, com o logotipo da destilaria em ouro 18 quilates. Apenas 200 garrafas dessa preciosidade foram produzidas. 
2007 
Lançamento do JOHNNIE WALKER RED LABEL & COLA, bebida pronta para o consumo, em lata ou garrafa, que mistura o uísque RED LABEL com um refrigerante de Cola. 
2008 
Lançamento de uma série comemorativa de seu uísque mais exclusivo, o BLUE LABEL. A edição especial, batizada de KING GEORGE V, utiliza maltes especiais, alguns com mais de 70 anos. Apenas 25 garrafas do destilado chegaram ao Brasil, pelo preço de R$ 1.500. 
2009 
Lançamento, em apenas alguns mercados selecionados, do THE JOHN WALKER, mais novo integrante da família BLUE LABEL, produzido a partir de um pequeno número de uísques raros de destilarias que operavam na época em que John Walker estava vivo. Cada lote produzido preenche apenas 333 decanters de cristal Baccarat numerados individualmente. Com um gargalo de ouro 24K e tampa de cristal, o decanter vem acondicionado em uma caixa de madeira laqueada, com 11 camadas, forrada de couro e polida à mão. A embalagem, inclusive, leva 60 horas para ficar pronta. No Brasil o raro uísque chegou a ser comercializado ao preço de R$ 9.900. 
2010 
Lançamento do JOHNNIE WALKER DOUBLE BLACK, um uísque sem idade, produzido artesanalmente, em pequenos lotes e oriundo da combinação de maltes exclusivos e envelhecidos em antigos barris de carvalho carbonizados. De sabor defumado e aroma trufado intenso, esse uísque foi disponibilizado inicialmente em edição limitada em alguns dos mais importantes aeroportos do mundo. Fez tanto sucesso que no ano seguinte foi lançado em vários mercados mundiais, como edição limitada. 
Lançamento do JOHNNIE WALKER & SONS XR 21, um uísque que utiliza a combinação dos blends da reserva exclusiva e raras, maturadas por 21 anos completos. 
2011 
Lançamento do JOHNNIE WALKER PLATINUM, um blend de single malte e grãos maturados por no mínimo 18 anos, inicialmente desenvolvido especialmente para o mercado asiático. Com sabor e aroma rico e refinado, assim como o metal (origem do nome), esse blend complexo e marcante traz notas de frutas, cereais e amêndoas, combinadas com um final suave e defumado, característico da região escocesa de Isla. Os maiores mercados desse uísque são Estados Unidos, Coréia do Sul, Taiwan e Vietnã. 
Lançamento do novo JOHNNIE WALKER GOLD LABEL RESERVE, um uísque que representa a celebração à arte de blending da destilaria. Inspirado por uma tradição ininterrupta de quase dois séculos, o atual Master Blender mundial da marca, Jim Beveridge, selecionou uísques de sua reserva pessoal, incluindo barris da histórica destilaria de Clynelish, situada na região onde foi descoberto o ouro, para criar um blend rico, luxuoso e de toque vibrante. Este uísque pode ser melhor apreciado quando servido em um copo alto com gelo e uma fatia de laranja. Os maiores mercados desse uísque são Estados Unidos, Reino Unido, Taiwan, Tailândia, China e Índia. 
2012 
Lançamento do JOHNNIE WALKER EXPLORERS’ CLUB COLLECTION, uma linha com três uísques inspirados nas viagens feitas por John Walker e seus filhos pelas famosas rotas comerciais do século XVIII. A primeira série da coleção, conhecida como Trade Routes Series, apresentou três novos uísques: The Spice Road (suavidade excepcional, notas de pimenta do reino, baunilha, frutas cítricas e mel, além de sabor rico, pois é envelhecido em barris de carvalho para dar uma finalização mais intensa inspirada pelos mercados de especiarias da Índia), Golden Route (inspirado na Rota do Ouro, entre as Américas e Caribe, possui notas predominantes de frutas tropicais como abacaxi, coco, goiaba e maracujá, e final defumado) e The Royal Route (versão líquida da Rota Real da Europa à Pérsia, esta preciosidade é um uísque envelhecido em barris de Jerez e suas notas predominantes são de frutas em compotas - maçã e pera -, frutas secas - figos e pêssego -, e madeira). A linha é vendida exclusivamente em Duty Free dos principais aeroportos do mundo.


