7.6.06

CADILLAC


Se existe uma montadora de automóvel que virou sinônimo de luxuosos e grandes carros, além de limusines, essa marca é a americana CADILLAC. Poucas marcas definem a ousadia americana em design automobilístico como tal, que ao longo de mais de um século conquistou clientes importantes como presidentes, ministros e astros do cinema e do esporte, que desfilam com seus automóveis imponentes com muito orgulho. 

A história 
A história começou em 1890, quando Henry Martyn Leland se uniu a Robert C. Fauconer para fundar na cidade de Detroit a Leland Falconer & Norton, uma empresa especializada em produzir conjuntos de engrenagens e ferramentas de precisão. Leland possuía grande experiência com equipamentos mecânicos, pois havia trabalhado antes na indústria de armas Colt e na Brown & Sharp, que produzia micrômetros e outros equipamentos de precisão, adquirindo assim sua obsessão pela precisão. A crescente demanda por bicicletas no final do século XIX fez com que a empresa prosperasse como fornecedora de engrenagens. Na virada do século, um construtor de automóveis chamado Ramson Eli Olds contratou a empresa, agora chamada L&F, para produzir conjuntos de transmissões para seus carros que não apresentassem os problemas de ruídos que as feitas por ele próprio estavam tendo, e que pudessem ser intercambiáveis entre automóveis sem necessidade de remanufatura.


Tamanho foi o sucesso das transmissões feitas pela L&F, que esta conquistou em 1901 um contrato para fornecer aproximadamente 2.000 motores para Olds. Os motores construídos por Leland forneciam uma potência 3.7 HP contra 3.0 HP dos motores fornecidos pelos irmãos Dodge, atingindo ainda maior velocidade com menor atrito do que os de seu concorrente. Ainda não satisfeito com o desempenho de seus motores, Leland usou toda a sua experiência para aperfeiçoar o original desenvolvendo um novo motor capaz de atingir 10.25 HP, o qual foi oferecido à própria Olds. No entanto a empresa estava satisfeita com o resultado das suas vendas e preferiu não investir no novo motor que aumentaria seus custos e demandaria tempo para adaptar o método de fabricação de seus carros.


No ano de 1902 dois investidores, William Murphy e Lemuel W. Bowen, procuraram Leland para oferecer-lhe uma empresa que estava sendo liquidada. Essa empresa, fundada em 1899 com o nome de Detroit Automobile Company, havia fabricado alguns poucos carros antes de pedir falência no ano seguinte. Em 1901 foi reerguida e reorganizada pelo seu mecânico chefe que a rebatizou com o seu próprio nome, Henry Ford Company. Porém depois de três meses a empresa estava novamente falida e Henry Ford, ele mesmo, que fundaria a Ford pouco depois, deixou a sociedade. Os investidores então procuraram Leland com o objetivo de oferecer-lhe a fábrica e os maquinários da empresa. Após inspecionar a fábrica, ele teve uma grande ideia e procurou os investidores com o objetivo de convencê-los a desistirem de se desfazerem do empreendimento. Ele demonstrou que acreditava no futuro do automóvel e que lhes tinha a oferecer um novo motor, o mesmo que foi oferecido anteriormente a Olds, com quase o triplo da potência dos que eram usados, além de apresentar muito menos problemas que os demais disponíveis no mercado. Impressionados com a oferta, os investidores não só aceitaram sua ideia como também o colocaram no comando da nova empresa. Oficialmente no dia 22 de agosto de 1902, na cidade de Detroit, surgia a CADILLAC AUTOMOBILE COMPANY. O primeiro carro da nova montadora (um mono-cilindro) ficou pronto no dia 17 de outubro e foi desenhado e projetado pelo próprio Henry Leland. O veículo era alto devido às péssimas estradas americanas da época e ficou conhecido como Runabout.


No ano seguinte a montadora expôs no salão do automóvel de Nova York o novo modelo CADILLAC por US$ 850 e obteve 2.286 pedidos, terminando o ano com 2.500 carros produzidos. Em 1905 a empresa lançou o CADILLAC OSCEOLA, cilíndrico único, iniciando assim um tímido processo para a produção de carros com capota totalmente fechada. Pouco depois, em 1908, a montadora tornou-se a primeira empresa americana a ganhar o prêmio Dewar Trophy, concedido pelo renomado Royal Automobile Club of London, graças aos seus avanços automotivos. Na época, três modelos CADILLAC escolhidos aleatoriamente foram totalmente desmontados e seus componentes misturados, para em seguida serem remontados. A ideia serviu para provar que as peças eram intercambiáveis, ou seja, não necessitavam de nenhum ajuste para se enquadrarem ao veículo. Tal proeza garantiu-lhe o famoso prêmio. O sucesso da montadora chamou a atenção da General Motors, que em uma transação milionária para a época pagou aproximadamente US$ 5.6 milhões pela CADILLAC em 1909. Nesse mesmo ano a empresa produziu a primeira limusine do mundo.


