24.2.11

AACD


Imagine uma marca do bem, que sem visar um centavo sequer de lucro, durante mais de seis décadas trabalha pelo bem-estar de pessoas com deficiências físicas, oferecendo além de um tratamento de qualidade, carinho e amor. Essa é a AACD, a Associação de Assistência à Criança Deficiente, cuja missão é tratar, reabilitar e reintegrar portadores de deficiência física, especialmente de crianças, adolescentes e jovens, contribuindo assim para a integração social. 

A história 
Tudo nasceu do sonho de um médico paulista que desejava criar no Brasil um centro de reabilitação com a mesma qualidade dos centros que conhecia no exterior, para tratar crianças e adolescentes portadores de deficiências físicas, reabilitando-os para o convívio social e para as ocupações profissionais. Foi pensando nisso que o médico ortopedista Dr. Renato da Costa Bonfim, após fazer estágio em ortopedia infantil nos Estados Unidos, reuniu um grupo de idealistas e, no dia 3 de agosto de 1950, fundou a AACD, inicialmente conhecida como Associação de Assistência à Criança Defeituosa. Os primeiros passos do projeto foram dados em um casarão alugado da Alameda Barão de Piracicaba em São Paulo. Lá, foi instalado um centro de reabilitação e educação, em outubro de 1952, com capacidade para 23 pacientes internos e 40 semi-internos. Inicialmente o centro foi idealizado para tratar crianças com Paralisia Infantil, doença que vitimava grande parcela da população naquela época. Com o crescimento da entidade, a necessidade de arrecadar fundos tornava-se, assim, essencial. Partindo desse ponto, coube à então chamada “equipe social”, formada depois da fundação da associação, viabilizar as ferramentas que tornasse possível a sustentação da AACD. Junto com a equipe de médicos da entidade, voluntários, pessoas da comunidade e até mesmo membros do exército, formaram um verdadeiro desfile de tropas pedindo doações para a população nas ruas do centro da cidade de São Paulo.


Em 1962 a própria AACD passou a produzir diversos tipos de próteses, órteses e acessórios. Mas graças à colaboração dos primeiros doadores, a AACD pôde fundar seu primeiro centro de reabilitação em um terreno doado pela prefeitura, na Rua Ascendino Reis, bairro do Ibirapuera, no mês de junho de 1963. Ainda nesta década foram inauguradas novas unidades pela cidade. Os anos de 1970 foram importantes, entre outras coisas, pelo reconhecimento internacional ao trabalho realizado pela AACD. Com a chegada dos anos de 1980, tiveram início etapas importantes de algumas áreas assistenciais que passaram a ser oferecidas aos pacientes. Entre as quais, destaca-se o trabalho psicológico junto aos pais, assim como a implantação do departamento de Cartões de Natal, que passaram a ser produzidos e comercializados como forma de ampliar a arrecadação da AACD.


A década seguinte começou com a inauguração, em 1993, do Hospital Abreu Sodré (atual AACD Hospital) dentro do complexo da AACD Ibirapuera para atender as crianças e adultos que necessitavam de cirurgias. Em 1996, tiveram início as atividades do centro diagnóstico com a finalidade de atender a demanda de pessoas portadoras de deficiências especiais e também àquelas que não têm deficiências, mas que por alguma fatalidade momentânea necessitam realizar algum exame mais específico. O trabalho de conseguir recursos ganhou enorme impulso no final desta década, quando a entidade, com a ajuda de parceiros, passou a produzir o TELETON, que tinha como principal objetivo arrecadar fundos para a AACD. Desde então, já foram construídos 11 novos centros de reabilitação com o dinheiro proveniente deste projeto.


Em 2000, ao completar 50 anos, a AACD mudou seu nome para Associação de Assistência à Criança Deficiente, ao invés de Defeituosa, graças a um plebiscito feito entre seus pacientes, que consideraram o nome original inadequado, e não parou de crescer, construindo três fábricas de aparelhos ortopédicos e novas unidades fora de São Paulo, em cidades como Porto Alegre (2000), Nova Iguaçu (2004), Joinville (2006), São José do Rio Preto (2008), Poços de Calda (2011) e Campina Grande (2014). Além disso, em 2012, a AACD assumiu e incorporou a administração do Lar Escola São Francisco, centro de reabilitação médico que atende pessoas com deficiência física e mobilidade reduzida desde 1943.


Atualmente, a AACD conta com alguns importantes canais de arrecadação e captação de recursos: os tradicionais cartões de natal; associados e empresas que contribuem regularmente; atendimentos hospitalares de pacientes que têm condições de pagar; os famosos cofrinhos vermelhos encontrados em milhares de pontos de venda como hipermercados ou grandes redes de varejo; a produção de próteses sob medida, fornecidas a várias entidades no Brasil e no exterior; e o licenciamento de marcas (Teleton e AACD). O importante trabalho feito pela AACD nos dias de hoje pode ser medido em números: a instituição realiza todos os anos mais de 1.5 milhões de atendimentos, fabrica 76 mil produtos ortopédicos, realizada mais de 7.900 cirurgias, aproximadamente 3.500 terapias e 41.000 exames de diagnósticos. Nesses mais de 60 anos, a AACD atendeu mais de 17 milhões de crianças, jovens e adultos. Por isso tudo, cada vez mais, a AACD acredita em uma sociedade que convive com as diferenças porque reconhece em cada indivíduo sua capacidade de evoluir e contribuir para um mundo mais humano.


O Teleton 
Criado nos Estados Unidos em 1966 pelo ator e comediante Jerry Lewis, que tinha um filho deficiente físico, o TELETON é realizado anualmente em mais de 20 países da Europa, América do Norte e América do Sul. Com o objetivo de ampliar seu atendimento, que até 1998 era centralizado na unidade de São Paulo, a AACD iniciou, juntamente com o SBT (Sistema Brasileiro de Televisão), a produção do TELETON no dia 16 de maio, uma maratona televisiva que buscava conscientizar a população a respeito das possibilidades de um deficiente físico, gerando grande mobilização social. Além de prestar contas das atividades realizadas pela AACD, é uma das principais ferramentas de captação de recursos da instituição.


Em sua primeira edição, o projeto arrecadou R$ 14.855.000, que foi utilizado para a construção de uma nova unidade da AACD em Recife (PE) em 1999 e na reforma da unidade da Mooca, em São Paulo. A 17ª edição do evento foi realizada no final de 2014, onde mais uma vez a AACD contou com a parceria do SBT, responsável pela geração e transmissão do evento para todo o país, durante mais de 24 horas, ao vivo, para arrecadar mais de R$ 30 milhões, superando a meta estabelecida. A edição recebeu mais de 180 artistas, 145 personalidades da internet e 37 atrações musicais no palco. O dinheiro arrecadado neste ano foi utilizado para a manutenção dos 15 centros de reabilitação espalhados pelo Brasil, além de um hospital.


Em 2012 o Teleton apresentou uma nova identidade visual, que seria adotada pela AACD no ano seguinte.


A evolução visual 
O logotipo da AACD passou por algumas modificações ao longo dos anos. Em 2000, com a mudança de nome para Associação de Assistência à Criança Deficiente, foi adotada uma nova identidade visual, que manteve a criança com muletas, mas em uma nova interpretação. Nos anos seguintes a identidade visual foi sendo aprimorada. As grandes mudanças ocorreram na modernização do tradicional bonequinho, que representa uma criança apoiada na primeira letra A como se fosse uma muleta, e no aumento da grossura da fonte da letra.


Em 2013, ocorreu a renovação da logomarca institucional após constatar que a marca não refletia mais a realidade da instituição junto à sociedade. Afinal, nesse novo cenário, o objetivo inicial da reabilitação ampliou-se para a integração social e a busca pela autonomia das pessoas com deficiência física. O estudo chegou à proposta de unir a marca AACD, que apresenta tradicionalmente o significado de palavras-chave, como solidez, competência, ética, excelência, superação, autonomia, dedicação e alegria, com a nova marca do Teleton (apresentada em 2012), que possuía uma excelente visibilidade. Assim o novo logotipo adotou conceitos como alegria, vibração e o calor. Também foram utilizadas formas orgânicas, que transmitissem a ideia do movimento, da multiplicidade, profundidade e amplitude.


Os slogans 
Vida é movimento. (2013) 
Você faz parte dessa história. 
As diferenças acabam aqui. (2005)


Dados corporativos 
● Origem: Brasil 
● Fundação: 3 de agosto de 1950 
● Fundador: Dr. Renato da Costa Bonfim 
● Sede mundial: Cidade de São Paulo, São Paulo, Brasil 
● Proprietário da marca: Associação de Assistência à Criança Deficiente 
● Capital aberto: Não (instituição sem fins lucrativos) 
● Presidente emérito: Carlos Alberto Magalhães Lancellotti 
● Presidente: Regina Helena S. Velloso 
● CEO: João Octaviano Machado Neto 
● Arrecadação: R$ 346 milhões (2013) 
● Centros de reabilitação: 15 
● Presença global: Não (presente somente no Brasil) 
● Colaboradores: 4.300 (funcionários e voluntários) 
● Segmento: Terceiro setor 
● Principais produtos: Terapia, atendimento, cirurgias e aulas para portadores de deficiência 
● Ícones: O projeto Teleton 
● Slogan: Vida é movimento. 
● Website: www.aacd.org.br 

A marca no Brasil 
Hoje em dia a AACD, uma entidade privada sem fins lucrativos, realiza mais de 1.5 milhões de atendimentos (incluindo cirurgias, consultas, aulas, terapias) por ano em 15 unidades distribuídas por seis estados do país: AACD Ibirapuera (SP), AACD Mooca (SP), AACD Osasco (SP), AACD São José do Rio Preto (SP), AACD Campo Grande (SP), AACD Mogi das Cruzes (SP), AACD Santana (SP), AACD Recife (PE), AACD Uberlândia (MG), AACD Porto Alegre (RS), AACD Nova Iguaçu (RJ), AACD Joinville (SC), AACD Poços de Calda (MG) e AACD Campina Grande (PB). Além disso, a AACD possui 4 escolas que oferecem formação acadêmica básica (do jardim 1 à 4ª série do ensino fundamental) aos pacientes com condições cognitivas preservadas; seis oficinas de aparelhos ortopédicos, um centro de diagnósticos e um hospital (com 115 leitos, incluindo os setores de internação e a UTI, e que possui um dos mais completos centros tecnológicos do país para cirurgias ortopédicas). A instituição também conta com uma loja ortopédica que oferece ao consumidor produtos médico-hospitalares de uso comum, como imobilizadores, cadeiras de rodas, cadeiras de banho, andadores e muletas, bengalas e estabilizadores, joelheiras, cadeiras para autos e produtos pós-cirúrgicos. Esse trabalho de importante alcance social respalda-se na sensibilidade, consciência e participação de muitos brasileiros, que contribuem efetivamente para o funcionamento e desenvolvimento da instituição. Para cumprir essa missão, a AACD conta com doações espontâneas, realiza campanhas e projetos, vende produtos e firma parcerias. 

Você sabia? 
As clínicas em atividade na AACD são: Paralisia Cerebral, Lesão Medular, Lesão Encefálica Adquirida (Infantil e Adulto), Mielomeningocele (conhecida como Espinha Bífida), Malformações Congênitas, Amputados, Doenças Neuromusculares e entre outras. Cada uma dessas clínicas possui um grupo de profissionais habilitados em fornecer um tratamento consistente e uniforme ao paciente. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa, revistas (Veja, Isto é Dinheiro, Exame e Época Negócios), jornais (Valor Econômico e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (Mundo do Marketing) e Wikipedia (informações devidamente checadas). 

Última atualização em 23/2/2015

3 comentários:

Romulo disse...

Incrível como as expressões mudam com o passar do tempo, o nome inicial da asssociação utilizando a expressão "defeituosa" jamais seria aceito hoje pelo infame "politicamente correto", parabéns a todos envolvidos neste grande projeto.

Sex Shop disse...

Muito Bom, são poucos blogs que fazem um trabalho como o seu. Gostei muito.

Cinara Cristiane disse...

Amor e se trabalho e além disso tenho um filho que recebi todo apoio preciso agradeço a Deus por te usando algumas pessoas para colocar esse projeto a frente que Deus possa recompensa a todos