Uma joia rara e outra exclusiva 
Johnnie Walker Blue Label Baccarat é o resultado de uma parceria histórica entre a mais tradicional cristaleria do mundo e a mais renomada família produtora de uísque. Nessa edição especial e limitada, o exuberante BLUE LABEL se apresenta em um decanter Baccarat, com design que remete ao frasco de um perfume. Assim como um frasco de perfume reúne as notas mais marcantes de uma fragrância, este uísque é uma versão especial da bebida, mais intensa e concentrada. O design exclusivo Baccarat possui características que ressaltam o sabor do uísque. Essa preciosa garrafa vem em uma caixa de couro azul, com um livro que conta as origens do BLUE LABEL. Na sua composição, o Master Blend misturou os maltes mais raros e de características mais marcantes da Escócia. Não existe um número exato de maltes e nem idade mínima de envelhecimento. Com edição mundial limitada à apenas 4 mil unidades o produto é vendido hoje pelo valor de R$ 10.000. A preciosidade foi lançada no Brasil em novembro de 2005.


Tem certas coisas que o dinheiro não compra. Uma delas é o JOHNNIE WALKER DIRECTORS BLEND, criado pelo Master Blend Jim Beveridge. O exclusivo uísque não está à venda, é apenas dado como um cobiçado presente a seletas pessoas que apreciam, divulgam e são amigos da marca. A cada ano uma edição única é produzida em quantidade limitada, a de 2012 teve apenas 504 garrafas numeradas. O design do rotulo também muda a cada ano.


As casas de Johnnie Walker 
As lojas JOHNNIE WALKER HOUSE™ formam uma coleção exclusiva de embaixadas do tradicional uísque escocês fora da Escócia. São espaços de brand experience, onde o visitante pode ter uma experiência de marca única, servindo também para aproximar a marca do seu público alvo. A marca inaugurou sua primeira loja em Xangai, na China, no ano de 2011; seguindo-se as de Pequim, China, em 2012; de Seul, Coréia do Sul, em 2013; e de Chengdu, também na China. Cada loja da JOHNNIE WALKER HOUSE™ é uma exploração da tradição da marca, que convida as pessoas a embarcar em uma jornada multissensorial. É possível conhecer o processo de produção do uísque escocês em recursos visuais e decorativos, criando assim uma experiência única. As lojas são uma celebração de experiências luxuosas com o uísque, através de uma difusão de refeições sofisticadas (criadas por um chef), arte e música, que inspiram indivíduos progressistas a se reunir e criar novas expressões culturais globalmente. A inovação é essencial para as lojas, com coleções únicas e exclusivas de uísques da JOHNNIE WALKER disponíveis em cada localidade, como por exemplo, o JOHNNIE WALKER EPIC DATES, uma coleção de uísques envelhecidos por pelo menos 30 anos, ou ainda uma série comemorativa de garrafas, que uniu a marca e a cultura da China, pintando a garrafa de branca e com detalhes em azul, imitando a famosa porcelana chinesa. Além disso, patronos selecionados podem trabalhar com o misturador mestre (Master Blender), Jim Beveridge, para criar suas próprias misturas personalizadas.


Em 2014, a Diageo Global Travel anunciou a abertura de duas lojas varejistas de exposição da JOHNNIE WALKER HOUSE™ em comércio para viajantes, uma no Aeroporto Internacional Chhatrapati Shivaji em Mumbai, Índia, e outra no Aeroporto Internacional Taoyuan em Taipé, Taiwan. Esses espaços são embaixadas multissensoriais do uísque escocês, projetadas para educar e inspirar os viajantes, ao oferecer uma experiência de compra luxuosa e envolvente, que sintetiza a história, a procedência e o espírito pioneiro da marca JOHNNIE WALKER. Os viajantes podem imergir completamente na história de JOHNNIE WALKER e suas bebidas famosas, através de diversas instalações extraordinárias em paredes. Além disso, embaixadores especialistas da marca convidam para uma viagem sensorial para tocar, provar e cheirar os elementos raros que fazem os uísques da marca. O cliente é estimulado a descobrir os segredos por trás de cada blend da marca. Além dessas duas lojas, existem unidades dentro de aeroportos em Auckland (Nova Zelândia), Cingapura e Amsterdã (Holanda).


