13.6.11

HAMBURG-SÜD

Os enormes navios da HAMBURG-SÜD, geralmente abarrotados com os tradicionais contêineres vermelhos, são vistos cruzando os mares do planeta, oferecendo uma eficiente opção de transporte e logística para que produtos, dos mais variados tipos possíveis, cheguem ao seu destino com total segurança.

A história
A empresa foi fundada no longínquo 4 de novembro de 1871 por um consórcio formado por onze comerciantes da cidade alemã de Hamburgo como uma transportadora marítima, inicialmente adotando o nome de Hamburg-Südamerikanische Dampfschifffahrts-Gesellschaft (em português, Sociedade Hamburgo-Sul-Americana de Navegação e Navios a Vapor), que mais tarde seria abreviado somente para HAMBURG-SÜD ou HSDG. A recém-fundada empresa utilizava três navios a vapor para prestar serviços de transportes de carga e passageiros mensais para a América do Sul, especialmente Brasil e Argentina. Não demorou muito para os navios com a famosa bandeira (quatro triângulos invertidos, dois em campo branco e dois em campo vermelho) e enormes chaminés inteiramente em cor negra, ficarem famosos. Em 1889, os 35 navios da empresa realizaram 107 viagens para o Brasil e Bacia do Prata, transportando naquele ano 14 mil passageiros, um quarto dos quais pagou a tarifa da primeira classe.


Em 1914 a empresa já operava aproximadamente 50 navios. Por duas vezes, nas duas grandes guerras mundiais, a empresa perdeu a totalidade de seus navios, que foram confiscados pelos vencedores dos conflitos, como indenização de guerra. Nessas duas ocasiões a HAMBURG-SÜD precisou começar do zero, geralmente com navios alugados. Após vencer o difícil período de reconstrução no pós-guerra, a empresa foi adquirida em 1955 pelo Grupo Oetker, que rapidamente expandiu os serviços. Foi nesta época que a empresa começou a se especializar no transporte de contêineres e cargas refrigeradas. Com isso, o transporte de passageiros foi sendo diminuído ao longo dos anos.


Na década de 60 alguns navios da empresa ficaram conhecidos como “Cisnes Brancos do Atlântico Sul”, em virtude de sua cor branca, que chamava a atenção ao cruzar o Oceano Atlântico. O mais famoso deles, Cap San Diego, hoje em dia é um navio-museu aberto à visitação, que está situado no porto de Hamburgo, onde é uma das suas maiores atrações turísticas. Construído em 1961, o enorme graneleiro completou 120 viagens entre a Alemanha e a América do Sul até 1981. Em 1998 a empresa adquiriu o controle acionário da Aliança Navegação e Logística Ltda. & Cia., uma pequena, mas tradicional companhia privada de navegação brasileira, do grupo Fischer. Além da frota própria original da Aliança, que era composta de treze navios (onze conteineiros e dois de granéis), a nova empresa passou a utilizar espaço dos navios da HAMBURG-SÜD. Em outubro de 2009, a empresa colocou em operação o Santa Clara, de 7.100 TEUs, o maior navio de sua história, que entrou na rota entre Ásia e Costa Leste da América do Sul, da mesma forma que o idêntico Santa Isabel, que se juntou à frota no final do ano.


Ainda este ano, a empresa foi a primeira companhia de navegação a iniciar encomendas de contêineres na China. Ao todo, foram acrescentadas 77.000 unidades. Isto aumentou o pool de contêineres em 17%, para cerca de 396.000 unidades. Após a crise de 2009, que influenciou diretamente no transporte global de contêineres, o ano de 2010 se configurou um período positivo para os negócios da HAMBURG-SÜD. Além disso, a empresa expandiu ainda mais sua rede de serviços de linha regular. O serviço da Costa Oeste dos Estados Unidos foi ampliado além do México, através do Canal do Panamá até Cartagena, Colômbia. Isto produziu várias opções de transbordo para os serviços principais da Austrália, Europa e América do Sul operando através do Caribe. Hoje em dia, a HAMBURG-SÜD está entre os 20 principais provedores de transporte marítimo mundial, sendo reconhecida pelas soluções logísticas adaptadas às necessidades de cada cliente.


Dados corporativos
● Origem:
Alemanha
● Fundação:
4 de novembro de 1871
● Fundador: Onze comerciantes da cidade de Hamburgo
● Sede mundial:
Hamburgo, Alemanha
● Proprietário da marca: Oetker Group
● Capital aberto: Não (subsidiária)
● Chairman:
Dr. Ottmar Gast
● CEO & Presidente:
Joachim A. Konrad
● Faturamento: €4.4 bilhões (2010)
● Lucro: Não divulgado
● Frota:
169 navios
● Presença global: 100 países
● Presença no Brasil: Sim
● Funcionários: 4.100
● Segmento:
Transportes e logística
● Principais produtos:
Transportes marítimos
● Ícones:
Os tradicionais contêineres vermelhos
● Website: http://www.hamburgsud.com/

A marca no mundo
Atualmente a HAMBURG-SÜD opera uma moderna frota composta de 169 navios, 40 deles pertencentes ao grupo, com 113 sendo utilizados em serviços de linha e 56 na divisão de tramp (sem rota regular). A empresa fornece serviços de transportes marítimos, contêineres e a granel, para mais de 100 países das Américas, Europa, África, Ásia e Oceania. Em 2010, a empresa movimentou 2.9 milhões de TEUs. O maior fluxo de mercadorias concentra-se nos trechos Brasil e Argentina para a Europa. Nesta rota, os produtos mais transportados são café, tabaco, autopeças, carne, frango e frutas. Na rota inversa aparecem os produtos químicos e autopeças. A operação brasileira (longo curso e cabotagem) utiliza 15% das embarcações, algumas delas adquiridas em leilão público junto ao Lloyd Brasileiro, na época de sua falência.

Você sabia?
A HAMBURG SÜD também é uma das maiores especialistas no transporte de cargas congeladas e refrigeradas com tecnologias inovadoras.
A empresa foi uma das companhias de navegação mais importante para o desenvolvimento da imigração alemã para o Brasil, pois muitos imigrantes viajaram em seus navios entre 1876 e 1903.



As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, Newsweek, BusinessWeek e Time), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers).

Última atualização em 13/6/2011

Nenhum comentário: