20.6.06

GENERAL ELECTRIC (GE)


Locomotivas rodando em milhões de quilômetros de trilhos. Turbinas que impulsionam centenas de aviões diariamente. Serviços que financiam e emprestam dinheiro a milhões de empresas. Presença marcante no setor energético, com redes de transmissões que levam energia a casas e indústrias. Diagnósticos médicos rápidos e precisos que salvam vidas. Tecnologias que poluem menos o meio-ambiente. A GENERAL ELECTRIC, ou simplesmente GE, é um dos principais símbolos do capitalismo americano que literalmente faz o mundo rodar com soluções inovadoras. 

A história 
As origens da GE remontam a Thomas Alva Edison (foto abaixo), reconhecido mundialmente como um gênio, que juntamente com Grosvenor P. Lowery, um consultor da empresa Western Union, fundou a Edison Electric Light Company em Menlo Park, estado americano de Nova Jersey, em outubro de 1876, com o objetivo de desenvolver um sistema de iluminação comercialmente viável. A ideia surgiu depois de ter visto uma caríssima exibição de uma série de oito luzes “500-candlepower” (luzes de arco) que quase cegavam as pessoas presentes. Após pouco mais de um ano de árduo trabalho, que consumiram US$ 40.000, 6.000 materiais de filamentos alternativos pesquisados e 1.200 testes, o inventor cumpriu o que prometeu, e no dia 21 de outubro de 1879 Thomas Edison entrou para a história. Isto porque ele desenvolveu a primeira lâmpada incandescente de filamento de carbono, provida de corrente por dínamos de alta tensão especiais, que permanecia acesa por 40 horas. Até que ela apagasse o inventor não saiu do laboratório. A invenção foi anunciada no New York Herald em 21 de dezembro. Nas semanas seguintes os estoques de gás caíram drasticamente enquanto as ações da empresa subiam. Em 1880, ele aumentou a vida útil das lâmpadas para 600 horas de duração.


Durante esse tempo, a empresa ingressou em diversos segmentos de mercado, como por exemplo, a construção das maiores locomotivas e transformadores elétricos do mundo. O cientista também se envolveu em áreas muito diferentes, incluindo mineração, baterias e até mesmo com a produção de cimento. Conforme outros produtos foram surgindo, ele rebatizou a empresa para EDISON GENERAL ELECTRIC COMPANY. O investimento no exterior ocorreu desde o início da indústria elétrica nos Estados Unidos, quando a empresa ingressou no mercado inglês com a abertura de uma subsidiária, a Edison Swan, no final da década de 1880; na Alemanha, por meio da Algemeine Edison Gesellschaft, e na Itália, por intermédio da Societá Edison per la Fabricazione delle Lampade. Seu laboratório, o Laboratório Edison (agora um monumento nacional), foi transferido para West Orange, estado de Nova Jersey, em 1886, criando uma nova forma de realizar negócios, onde um grupo de pessoas, ao invés de apenas uma, poderia inventar, construir e comercializar produtos. No mesmo período, a Thomson-Houston Electric Company, fundada em 1883 por Charles A. Coffin, Edwin Houston e Elihu Thomsom, surgia como uma empresa inovadora no ramo da eletricidade e era uma grande concorrente de Edison.


Com a expansão de ambas as empresas, aumentava a dificuldade de cada uma delas construir instalações elétricas usando apenas suas respectivas patentes e tecnologias, de modo que, no dia 15 de abril de 1892, Thomas Edison e Charles A. Coffin formalizaram a fusão de suas empresas, arquitetada pelo lendário banqueiro J.P. Morgan, criando assim a GENERAL ELECTRIC COMPANY. Com suporte financeiro do banqueiro, a GE praticamente garantiu o monopólio da tecnologia de fabricação de lâmpadas e de outros equipamentos elétricos, principalmente de corrente contínua, através de uma agressiva política de aquisição de patentes e da introdução de inovações próprias. O sucesso em diversas áreas levou a GE a ser listada no índice industrial Dow Jones já em 1896. Até pouco tempo atrás (janeiro de 2018), era a única empresa da lista original que estava incluída no índice da Bolsa de Valores de Nova York. Em 1900, a GE fez história com a primeira transmissão de rádio e mudou para sempre a velocidade de transmissão de informações.