Campanhas que fizeram história 
O encontro entre o Striding Man e o conceito Keep Walking aconteceu em 1999. Peter Dee, uma equipe da Diageo e da agência de publicidade BBH, tinham como desafio unificar e construir uma marca global única, pois a comunicação era descentralizada até então. Na época, mais de 30 diferentes campanhas anunciavam o produto em todo o mundo. O Brasil foi um dos quatro países líderes na criação da campanha, que partiu da ideia de que JOHNNIE WALKER poderia inspirar o progresso pessoal. A equipe criativa conectou a história da marca, do Striding Man, com o reconhecimento de que todo homem quer progredir, resumido com brilhantismo no insight “Keep Walking”. A marca efetuou então sua primeira ação publicitária global com custo inicial de US$ 150 milhões. O conceito da campanha era simples: “continue andando”, que representava o progresso e pioneirismo dos produtores da marca. Uma nova fase da campanha com o conceito “Eu não sou o futuro. Você é”, mostrava um robô que falava diretamente com o telespectador. Ele se dizia mais forte, mais rápido e afirmava que com certeza iria durar muito mais tempo. Apesar disso, falava que se pudesse desejar algo, desejaria ser humano. Clique no ícone abaixo para assistir.

       

O filme tem grande apelo emocional porque toca na questão da imortalidade. O personagem afirma que enquanto ele só precisa evitar desgastes para ser imortal, o homem tem que fazer algo notável para tornar-se eterno. Atualmente, uma das campanhas publicitárias mais bem sucedidas do mundo, está presente em mais de 120 países ao redor do mundo.


Em um vídeo institucional sensacional a empresa conta de forma lúdica a história da marca JOHNNIE WALKER. Clique no ícone abaixo para assistir. 

     

Em setembro de 2015, a JOHNNIE WALKER lançou, simultaneamente em mais de 50 países, a maior campanha global da história da marca. Com a assinatura “O otimismo te leva mais longe” (em inglês, “Joy Will Take You Further”), o ator Jude Law como garoto-propaganda e participação do piloto de Fórmula 1 Jenson Button, do ator chinês Zhao Wei, da banda de rock norte-americana OK Go e da supermodel mexicana Montserrat Oliver, a marca busca rejuvenescer sua imagem.


O andarilho 
O famoso ícone da marca JOHNNIE WALKER, chamado de Striding Man, ou andarilho, foi criado em 1908 na mesa de um restaurante. George e Alexander II, netos de John Walker, saíram para almoçar com um talentoso cartunista chamado Tom Browne, e pediram a ele que criasse um símbolo para representar a marca de seus uísques. No verso do cardápio do restaurante o cartunista esboçou o Striding Man, que acabou sendo utilizado em anúncios natalinos já naquele mesmo ano. A tradução mais precisa do verbo “stride” é caminhar com vigor, a passos largos e com determinação. Essa era a essência da imagem que JOHNNIE WALKER tentava transmitir. A tradicional figura com cartola de pele de castor, túnica vermelha, calça branca, botas de montaria e monóculo inquisitor, representava com elegância o progresso, pioneirismo e a saga da família Walker.


O símbolo foi redesenhado através dos anos por uma sucessão de grandes artistas plásticos, entre os quais, Basil Partridge, Leo Cheney, Clive Upton e Michael Peters. Sua roupa foi alterada ocasionalmente, mas nunca perdeu o conceito de “continuar andando”, se tornando um dos símbolos publicitários mais reconhecidos no mundo e um verdadeiro ícone da indústria de bebidas alcoólicas. O ícone da marca ganhou uma reformulação visual acentuada no ano de 2000, quando JOHNNIE WALKER apresentou suas novas garrafas e rótulos. A principal diferença entre o desenho original e o atual foi a alteração no sentido da caminhada. Para reforçar a ideia do conceito “Keep Walking” e progresso, a direção foi invertida, acompanhando o sentido de leitura ocidental: da esquerda para a direita. Além desse elemento gráfico dominante, a garrafa quadrada e o rótulo inclinado sempre deram caráter próprio às embalagens de JOHNNIE WALKER. Em fevereiro de 2015 a marca apresentou um novo desenho de seu principal símbolo, remodelado pela Bloom com sede em Londres, em colaboração com o ilustrador Garry Redford: o novo visual deste ícone foi inspirado no forte carisma, charme e elegância do cavalheiro, ganhando assim mais detalhes, elementos e nitidez, especial na face. Além disso, a mão esquerda, tocando a cartola, é uma suave evolução ao gesto antigo.