A CADILLAC revolucionou o mercado de automóveis nos anos seguintes com a apresentação de novidades tecnologias e inovações, como por exemplo, carros totalmente fechados e a partida automática em substituição as antigas e desconfortáveis manivelas. Além delas, o motor V8 foi o principal motivo de confiabilidade do público em relação à marca. Pesquisas da época revelavam que a confiança nos motores V8 utilizados pela CADILLAC era tão grande que despertou até o interesse do departamento de guerra dos Estados Unidos. Dessa forma, aproximadamente 2.000 motores V8 foram utilizados na Primeira Guerra Mundial. Durante o conflito, os motores aeronáuticos tiveram um grande desenvolvimento técnico. Leland queria apostar tudo no motor aeronáutico Liberty, dedicando a ele 100% de sua capacidade produtiva. O conflito com Durant foi inevitável e, em consequência, ele e seu filho se retiraram da GM em junho de 1917 e formaram a Lincoln Motor Co., que seria mais tarde a grande rival da CADILLAC no mercado americano.


No ano de 1924 a empresa, de forma pioneira, oferecia uma grande quantidade de cores e pinturas cromadas, enquanto outras montadoras somente disponibilizavam a cor preta. Nesta década a montadora inovou mais uma vez ao se tornar a primeira do setor a utilizar em 1927 um designer, Harley Earl, que algum tempo depois ficaria conhecido como o “Da Vinci de Detroit”, no lugar de um engenheiro para projetar a carroceria de seus carros. Earl sabia exatamente o que os carros necessitavam para cativar as pessoas. Suas habilidades o levaram a assumir a recém-criada seção de artes e cores da GM, outro pioneirismo de grande repercussão. No ano seguinte, a GM também incorporou duas grandes empresas que produziam carrocerias exclusivas para CADILLAC, a Fisher e a Fleetwood, o que contribuiu bastante para o aprimoramento da linha de automóveis da marca. Na verdade os métodos de precisão criados por Leland, associados ao pioneirismo no uso de tecnologias de ponta criou uma imagem de qualidade e confiabilidade em torno da marca.


Outro fator que muito contribuiu para aumentar o prestígio da marca CADILLAC foi o fato de ter se tornada a preferida e eleita da emergente classe artística de Hollywood dos anos de 1920 em diante. A imagem de artistas dessa época como Clara Bow, Willian Boyd, Joan Crowford, Dolores Del Rio e Marlene Dietrich, chegando a bordo de suntuosos automóveis CADILLAC nas “avant-premières” de seus filmes acabaram emprestando a marca muito do “Glamour” de Hollywood desses anos. Outras classes que também adotaram os modelos da marca foram os chefes de estado, membros da nobreza, magnatas, artistas de outras áreas e intelectuais renomados. Os modelos da CADILLAC também eram bastante apreciados pelos gangsters da época, haja vista que a sua potência extra os dava capacidade de fuga rápida nas situações de perigo. Dentre eles, Al Capone foi um dos maiores entusiastas da marca.


Em virtude da queda nas vendas durante a Grande Depressão Americana, em 1932, a GM por pouco não descontinuou a produção dos modelos CADILLAC, porém após reformulações na sua estratégia de marketing a empresa voltou a se recuperar a partir de 1934. Outras inovações tecnológicas continuaram a serem incorporadas à linha CADILLAC, como a opção pelos motores V-12 e V-16 oferecidas a partir de 1930; a primeira a adotar o uso de parafusos Philips, que diminuía o tempo de montagem de seus carros, assim como foi pioneira ao oferecer os primeiros carros de luxo com transmissão automática. Os modelos de 1938 sofreram uma grande re-estilização de sua carroceria que lhes deu uma aparência mais moderna: sua frente se tornou mais pronunciada e aparecendo, pela primeira vez, a palavra CADILLAC gravada no pára-choque frontal. Além disso, nesse ano, Franklyn Q. Hershey, um dos designers da divisão de Harley Earl, introduziu na linha CADILLAC os famosos “rabos-de-peixe” (imagem abaixo), inspirados na indústria aeronáutica, que iriam influenciar o desenho não somente dos automóveis da marca como também o de praticamente todos os carros americanos por toda a década de 1950. Baseado nos caças que tinham dupla fuselagem e dupla cauda, os carros possuíam duas aletas saindo do pára- lamas traseiros. Durante a Segunda Guerra Mundial, em 1941, a frente dos automóveis CADILLAC foi inteiramente redesenhada, tendo-se adotado o estilo que prevaleceria até 1948. A grade do radiador passou a ocupar quase toda a parte frontal do carro que ficou mais reta, a tampa do capô mais larga na frente e mais alta, e os faróis foram incorporados aos pára-lamas.