A GE também foi pioneira ao inaugurar seu primeiro laboratório de pesquisas em 1900, localizado na cidade de Schenectady, estado de Nova York, e instalado em um pequeno celeiro da residência de Charles Proteus Steinmetz, então cientista industrial e engenheiro-chefe da GE. Ele convenceu a liderança da empresa a criar um espaço onde a GE pudesse dar continuidade ao desenvolvimento de soluções inovadoras em iluminação e eletricidade. Um dos fundadores da empresa, Elihu Thomson, concordou com a criação do laboratório de pesquisa e ressaltou a importância de continuar investindo em inovação e a desenvolver novas aplicações comerciais. Um dos primeiros projetos do novo laboratório foi defender o principal ativo da empresa – a lâmpada incandescente – por meio de inovação. Em 1909, o cientista da GE William Coolidge inventou o filamento de tungstênio, permitindo que a lâmpada incandescente tivesse ainda maior durabilidade que o design original. Essa descoberta garantiu a liderança tecnológica da GE no mercado e aperfeiçoou o papel do laboratório de pesquisas, ajudando a trazer inovações ao mercado. Desde sua criação, o laboratório de pesquisas trouxe muitas inovações e tecnologias aos clientes da empresa. Ao longo dos anos, cientistas da GE acumularam milhares de patentes e dois prêmios Nobel: o americano Irving Langmuir (cujas inovações incluem o desenvolvimento de tubos de vácuo, spots incandescentes de alta densidade e controles elétricos) ganhou o de Química, em 1932; e o norueguês Ivar Giaever o de Física, em 1973, pela descoberta do fenômeno de tunelamento em semicondutores e supercondutores.


Com o surgimento dos plásticos, que rapidamente se tornaram importantes isolantes térmicos, em 1912 a GE começou a usar resinas fenólicas para moldar plásticos como material isolante. Nos anos seguintes a GE conquistou feitos memoráveis como ao construir, em 1914, todo o sistema de controle e instalação elétrica do Canal do Panamá. Em 1921, um novo recorde de altitude - 40.8000 pés - foi conquistado por um avião equipado com um supercarregador projetado pelo pesquisador da GE, Sanford Moss. Os princípios de Moss permitiram à GE desenvolver o primeiro motor para avião e transformar-se no fabricante líder de turbinas para geração de energia. No final desta década, em 1927, instalou o departamento de produção de refrigeradores. A próxima década começou com a criação da divisão de desenvolvimento plástico em 1930, cujo objetivo era pesquisar novas soluções e formatos de plásticos à medida que estes produtos passavam também a fazer parte do dia a dia das pessoas; e da divisão de ar-condicionado em 1932. Já em 1938, a GE inventou e apresentou ao mundo a lâmpada fluorescente. Na década seguinte inovou mais uma vez ao construir em 1942 a primeira turbina de avião dos Estados Unidos, a I-A. Em 1959, as inovações da GE no ramo da iluminação resultaram na invenção da lâmpada de halogênio, que proporcionava uma luz mais nítida e branca, com um tamanho menor.


Em 1962 a GE construiu um imã supercondutor que superava a barreira de 100.000 gauss, um nível de intensidade magnética que anos antes teria parecido impossível. Essa inovação, juntamente com outras descobertas desta época, foi essencial para desenvolver as atuais técnicas de diagnóstico médico por imagem da ressonância magnética. Nos anos seguintes a GE se transformou em um enorme conglomerado, atuando em diversos segmentos do mercado. Sua força pode ser medida em 1969, quando o Projeto Apolo, que levou o homem à Lua, envolveu 37 operações da GE e mais de 6.000 dos seus empregados. A GE forneceu várias tecnologias para a chegada do homem à Lua, incluindo suporte de engenharia, instalações para testes e o silicone para as botas de Neil Armstrong.


Apesar de ser apontada como uma empresa inovadora e pioneira, no final da década de 1970 a GE vivia um momento delicado: a concorrência já não permitia que suas tecnologias se distinguissem tanto no mercado e a necessidade de rapidez e de melhoria contínua exigia a eliminação de barreiras internas de funcionamento, permitindo uma comunicação mais eficaz e um menor tempo de resposta. A mudança de atitude teria que ser radical. Foi então, que em abril de 1981, um homem chamado Jack Welch (à esquerda na imagem abaixo) assumiu a presidência da empresa com a tarefa de recuperar os dias de glória de um gigante.


Ele planejava fazer uma revolução na GE, que apesar de alguns problemas era uma empresa saudável. Welch rapidamente mostrou que também seria o primeiro grande executivo dos tempos modernos a exigir grandes mudanças: tirou a empresa do ramo dos pequenos aparelhos domésticos; diminuiu a força de trabalho de 404 mil para 229 mil pessoas, acabando inclusive com a antiga política de não-demissão da GE, o que lhe valeu o apelido de Nêutron Jack (por causa da bomba que destrói as pessoas, mas deixa os prédios intactos); fechou 73 fábricas; e eliminou 232 produtos do portfólio. Ele vendeu US$ 12 bilhões em negócios e adquiriu outros que estavam avaliados em US$ 26 bilhões. Entre eles estavam a RCA CORPORATION e sua rede de televisão NBC, adquiridas em 1986.


