30.5.12

PIRAQUÊ


Quem não traz, entre as memórias da infância, especialmente os cariocas, os lanches com goiabinha ou com os irresistíveis salgadinhos de queijo e presunto da PIRAQUÊ? A marca carioca de biscoitos e massas, que já fazem parte da história de muitos brasileiros há mais de seis décadas, oferece delícias doces e salgadas que são presença constante a qualquer hora do dia. 

A história 
Tudo começou pelas mãos de Celso Colombo em 1950 no bairro de Madureira, zona norte do Rio de Janeiro, que fundou a empresa com a intenção de ingressar no segmento de biscoitos. Apesar de ser engenheiro agrônomo, a família tinha experiência nesse ramo, já que seu pai, o italiano Romeo, havia criado a marca de biscoitos São Luiz, vendida à suíça Nestlé no final dos anos de 1960. A inauguração da fábrica aconteceu somente em 1953, onde 200 empregados iniciaram a produção de biscoitos salgados. A nova fábrica era equipada com o que havia de mais moderno na época: a máquina Vicars, com forno contínuo, quando os equipamentos tradicionais exigiam que o biscoito fosse levado em uma bandeja até os fornos. Pouco depois, em 1957, a empresa diversificou sua linha de produtos com o lançamento das massas, nos formatos espaguete e talharini.


A história da marca PIRAQUÊ começaria a mudar radicalmente no ano de 1966 quando foi criado um dos maiores sucessos da empresa: o roladinho goiabinha. O delicioso produto, pequenos biscoitos recheados de goiaba, se tornaria popular entre gerações, e uma presença constante nas mãos das crianças durante os lanches escolares. Nos anos seguintes a empresa também inovou quando foi a primeira indústria brasileira a adotar o pacote como embalagem em um tempo em que os biscoitos eram vendidos em latas, e os caminhões passavam para recolhê-las. Em 1979 a empresa dobrou sua capacidade produtiva para atender a demanda cada vez mais crescente, especialmente os biscoitos salgados Presuntinho e Queijinho (vulgo “bolinha”), dois ícones da marca carioca. No ano seguinte a empresa diversificou radicalmente sua linha de produtos com o lançamento das margarinas. A década de 1980 foi marcada pelo aumento de sua linha de biscoitos com a introdução de cream crackers, waffers, maizenas e bolachas recheadas.


A partir de 1997 a empresa investiu mais de US$ 40 milhões na modernização de seu parque industrial, fazendo com que a produção de biscoitos e massas passasse a ser totalmente automatizada dois anos depois. Ainda em 1999, a empresa começou a atuar no nordeste e centro-oeste, e a partir do novo milênio focou no mercado paulista, até então com participação inexpressiva em suas vendas. Em 2000, a empresa iniciou a exportação de toda sua qualidade para os Estados Unidos e Japão. Nos anos seguintes a marca apostou em receitas exclusivas como a bolacha de água e sal com gergelim, além de uma nova linha de bolachas de ervas finas. O ano de 2007 foi marcado pelo lançamento de uma linha de macarrões instantâneos (disponível nos sabores galinha caipira, picanha grelhada e legumes), ampliando assim sua participação no segmento de massas. Outro lançamento de sucesso da marca foi a linha de rosquinhas, oferecidas nos sabores chocolate, coco e leite.


A PIRAQUÊ completou 60 anos em setembro de 2010. Quem conheceu a fábrica do Rio de Janeiro nos anos de 1950 não imaginaria que hoje ela tenha mais de 3.500 funcionários, e toda sua produção de biscoitos, massas e salgadinhos controlada por computadores. Dessa forma, não há contato humano na produção, garantindo um alto nível de higiene em todo o processo. Alta tecnologia também no laboratório de controle de qualidade, desde a matéria-prima até o produto final. Tudo isso para garantir que o produto chegue fresquinho a mais de 60.000 pontos de venda só no estado do Rio de Janeiro, que responde por mais de 70% de seu faturamento.