Como toda indústria automobilística americana, a CADILLAC interrompeu a produção de automóveis em virtude da Segunda Guerra Mundial, e se concentrou na produção de itens militares como os tanques M-24 Chaffee equipados com motores V8, as transmissões HidraMatic para blindados, componentes de motores Allison para os aviões V12 e até um levíssimo carro de combate denominado M-24. No período pós-guerra a demanda por carros novos nos Estados Unidos foi muito intensa e entre os modelos mais procurados estavam justamente os da marca CADILLAC. Estes voltaram a ser produzidos ainda no final de 1945, quando foi lançada a linha para 1946, que nada mais eram que os modelos de 1942 com poucas alterações.


Em 1949, além de produzir seu automóvel de número um milhão, apresentou o novo motor V8 de alta compressão. Menor e mais leve que o anterior, deu ao CADILLAC o título de um dos carros mais rápidos da América naquele período. Os anos de 1950 foram uma época em que os automóveis CADILLAC, o produto de maior apelo visual da GM, tornaram-se verdadeiros sonhos sobre rodas, repletos de exuberantes pára-choques cromados que refletiam toda a euforia econômica em que vivia a América do pós-guerra. Um de seus grandes clássicos foi apresentado em 1953 e ficou conhecido como ELDORADO. Era o primeiro carro luxuoso feito somente por encomenda e ao longo dos anos o modelo foi aprimorado. O Eldorado Brougham que surgiu em 1957, por exemplo, recebeu suspensão a ar, pneus de perfil baixo, controle de calefação e ar-condicionado, faróis diferenciados e teto fabricado em aço inoxidável. A partir dos anos de 1960, seguindo a tendência da indústria automobilística da época, os carros da marca tornaram-se menos chamativos, acompanhando discretamente ao final desta década o design dos “muscle cars” típicos do período. Porém foi durante a crise do petróleo na década de 1970 que a marca iniciou uma fase de decadência: o aumento no preço da gasolina tornou os grandes carros da CADILLAC economicamente inviáveis, obrigando-a a reduzir seu tamanho, tirando-lhes o seu principal apelo chamativo e tornando-os pouco distinguíveis dos demais.


O final da era do “Glamour” Hollywoodiano, expondo os hábitos decadentes da classe artística como o alcoolismo e o consumo de drogas, associado à imagem bastante explorada nos filmes dos chefes das quadrilhas do Harlem em exuberantes modelos CADILLAC de segunda mão que agora eram oferecidos a preços irrisórios, acabou trazendo a marca um certo ar de decadência e vulgaridade. Dos anos de 1980 em diante os modelos da marca praticamente caíram no ostracismo, com a preferência dos mais abastados recaindo sobre as marcas europeias de maior prestígio, em cujos carros conseguiram conciliar luxo, qualidade e desempenho com economia de forma mais eficiente que a CADILLAC.


Mesmo assim, nesta década, em 1984, a CADILLAC apresentou o Gold Key Delivery Sistem (sistema de entrega “chave de ouro”), um programa de procedimentos de entrega de unidades 0 km em todas as concessionárias. Esta atenção especial ao cliente e ao seu automóvel (dupla inspeção pré-entrega, descrição de todos os equipamentos durante o uso inicial, um jogo de duas chaves de ouro, entre outros cuidados) permitiu a CADILLAC subir ao primeiro lugar na pesquisa anual de satisfação do cliente. A partir de meados da década de 1990 a CADILLAC começou a recuperar seu status de luxo lançando no mercado modelos que utilizavam tecnologia avançada e linhas modernas e atraentes. O CADILLAC modelo DTS, lançado em 2006, foi o 19º introduzido no portfólio da marca desde 2001 e fez parte da estratégia da montadora em buscar consumidores mais jovens, junto com os modelos CTS, SRX, XLR e STS. Sua lista de carros lendários é imensa. Fora os já citados vale a pena destacar ainda o Phaeton, primeiro carro-conceito da marca chamado de Osceola, o Biarritz, o DeVille, o Fleetwood, o Catera, o Allante, o Seville STS, além dos mais recentes, como o CTS-V e o utilitário esportivo Escalade. Orgulhos de uma empresa que, com mais de 114 anos de uma rica história, ainda mantém fôlego suficiente para encantar o mundo. Afinal, CADILLAC é muito mais que automóveis grandes e confortáveis. É símbolo de glamour, arrojo, poder, luxo e excelência.


Mais recentemente a CADILLAC iniciou uma espécie de reconstrução da marca no mercado mundial através de inúmeros lançamentos como o luxuoso sedã CT6, descrito pela empresa como “uma obra-prima da tecnologia” e o novo utilitário esportivo XT5, ambos repletos de alta tecnologia e inovações exclusivas. Entre as novidades que a marca prepara para os próximos cinco anos estão um novo SUV top de linha, que ficará acima do Escalade, e um sedã compacto de tração traseira para disputar mercado com o Audi A3 Sedan e o Mercedes-Benz CLA. Tudo para enfrentar a pesada e moderna concorrência estrangeira – em especial, alemã. Outra novidade recente é o Book by Cadillac, um serviço de assinatura de aluguel que oferece acesso aos automóveis de luxo da marca mediante o pagamento de uma quantia mensal de US$ 1.500. A vantagem é que o membro do “clube” fica livre de compromissos como leasing, financiamento ou compra. Para solicitar o veículo, basta um clique no aplicativo específico do serviço e o carro será entregue via concierge no local desejado. O programa está disponível inicialmente na região metropolitana Nova York, mas não há limite de quilometragem caso o membro queira viajar para outras cidades.