Concordou em combinar os interesses europeus da GE em aparelhos, equipamentos médicos, distribuição elétrica e sistemas de energia com a não relacionada General Electric Company of Britain. Isso impulsionou o sucesso de mercado da empresa, alçando o faturamento de US$ 12 bilhões para mais de US$ 100 bilhões, acumulando crescente admiração juntamente com a rápida diminuição das constantes queixas. Ele também investiu US$ 200 milhões naquele primeiro ano para dar o pontapé inicial no programa de 200 novos projetos. A lenda de Welch cresceu quando a GE tornou-se, em 1997, a primeira empresa do mundo a ultrapassar a barreira de US$ 200 bilhões em valor de mercado. Nesta época, das 350 unidades de negócios que tinha quando Jack assumiu a presidência, a GE manteve apenas 12: motores para aviões, eletrodomésticos e ar-condicionado, serviços financeiros, distribuição elétrica, sistemas industriais, serviços de informação (serviços de internet e intranet), equipamentos médico, iluminação, plásticos, sistemas de energia (turbinas e energia nuclear), sistemas de transporte (locomotivas) e a rede de TV NBC (que seria vendida a Comcast em 2013).


Até 2001, quando deixou o cargo, ele construiu uma GE mais magra, mais forte, mais competitiva — com menos pessoas, menos unidades de negócio, menos níveis, e menos gestores – e muito mais valiosa (em sua gestão, o valor de mercado da empresa saltou de US$ 14 bilhões para US$ 410 bilhões). Nos anos seguintes, a empresa centenária, sob o comando do competente Jeff Immelt, ex-chefe da divisão médica da GE e ex-vice-presidente da área plástica, viveu um momento histórico: pela primeira vez, em 2007, mais da metade das vendas globais, veio de fora dos Estados Unidos. Além disso, desde a virada do novo milênio, a GE abriu seus três primeiros centros de pesquisa fora dos Estados Unidos: na Índia (Bangalore) em 1999, na China (Xangai) em 2002 e na Alemanha (Munique) em 2004.


Nos últimos anos, enfrentando dificuldades financeiras devido à enorme concorrência e ao complexo tamanho de suas operações, a GE vem se transformando aos poucos de uma empresa que vende equipamentos diretamente para o consumidor para uma companhia mais focada em grandes inovações vendidas para empresas. E por isso resolveu simplificar sua complexa estrutura e vender algumas de suas divisões, menos rentáveis. Como por exemplo, em 2016, quando vendeu sua divisão de eletrodomésticos por US$ 5.4 bilhões para a chinesa Haier. Ou em 2017, quando vendeu sua divisão de motores para geração de energia para a Advent International por US$ 3.25 bilhões. A ideia da GE é restringir seus negócios a três áreas principais: equipamentos para o setor de eletricidade; energia renovável; e turbinas aeronáuticas e outros componentes para aviões. E também anunciou que estuda a cisão de sua divisão de saúde e colocou a venda sua divisão de lâmpadas.


Hoje em dia, a nova GE se organiza em torno de um intercâmbio global de conhecimento, o “GE Store”, que oferece todas as tecnologias, de diferentes negócios e mercados. Cada invenção da GE serve de combustível para a inovação e aplicações em todos os nossos setores industriais. Com seus times, tecnologias, serviços e escala, a empresa busca proporcionar melhores resultados para seus clientes, por falar como ninguém a linguagem da indústria. Por isso, em mais de 120 anos de história, a GE se tornou um mito corporativo, ajudou a iluminar o mundo e ensinou a várias gerações de executivos o valor da inovação.