Hoje em dia a PIRAQUÊ não apenas rechaçou as ofertas de compra de multinacionais como se diversificou e incomoda os grandalhões do setor. Embora a empresa venha crescendo em percentual bem maior que a média do mercado, se prepara para implantar uma série de mudanças e modernizações. A primeira delas seria a entrada em novas categorias de produtos que apresentem sinergia com o segmento de biscoitos e massas, como salgadinhos (onde a PIRAQUÊ ingressou em 2013 com o lançamento de uma linha de batatas onduladas com a marca Carioca), refrescos em pó (cuja linha foi introduzida no mercado em 2013, com sabores como laranja, uva, tangerina, limão e maracujá), mistura para bolos, farinha de trigo e achocolatado. Além disso, em 2016, a PIRAQUÊ inaugurou uma nova e moderna fábrica em Queimados, no Rio de Janeiro.


A evolução visual 
Em 2009, o tradicional logotipo da marca, criado pela artista Lygia Pape nos anos de 1960, foi modernizado, ganhando traços mais atuais e um melhor destaque. Apesar do logotipo da marca ser vermelho, quando aplicado nas embalagens adota a cor verde.


Além disso, todas as embalagens de seus produtos foram totalmente reformuladas e ganharam um design moderno e atual. Para muitos foi um “verdadeiro crime” mexer no clássico design criado por Lygia Pape.


Essa reformulação atingiu também seu carro-chefe, o Roladinho Goiabinha.


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 1950 
● Fundador: Celso Colombo 
● Sede mundial: Rio de Janeiro, Brasil 
● Proprietário da marca: Indústria de Produtos Alimentícios Piraquê S.A. 
● Capital aberto: Não 
● Presidente: Celso Colombo Filho 
● Faturamento: R$ 750 milhões (estimado) 
● Lucro: Não divulgado 
● Presença global: 10 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 4.500 
● Segmento: Alimentos 
● Principais produtos: Biscoitos, massas e salgadinhos 
● Concorrentes diretos: Mabel, Marilan, Nestlé, Triunfo, Adria, Petybon e Aymoré 
● Ícones: O biscoito Goiabinha 
● Website: www.piraque.com.br 

A marca no mundo 
A empresa comercializa sua vasta linha de produtos, que inclui mais de 90 itens entre biscoitos (doces, recheados e salgados), massas e salgadinhos, nos principais estados brasileiros, além de exportar para alguns países da Europa e África, além do Japão e Estados Unidos. Hoje, a PIRAQUÊ é líder absoluta de mercado no Rio de Janeiro com uma fatia de 40% em biscoitos amanteigados e maizena e 25% no segmento das massas. 

Você sabia? 
A PIRAQUÊ sempre manteve um alto controle na qualidade de suas matérias-primas. Por exemplo, o gergelim utilizado em bolachas Cream Cracker é importado da Espanha. Já a goiabinha (um dos produtos mais vendidos pela marca) leva goiabada de verdade, e não polpa, como muitos dos produtos similares. 
“Piraquê” é um termo de origem Tupi que significa “entrada de peixe”, através da junção dos termos pirá (peixe) e iké (entrar). 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Isto é Dinheiro, Exame, EmbalagemMarca e Época Negócios), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 23/3/2016

4 comentários:

André Lasnor disse...

Eu adoro esses biscoitos
Me lembro, da minha época de infância, adorava comer uns biscoitos dessa marca que eram salgadinho, muito gostosos! :)

Renata lycka disse...

Gostaria tanto de encontra.los aqui na Italia, sao os meus preferidos.

Anônimo disse...

Que bom que não foi vendida pros gringo, sou fã do macarrão dos biscoitos sao os melhores !!!!!!

Clariana Monteiro disse...

É tradicionalíssima. Durante anos da minha infância o roladinho, que a gente chamava de goiabinha foi minha merenda da hora do recreio da escola. Amo. Pra mim tem gosto de infância. É como fazer uma viagem no tempo.