A linha do tempo 
1949 
Lançamento do CADILLAC DE VILLE, um cupê de grande porte tipicamente americano, com dimensões superiores a cinco metros de comprimento, quase dois metros de largura e com peso médio de aproximadamente duas toneladas. O nome DeVille foi usado em vários modelos de luxo da CADILLAC. O nome DeVille foi substituído por DTS (DeVille Touring Sedan) para o novo modelo do ano 2006. 
1953 
Lançamento do CADILLAC ELDORADO, vendido por US$ 7.750 (em valores atualizados equivaleria a US$ 55.000), sendo na época o carro mais caro a venda nos Estados Unidos. Com sua produção restrita, e seu alto preço, teve apenas 532 unidades fabricadas, uma das quais usadas pelo presidente Dwight Eisenhower no dia de sua posse. Nas décadas seguintes outros modelos adotaram o nome ELDORADO e passaram a ser produzidos regularmente até 2002. 
1975 
Lançamento do CADILLAC SEVILLE, um compacto sedã luxuoso que se tornou um verdadeiro sucesso. O modelo foi fabricado até 2004. Era o menor automóvel produzido pela montadora. 
1997 
Lançamento do CADILLAC CATERA, sedã de porte médio/grande inspirado no Omega alemão. O modelo foi um verdadeiro fracasso de vendas e teve a produção encerrada em 2001. 
1999 
Lançamento do CADILLAC ESCALADE, um utilitário esportivo de porte grande, disponível em dois modelos, o XLR e o SRX. É um dos modelos de maior sucesso da marca nos Estados Unidos, vendendo mais de 550 mil unidades ao longo dos anos. A linha conta ainda com o modelo ESV (maior e mais luxuoso) e a EXT (versão cabine dupla), além da versão híbrida. Em 2015 foi apresentada a quarta geração do imponente modelo. 
2002 
Lançamento do CADILLAC CTS, um sedã esportivo de luxo de médio porte. O novo modelo vinha equipado com motor V6 3.2 de 220 cavalos de potência e três opções de carroceiras (4 portas, 2 portas e perua). 
2003 
Lançamento do CADILLAC SRX, um utilitário esportivo de porte médio disponível em duas versões: motor 3.6-V6 (260 cv) e motor 4.6-V8 (315 cv). O modelo, a partir de sua segunda geração (introduzida em 2010), foi um entoem sucesso nos Estados Unidos, figurando como modelo mais vendido de sua categoria. Em 2016 a produção do modelo foi encerrada. 
Lançamento do CADILLAC XLR, um roadster conversível de dois lugares com linhas modernas e agressivas, equipado com motor V8 de 4.6 litros e 315 cv de potência. O requinte e o luxo continuaram sendo marcas registradas da CADILLAC com o uso de madeira nobre e detalhes cromados no interior do conversível. Foi produzido até 2009 e vendeu pouco mais de 15 mil unidades no mercado americano. 
2004 
Lançamento do CADILLAC STS, um luxuoso sedã de grande porte sucessor do CADILLAC SEVILLE. O sedã marcou o início da disputa da CADILLAC com os fabricantes alemães de prestígio. Para isso o carro trazia itens sofisticados, como projeção das principais informações da instrumentação no pára-brisa, sistema de som com 15 alto-falantes e alguns itens acionados por comando de voz. O modelo foi produzido até 2011 nos Estados Unidos e 2013 na China. 
2005 
Lançamento do CADILLAC DTS (DeVille Touring Sedan), um sedã de grande porte luxuoso sucessor do modelo lendário DeVille. O moderno e arrojado modelo chegou a se tornar o automóvel mais vendido dos Estados Unidos em sua categoria e teve sua produção encerrada em 2011. 
Lançamento do CADILLAC BLS, um sedã luxuoso de porte médio desenvolvido especialmente para o mercado europeu. Em 2010 sua produção foi encerrada. 
2009 
Lançamento da versão híbrida do modelo ESCALADE. Apesar de manter o propulsor 6.0l V8 de 332cv, amparado por uma série de baterias, o utilitário era aproximadamente 50% mais econômico, segundo dados da montadora. 
Apresentação no Salão de Detroit do CADILLAC CTS-V, o modelo mais potente de toda a história da marca americana até esta então. Nascido com a missão de desbancar o BMW M5 do título de sedã mais rápido produzido em série o carro dá um verdadeiro show nas pistas, acelerando de 0 a 100 km/h em 4 segundos, impulsionado por um motor V8 de 6.1 litros com 556 cavalos de potência. 
2010 
Lançamento do CADILLAC CTS-V WAGON, uma luxuosa perua com ares esportivos e produção limitada. O modelo tinha espaço para cinco passageiros, atingia 305 km/h de velocidade máxima e acelerava de 0 a 100 km/h em 4 segundos. 
Lançamento do CADILLAC CTS COUPE. O design do CTS seguia um novo conceito visual da marca, batizado de “Art and Science” (arte e ciência), que rejeita soluções retrô, adotadas por algumas linhas dentro da própria General Motors, em favor de um estilo inédito, “mais apropriado para o século 21”. 
2012 
Lançamento do CADILLAC ATS, um sedã compacto de luxo oferecido inicialmente apenas com um motor quatro cilindros 2.0 Turbo de 273 cv, associado a uma caixa de transmissão manual ou automática de seis velocidades. Os níveis de acabamento são quatro: Elegance, Luxury, Performance e Premium, este último o topo de linha que não admite opcionais. A versão “mais nervosa” do modelo (ATS-V) foi lançada em 2016, oferecendo muita esportividade e tecnologia, com motor capaz de gerar 464 cv. 
2013 
Lançamento do CADILLAC ELR, primeiro carro elétrico da marca. O cupê foi um verdadeiro fracasso de vendas e sua produção foi encerrada em 2016, com apenas 2.958 unidades vendidas nos Estados Unidos e Canadá. 
2016 
Lançamento do CADILLAC CT6, um luxuoso sedã de grande porte, que carrega sob o capô um motor V6 turbo com 400 cavalos de potência e um sistema de transmissão de oito velocidades. A carroceria é composta por 64% de alumínio com aplicações de aço de alta resistência. Internamente o carro vem com diversas novas invenções únicas da marca, como uma câmera que grava um vídeo a 360 graus ao redor do carro, juntamente com uma tecnologia de visão noturna de terceira geração do entorno do veículo. O carro conta com assentos traseiros reclináveis e aquecidos e telas de 10 polegadas (25,4 centímetros) na parte de trás, além de 34 caixas de som Bose especializadas e um carregador de telefone de bordo com Wi-Fi. 
Lançamento do CADILLAC XT5, um novo utilitário esportivo médio e sucessor do SRX. Sob o capô, um motor turbinado V6 de 3.6 litros capaz de extrair até 335 cv. A tração é dianteira ou opcionalmente integral.