Na imagem abaixo é possível visualizar melhor a diferença do antigo Andarilho e de seu novo design (à direita).


Em 2008, a JOHNNIE WALKER lançou uma campanha global para comemorar os 100 anos de criação de seu ícone. A história traçada pelo próprio John Walker, criador da marca, foi o ponto de partida para o comercial “Strides”. Com direção de Rob Sanders e aproximadamente 150 pessoas envolvidas, o comercial foi filmado durante seis dias na Hungria e na Noruega, enquanto a edição e a finalização aconteceram em Nova York e Londres. O filme, criado pela agência de publicidade BBH de Londres, tem início com o fundador da empresa empurrando um barril de uísque, ação seguida por cenas que ilustram a evolução da humanidade nos últimos cem anos. Clique no ícone abaixo para assistir ao espetacular filme.

      

A evolução visual 
A identidade visual da marca passou por algumas alterações ao longo dos anos. No início de 2000, a identidade visual da marca foi alterada: o nome JOHNNIE WALKER passou a ser posicionado abaixo do ícone e para reforçar a ideia do conceito “Keep walking”, a direção do Striding Man foi invertida, acompanhando o sentido de leitura ocidental, da esquerda para a direita. Depois, a identidade visual adotou uma nova tipografia de letra. O logotipo também passou a ser aplicado, além da tradicional cor preta, em amarelo ou dourado, dependendo da situação. Em 2011, a marca adotou uma nova tipografia de letra, muito mais nítida e refinada.


No mês de fevereiro de 2015 a marca apresentou, de forma discreta, um novo logotipo. A principal modificação foi em relação ao seu principal ícone (o andarilho), que ganhou um novo design. O logotipo pode ser aplicado em preto, dourado ou branco (com fundo preto).


Os slogans 
Joy Will Take You Further. (2015) 
Keep Walking! (1999) 
Taste life. (Red Label, 1996) 
Born 1820 - still going strong. (1908)


Dados corporativos 
● Origem: Escócia 
● Fundação: 1820 
● Fundador: Johnnie Walker 
● Sede mundial: Londres, Inglaterra 
● Proprietário da marca: Diageo plc. 
● Capital aberto: Não 
● Chairman: Franz Humer 
● CEO: Ivan Menezes 
● Faturamento: US$ 5 bilhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Valor da marca: US$ 4.540 bilhões (2015) 
● Destilarias: 28 
● Presença global: 200 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Segmento: Bebidas Alcoólicas 
● Principais produtos: Uísques 
● Concorrentes diretos: Ballantine’s, Grant’s, Chivas Regal, Buchanan’s, Cutty Sark, Dewar’s e J&B 
● Ícones: As garrafas quadradas e o homem andarilho 
● Slogan: Keep Walking. 

O valor 
Segundo a consultoria britânica Interbrand, somente a marca JOHNNIE WALKER está avaliada em US$ 4.540 bilhões, ocupando a posição de número 92 no ranking das marcas mais valiosas do mundo. 

A marca no mundo 
Atualmente a JOHNNIE WALKER possui 28 destilarias espalhadas pela Escócia, vendendo 180 milhões de garrafas por ano em mais de 200 países ao redor do mundo. A cada segundo são vendidas seis garrafas de JOHNNIE WALKER em todas as partes do mundo. É estimado que a marca JOHNNIE WALKER fature mais de US$ 5 bilhões todos os anos com a venda de seus uísques. 

