29.6.09

LEA & PERRINS


Ele é um frasquinho bastante famoso pelo conteúdo escuro cheio de segredos, aroma contagiante e sabor absolutamente único e cativante. Mais de 170 anos de existência depois o tradicional molho de Worcestershire LEA & PERRINS, também conhecido popularmente como molho inglês, garantiu seu lugar de destaque nas melhores cozinhas, restaurantes, banquetes palacianos e receitas pelo mundo afora.

A história
Conta a tradição que lorde Marcus Sandys era um apreciador das boas coisas da vida. Nascido na região de Worcester, cidade inglesa conhecida pela indústria alimentícia e renomada fabricação de porcelana, foi para a Índia no início do século 19, na época controlada pelo Império Britânico. Desembarcando ali, na província de Bengala, da qual viria se tornar governador, uma de suas primeiras iniciativas foi procurar um grande cozinheiro. Encontrou um mestre em forno e fogão que, além de preparar-lhe pratos elegantes das culinárias ocidental e oriental, temperava-os com um molho escuro e condimentado. O profissional da cozinha se tornara conhecido por essa criação e não revelava a fórmula a ninguém. Antes de regressar à Inglaterra, porém, lorde Sandys conseguiu que ele lhe entregasse a receita do tal molho. Então, mandou comprar os ingredientes e especiarias, colocou-as na bagagem e voltou para casa.


Em 1835, chegando a Worcester, entregou aos químicos John Wheeley Lea e William Perrins, proprietários de uma pequena farmácia de manipulações fundada em 1823, uma série de ingredientes do mar e da terra: anchovas fermentadas, alho, cravo-da-índia, échalote (bulbo semelhante à cebola), extrato de carne, melaço, molho de soja, pimenta do reino, essência de tamarindo e vinagre de malte. Confiou-lhes também a receita do cozinheiro indiano e encomendou alguns litros do tal molho. Algum tempo depois, lorde Sandys apareceu para provar o resultado. Nem ele nem Lea e Perrins gostaram, deparando-se com um molho desastroso e intragável. Como o cliente nunca mais apareceu, os donos da farmácia acabaram esquecendo o barril do condimento numa prateleira empoeirada do porão. Quase dois anos depois, os proprietários precisaram de espaço e uma faxina se fez necessária. Foi quando os dois lembraram do tal molho e resolveram experimentá-lo. Para surpresa de ambos, o líquido rejeitado havia se convertido em um tempero divino de sabor especial, após ter fermentado e amadurecido. Com suas experiências na área química, concluíram que a ação do tempo tinha operado aquele milagre e que detinham uma fórmula a ser mantida secreta. Começava então a história do molho da região de Worcester preparado por Lea & Perrins.


Em 1837, começaram a produzi-lo em grande escala. Nascia assim, com a marca LEA & PERRINS, o agora cosmopolita Worcestershire Sauce (pronuncia-se “woost ur sháire sóce”), literalmente molho da região de Worcester, ou simplesmente molho inglês original como ficou conhecido no mundo inteiro. Rótulos originais do produto alimentavam ainda mais a imaginação sobre a história verdadeira do tal molho, pois não mencionavam a identidade do tal lorde ou, para muitos, baronesa. Explicavam apenas que o molho procedia “from the recipe of a nobleman in the county” (“da receita de um nobre do condado”). Entretanto, inspirado por homem ou mulher, o worcestershire sauce é hoje é uma das invenções britânicas mais conhecidas e difundidas no mundo.


Sem nenhum tipo de publicidade, em poucos anos, o molho se tornou presença constante nas cozinhas europeias. O molho chegou aos Estados Unidos em 1839, quando um empreendedor da cidade de Nova York chamado John Duncan importou pequenas quantidades dos vidrinhos pela vendê-los no mercado americano. Em um curto espaço de tempo, John estava importando grandes carregamentos do molho para atender a demanda crescente dos consumidores americanos. Nesta época, o molho inglês LEA & PERRINS era o único condimento engarrafado do mercado americano, e os consumidores pareciam adorá-lo. Em 1843, aproximadamente 14.500 vidros do tradicional molho eram produzidos e vendidos anualmente. Nos anos seguintes, o famoso molho inglês literalmente atravessou o globo quando foi servido nas mesas dos navios que entravam e saíam das águas britânicas. Em 1921, um drinque chamado “Bloody Mary” foi criado pelo barman do Harry’s New York Bar de Paris quando este misturou vodca, suco de tomate e algumas gotinhas do molho LEA & PERRINS, tornando assim o molho ainda mais famoso e místico.