As inovações 
Durante toda sua história, a CADILLAC introduziu muitas inovações técnicas que ajudaram a manter sua liderança e aperfeiçoar a indústria automobilística mundial: 
1903 
● Apresentação de um motor monocilíndrico de 10HP considerado por muitos como o mais confiável e fácil de operar de sua época. Atingia 50 km/h. 
1905 
● Torna-se pioneira no segmento de automóveis multicilindros ao apresentar o motor de 4 cilindros. 
1908 
● Primeira montadora americana a receber o Dewar Trhophy do Royal Automobile Clube of London, por ser pioneira na fabricação de automóveis com peças intercambiáveis. 
1910 
● Primeira a oferecer carrocerias fechadas. 
1912 
● Primeira a utilizar sistema elétrico de lâmpadas e motor de arranque (conhecido como Delco). O anúncio da época dizia: “O primeiro automóvel sem manivela de partida”. O Delco foi base para todos os sistemas de partida elétrica para automóveis usados até hoje, e na época solucionou o principal problema para que as mulheres pudessem dirigir, o complicado sistema das manivelas de partida, aumentando dessa forma as perspectivas de mercado para os automóveis. 
1915 
● Primeira a oferecer um automóvel de série com motor V-8. O V-8 não foi criação da CADILLAC, mas foi o primeiro que, graças a seu desenho e cuidados na montagem, alcançou a confiabilidade necessária para ser utilizado em automóveis. 
1923 
● Lança o freio nas quatro rodas. 
1928 
● Primeira a instalar vidros de segurança como equipamento de série e a introduzir caixa de mudanças que eliminava a necessidade de dupla embreagem. 
1930 
● Primeira a construir um motor a 45º em V, de 16 cilindros. Mais tarde introduziu o 45º em V, 12 cilindros, sendo o único fabricante a oferecer uma linha completa equipada com motores V-8, V-12 e V-16. 
1933 
● A primeira suspensão dianteira independente apareceu em um CADILLAC experimental. 
1937 
● Lança os freios hidráulicos e o primeiro carro feito em série no mundo a ter motor V 16 (modelo 452). 
1938 
● O teto solar se tornou disponível para os modelos da marca. 
1954 
● Primeira a oferecer direção hidráulica e limpador de pára-brisa como equipamentos de série. 
1964 
● Primeira a desenvolver controle automático de calefação e ar-condicionado. 
1965 
● Primeira a utilizar volante regulável. 
1970 
● Oferece o maior motor do mundo utilizado em veículos de série: 8.200cm3 e 400HP, no modelo Eldorado. Oferece também um controlador eletrônico anti-bloqueio de freios como opcional. 
1974 
● Oferece Duplo Air Bags como equipamento de série em todos os modelos DeVille, Fleetwood Brougham e Eldorado. 
1975 
● Primeira a oferecer injeção eletrônica com analisador. 
1978 
● Primeira a oferecer computador de bordo no CADILLAC SEVILLE. 
1980 
● Introduz a injeção eletrônica digital, com autodiagnóstico e controles microprocessados, além de catalisador. 
1985 
● Primeira a equipar um veículo de 6 passageiros com um V-8 transversal, tração dianteira (CADILLAC DE VILLE).


