28.7.10

ELECTRONIC ARTS (EA)


Quem costuma jogar no computador, pela Internet, celular ou em consoles (vídeo game) provavelmente deva idolatrar duas iniciais: EA. A abreviação refere-se a empresa ELECTRONIC ARTS, que domina o mercado de produção de jogos interativos no mundo e proporciona aos fanáticos jogadores experiências fantásticas e realísticas que consomem intermináveis horas de pura diversão e aventura.

A história
Tudo começou quando Trip Hawkins, um graduando da tradicional universidade de Stanford, que ocupava o cargo de diretor de estratégia e marketing da Apple, vislumbrou de forma pioneira um futuro extremamente promissor para o segmento de entretenimento interativo doméstico. No dia 28 de maio de 1982, depois de investir aproximadamente US$ 200 mil, ele fundou juntamente com seus colegas William Gordon e Tom Mott, a ELECTRONIC ARTS (que com o passar dos anos seria conhecida apenas pela abreviatura EA), uma empresa que tinha como objetivo desenvolver jogos para computadores e sistema de vídeo games. A empresa iniciou com 11 funcionários e US$ 5 milhões provenientes de investidores privados. O primeiro produto da nova empresa foi lançado no mês de maio de 1983, era um jogo para o vídeo game Atari 800.


Nos primeiros anos a empresa seguiu à risca uma filosofia diferenciada, lançando no mercado títulos considerados clássicos hoje em dia, como por exemplo, M.U.L.E., Pinball Construction Set e The Bard’s Tale. Basicamente, a EA funcionava como um selo para os talentosos programadores e desenvolvedores da época: seus nomes eram colocados nas campanhas publicitárias da empresa e as embalagens dos jogos tinham a forma quadrada dos álbuns musicais. Em 1986 a empresa inaugurou uma subsidiária na Europa, (localizada no País de Gales) e rapidamente começou a exportar seus jogos para diversos países do continente. Somente no ano seguinte, a EA começou a desenvolver seus próprios jogos internamente. O primeiro título lançado foi fantástico Skate or Die!.


No ano seguinte a empresa criou a divisão EASN, responsável pela criação e desenvolvimento dos jogos esportivos, que teria seu nome alterado para EA SPORTS em 1991. Nos anos seguintes essa divisão seria responsável por adquirir licenças de times e ligas profissionais esportivas e criar jogos realísticos de sucesso baseados em várias modalidades. Em 1992 a empresa criou outra divisão: EA KIDS, responsável pela criação e desenvolvimentos de jogos para crianças entre 3 e 14 anos. Ainda na década de 90, com diversos sucessos no currículo (especialmente para vídeo games como Sega e Nintendo), subsidiárias em vários países, estratégias ousadas de licenciamento e a aquisição de estúdios talentosos, a EA havia se transformado na principal empresa mundial desse segmento.


Essa eficiente e agressiva política de crescer adquirindo estúdios menores, porém, cheios de profissionais talentosos e com portfólio de jogos rentáveis e bilionários, foi responsável, em 1997, pela compra da Maxis, produtora de séries de enorme sucesso como SimCity e The Sims; da Westwood, responsável por Command & Conquer; e do estúdio Criterion, criador de Burnout 3. Todos estes jogos surgiram enquanto seus criadores eram independentes, e continuaram lançados depois que foram incorporados à ELECTRONIC ARTS.


Com o enorme crescimento da empresa, a ELECTRONIC ARTS criou quatro divisões específicas: EA GAMES™ (maior divisão da empresa, responsável pela produção de jogos de ação/aventura, corridas e guerra, como Need for Speed, Battlefield, Mass Effect e Medal of Honor), EA SPORTS™ (divisão responsável pela produção dos jogos esportivos licenciados como FIFA, NBA, NASCAR, NFL, entre outros), EA MAXIS™ (divisão responsável pela produção de jogos de estratégias como The Sims, SimCity e Spore, além de jogos baseados em filmes e livros famosos como James Bond, O Senhor dos Anéis, O Poderoso Chefão, Harry Potter, entre outros), EA BIOWARE™ (que se ocupa principalmente com o desenvolvimento de jogos de RPGs) e a EA INTERACTIVE™ (divisão responsável pela produção de jogos para dispositivos móveis, especialmente da Apple – entenda-se iPhone e iPad -, e jogos em “estilo arcade”, usados para jogar no site oficial, chamado POGOS através de um suporte onde não é preciso fazer download).