A linha do tempo 
1876 
Auxiliado por um grupo de empregados, Thomas Edison inventou um telégrafo capaz de enviar quatro mensagens de uma vez e aperfeiçoou o telefone, de modo que permitisse falar e ouvir ao mesmo tempo. 
1896 
Ingressou no segmento de equipamentos medicinais com as máquinas de raio-X. 
1905 
Desenvolvimento e introdução no mercado do primeiro modelo de torradeira elétrica. 
Introdução do filamento de carbono metalizado nas lâmpadas. 
1908 
Pioneira na construção de locomotivas elétricas, a empresa já fornecia este meio de transporte para a estação central de Nova York. 
1910 
Lançamento do primeiro fogão elétrico, facilitando assim a vida na cozinha. 
1917 
Inicia a produção do primeiro refrigerador hermeticamente fechado, uma tecnologia que permitiu aumentar o tempo de conservação dos alimentos e é utilizada até hoje. 
1920 
Desenvolvimento de uma nova máquina de raio-X portátil, utilizada em odontologia. 
1922 
A WGY, a primeira estação de rádio da GE, vai ao ar pela primeira vez. 
1925 
Anúncio do primeiro refrigerador doméstico. 
1930 
Lançamento da lavadora de roupa elétrica. 
1932 
Formação da GENERAL ELECTRIC CREDIT para apoiar os consumidores em suas compras a crédito de aparelhos da GE. 
1936 
Lançamento de uma série de pequenos eletrodomésticos para cozinha. 
1943 
Desenvolvimento do piloto automático para aeronaves. 
1945 
Demonstração da utilização do primeiro radar comercial, permitindo que navios possam navegar com segurança em um raio de 20 milhas. 
1947 
Lançamento do primeiro refrigerador com duas portas do mercado, separando o compartimento do freezer, que mantém o nível de temperatura abaixo de zero, do refrigerador, que não precisa mais ser descongelado. 
1956 
Lançamento da lâmpada LUCALOX, mais resistente e durável, desenvolvida para ser utilizada em iluminações externas. 
1957 
A empresa inaugura a primeira usina nuclear do mundo licenciada a produzir energia. 
1960 
● Lançamento do satélite meteorológico Tiros 1. 
1961 
As tecnologias da GE continuam a facilitar o dia a dia das pessoas. O uso de um motor compacto combinado a baterias recarregáveis leva ao lançamento da escova de dente elétrica, que seria a precursora para o desenvolvimento de outros equipamentos como o secador de cabelo e a faca elétrica. 
1964 
O satélite meteorológico Nimbus, desenvolvido pela GE, entra em órbita. 
1971 
Lançamento do ar-condicionado portátil. 
1976 
Lançamento do aparelho de tomografia computadorizada, capaz de elaborar fotografias detalhadas de áreas internas do corpo humano a partir da conjugação de múltiplas imagens. 
1978 
Lançamento dos processadores de alimentos, diminuindo assim o tempo de preparo de comidas e temperos. 
Lançamento do rádio relógio digital. 
1983 
Lançamento do aparelho de ressonância magnética. As imagens de ressonância do corpo humano apresentavam um nível de detalhes e qualidade de imagem sem precedentes.
1990 
 Lançamento do CIMPLICITY, que auxiliava no controle de linhas de produção e montagem e foi adotado por diversas companhias automotivas. 
1993 
Lançamento de um novo sistema de ressonância magnética que permitia ao médico ver o resultado em tempo real.  
1998 
Lançamento do novo sistema de tomografia computadorizada, o LightSpeed™, primeiro equipamento que permitia aos médicos capturar múltiplas imagens simultaneamente e a uma velocidade 6 vezes maior que outros equipamentos existentes. 
1999 
Lançamento do sistema de mamografia digital. 
2001 
Lançamento das lâmpadas GE Reveal™, que proporcionam uma iluminação mais nítida e que realça melhor as cores e texturas do ambiente. Além disso, a GE também lançou lâmpadas fluorescentes com um novo design, que reduzia seu tamanho se comparadas às convencionais. 
2002 
Lançamento do sistema de ultrassom com imagens 3D em tempo real, permitindo aos médicos verem com uma grande riqueza de detalhes. 
As locomotivas GE EVOLUTION SERIES, que cumpriam com os requisitos ambientais dos Estados Unidos, começaram seus primeiros testes de operação. 
2003 
Lançamento do forno com tecnologia Trivection, que permitia utilizar o calor termal, convencional ou microondas. 
A divisão financeira ao consumidor (GE CONSUMER FINANCE) adota o nome GE MONEY, se tornando uma marca global. 
2004 
Desenvolvimento de novas aplicações para o LEXAN, através de um filme que ajuda a manter a claridade e uniformidade da imagem de televisões e computadores. 
Lançamento do primeiro equipamento de ultrassom cardiovascular em tamanho reduzido, o Vivid I. Por ser um equipamento leve e de fácil manuseio e transporte, proporciona aos médicos a possibilidade de se obter um diagnóstico de qualidade, onde quer que o paciente esteja.


Produtos e serviços 
Com um diversificado portfólio a GE atende indústrias no mundo todo. Suas unidades de negócios possuem uma importante característica em comum: o uso da imaginação para tornar melhor a vida de clientes e consumidores ao redor do planeta. Atualmente a GE tem duas principais divisões de negócios: Tecnologia e Infraestrutura (inclui as operações relacionadas com aviação, transporte e equipamentos médicos) e Energia (abrange as operações vinculadas ao setor energético, incluindo nuclear, gás e solar, além da água).