A limusine presidencial 
Um dos primeiros presidentes dos Estados Unidos a usar um automóvel CADILLAC foi Woodrow Wilson, que comandou nas ruas de Boston a parada de comemoração da vitória na Primeira Guerra Mundial. Era um reluzente CADILLAC 1928. Em 1930, dois modelos conversíveis, batizados de “Queen Mary” e “Queen Elizabeth” foram entregues ao governo dos Estados Unidos. Os enormes carros foram batizados com os nomes dos transatlânticos não por acaso e, além de gigantescos, eram equipados com verdadeiro arsenal de munição, rádio para comunicação e grandes geradores. Estes dois veículos serviram aos presidentes Roosevelt, Truman e Eisenhower. Eisenhower, que gostava de dirigir, teve sua parada de posse realizada a bordo de um CADILLAC ELDORADO 1953. Este veículo tinha um protetor de sol junto ao pára-brisa, que rapidamente se transformou em moda. Em 1956, os “Queens” foram aposentados e deram lugar a outras duas enormes limusines, “Queen Mary II” e “Queen Elizabeth II”, sempre bem armadas, com equipamentos de comunicação e pneus especiais, a prova de bala. Estes veículos serviram aos presidentes Eisenhower, John Kennedy (que morreu em 1963 a bordo de um Lincoln) e Lindon Johnson. Os dois carros foram aposentados em 1968. Para o presidente Ronald Reagan foi destinado um CADILLAC Fleetwood Limousine 1983, enquanto um CADILLAC Fleetwood Brougham foi entregue para Bill Clinton em 1993. Como os anteriores, o Brougham presidencial foi desenhado, desenvolvido e produzido totalmente pela CADILLAC. Tudo com o máximo de proteção possível aos ocupantes, inclusive sem teto solar ou fechaduras externas.


Em 2005, pouco depois da reeleição do presidente Geoge W. Bush, uma limusine CADILLAC DTS, considerada um “estado de arte” sobre rodas atravessou a capital americana, Washington, durante a “Presidential Inaugural Parade” (o tradicional desfile de posse dos presidentes), antecipando um pouco das linhas do que seria o CADILLAC DTS 2006. O modelo de linha foi apresentado um mês depois, em fevereiro, no Salão do Automóvel de Chicago. Similar ao DTS, a limusine presidencial tinha desenho extremamente robusto, mas sem perder a identidade dos automóveis atuais da marca, em especial na dianteira e traseira. O DTS manteve o estilo da enorme grade com o emblema da marca, mas recebeu novos faróis de xenônio e leds nas lanternas traseiras. Isso tudo também estava no DTS presidencial. Já as laterais e teto mudaram muito, em função da blindagem e alto grau de segurança necessário. O presidente George W. Bush fez seu primeiro desfile com este CADILLAC no dia 20 de janeiro de 2006, cortando a imponente Avenida Pensilvânia. O desfile do presidente eleito é uma tradição antiga, e já aconteceu, não só com carros CADILLAC, mas também com Lincoln e alguns Chrysler. Por causa da excelente exposição, é uma longa briga de bastidores para oferecer a limusine para o presidente americano. A GM e a CADILLAC ficaram honradas em escrever mais este capítulo da história automobilística dos Estados Unidos com a criação do DTS PRESIDENTIAL LIMOUSINE.


Com desenho impressionante e construção exclusiva, a DTS limusine era toda feita a mão e pintada na cor “jet-black”, uma evolução do “preto-Cadillac”. Este modelo era consideravelmente mais largo, alto e longo que o DTS de produção, sendo equipado com o que há de mais moderno em termos de blindagem e comunicação. O interior tinha assentos para seis passageiros sentados com conforto e permitia que todos estivessem sempre visíveis pelos seguranças externos, por razões de segurança. O banco traseiro, destinado ao presidente, incorporava uma mesinha de trabalho. Era reclinável e adaptável, com sensores, moldando-se automaticamente ao corpo do ocupante, garantindo assim o máximo de conforto. Além disso, tinha sistema de som de última geração. Couro azul e detalhes em madeira estavam por todos os lados e completavam o visual luxuoso do interior. O emblema presidencial estava bordado no encosto do banco do presidente e também em cada forro da porta. Os “selos” do presidente também apareceram na parte externa das portas traseiras. A bandeira norte-americana estava fixada no pára-lama dianteiro direito, e a do presidente do lado esquerdo; são usadas somente quando o presidente está a bordo da limusine. Pequenas lanternas de alta capacidade iluminavam estas bandeiras à noite.