No final de 2004, ocorreu um movimento estratégico mais ousado: de uma só vez, a EA adquiriu 20% da concorrente Ubisoft, tornando-se automaticamente seu maior acionista individual. Nas últimas semanas de fevereiro de 2005, a empresa divulgou um controle ainda maior sobre o estúdio, famoso por hits como Prince of Persia, Splinter Cell e Assassins’s Creed. E os grandes — e polêmicos — investimentos não pararam por aí. A empresa também assinou contratos de exclusividade por 5 e 15 anos, respectivamente, com a National Football League (NFL), liga de futebol americano, e a ESPN, rede de canais de televisão sobre esportes. Isso significa que, a partir deste momento, o único jogo com a marca NFL seria a franquia assinada por John Madden, produzido é claro pela EA. Cada vez mais enxergando a enorme importância da distribuição digital, recentemente a empresa introduziu uma nova maneira de vender seus produtos: por meio de downloads pela Internet, onde o usuário paga uma taxa que dá o direito de baixar o jogo escolhido.


Atualmente os jogos da divisão EA GAMES são desenvolvidos pelos estúdios: BioWare (localizado em Edmonton e Montreal, no Canadá, e Austin, no Texas), Black Box (localizado em Vancouver, Canadá), Criterion (Guildford, Inglaterra), DICE (Estocolmo, Suécia), EA Los Angeles, EA Montreal, Visceral Games (Redwood Shores, Califórnia), Mythic (Fairfax, Virginia), Phenomic (Ingelheim, Alemanha) e outros estúdios parceiros. Enquanto os jogos da divisão EA SPORTS são desenvolvidos pelos estúdios EA Canada (Vancouver) e EA Tiburon (Orlando, Flórida). Segundo a empresa seus maiores concorrentes são os próprios consumidores que esperam que, a cada ano, o jogo seja melhor. Assim como as ligas e os jogadores, a EA tem a responsabilidade de oferecer aos fãs uma experiência de qualidade para que eles se inscrevam em uma nova temporada de diversão.


A linha do tempo
1983
Lançamento dos jogos Pinball Construction Set, Archon, M.U.L.E. e One on One: Dr. J vs. Larry Bird.
1984
Lançamento dos jogos Archon II: Adept e The Seven Cities of Gold.
1985
Lançamento dos jogos The Bard’s Tale e Mail Order Monsters.
1989
Lançamento do jogo de basquete Lakers versus Celtics.
Lançamento da série de jogos de futebol americano JOHN MADDEN FOOTBALL. Seu nome era uma referência ao antigo jogador e técnico vencedor do Super Bowl, John Madden. A equipe de desenvolvimento originalmente tinha a intenção de que no jogo houvesse times com seis ou sete jogadores, mas Madden insistiu que houvesse um realismo, com onze jogadores por equipe.
1991
Lançamento da série de jogos de hóquei sobre o gelo NHL.
1992
Lançamento do jogo de guerra Desert Strike: Return to the Gulf.
1993
Lançamento da série de jogos de futebol FIFA.
Lançamento da série de jogos de futebol americano universitário NCAA FOOTBALL.
1994
Lançamento da série de jogos de corridas Need for Speed.
Lançamento da série de jogos de basquete NBA LIVE.
1996
Lançamento do jogo Starflight.
1997
Lançamento da série de jogos NASCAR, categoria automobilística mais popular dos Estados Unidos.
1999
Lançamento das séries de jogos Medal of Honor (cuja ação ocorre no período da Segunda Guerra Mundial) e James Bond.
Lançamento da série Command & Conquer, no qual o jogador encarna um comandante militar.
Lançamento da série SimCity, jogos de estratégias onde o objetivo é construir e gerenciar uma cidade em todos os seus aspectos.
2000
Lançamento do jogo de estratégia THE SIMS, que rapidamente se tornou o mais vendido de todos os tempos. Após o grande sucesso do lançamento inicial foram lançadas inúmeras expansões, cada uma adicionando novos elementos que revitalizavam o jogo.
2001
Lançamento da série de jogos BURNOUT.
2002
Lançamento da série de jogos BATTLEFIELD, outro estrondoso sucesso de vendas.
2003
Lançamento da série de jogos de baseball MVP BASEBALL.
2004
Lançamento do jogo de estratégia THE SIMS 2.
2007
Lançamento da série de jogos CRYSIS.
Lançamento da série de jogos ROCK BAND. A série ficou conhecida por ter sido a primeira do estilo jogo musical que permitia o uso de guitarras, bateria e microfone.
2008
Lançamento da série de jogos SPORE.
Lançamento das séries de jogos DEAD SPACE e MASS EFFECT.
2009
Lançamento do jogo de estratégia THE SIMS 3.
2011
Lançamento dos jogos FIFA 12 e BATTLEFIELD 3, que venderam milhões de cópias em poucos meses de mercado.
Lançamento da EA ORIGIN, um site de distribuição digital de jogos que substituiu a EA STORE, e funcionou como “ponto de venda online” para todos os games distribuídos pela empresa. Mais de 150 jogos estão disponíveis no catálogo do ORIGIN, incluindo edições limitadas, etc. Pré-vendas de games da EA, para quem optar por comprar diretamente da empresa, poderão também ser realizadas através do novo serviço.
2012
Apresentação da versão do popular SimCity Social para o Facebook. Semelhante ao The Sims Social, o game da produtora vai permitir que usuários interajam com seus contatos da rede social, compartilhem os resultados com eles e ajudem no desenvolvimento das cidades.
Apresentação do FIFA 13, segundo a empresa o jogo mais realista de futebol já desenvolvido.