Nos anos seguintes outras variações do famoso molho foram lançadas no mercado como, por exemplo, LEA & PERRINS MARINADE FOR CHICKEN (um molho especial para frangos feito com vinagre branco, alho e ervas selecionadas), LEA & PERRINS TRADITIONAL STEAK SAUCE (uma mistura de molho para carnes com o tradicional Worcestershire Sauce) e LEA & PERRINS THICK CLASSIC WORCESTERHIRE SAUCE (o clássico sabor tradicional em um molho mais grosso). Em 2006, a tradicional empresa americana HEINZ comprou a marca LEA & PERRINS que pertencia à francesa Danone.


Atualmente, apesar da fórmula exata do molho ser secreta, guardada em um cofre pela LEA & PERRINS, é sabido que consiste em: anchovas em salmoura, especiarias, extrato de tamarindo, vinagre, melaço, sal, cebola, alho e açúcar. Acredita-se que a receita ainda leve: cravo, molho de soja, limão, picles e pimentas, Após maturar por 18 meses, agitando-se o recipiente periodicamente, o molho é filtrado e pasteurizado. Seu enorme sucesso no mundo inteiro é devido a sua versatilidade, podendo ser utilizado em sopas, molhos, marinados, ensopados, cozidos, grelhados, suco de tomate, saladas (como a famosa Caesar Salad), drinques como Bloody Mary, entradas como coquetel de camarões, além de ser um apreciado condimento de mesa. Pode ser usado ainda em peixes e frango, quando misturados a outros ingredientes.


O famoso embrulho
O molho LEA & PERRINS começou a ser exportado para alguns países do mundo primeiramente de barco. Durante a viagem pelo mar algumas garrafas se quebravam. Foi então, que para protegê-las a empresa teve a ideia de embrulhá-las individualmente em um papel grosso de cor bege para que não se quebrassem durante a viagem. Com o passar do tempo e a evolução do transporte de mercadorias, o papel já não era mais necessário para prevenir acidentes. Mas, mesmo assim, a empresa manteve-o em suas garrafas como forma de simbolizar a rica história da marca e sua alta qualidade.


Os slogans
Unwrap the possibilities.
Eat proper.
What a Difference Lea & Perrins Makes! (2005)
How did you discover it?
Steak sauce only a cow could hate.
Lea & Perrins. The burger booster. (Estados Unidos e Canadá)


Dados corporativos
● Origem: Inglaterra
● Lançamento: 1837
● Criador: John Wheeley Lea e William Perrins
● Sede mundial: Worcester, Inglaterra
● Proprietário da marca: H.J. Heinz Company
● Capital aberto: Não
● Chairman & CEO: William Johnson
● Faturamento: Não divulgado
● Lucro: Não divulgado
● Presença global: 75 países
● Presença no Brasil: Sim
● Maiores mercados: Reino Unido, Estados Unidos e Canadá
● Funcionários: 300
● Segmento: Alimentos
● Principais produtos: Molho inglês e condimentos
● Concorrentes diretos: A1 Steak Sauce e French’s Worcestershire Sauce
● Ícones: Os embrulhos de suas garrafas
● Slogan: Unwrap the possibilities.
● Website: www.leaperrins.com

A marca no mundo
O famoso molho inglês LEA & PERRINS pode ser encontrado em mais de 75 países ao redor do mundo. Em cada país o molho é consumidor de um jeito, como, por exemplo, na Inglaterra onde é muito utilizado em queijo quente, já na Espanha o molho vai muito bem com saladas, no Canadá e Estados Unidos (onde é conhecido como Burger Booster) é muito utilizado para temperar carnes e em Hong Kong é usado em cima de carnes e grelhados.

Você sabia?
Os molhos LEA & PERRINS não tem colesterol, são livres de gordura e conservantes, além de conterem 80% menos sódio que os molhos de soja.
O tradicional LEA & PERRINS tem a Garantia Real concedida pela Rainha da Inglaterra, atestando sua excelência e qualidade. É a única invenção inglesa que recebeu o direito de ostentar, por decisão da Câmara Alta, o honroso título de “original e genuíno”.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 30/7/2012

Um comentário:

JOSE HM disse...

Boa noite! Que prazer ler esse texto. Pude conhecer mais sobre este tempero que aprendi a apreciar com meu falecido pai. Ele adorava temperar quase tudo com Molho Inglês. Caso você conheça ONDE, aqui no Brasil, podemos comprar o legítimo Lea & Perrins, eu ficaria muito grato pela indicação. Grande Abraço, Helder Martins, Petrópolis-RJ.