Os principais produtos e serviços oferecidos pela empresa são: 
GE AVIATION: líder mundial na fabricação de motores aeronáuticos para uso comercial e militar e na produção de sistemas mecânicos e elétricos para aeronaves. Também presta serviços de manutenção para turbinas. Utiliza recursos digitais e a manufatura aditiva para impulsionar a produtividade e a confiabilidade da aviação mundial. 
GE POWER: líder mundial em energia, oferece tecnologia, soluções e serviços para toda a cadeia de energia, desde a geração até o consumo. Seus clientes atuam em mais de 170 países, e juntos fornecem energia para mais de um terço do planeta. 
GE RENEWABLE ENERGY: uma das líderes mundiais em tecnologia de geração e distribuição de energia atua em mais de 120 países direcionando esforços para ajudar clientes a obter energia mais limpa, confiável e eficiente. A unidade fornece uma ampla gama de soluções em tecnologia que utilizam tanto combustíveis fósseis como renováveis (energia solar, eólica, biogás, entre outros) e água. 
GE HEALTHCARE: fornece tecnologias médicas, softwares e soluções em biotecnologia que estão transformando a saúde. Com vasto conhecimento em imagem diagnóstica e tecnologia da informação, sistemas de monitoração do paciente, descoberta de drogas, tecnologias de fabricação de biofármacos, melhorias e soluções de desempenho, facilita a vida de profissionais ao redor do mundo a re-pensar maneiras de ajudar as pessoas a viverem mais. É a única empresa do setor com uma plataforma de saúde na nuvem, reforçando o compromisso em continuar líder em assistência médica digital no mundo. 
GE OIL & GAS (BAKER HUGHES): líder mundial no fornecimento de equipamentos e serviços baseados em tecnologia para toda a indústria de petróleo e gás - da perfuração ao transporte, refino, processamentos de petroquímicos e plásticos. Oferece ainda uma ampla gama de sistemas submarinos e em superfície de produção e perfuração, equipamentos para sondas de perfuração e plataformas de produção, compressores, turbinas e turbo-expanssores. O portfólio também inclui diversas soluções em serviços de instalação, operação e treinamentos, bem como serviços de inspeção e integridade de dutos. 
GE TRANSPORTATION: provedor de soluções para as indústrias ferroviárias, marinhas, eólicas e de escavação e mineração. A unidade produz locomotivas de frete e passageiros, sistemas de sinalização e comunicação, soluções de tecnologia de informação, motores de propulsão marinha e sistemas de unidade motorizada para caminhões de mineração e escavação. Também oferece uma série de serviços de manutenção e de suporte para as operações de seus equipamentos. 
GE CAPITAL: tem como missão investir capital financeiro, humano e intelectual para ajudar negócios industriais e clientes a crescer.


Um gigante 
A GE é um verdadeiro gigante global. De turbinas de avião, geração de energia e serviços financeiros, passando por processamento de água e diagnóstico por imagem, a GE se dedica a transformar ideias em produtos e serviços que ajudam a resolver alguns dos desafios mais complexos do mundo. É a maior fabricante mundial de motores de grande e pequeno porte para aeronaves comerciais e militares, e na produção de sistemas mecânicos e elétricos para a aviação. A empresa produz ainda mais da metade das locomotivas a diesel para carga na América do Norte e suas locomotivas operam em 75 países. A empresa tem mais de 36.000 motores a jato em serviço ao redor do mundo, e esse número deve chegar a 46.000 até 2020, com mais de 15.000 unidades já encomendadas. E tem mais: a cada dois segundos decola um avião impulsionado por turbinas da empresa; 3.000 vidas são salvas diariamente com soluções e tecnologias da GE; e seus equipamentos são responsáveis por 30% da energia consumida no planeta.


Imaginação ecológica 
Na GE, a americana Lorraine Bolsinger, então uma das vice-presidentes da GE, ajudou seus colegas a conquistar resultados impressionantes. A executiva esteve à frente da ECOMAGINATION, iniciativa lançada no ano de 2005, pelas mãos do então CEO Jeffrey Immelt, com o objetivo de transformar desafios ambientais em estímulo à inovação e em fontes de receitas, além de reduzir os danos ecológicos causados pela empresa. No primeiro ano, os produtos que recebiam o selo ECOMAGINATION renderam à GE US$ 10 bilhões. Três anos depois, as metas já haviam sido superadas ou estavam próximas disso. A redução na emissão de gases do efeito estufa, que deveria ser de 1% até 2012 (em comparação com 2004), chegou a 8% em 2007 e atingiu 24% em 2010. A empresa estima que, sem perseguir esse objetivo, as emissões teriam aumentado 30% no período, graças ao crescimento no volume de negócios. O número de produtos com selo ECOMAGINATION, que atesta melhor desempenho ambiental e econômico, cresceu enormemente. Passou de 17, em 2005, para mais de 120, atualmente. Até hoje, esses produtos renderam a empresa mais de US$ 270 bilhões. Entre eles locomotivas híbridas a turbinas menos poluentes para aviões ou sistemas industriais de filtragem e reutilização de água. Ganhar contornos verdes, ao mesmo tempo em que beneficia os negócios, é um desafio e tanto para uma empresa do porte da GE, com operações em mais de 100 países e negócios em diversos setores - como transportes, energia e serviços financeiros.


A fórmula escolhida pela empresa pode servir de inspiração para executivos interessados em acelerar a corrida ambiental em suas organizações. A seguir, algumas lições da GE: 
LINGUAGEM DOS NEGÓCIOS 
A iniciativa já nasceu com objetivos claros relacionados à geração de receita e investimentos, e os indicadores são acompanhados mensalmente. 
ESFORÇO COMPARTILHADO 
A GE tem 36 mil profissionais em seus centros de pesquisa e desenvolvimento. Mesmo assim, seus executivos não perdem oportunidades de encontrar novas frentes de inovação trabalhando diretamente com empresas clientes. Desde a criação do programa, diversas empresas procuram a GE em busca de orientações sobre como aprimorar seus produtos e suas práticas ambientais. Nessas ocasiões, quando há possibilidade de sinergia, a GE propõe que o trabalho seja compartilhado no gerenciamento do projeto ou no desenvolvimento de novas tecnologias, por exemplo. A empresa também traz especialistas de fora para orientar suas estratégias. No conselho consultivo da Ecomagination há ou já houve profissionais renomados como Jonathan Lash, presidente do World Resources Institute (WRI), uma das organizações ambientalistas mais respeitadas do mundo, o físico Ernest Moniz, do Massachusetts Institute of Technology (o renomado MIT), e o arquiteto William McDonough, considerado um papa do “ecodesign”. 
COERÊNCIA 
O programa da GE correria o risco de perder credibilidade caso a empresa colocasse no mercado produtos ecológicos fabricados de maneira poluente - principalmente considerando seu histórico poluidor nos Estados Unidos. Por isso, busca tornar seus processos de fabricação mais limpos. Os objetivos relacionados à redução de emissão de gases do efeito estufa e do consumo de energia mostram que o plano está dando certo até aqui. Até 2010, a GE economizou US$ 145 milhões na conta de energia. 
LOBBY VERDE 
O lobby verde é parte essencial da estratégia da GE. A empresa é uma das fundadoras da United States Climate Action Partnership, um grupo de empresas e organizações ambientalistas que faz lobby em Washington pela criação de políticas públicas de combate à mudança climática. A GE também discute a criação de regras e o desenvolvimento de tecnologias com governos de países como Índia, China e Austrália. Em 2010, a GE lançou seu primeiro produto Ecomagination fabricado para o mercado brasileiro. Em parceria com a Petrobras, a empresa viabilizou a comercialização de uma turbina com capacidade de gerar energia a partir do etanol.


Formando líderes 
A primeira vista, Crotonville, o renomado centro de treinamento corporativo da GENERAL ELECTRIC, parece mais uma colônia de férias. O cenário impressiona pela beleza. De um lado do campus fica o imponente Rio Hudson. Do outro, uma cadeia de montanhas. A ideia de lazer, no entanto, acaba aí - na paisagem. Basta pôr os pés em um dos prédios do instituto, referência mundial em desenvolvimento de líderes, que a sensação muda completamente. Crotonville, que ocupa uma área de 210.000 m² e está localizada na cidade de Ossining, estado de Nova York, é um lugar de muito, mas muito, trabalho. Não se trata de um centro de treinamento qualquer, mas da primeira escola de administração corporativa de importância mundial, em funcionamento desde 1956. O centro foi fundado na gestão do chairman Ralph Cordiner, que na década de 1950 tinha um plano de descentralizar a empresa. Seu objetivo era oferecer mais autonomia aos líderes. Mas, para realizar essa mudança, ele percebeu que precisava de um projeto de treinamento para preparar esse pessoal. Foi então que comprou o Instituto de Gestão Hopf, no vale do Rio Hudson, e o rebatizou de Crotonville.