A evolução visual
O primeiro logotipo da empresa, adotado logo após sua fundação, e conhecido como “Square/Circle/Triangle” foi criado por Barry Deutsch. Este logotipo era representado por um quadrado, um círculo e um triângulo que simbolizavam o “alfabeto básico do design gráfico”. Ele foi substituído em 1999 por um novo logotipo que apresentava a abreviação EA estilizada, que foi inspirada na identidade da antiga divisão de jogos esportivos da empresa batizada de EASN. Recentemente a identidade visual foi modificada novamente, passando a conter as iniciais AE dentro de um círculo preto.


Os slogans
If it’s in the game, it’s in the game.
EA Sports, get in the game.
EA Games, challenge everything.
We see farther.


Dados corporativos
● Origem: Estados Unidos
● Fundação: 28 de maio de 1982
● Fundador: Trip Hawkins, William Gordon e Tom Mott
● Sede mundial: Redwood City, Califórnia
● Proprietário da marca: Electronic Arts, Inc.
● Capital aberto: Sim (1989)
● Chairman: Larry Probst
● CEO: John Riccitiello
● Faturamento: US$ 4.14 bilhões (2011)
● Lucro: US$ 76 milhões (2011)
● Valor de mercado: US$ 3.9 bilhões (julho/2012)
● Presença global: + 100 países
● Presença no Brasil: Sim
● Funcionários: 9.000
● Segmento: Entretenimento interativo
● Principais produtos: Jogos para computadores e vídeo games
● Concorrentes diretos: Konami, Atari, Blizzard, Microsoft e Nintendo
● Ícones: O jogo The Sims
● Slogan: If it’s in the game, it’s in the game.
● Website: www.ea.com

A marca no mundo
Atualmente a ELECTRONICS ARTS, segunda maior produtora e desenvolvedora de jogos para computadores, vídeo games (Wii, Xbox 360 e PS3), dispositivos móveis (iPhone, iPad e celulares) e Internet, têm seus produtos distribuídos em mais de 100 países ao redor do mundo. Com faturamento superior a US$ 4 bilhões, a EA é responsável por jogos de extremo sucesso como a série The Sims, jogo de computador mais vendido de todos os tempos com mais de 150 milhões de cópias desde seu lançamento. O EA ORIGIN, serviço de distribuição online de jogos da empresa, já conta com mais de 13 milhões de usuários registrados. Em 2011, a empresa teve 27 jogos que venderam mais de um milhão de cópias, entre os quais The Sims™, Madden NFL, FIFA Soccer, Need for Speed™, Battlefield™, Star Wars™: The Old Republic™ e Mass Effect™.

Você sabia?
A competição da série de jogos FIFA, produzido pela EA, com a série Winning Eleven, da Konami, é uma das mais acirradas da história do segmento de jogos, principalmente no Japão e na Europa.


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek, Time e Exame), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 2/7/2012

2 comentários:

Wallinson Ramos disse...

O mais interessante é perceber que mesmo sendo uma empresa grande e de sucesso, ela pode ter prejuízos astronômicos. É preciso mais do que audácia e vendas para melhorar este quadro

Bala disse...

Não entendo porque criticar. Se a empresa vai mal das pernas, por outro lado ela não tem deixado de inovar e investir. O prejuízo é reflexo da empresa investir alto em mercados de alto risco. Enquanto a empresa corre risco quem ganha são os consumidores, que têm opções e não são obrigados a comprar nada. Então não entendo essas críticas rancorosas típica de gamer mimado. Temos que criticar os donos do capital financeiro que lucram fácil e não quem assume riscos, trabalha com margens apertadas, desenvolve tecnologia, diversão e ainda tem que agradar um público chato.