Você sabia? 
O RED LABEL é o uísque mais consumido e conhecido do mundo, tendo o Brasil como um dos principais mercados globais para a marca, atrás somente dos Estados Unidos, das lojas de Duty Free e da Grécia. Tem uma fatia de 49.4% no segmento standard (oito anos), segundo o Instituto de Pesquisas Nielsen. Uma pesquisa realizada em 2013 pela publicação inglesa The Whisky Magazine, a cidade de Recife detém o maior consumo de uísque per capita do mundo. A capital pernambucana é a responsável por 40% do consumo mundial de Johnnie Walker Red Label. 
Atualmente o Master Blender da JOHNNIE WALKER é Jim Beveridge, responsável por provar e aprovar as misturas de maltes dos uísques. 
Desde 2005 a JOHNNIE WALKER possui um contrato de patrocínio com a equipe de F1 McLaren. Atualmente o valor desse contrato supera os US$ 100 milhões por um período de 5 anos. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Exame, Época Negócios e Isto é Dinheiro), jornais (Meio Mensagem, Valor Econômico, Estadão e Folha), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel, Interbrand e Mundo do Marketing), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 6/3/2016

19 comentários:

Carola disse...

Estou encalhada... tentando decifrar uma logo marca extamente igual à JOHNIIE WALKER, só que na posição inversa... me ajudem!

Romulo G disse...

Krak... to emocionado!!! Irado!!! Agora preciso ver como é a história do Red Bull.. heheheheh...

Carola, se ainda precisar de ajuda e puder explicar o que precisa tá ae o contato: rgrocha75@hotmail.com

Anônimo disse...

Alguém sabe me dizer como faço para ser associado ao Keep Walking Club?
denfm3@hotmail.com

Alexandre disse...

Que Histótia!!!!!! Admiro muito marca e agora ainda mais....só por conta disto, Vou beber ainda mais Jhonnie....

Anônimo disse...

red & black eu dispenso mas o green e Blue Coisa dos Deuses , tbm gosto do johnnie Walker SWING Ooohhh tudo de bom .

" por favor sem gelo e muito menos energético "

Anônimo disse...

Para ser sócio do Keep Walking Club, acesse www.keepwalkingclub.com.br, faça seu cadastro e aguarde um contato.

Osc@r Luiz disse...

Completíssimo!
No próximo porre de JW que eu beber (sem dirigir, é lógico), vou ser um bêbado muito mais aculturado...
Obrigado!

Anônimo disse...

Ganhei um Red do meu filho neste natal...e depois desta historia....deu uma vontade de tomar um belo copo.

andulay ansar tep joel e silva disse...

Meu pai era um profundo conhecedor ele adorava, saborear um bom whisk eu aprendi com ele, a dar valor a um bom blend, por isso prefiro Black Label.

Almeida disse...

aqueles q fazem algo notavel, merecem serem lembrados e estudados!johnny walker keep walking é assim!! parabéns, mto bom!

Anônimo disse...

além de renovar-me diariamente, tem uma bela história...
Parabéns (Gurgel)

dantas disse...

Nas minhas pescarias é essencial a presença do meu amigo JW........

FELIPE disse...

Los Amigos de Johnnie Walker!!

Irado esse site!

By Felipe Oelke Alexandre

João disse...

Faço questão de sempre ter todos os JW em casa. Eu particularmente prefiro o Swing e o Blue Label, mas amo um Black Label, um Green Label, um Gold Label (este último é pra ser tomado aos poucos) e o Red Label. Johnnie Walker tem um produto dos deuses.

Keep Walking

Anônimo disse...

Realmente é uma história estraordinaria. Nas minhas festas particulares costumo servir meus comvidados com produtos da linha jonnie wolker, sempre acompanhados de um bom croaçã!

Anônimo disse...

Afinal o Swing é envelhecido 8 ou 15 anos? O Swing é originalmente concebido a partir do Red ou Black Label? Alguem sabe realmente?

Saulo Roman

Anônimo disse...

Carola, o icone eh o mesmo.
Originalmente o Striding Man "andava" para a esquerda.
Com a reformulacao da marca, passou a andar para a direita, acompanhando a escrita da marca.
Abs
R.M.
In God we trust!

Anônimo disse...

Parabéns pelo Blog espetacular!!

Unknown disse...

Ai sim ,agora vc acertou kkk