Ao longo desse tempo, sobreviveu a cortes de custos e reengenharias. Conquistou tamanha reputação no mercado a ponto de ser descrita pela revista de negócios americana Fortune como a “Harvard da América corporativa”. Crotonville tornou-se o lugar ideal para potencializar transformações dentro da empresa. As pautas dos cursos dentro e fora do instituto, por exemplo, estão intimamente ligadas às prioridades do negócio. A GE oferece basicamente três tipos de cursos aos funcionários. O primeiro grupo é formado por cursos técnicos, como finanças, recursos humanos e tecnologia da informação. No segundo, estão os cursos de educação para a liderança, voltados para executivos em ascensão na empresa. Nesse caso, existem seis modalidades para os diferentes momentos da carreira, com duração de uma a quatro semanas. Já o terceiro grupo trata de temas estratégicos para a empresa. Em 2001, a grade curricular foi acrescida de novos cursos, como o Seis Sigma, e-business e a administração de mudanças. Além de dar um impulso na carreira, ir a Crotonville implica desenvolver networking intensivamente. E isso é bom para qualquer profissional em qualquer estágio. A GE é uma empresa que tem uma diversidade incrível de negócios espalhados por mais de 100 países. E a composição das salas de aula reflete essa característica. Do lendário Jack Welch ao atual presidente da empresa, todos passaram por lá como alunos e, depois, como professores. A expansão global do modelo começou em 2000, com a abertura da unidade indiana. Nos anos seguintes, surgiram as filiais da Alemanha e da China, e mais recentemente a do Brasil. Todas funcionam sob os mesmos princípios da meritocracia - para os alunos e também para os professores, que em boa parte são os próprios executivos da empresa. O centro desde 2001 foi oficialmente renomeado para John F. Welch Leadership Center, uma clara homenagem ao executivo que mudou os rumos da empresa.


A evolução visual 
A identidade visual da GE passou por remodelações ao longo dos anos. O primeiro logotipo da empresa era representado pelas iniciais GE estilizadas. O tradicional logotipo oval com as iniciais GE ao centro foi criado em 1899, e registrado como marca exatamente no dia 18 de setembro de 1900. Esse tradicional logotipo, uma das marcas corporativas mais conhecidas do mundo, sofreu inúmeras alterações durante os anos, a última delas ocorrida em 2004, quando adquiriu a tradicional cor azul.


Os slogans 
Imagination at Work. (2003) 
Proven products for the 80’s from a proven team. (1980) 
We bring good things to life. (1979) 
One of the biggest names in almost everything. (1979) 
Progress for people. (1974) 
Progress is our most important product. (1965) 
You can put your confidence in - General Electric. (1953) 
Live better electrically. (anos de 1930) 
The Guarantee of excellence in goods electrical. (1912) 
Nós trazemos boas coisas para a vida. (Brasil)


Dados corporativos 
● Origem: Estados Unidos 
● Fundação: 15 de abril de 1892 
● Fundador: Thomas Edison, Charles Coffin, Edwin Houston e Elihu Thomsom 
● Sede mundial: Boston, Massachusetts, Estados Unidos 
● Proprietário da marca: General Electric Co. 
● Capital aberto: Sim (1896) 
● Chairman & CEO: John Flannery 
● Faturamento: US$ 122.1 bilhões (2017) 
● Lucro: - US$ 6.2 bilhões (2017) 
● Valor de mercado: US$ 123 bilhões (julho/2018) 
● Valor da marca: US$ 44.208 bilhões (2017) 
● Presença global: + 180 países 
● Presença no Brasil: Sim 
● Funcionários: 313.000 
● Segmento: Conglomerado 
● Principais produtos: Turbinas de avião, locomotivas, automação industrial, equipamentos médicos, serviços financeiros e geração de energia 
● Concorrentes diretos: Alstom, Siemens, United Technologies, Philips, Honeywell, Emerson Electric, Rolls-Royce e Matsushita Electric Industrial 
● Ícones: O fundador Thomas Edison 
● Slogan: Imagination at work. 
● Website: www.ge.com.br 

O valor 
Segundo a consultoria britânica Interbrand, somente a marca GENERAL ELECTRIC está avaliada em US$ 44.208 bilhões, ocupando a posição de número 11 no ranking das marcas mais valiosas do mundo. A empresa também ocupa a posição de número 13 no ranking da revista FORTUNE 500 de 2017 (empresas de maior faturamento no mercado americano). 

A marca no Brasil 
A GE foi uma das primeiras multinacionais a acreditar e investir no Brasil em 1919, instalando sua primeira fábrica de lâmpadas no Rio de Janeiro, pouco depois, em 1921, sendo responsável pela iluminação dos mais famosos pontos turísticos da capital carioca, como o Cristo Redentor, o Estádio do Maracanã e a Lagoa Rodrigo de Freitas. Além disso, começou a construir usinas para a conversão de energia hidráulica em eletricidade. Já em 1933 a GE iniciava atividades no campo dos aparelhos de raio-X. Em 1952, a empresa apresentou o primeiro refrigerador doméstico ao Brasil, fabricado em Santo André. Nas décadas seguintes a GE esteve presente na vida de milhões de brasileiros com a entrega da primeira locomotiva elétrica à Companhia Paulista de Estradas de Ferro em 1968; da TV em cores, com o modelo Instant Color, em 1971; com a criação da GE DAKO, produtora de eletrodomésticos, em 1996; do ingresso da GE Money no mercado ao comprar o Banco Mappin e a financeira Mesbla, em 1998; da apresentação da tecnologia de mamografia digital, seis anos antes da concorrência, no ano de 2000; e da retomada da produção de locomotivas de grande porte em Contagem (MG), em 2008.


Atualmente a GE possui oito instalações industriais no país, distribuídas entre os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, além de escritórios de vendas e marketing em outras localidades. A empresa emprega aproximadamente 7.000 pessoas e tem sua matriz instalada na cidade de São Paulo. Todos os negócios da GE, em maior ou menor proporção, mantêm atividades no Brasil. De manutenção para motores de aviões a geração de energia, passando por serviços financeiros, equipamentos de diagnóstico por imagem e plásticos de engenharia, a GE oferece ao mercado brasileiro o que há de mais sofisticado em tecnologia de produtos e serviços. A empresa conecta suas tecnologias por meio de plataformas digitais, tornando-as mais inteligentes. E suas unidades de negócio trabalham de forma integrada, promovendo a troca constante de conhecimento em busca da inovação.


A marca no mundo 
É a maior empresa Digital Industrial do mundo, dedicada a transformar a indústria com máquinas e soluções conectadas a softwares que garantem previsibilidade e respostas rápidas. A GE opera diretamente em 44 países, distribui seus produtos em outros 180, emprega mais de 313 mil pessoas em todo o mundo. Com faturamento de US$ 122 bilhões em 2017, a GE está entre as 15 maiores empresas americanas e uma das maiores empregadoras do país. A GE possui 191 fábricas localizadas em 38 estados dos Estados Unidos e Porto Rico e 348 fábricas localizadas em outros 43 países. Anualmente a GE investe mais de US$ 5 bilhões em pesquisas e desenvolvimento de novos produtos, o que resulta em aproximadamente 2.200 patentes em vários segmentos de negócios. O Centro de Pesquisas Global da GE conta com mais de 3 mil funcionários, além de 5 unidades de pesquisa de última geração localizadas em: Niskayuna, nos Estados Unidos; Bangalore, na Índia; Xangai, na China; Munique, na Alemanha, e Rio de Janeiro, no Brasil, que está em funcionamento desde 2012, no Parque Tecnológico da UFRJ. 

Você sabia? 
Em 2017 a GE não pagou bônus em dinheiro aos seus principais executivos pela primeira vez em 125 anos de história. 
O domínio www.ge.com foi oficialmente registrado no dia 5 de agosto de 1986. 
Thomas Alva Edison é até hoje o maior inventor de todos os tempos, tendo sido autor de 1.093 invenções. 


As fontes: as informações foram retiradas e compiladas do site oficial da empresa (em várias línguas), revistas (Fortune, Forbes, BusinessWeek, Isto é Dinheiro, Época Negócios e Exame), jornais (Valor Econômico, Folha, Estadão e Meio Mensagem), sites especializados em Marketing e Branding (BrandChannel e Interbrand), Wikipedia (informações devidamente checadas) e sites financeiros (Google Finance, Yahoo Finance e Hoovers). 

Última atualização em 12/7/2018

5 comentários:

Rafael disse...

A GE é a GE!
Viva a GE!
Só a GE!
Melhor que a GE não existe!

luiz benitez disse...

estou muito feliz, em estar numa empresa deste porte. Deus me abençou , muito obrigado a todos pela oportunidade de estar presente nesta imensa familia GE.

Anônimo disse...

Não sei o porque do tributo a Edison o banqueiro J.P. Morgan,comprou todas as ações de Edison e o tirou fora dos negócios , acredito que a descendencia de Edison ficou chupando o dedo.

Anônimo disse...

De fato, Edison foi um gênio, mas foi JP Morgan o grande visionário por trás da GE, da US Steel e de tantas outras, faça um post sobre o banco dele, você tem um do Goldman Sachs, JP Morgan também merece um.

wilzenayde muniz disse...

Adoro esse a geladeira GE muito Boa marca que dura. Meu sonho é trabalhar nesta empresa só por sentir que os produtos são feitos com carinho.