Em 2009, a tradicional marca americana, que fornece os automóveis para os presidentes dos Estados Unidos, anunciou o CADILLAC Presidencial de Barack Obama. Esse carro era absurdamente blindado, aguentando até mísseis e armas químicas, embora não se divulgassem maiores detalhes da blindagem. O veículo era empurrado por um monstruoso motor diesel 6.5 litros, pneus (obviamente) blindados, inúmeros sistemas de segurança e comunicação, armamento para defesa, sistema anti-incêndio é até kits de primeiros socorros, contendo sangue do tipo sanguíneo do presidente, se necessário.


Já para a posse do novo presidente americano, Donald Trump, em janeiro de 2017, a marca apresentou a limusine Cadillac One, apelidada de The Beast (A Fera, em inglês), e você vai entender por que. Valendo mais de US$ 1.5 milhões, é um veículo desenvolvido com base no chassi de um caminhão GMC Topkick. Isso foi necessário, já que um veículo presidencial feito sobre monobloco não suportaria o peso oriundo da pesada blindagem e inúmeros equipamentos. Feita de aço, alumínio, titânio e cerâmico, ela tem 20 centímetros de espessura na carroceria e 12.8 cm no pára-brisa e nas janelas restantes. Isso é suficiente para aguentar granadas e suportar até mísseis leves, o que resulta em portas tão pesadas como as de um Boeing 757. Além disso, o chassi é reforçado com placas blindadas para suportar explosões ocorridas na parte de baixo (como artefatos enterrados no asfalto). O único vidro que abre é o do motorista, e mesmo assim apenas alguns centímetros, para que o agente do serviço secreto possa se comunicar com quem está do lado de fora em uma situação de emergência. Os pneus são produzidos com um material que combina uma borracha especial e kevlar, e têm a capacidade de rodarem vazios ou mesmo até sem pneus, por conta das rodas com bordas de aço. O tanque de combustível, também blindado, possui uma espuma especial para impedir que haja qualquer incêndio mesmo se for atingido, enquanto a cabine de passageiros é selada para impedir um eventual ataque químico.


Entre os equipamentos, o CADILLAC “The Beast” oferece canhões de gás lacrimogênio e câmeras de visão noturna embutidas na dianteira, tanques de oxigênio para situações de emergência, bolsas de sangue compatível com o tipo do presidente, extintores de incêndio automáticos e uma arma calibre 12 dentro da cabine como última instância, para quando a situação ficar fora de controle. Para manter o presidente em contato com o resto do mundo, há acesso à internet, telefone por satélite de última geração e uma linha de comunicação direta com o vice-presidente e o Pentágono. A limusine tem capacidade para levar até sete passageiros, incluindo o motorista. No entanto, normalmente ele carrega três pessoas a bordo: um agente de proteção do presidente, o próprio presidente e o motorista. São quatro assentos na parte de trás, com três deles virado para trás e um ao lado do lugar do presidente, separado por uma mesa dobrável. Curiosamente, o banco onde fica o presidente é coberto por um tecido azul em vez de couro. Com suas 8 toneladas, é esperado que o desempenho do CADILLAC “The Beast” não seja surpreendente. O motor V8 6.5 diesel foi escolhido por questão da durabilidade e também pela segurança, já que o combustível é menos inflamável do que a gasolina (reduzindo as chances de explosão), além de ser mais fácil de encontrá-lo em outros países. A aceleração de 0 a 100 km/h não é tão ruim: 15 segundos, tempo equivalente ao de um popular 1.0. Mas a velocidade máxima acaba limitada a pouco mais que 96 km/h. O Serviço Secreto americano não conta apenas com uma unidade do CADILLAC “The Beast”, mas sim doze exemplares idênticos da limusine presidencial. Duas delas (uma para o transporte do presidente, outra servindo de “isca”) viajam em um avião exclusivo (um cargueiro Boeing C-17 Globemaster), sendo acompanhados de um Chevrolet Suburban também blindado que funciona como posto de comunicações.


A casa da Cadillac 
A marca inaugurou no dia 2 de junho de 2016 um centro de experiência no andar térreo de sua sede em Nova York. Batizado de CADILLAC HOUSE, conta com mais de 3.500 m² e funciona como um espaço para locação de eventos, exposições de veículos e colaborações em parceria com organizações pioneiras. Local onde as pessoas podem ter um olhar constante da evolução da marca, ele ainda funciona como um ponto de encontro e inspiração para inovadores, criadores e curiosos. A CADILLAC construiu sua história de 114 anos na vanguarda do design automotivo, tecnologia e estilo. Lá ainda é possível tomar um café na loja americana Joe Coffe e ver obras artísticas produzidas pela Visionaire, revista de arte e cultura. As exposições são renovadas a cada três meses.


O nome e a evolução visual 
Ironicamente, o carro que poderia definir o estilo americano em design automobilístico, levaria um nome de origem francesa. O nome veio do oficial do exército e explorador francês ANTOINE DE LA MOTHE CADILLAC que fundara a cidade de Detroit em 1701. Luis XVI outorgou honras e privilégio que serviram para ocultar seu passado negro. Apesar disso, seu “escudo” de armas, centenário, era autêntico, por isso CADILLAC é a única marca americana que pode se orgulhar de ter um escudo de armas verdadeiro. O nome foi escolhido por William Murphy, um dos fundadores da empresa. Foi como uma premonição: a fábrica de automóveis que nascia para ser a mais famosa deveria levar o nome do herói mais temerário.


Durante toda sua história a CADILLAC mudou bastante a imagem visual de seu logotipo, como pode ser visto na imagem abaixo.


Depois de passar por uma remodelação em 1999, mais recentemente, em 2014, a marca apresentou uma nova identidade visual. O novo logotipo apresenta mudanças na distribuição dos elementos. Primeiro perdeu sua coroa de louros. Depois, o brasão central foi repaginado para uma versão mais longa e mais baixa, mas suas cores internas (azul, vermelho, dourado e preto) permaneceram. O que também permaneceu inalterado foi a tipografia de letra.


Outro símbolo visual famoso da marca americana, a Goddess (uma deusa estilizada), surgiu em 1934, como símbolo de força desenhada por Harley Earl, presente nos capôs dos automóveis da CADILLAC por mais de 20 anos.


Os slogans 
Dare Greatly. (2015) 
The New Standard For The World. (2010) 
The stuff of legend. (2008, Inglaterra) 
More than a car, it’s a Cadillac. (2007, Inglaterra) 
Life, liberty, and the pursuit. (2007) 
Break through. (2004, Cadillac Escalade) 
Heritage reborn. (2002) 
It’s good to be the Cadillac. (1999) 
For the time of your life. (1999, Cadillac De Ville) 
Live without limits. (1997, Cadillac Eldorado) 
Creating a higher standard. (1994) 
It’s great… going Cadillac. (1966) 
A new measure of automotive supremacy. (1959) 
Universal symbol of excellence. (1959) 
In a realm all its own. (1959) 
It outsteps its own great traditions! (1958) 
Magnificent Beyond All Expectations. (1957) 
Finest expression of motordom’s highest ideal! (1957) 
Those who want the finest want - the standard of the world! (1953) 
More elequent than words! (1952) 
Cadillac Shows the World...how truly magnificent a motor car can be! (1937)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 22 de agosto de 1902 
● Fundador: Henry Leland, William Murphy e Lemuel W. Bowen 
● Sede mundial: New York City, New York, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: General Motors Company 
● Capital aberto: Não (subsidiária) 
● Chairman & CEO: Mary Barra 
● Presidente: Johan De Nysschen 
● Faturamento: Não divulgado 
● Lucro: Não divulgado 
● Vendas globais: 308.692 unidades (2016) 
● Presença global: 35 países 
● Presença no Brasil: Não 
● Segmento: Automobilístico 
● Principais produtos: Automóveis de luxo, utilitários esportivos e limusines 
● Concorrentes diretos: Lincoln, BMW, Mercedes-Benz, Audi, Jaguar, Infiniti, Acura, Lexus, Land Rover e Porsche 
● Ícones: As limusines presidenciais 
● Slogan: Dare Greatly. 
● Website: www.cadillac.com 

A marca no mundo 
Os veículos com a marca CADILLAC são comercializados em mais de 35 países ao redor do mundo, tendo como maiores mercados o americano, o chinês e o canadense. Em 2016, a tradicional marca americana vendeu 308.698 veículos. Os automóveis da marca são produzidos em seis fábricas no mundo (4 nos Estados Unidos, uma no Canadá e outra na China). 

Você sabia? 
O CADILLAC FLEETWOOD 1959 é o automóvel que mais representa a América em seu auge, considerado o “mais extravagante” (em termos de design) de todos os automóveis americanos já fabricados. Suas linhas simbolizavam o exagero e a opulência da indústria automobilística americana. O cantor Elvis Presley era apaixonado pelo carro. Tanto que teve aproximadamente 40. O modelo Fleetwood 1955 nas cores rosa e branca foi o mais famoso deles, exposto hoje em um museu em frente à Graceland, a famosa mansão onde o cantor viveu até morrer, localizada na cidade de Memphis, estado do Tennessee. O modelo também foi muito utilizado em filmes. Era um CADILLAC 1959, por exemplo, a perua do filme “Os Caça-Fantasmas”, apelidada de Ectomobile. 
A CADILLAC também já lançou uma linha de bicicletas, elaboradas por um competente e talentoso time de designers com foco no conforto e no luxo. Foram introduzidas no mercado em 2005 e a linha era composta por doze diferentes modelos que custavam entre US$ 500 e US$ 1.900. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Exame, Isto é Dinheiro, Quatro Rodas e Auto Esporte), jornais (Valor Econômico, Folha e Estadão), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 3/2/2017

Nenhum comentário: